O Mistério do 17o!

Gênesis Capítulo 6-8

Por I Gordon

Introdução

Este estudo analisa uma das histórias favoritas de qualquer escola dominical … A Arca de Noé! Ao contrário da escola dominical, no entanto, decidi não me concentrar tanto nos animais que chegam dois a dois à arca. Desculpe se foi o que você estava procurando. Mas eu tenho uma boa desculpa … É que quando chegamos ao Novo Testamento, descobrimos que a Arca de Noé é simbolicamente um tipo de Cristo e Sua ressurreição. Aqui está a escritura de que estou falando:

1 Pedro 3: 20-21 “... Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída. Nela apenas algumas pessoas, a saber, oito, foram salvas por meio da água,
e isso é representado pelo batismo que agora também salva vocês — não a remoção da sujeira do corpo, mas o compromisso de uma boa consciência diante de Deus — por meio da ressurreição de Jesus Cristo
“.

Então Pedro viu na arca de Noé e, especificamente, ela passando pelas águas, um símbolo da salvação e nosso batismo para a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Ok, até agora tudo bem! Então, vamos olhar novamente para a arca de Noé, sendo um tipo de Cristo e especificamente a algo que eu chamei de “o mistério do 17o” (que nesta fase permanecerá propositadamente um pouco, bem, misterioso …)

Observações gerais sobre Noé

Antes de entrar em nosso pequeno mistério, provavelmente vale a pena fazer algumas observações gerais rápidas. Em primeiro lugar, deve notar-se que o próprio Noé é um tipo do Senhor Jesus. Nós lemos sobre Noé que ele era

Um homem justo, irrepreensível entre as pessoas do seu tempo, e ele andou com Deus” (Gênesis 6: 9).
Deus escolheu este homem para ser o meio de salvação para aqueles que entrariam na Arca. O Novo Testamento afirma que ele era “um pregador da justiça” (2 Pedro 2: 5) e Deus certamente lhe deu uma enorme tarefa a cumprir! Mas Noé não só se empreendeu na tarefa, mas levou-a até ao fim como lemos em

Noé fez tudo exatamente como Deus o ordenou.” (Gen 6:22
Agora, tudo isso é apenas um vislumbre de outro homem que Deus usaria para a salvação. Esse homem era, naturalmente, o Senhor Jesus. Ele era o Filho de Deus, totalmente justo, que o Pai usou para salvar aqueles que confiarem Nele. E a tarefa dada a este O levaria direto à cruz. Isso significava o mais violento dos fins e sofrimento insuportável. No entanto, como Noé antes dele, Jesus fez tudo que lhe foi pedido.

Observações gerais sobre a arca
A própria arca é uma imagem ainda mais completa do Senhor Jesus. Quando as águas do juízo de Deus caíram sobre a terra, apenas os que haviam se refugiado na arca estavam seguros. Todos os que estavam fora da arca morreram. Isto, claro, retrata a salvação que é “em Cristo” (2 Tim 2:10).

A única porta

Genesis 6:16 ‘Coloque uma porta no lado da arca …’

Havia apenas um caminho para a salvação que a arca fornecia. Deus instruiu Noé a colocar uma única porta no lado da arca. Se você quisesse entrar, você precisava entrar pela porta. Da mesma forma, Deus deu apenas uma porta para entrar na salvação que Ele agora fornece. Jesus sabia bem disso, afirmando:

Então Jesus afirmou de novo: “Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas.
Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram.
Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem
“(João 10: 7-9)

Agora, dependendo do homem entrar por esta porta para encontrar a salvação, encontra-se incentivo no fato de que o próprio Deus assegurou que aquele que entrasse estaria totalmente seguro. Lemos no Gênesis 7:16 que foi o Senhor que fechou e selou a porta da arca.

Gênesis 7:16 Então o Senhor fechou a porta.

O Mistério do 17o

Gênesis 8:1-4 Então Deus lembrou-se de Noé e de todos os animais selvagens e rebanhos domésticos que estavam com ele na arca, e enviou então um vento sobre a terra, e as águas começaram a baixar.
As fontes das profundezas e as comportas do céu se fecharam, e a chuva parou.
As águas foram baixando pouco a pouco sobre a terra. Ao fim de cento e cinquenta dias, as águas tinham diminuído,
e, no décimo sétimo dia do sétimo mês, a arca pousou nas montanhas de Ararate.

Agora quero chamar sua atenção para o dia em que a arca pousou em terra. Nós lemos acima que depois que as águas recuaram, a arca tocou nas montanhas de Ararate no dia 17 do 7º mês. Isso é bem incrível, não acha? É o 17o! Não estão comigo? Ok, vamos explorar isso um pouco mais.

Nós dissemos no início do estudo que a arca é uma imagem do batismo. O descer pelas águas e voltar, é uma imagem da morte e ressurreição. Com isso em mente, veja que extraordinário o dia em que a arca tocou a terra novamente é no dia 17 do mês 7. É que, em Êxodo 12: 1, o Senhor mudou o calendário de Israel. O que tinha sido o 7º mês desde a criação passou a ser o 1º mês para os judeus. Até hoje, os judeus têm esses dois calendários (geralmente conhecidos como calendários civis e religiosos). Assim, o dia 17 do 7º mês (quando a arca veio descansar e uma nova vida nasceu para Noé e sua família) é exatamente o mesmo dia do 17º dia do primeiro mês (chamado Nisan) no calendário religioso. Então, qual é o significativo deste dia, então?

Novo nascimento e festa das primícias

Há uma série surpreendente de eventos-chave na história de Israel que ocorreram nesta data exata. O 17 de Nisan (o primeiro mês no calendário religioso) é uma data chave associada à ressurreição! Aqui está uma lista dos eventos que ocorreram neste dia:

A arca de Noé vem através das águas e repousa na terra pela primeira vez trazendo nova vida a Noé e a sua família no dia 17 de Nisan.
A festa das primícias (que simboliza a nova vida) ocorreria no primeiro domingo após a Páscoa (a Páscoa foi no dia 14 de Nisan (Ex 12), então, como sempre que essa calha quinta-feira, a festa das primícias ocorreu no dia 17 desse mês.)

Israel atravessou o Mar Vermelho no dia 17 de Nisan, tendo saído na Páscoa dia 14. Para eles, isso foi a morte de sua vida antiga (com o afogamento dos egípcios) e a ressurreição para uma nova vida em Deus no dia 17!

O maná que alimentou a nação de Israel durante os 40 anos no deserto parou no dia 16 de Nisan e, a partir do dia 17, Israel se regozijou com o novo grão da terra prometida (Josué 5: 10-12). Isso novamente é uma imagem da nova vida que veio no dia 17!

A sentença de morte pendia sobre toda a nação israelita quando seu inimigo, Hamã, tinha convencido o rei de assinar um decreto para destruí-los (Ester 3: 1-12). O decreto saiu no 13º Nisan (Ester 3:12). Ester então proclamou um jejum de três dias (Ester 4:16) para os dias 14, 15 e 16. No terceiro dia (5: 1), Ester se aproximou do rei dizendo a si mesma: “Se eu perecer, pereço!” (Uma atitude de morte ou ressurreição … está nas mãos de Deus!) No 17º Nisan, os papéis se inverteram para o inimigo Haman e, em vez de os judeus serem destruídos, sua própria vida foi tomada!

Eventos que culminaram no maior 17º. …

Agora tenho certeza de que você concordará que Deus colocou alguns eventos-chave de “ressurreição” no dia 17 de Nisan. Todos estes foram, obviamente, uma pequena imagem do maior evento que ocorreria neste dia … a ressurreição de Jesus Cristo!

Se você leu a passagem de Êxodo 12 mencionada anteriormente, notou que Deus disse aos israelitas que tomassem um cordeiro imaculado no dia 10 de Nisan e o inspecionassem até o 14º Nisan onde seria morto no sacrifício da Páscoa. O 10 de Nisan, na semana que antecedeu a crucificação de Jesus, foi o Domingo de Ramos. Foi neste dia que Ele se apresentou aos israelitas como seu Messias para ser abertamente adorado. Na quinta-feira**, 14 de Nisan, no cumprimento direto da passagem do Êxodo 12, o verdadeiro cordeiro da Páscoa foi morto pelo seu pecado e pelo meu.

O maior 17o de sempre!

Antes de atravessar o Mar Vermelho no 17º Nisan, parecia que tudo estava acabado para os israelitas. Todo o exército egípcio estava sobre eles e eles estavam completamente encurralados. E, no entanto, diante da morte, Deus comprou vida de ressurreição ao Seu povo e a morte aos seus inimigos!

Antes de ir ao rei sem aviso prévio, parecia a Ester e ao o resto de seu povo que o decreto maligno de Haman traria a morte dos judeus. E, no entanto, em um giro do destino, o 17o veio e o próprio Haman enfrentou a forca e foi derrotado!

Com a morte de Jesus, tudo parecia perdido para Seus discípulos e seguidores. O seu Messias estava morto! Aquele em quem haviam depositado toda a esperança estava desaparecido. E, no entanto, eventos estranhos no céu e no templo, no momento de Sua morte, deram uma esperança cintilante de que o fim da história ainda não havia chegado! Os discípulos, sendo judeus, sabiam que Deus havia dito a Moisés que o primeiro domingo que seguisse o sábado após a Páscoa seria o banquete das primícias. (Veja Lev. 23: 9-14). Foi neste dia que eles ofereceram a Deus os primeiros frutos da colheita. E, no entanto, mesmo os discípulos não viram que Deus estava começando novas “primícias” neste dia, o 17º Nisan. Uma “primícia” daqueles que seriam ressuscitados dos mortos! Leia novamente os eventos que aconteceram naquele grande dia!

Lucas 24:1-8 “No primeiro dia da semana (17 de Nisan), de manhã bem cedo, as mulheres tomaram as especiarias aromáticas que haviam preparado e foram ao sepulcro.
Encontraram removida a pedra do sepulcro,
mas, quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus.
Ficaram perplexas, sem saber o que fazer. De repente dois homens com roupas que brilhavam como a luz do sol colocaram-se ao lado delas.
Amedrontadas, as mulheres baixaram o rosto para o chão, e os homens lhes disseram: “Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive?
Ele não está aqui! Ressuscitou! Lembrem-se do que ele lhes disse, quando ainda estava com vocês na Galiléia:
‘É necessário que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, seja crucificado e ressuscite no terceiro dia’ “.
Então se lembraram das suas palavras.”

1 Coríntios 15:20-23 “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo as primícias dentre aqueles que dormiram.
Visto que a morte veio por meio de um só homem, também a ressurreição dos mortos veio por meio de um só homem.
Pois da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados.
Mas cada um por sua vez: Cristo, o primeiro; depois, quando ele vier, os que lhe pertencem.”

Como foi anteriormente na derrota dos egípcios e a morte de Hamã no mesmo dia, este domingo de manhã viu a ressurreição de Jesus e a derrota de Satanás! A morte foi transformada em vida e a derrota em vitória!

Conclusão

Uma das coisas que eu amo em Deus é que Ele é muito exato e preciso. Parece que Ele adora fornecer pistas, pequenas migalhas de pão, ao longo de Sua Palavra para que possamos seguir, se dedicarmos tempo. O mistério do 17o é uma dessas migalhas de pão. O que começa como uma data insignificante mencionada em Gênesis 8: 4 é, na realidade, a primeira de uma série de pistas que Deus deu apontando para a ressurreição de Seu querido Filho! Tudo o que precisamos fazer é dedicar mais tempo procurando e seguindo as pistas! E se você seguir estas até o fim, você descobrirá que as pistas de Deus sempre conduzem ao Seu querido Filho, Jesus!

 

Artigo original em: http://www.jesusplusnothing.com/studies/quick/genesis8.htm

**o autor aqui comete o erro de dizer que é quinta que Cristo é sacrificado, mas é uma sexta como já demonstrado em artigo no site, mas está correto no facto de a ressurreição ocorrer domingo dia 17 Nisan

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: