“Porque não reparas as brechas da tua casa?” Por Louis A. Dole

Leituras: 2 Reis 12:1-12, Mateus 21:12-27, Salmos 103

Sermão

Começando no décimo segundo capítulo de Gênesis, o Antigo Testamento conta a história do povo escolhido. Espiritualmente descreve as lutas, os desânimos e o triunfo final da igreja do Senhor e da vida celestial na regeneração da alma. O tempo do reino dividido que se seguiu à morte de Salomão foi um período de declínio. No reino do norte, Israel, esse declínio foi contínuo e rápido, mas no reino do sul, Judá, ocasionalmente, um bom rei chegava ao trono. É especialmente bonito notar que dois dos bons reis, Joás e Josias, chegaram ao trono em crianças, aos oito anos de idade. Eles são uma sombra da profecia: “Um menino os guiará”. Assim um filho rei, apresentando-se nos dias malignos, retornando o povo da idolatria, sugere o despertar de algo infantil em nós mesmos, quando nos desviamos, fazendo-nos voltar a adorar do Senhor.

O Senhor guarda os estados sagrados e as memórias em cada criança, e os guarda cuidadosamente. Esses estados são a base para a nossa associação com o céu, dos quais vêm as influências que mais tarde operam para nos guiar do mal para o bem. Muitas vezes, estamos conscientes que o recordar de algum estado inocente, terno ou alguma lembrança de dias passado são o meio pelo qual nos lembramos do nosso dever. O cuidado do Senhor em armazenar e proteger os estados inocentes da infância, que são a fonte de força no futuro é especialmente sugerido na história de Joás, a quem o bom sacerdote escondeu por seis anos na casa do Senhor, até ao momento em que ele fosse reconhecido como rei.

Muitas vezes se diz que as crianças estão a viver a parte mais feliz das suas vidas. E se isso frequentemente é verdade, é só porque elas são mais inocentes e amigáveis, mais puras e mais facilmente satisfeitas do que depois, quando o egoísmo e as ambições mundanas se desenvolvem, trazendo ansiedades, rivalidades e amargura ao coração. Se essas influências perturbadoras puderem ser fechadas, se pudermos voltar a ser como crianças pequenas, tendo uma apreciação inteligente da beleza da inocência, em comparação com os males de que nos estamos libertando, então a inocência será agora mais profunda e o amor e a pureza mais deliciosa do que era possível em infância.

Foi especialmente para tornar possível aos homens retornar à inocência sábia e à alegria do amor altruísta e não pervertido, que o Senhor veio ao mundo. A infância da raça humana era inocente e aberta ao Senhor e ao céu, mas a maturidade da raça foi cheia de violência e maldade. “Deus olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos. ” “Uma geração má e adúltera “, encontrou o Senhor quando veio ao mundo. Ele viu a miséria que os homens trouxeram sobre si mesmos. Ele não estava zangado com eles, pois o Senhor é o próprio amor. Ele veio para ajudar e salvar.

A história da reparação do templo, comandada e executada pelo Rei Joás, aplica-se a todos. O templo, que foi construído como a casa do Senhor e onde Sua presença foi sentida, é um tipo de cada morada do Senhor. É um tipo de céu e de um espírito celestial no indivíduo, e no sentido mais elevado é um tipo da Humanidade Divina do Senhor, o tabernáculo perfeito de Deus com os homens. As grandes pedras do templo, preparadas antes de serem trazidas para lá, para que nenhuma ferramenta fosse ouvida sobre elas enquanto o templo estava construindo, representam os fatos certos da verdade eterna, inalterados e não pervertidos pelos homens, sobre os quais o carácter celestial repousa . As madeiras de cedro e outras madeiras representam a compreensão racional dos princípios celestiais, e o ouro que cobriu o interior do edifício representa o amor puro e celestial que está dentro de tudo.

Se nos voltarmos para caminhos maus e egoístas e fizermos ídolos de nossas próprias ambições egoístas, a alma não é mais uma bela morada do Senhor. Seu templo cai em decadência. Diz-se que há “brechas” no templo. As brechas no templo significam especialmente a separação da verdade de Deus quando não somos fiéis ao que sabemos ser certo. Toda a força da consciência, todo esforço para fazer fielmente o que sabemos que é certo é a reparação do templo do Senhor. E há reparos do templo em maior escala quando a igreja como um todo retorna a estados melhores, especialmente quando procura aprender suas verdades para vivê-las, após um período de negligência. É uma reparação do templo que é ordenada sob a responsabilidade de Éfeso: “Lembre-se, portanto, de onde você caiu, arrependa-se e pratique as primeiras obras”.

A vida natural é desenvolvida antes da espiritual. O corpo atinge o seu desenvolvimento, os impulsos naturais são despertados – e com eles os desejos de riqueza, prazer e fama – antes que a mente racional possa alcançar o poder de comparar os prazeres naturais com os espirituais e escolher entre eles, reprimindo um e estimando o outro.

O homem natural é primeiramente impedido de realizar seus impulsos, que o levariam à lesão de outros, pelas leis, penalidades e opinião pública. Ele é obrigado a fazer trabalhos úteis de muitos tipos para obter os meios de satisfazer seus desejos. Essas restrições servem para estabelecer uma vida natural ordenada e hábitos de utilidade natural. Elas diminuem os conflitos e a infelicidade dos desejos naturais, e regulam e aumentam suas diversões. Mas elas não trazem nada da alegria do céu. Enquanto se trabalha apenas para agradar seus próprios desejos, não há nada do amor do Senhor em seu trabalho e nada da alegria do Senhor. Pois o amor do Senhor é o amor dos outros e de utilidade para eles por seu próprio bem, e não para si próprio. E enquanto o eu for realmente o primeiro na mente, não há espaço para o amor Divino.

Mas o principal foco no eu retém um lugar na mente por um longo tempo e sempre procura suplantar e destruir a construção do templo do Senhor na alma, continuamente fazendo brechas nela. Assim como uma casa repetidamente precisa de reparos, também precisa a casa de nossas almas.

A história da reparação do templo aplica-se diretamente à nossa própria experiência. Um dos detalhes desta história é que a reparação foi feita com um espírito voluntário, sem pensar em dinheiro. Isso ensina a necessidade de um espírito voluntário no trabalho de arrependimento e regeneração. O comando do rei para incluir no fundo para reparar o templo “todo o dinheiro que alguém resolver no seu coração trazer à casa de Jeová”, tal como o comando anterior de que os presentes para a construção do tabernáculo, sejam trazidos com um coração disposto, parece ensinar especialmente esta lição.

E, no dinheiro recolhido no tesouro pelo portão do templo, parece que percebemos algo do mesmo espírito amoroso que há muito tempo fez com que as duas moedas da viúva fossem preciosas aos olhos do Senhor. É esse espírito que deve animar qualquer presente ou qualquer trabalho que seja feito para contribuir para fortalecer ou embelezar o templo do Senhor em nós. O facto de nenhum cálculo ter sido feito com os trabalhadores porque eles trabalharam fielmente indica ainda mais aquele espírito único, fiel e desinteressado, que sozinho pode construir a casa do Senhor em nossas almas.

Em que condição está o templo do Senhor em nós? Existem “brechas” que precisam de reparos, lugares onde caiu em decadência? Que tipo de rei está governando em nossos corações? É um bom rei – talvez um filho rei que tenha sido mantido com segurança pelo Senhor durante os dias maldosos, algo da inocência da infância e consciência terna e sensação de justiça, que tem coragem para reparar a casa?

O Senhor está sempre nos dizendo, como Ele disse aos judeus através do profeta Ageu: “Considerai os vossos caminhos. Subi ao monte, e trazei madeira, e edificai a casa; e dela me agradarei, e serei glorificado, diz o Senhor.”.

Artigo original em: https://louisadole.wordpress.com/2015/01/30/why-repair-ye-not-the-breaches-of-the-house-by-louis-a-dole/

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: