Códigos escondidos no DNA

O sistema de linguagem mais complexo do mundo está localizado dentro de cada célula do seu corpo. Agora os biólogos estão descobrindo que o DNA está escondendo um idioma dentro de um idioma.

Quando digo que há códigos ocultos no DNA, algumas pessoas saltam à conclusão de que acredito que “mensagens de Deus” foram escritas em nosso DNA. Uma vez me enviaram um artigo alegando que os pesquisadores tinham traduzido versos da Bíblia do DNA, mas obviamente era uma falsificação. Esse não é o tipo de mensagens escondidas que eu quero discutir.

Os cientistas agora estão descobrindo que nosso DNA realmente tem códigos ocultos que têm uma função prática e propósito em nossas células. É como descobrir uma mensagem codificada que significa uma coisa quando você a lê em inglês, mas se você retirar cada terceira letra, significa algo completamente diferente em francês. Quão complicado é isso!

Crianças em escolas públicas são bombardeadas com alegações de que processos aleatórios podem explicar as mensagens codificadas em DNA, e isso cria dúvidas nas afirmações da Bíblia sobre o Criador. Portanto, precisamos de acompanhar estas novas descobertas surpreendentes, como a de “mensagens dentro de mensagens”. Elas confirmam que o DNA nunca poderia se montar ao acaso pela evolução e confirmam em vez disso o rótulo “Designer Necessário”.

As mesmas “letras”, múltiplos significados

A genética pode tornar-se muito complicada muito rapidamente. Mas todos precisam entender o básico porque é central para defender nossa fé nesta era cética e científica. A maneira mais fácil de entender DNA é através de uma comparação com a linguagem.

O inglês usa 26 letras do alfabeto latino, que podem ser arrastadas para produzir centenas de milhares de palavras na língua inglesa. O francês usa essas mesmas letras para produzir todas as palavras nesse idioma. Da mesma forma, o DNA é composto por quatro bases simbolizadas pelas letras A, T, C e G. Estas “letras” podem ser organizadas em milhares e milhares de sequências diferentes com diferentes significados, dependendo de como você as lê.

O propósito mais familiar das sequências genéticas é fornecer instruções para produzir proteínas (os blocos de construção de nossos corpos, como colágeno em nossa pele). Mas essas letras também podem ser usadas para fornecer instruções para regulamentação, embalamento e muitos outros deveres na célula. Até recentemente, os cientistas acreditavam que cada sequência de DNA servia apenas um propósito ou outro, mas não ambos. Agora, no entanto, os cientistas estão descobrindo que o mesmo código de DNA pode ser usado para ambos. As células basicamente leem o mesmo fio de DNA para dois tipos de informação ao mesmo tempo!

Abaixo estão dois exemplos surpreendentes de codificação multipropósito, mas que parecem ser apenas a ponta do iceberg na complexidade do DNA.

“Letras” de duplo uso

A primeira maravilha multiuso não é difícil de entender se você continuar a analogia do idioma. Assim como o DNA tem quatro “letras”, essas letras são combinadas em “palavras” de três letras, chamadas codões. Essas palavras são combinadas em frases e parágrafos que, em última instância, formam conjuntos completos de instruções para fazer proteínas ou regulá-las.

Torna-se mais complicado que isso porque as instruções originais são mantidas seguras na biblioteca central da célula, ou no núcleo. Como o DNA geralmente não deixa o núcleo, as instruções devem primeiro ser copiadas para um “documento” intermediário conhecido como RNA. Este documento codificado deixa o núcleo e é levado para as fábricas da célula, onde as instruções são lidas para montar proteínas.

Acredita-se que os codões tenham apenas um propósito: passar as instruções para a construção de proteínas. Pesquisa recente mudou essa ideia. Eles podem realizar outros dois fins.

Regulando a Taxa de que o DNA é copiado para RNA

Os cientistas descobriram que alguns codões podem também desempenhar um papel na regulação da taxa em que a biblioteca central é copiada do DNA para o RNA. Estima-se que 15% dos codões (chamados duons) atendam a este duplo propósito.

Um dos pesquisadores, o Dr. John Stamatoyannopoulos, afirmou sua surpresa: “Durante mais de 40 anos assumimos que as mudanças de DNA que afetam o código genético influenciam unicamente o modo como as proteínas são feitas. Agora, sabemos que essa suposição básica sobre a leitura do genoma humano não contemplava metade do quadro. “Ao invés de ser o produto de processos aleatórios e acaso, o DNA tem a marca de um design incrível.

Pausando a produção de proteínas para produzir as dobras corretas

À medida que a célula reúne proteínas, a proteína em crescimento começa a dobrar. O dobramento adequado é muito importante para a função da proteína. As proteínas mal dobradas não funcionam corretamente. Os cientistas descobriram que alguns codões parecem desempenhar outro papel duplo: eles atingem o botão “pausa” durante a construção de proteínas para permitir a dobragem adequada.

Esta descoberta aclara um mistério na genética. Várias palavras (codões) pareciam ter o mesmo significado. Por exemplo, os codões CCA, CCG e CCC são todos os códigos para o mesmo aminoácido, a prolina. Em todos os meus anos de escolaridade e ensino, sempre aprendemos e ensinamos que essa redundância fez com que o código fosse mais robusto. Uma mutação que muda CCA para CCC não altera necessariamente o aminoácido que produz, de modo que a mudança foi pensada para ter pouco ou nenhum impacto prejudicial.

Pesquisas recentes mostraram que combinações diferentes de codões encadeados (chamados de hexâmeros), realmente carregam instruções. Como uma vírgula em uma frase, eles podem produzir uma “pausa” no código. Cada proteína deve pausar nos momentos certos durante sua formação, ou então não se dobrará adequadamente. Uma mudança de CCA para CCC, em nosso exemplo, não alterará a prolina, mas pode remover uma pausa necessária e alterar o “significado”.

Os cientistas envolvidos com esta pesquisa declararam: “A redundância do codão para o mapeamento de aminoácidos, portanto, é tudo menos supérflua ou degenerada”. Mais uma vez, vemos evidências de que o DNA não foi montado ao longo de eons, mas sim foi montado propositadamente pelo Deus Criador.

Genes de codificação dupla

Outro princípio central da biologia molecular está agora no limbo: um gene codifica uma proteína. Nunca aprendi nem ensinei nada em contrário. Antes que o genoma humano fosse sequenciado, os cientistas previram encontrar aproximadamente 100.000 genes, pois sabemos que o corpo humano possui pelo menos 100.000 proteínas. Muito para a surpresa dos cientistas, eles encontraram apenas 20.000-25.000 genes quando eles sequenciaram o genoma humano. Então, como você obtém 100.000 ou mais proteínas de tão poucos genes? Uma possibilidade é que alguns genes são de codificação dupla – eles codificam para mais de uma proteína.

Vários genes de codificação dupla já foram descobertos, e os cientistas preveem encontrar muitos mais. Quando digo que esses genes codificam para duas proteínas, não quero dizer duas versões da mesma proteína; quero dizer, duas proteínas distintas que possuem diferentes estruturas e funções diferentes.

Por exemplo, as instruções para uma proteína podem começar no início do gene, mas as instruções para a outra proteína começam 500 letras na linha. Isso não leva a apenas uma forma abreviada da proteína, mas diferentes conjuntos de palavras (codões) para fabricar uma proteína inteiramente diferente.

Os genes de codificação dupla são comuns em bactérias e vírus. Esses organismos são muito pequenos, por isso foram projetados para fazer o uso mais eficiente do espaço. Um gene pode codificar proteínas múltiplas. Mas ninguém esperava isso em mamíferos. Os autores de um estudo declararam: “Nós simplesmente não acreditamos que os genes de codificação dupla pudessem ocorrer em eucariotas [organismos que não são bactérias]”. Os genomas de mamíferos são tão grandes que não pareciam precisar de genes de codificação dupla.

Verdade, os cientistas sabem há algum tempo que certos genes codificam para mais de uma proteína, mas eles pensaram que apenas uma das proteínas era funcional e que a outra era apenas um artefacto inútil da evolução. Assim, as ideias evolutivas inibiram a pesquisa e a compreensão. Estudos recentes mostraram que ambas as proteínas de genes de codificação dupla são realmente funcionais.

Qual a probabilidade que os genes de codificação dupla tenham ocorrido por acaso? O título de uma seção de um artigo sobre genes de codificação dupla diz tudo: “A codificação dupla é praticamente impossível por chance”. Em outras palavras, a programação dessa natureza exige um programador!

Feito pelo Deus Criador

Quer olhemos para códigos ocultos em codões ou em genes, o rótulo “Made By” deve, sem dúvida, ler “o Deus Criador”. Acredito que a informação codificada pelo DNA é tão vasta e multicamadas que é impossível de quantificar.

Os códigos ocultos representam um problema real para a evolução. É provável que as mudanças tenham múltiplos efeitos em várias funções. Quais são as probabilidades de que todas essas mudanças fossem benéficas?

Romanos 1:20 afirma que Deus pode ser conhecido através do que Ele fez. A evidência é tão clara que as pessoas estão “sem desculpa” ao negar a existência dele. Os códigos ocultos são um grande testemunho do papel de Deus como um Criador inteligente e sábio. E pense nisso: estes são apenas alguns dos códigos ocultos que conhecemos. Quantas são mais para descobrir?

 

Artigo original por Dr. Georgia Purdom em: https://answersingenesis.org/biology/microbiology/dnas-hidden-codes/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: