Milagres de Jesus ao Sábado

Qual de seus muitos milagres fez Jesus a um sábado? Onde os fez e a quem afetaram? O que nos ensinam os atos milagrosos de Cristo sobre o VERDADEIRO significado espiritual do quarto mandamento? Este artigo examina brevemente, em ordem cronológica, esses eventos realizados no sétimo dia fora de uma sinagoga (veja nosso artigo que aborda os três milagres de Cristo em sinagogas que discutem sobre esses outros eventos).

O primeiro dos quatro milagres não-sinagoga de sábado de Jesus foi também sua primeira cura registada desde o início de seu ministério no Outono de 26 DC. Ocorreu na cidade de Cafarnaum pouco tempo depois do Dia de Pentecostes em 27 DC (Lucas 4:16 – 30). Após os serviços da sinagoga, Ele, junto com Tiago e João, visitou a casa onde Pedro e André viveram.

À medida que o Sábado começava lentamente a terminar (os dias terminavam ao pôr-do-sol), os discípulos descobriram que a sogra de Pedro (ele era casado quando foi chamado) estava doente de febre.

. . . e falaram a respeito dela a Jesus.
Então ele se aproximou dela, tomou-a pela mão e ajudou-a a levantar-se. A febre a deixou, e ela começou a servi-los. (Mateus 1:30 – 31, veja também Mateus 8:14 – 15, Lucas 4:38 – 39, HBFV).

É interessante notar que Jesus, que viveu para ministrar (servir), realizou um milagre por meio do qual Ele curou uma mulher para que ela também pudesse servir os outros no dia de descanso de Deus. Isso mostra que ser misericordioso e oferecer serviço altruísta aos outros é parte integrante de adorar a Deus no sábado “no espírito e na verdade” (João 4:23).

Desafiando o Status Quo

O segundo dos quatro milagres do sábado que iremos abordar aconteceu em Jerusalém, durante a temporada dos festivais de outono, em 28 DC, Jesus que aproveitava todas as oportunidades para esclarecer a verdadeira intenção espiritual da lei de Deus, cura publicamente uma pessoa que desafia as crenças errôneas antigas a respeito do sábado. A cura, mencionada apenas em um relato evangélico (João 5: 1-18), é de um homem que havia sido incapacitado e incapaz de andar por trinta e oito anos.

Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda.
Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado. (João 5;8-9)

O que muitas vezes é ignorado quanto aos milagres de cura de Jesus (especialmente aqueles no sábado) é que estes são sempre multidimensionais, o que significa que eles curaram muito mais do que parece na superfície. Por exemplo, nosso Salvador poderia ter curado a enfermidade da pessoa acima, mas a deixado com pernas fracas, exigindo que o homem as fortalecesse e voltasse a aprender a andar. Em vez disso, Cristo não só trouxe de volta a força para as pernas, mas também restaurou os nervos e caminhos cerebrais que possibilitam a caminhada, de modo que o homem pudesse se transportar como se ele nunca tivesse tido deficiência!

10. Por esta razão, os judeus disseram ao homem que havia sido curado: “É o dia do sábado (sábado). Não é lícito para você pegar sua cama” (versículo 10)

Os judeus, com a sua longa lista de o que a “tradição dos anciãos” (Mateus 15: 2 – 6, Marcos 7: 3-13) declarava o que poderia e não poderia se fazer no sábado, proibia o transporte de vários objetos porque eles ( não Deus) acreditavam que constituía trabalho que profanava o dia. Foram essas regras, que tentavam micro-gerenciar a vida das pessoas, que fizeram com que o dia do descanso bíblico fosse considerado um fardo e não uma grande bênção! Jesus, por outro lado, como “Senhor do Sábado” (Mateus 12: 8), sabia que carregar uma cama leve usada para proporcionar conforto, não era profanar o quarto mandamento. Ele não teve nenhum problema em realizar um milagre de cura, depois dizendo ao homem para pegar sua cama e ir para casa.

A piscina de Siloé

O próximo milagre ao sábado de Jesus fora de uma sinagoga é um dos seus mais conhecidos. Ocorreu na piscina de Siloé de Jerusalém logo após a Festa dos Tabernáculos em 29 DC (João 9). Um homem, nascido cego, é curado depois que Jesus lava com argila seus olhos. Ele é então levado perante os fariseus, que o interrogam sobre o modo como ele recebeu sua visão. A admiração por um homem, que todos sabiam ser cego desde o nascimento, ser curado pelo Senhor causou uma grande agitação.

16. Então alguns dos fariseus disseram: “Este homem não é de Deus porque Ele não guarda o sábado”. Outros disseram: “Como um homem que é pecador faz tais milagres?” E havia uma divisão entre eles (João 9:16)

De acordo com o Comentário de Antecedentes da Bíblia, amassar massa (amplamente referenciado a Jesus “amassando” argila nos olhos de alguém) foi uma das trinta e nove classes de trabalho que a tradição judaica proibiu no sábado. A Exposição de John Gill afirma que, embora os judeus permitissem colocar uma emulsão ou um gesso nos olhos, se fosse por prazer, esse ato não era permitido no sábado para a cura!

Um milagre público tão espetacular no sábado começou a fazer com que alguns dos líderes religiosos questionassem sua interpretação da Lei bíblica. Tal introspeção em relação a Cristo e o que Ele ensinava sem dúvida levou alguns a crer que Ele era o Messias prometido (ver João 7:50, 12:42, Atos 6: 7, etc.).

Cilada

O final de quatro milagres do sábado que vamos analisar, gravado apenas em Lucas, ocorreu em algum momento entre o Outono de 29 DC e a primavera de 30 DC (quando Cristo foi crucificado).

Aconteceu num sábado que, entrando Ele em casa de um dos principais dos fariseus para comer pão, eles o estavam observando.
E eis que estava ali diante dele um certo homem hidrópico.
E Jesus, tomando a palavra, falou aos doutores da lei, e aos fariseus, dizendo: É lícito curar no sábado?
Eles, porém, calaram-se. E, tomando-o, o curou e despediu. (Lucas 14: 1-4)

Algo, no entanto, é bastante estranho. Como o homem com hidropisia, que não era líder religioso ou professor da Bíblia, acabou por estar presente em uma refeição exclusiva dada na casa de um fariseu influente? Tais líderes religiosos judeus eram bem conhecidos por olhar com desprezo para os outros, especialmente os pobres e os doentes (Lucas 7:36 – 39, 18: 9-14, 19: 7). Seria a presença do homem mera chance?

O versículo 1 acima afirma que no momento em que Jesus apareceu na casa dos fariseus no sábado, Ele estava sendo vigiado ativamente por líderes judeus. Então, um homem que sofria de uma doença que era claramente percetível (partes inchadas do corpo) aparece na reunião sem que ninguém questionasse por que ele estava lá. Na verdade, não só o homem não diz nada, as Escrituras não afirmam que o homem estava buscando Cristo para o propósito expresso de receber um milagre! Ele parece, quase milagrosamente, aparecer na frente do Senhor. Ele permanece silenciosamente diante dele como para ver como ele seria tratado.

É altamente provável, devido ao seu ódio a Cristo e à sua mensagem, que os fariseus organizaram a refeição do sábado e convidaram o Senhor com o propósito expresso de encorajá-lo a realizar um dos seus milagres de cura. Uma vez que eles acreditavam firmemente que tal ato no sábado era um grande pecado, ver Jesus desobedecer abertamente suas regras, daria mais provas para justificar a decisão da pena de morte (Mateus 26:59 a 68, Marcos 14:55 – 65 ). Seus planos, no entanto, não dissuadiram nosso Salvador de demonstrar, mais uma vez, que oferecer misericórdia no dia do descanso cumpre seu verdadeiro significado e agrada a Deus.

 

Artigo original em: http://www.biblestudy.org/godsrest/saturday-miracles.html

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: