Saiba o que não dizer

Os cristãos devem ser os faladores mais cuidadosos do mundo. Relativamente a palavras devemos ser caracterizados por dois tipos de tremores: devemos tremer às palavras que Deus fala e devemos tremer às palavras que falamos.

Sabemos que devemos tremer à Palavra de Deus, pois Ele nos diz,

“Este é aquele a quem Eu vou olhar: aquele que é humilde e contrito em espírito e treme em minha palavra.” (Isaías 66: 2)

Mas por que devemos tremer às palavras que falamos? Porque Jesus disse:

“‘Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado. ” (Mateus 12: 36-37).

“Toda palavra frívola”. Isso deve-nos alertar. Isso deve nos fazer tremer, considerando as palavras que falamos. E por “falar” quero dizer todas as palavras que saem da nossa boca, nossas canetas e nossos teclados. Nós falamos milhares de palavras todos os dias, às vezes dezenas de milhares.

Quando experimentamos esses dois tipos de tremores, eles ocorrem pelo mesmo motivo: amamos e tememos a Deus e não desejamos profanar sua santa palavra nem profanar sua santidade com nossas palavras profanas. Esse tremor nos faz querer falar com cuidado e, às vezes, não falar em absoluto. Porque acreditamos que,

Para tudo, há uma estação, e um tempo para cada assunto sob o céu:. . . um tempo para manter o silêncio e um tempo para falar. (Eclesiastes 3: 1, 7)

Um tempo para manter o silêncio

Há realmente um tempo para ficar em silêncio. E esse tempo é mais frequente do que a maioria de nós está condicionada a pensar.

Vivemos numa época de incessante conversa. Nunca na história humana o barulho da comunicação humana foi tão constante. Mesmo quando ficamos calados, não estamos em silêncio, pois recebemos e conversamos através da nossa mídia digital. Nossa cultura não acredita que “um tolo multiplica palavras” (Eclesiastes 10:14).

A um nível, acredita que as palavras multiplicadas trazem conhecimento multiplicado, e o conhecimento multiplicado traz sabedoria multiplicada. Em outro nível, não temendo a Deus, simplesmente não se importa com quantas palavras fluem. Por isso, incessantemente nos inunda com informações, análises, comentários, críticas, opiniões e zombarias em cada fluxo de comunicação. Não podemos deixar de ser condicionados por este ambiente.

E com o advento das mídias sociais, quase todos agora têm uma plataforma de transmissão a partir da qual eles podem divulgar publicamente qualquer questão social, cultural, política, econômica ou teológica, qualquer controvérsia, qualquer escândalo, qualquer coisa que quiserem, independentemente do que realmente sabem. E enquanto a democratização da comunicação pública é um fenômeno histórico notável e certamente tem alguns benefícios maravilhosos, é também uma coisa perigosa, espiritualmente falando. É um fórum imenso de palavras multiplicadas, tolas e descuidadas, para as quais todos os participantes, sejam eles conhecedores ou não, darão uma conta a Deus.

O principio da sabedoria

Os cristãos sabem que “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria” e “o começo do conhecimento” (Salmo 111: 10, Provérbios 1: 7). E uma expressão desse temor é tremer na palavra santa de Deus, e nas nossa palavras.

Somos ensinados que é profundamente sábio para nós cultivar a disciplina de ser lento para falar (Tiago 1:19). Lento para falar implica que há um tempo para o silêncio. Às vezes, significa que ficamos em silêncio por algum período de tempo adequado ou prolongado, ao mesmo tempo em que somos rápidos a ouvir (ouvindo atentamente), para que possamos obter uma compreensão precisa de um problema antes de falar com cuidado. E às vezes significa que não falamos nada. O primeiro é sempre uma necessidade para nós; o último é muitas vezes uma necessidade.

Deus nos chama a viver diferentemente à cultura que desencadeia a língua. Em um mundo onde a informação rápida, o comentário rápido e o contra comentário rápido estão acendendo continuamente incêndios florestais de palavras (James 3: 5), os filhos e filhas de Deus são chamados a ser pacificadores de fogo (Mateus 5: 9). E uma das formas subutilizadas de pacificação é reconhecer o tempo para manter o silêncio. Menos palavras podem ser menos combustível para os incêndios.

Um tempo para falar

Mas os cristãos nem sempre devem manter o silêncio. Há um tempo para falar e há coisas que devemos dizer. Nosso Deus é um Deus falante e sabemos que Ele definitivamente quer que possamos falar (Mateus 24:14; 28: 19-20).

Mas quando Deus fala, Ele fala muito intencionalmente e, considerando sua onisciência, Ele fala com tremenda restrição. E é assim que Ele quer que nós falemos, como seus filhos e embaixadores extremamente não-oniscientes (2 Coríntios 5:20): intencionalmente e com moderação. Ele quer que aprendamos a falar como Jesus.

Nós, como Job, temos a tendência de falar com rapidez e confiança sobre coisas que realmente não entendemos (Job 42: 3). Mas Jesus, muitas vezes, dizia menos do que sabia porque estava ouvindo o Pai e dizendo apenas o que Ele discernia que deveria dizer (João 8:26). Só porque Ele tinha uma boca e uma plataforma pública não significava que Ele deveria sempre empregá-los. Pelo contrário, Ele disse: “Não faço nada por minha própria autoridade, mas falo como o Pai me ensinou” (João 8:28). Ele perfeitamente viveu e modelou para nós este versículo:

Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios. (Salmo 141: 3)

Deus implanta seus filhos estrategicamente em todas as esferas. Ele nos dá a cada um diferentes tarefas e nos dá a todos algumas coisas para dizer para levar o evangelho a todas nossas limitadas esferas. Cada um de nós deve discernir com oração nossas esferas e limitações. Nenhum de nós, como indivíduos, igrejas ou organizações, é chamado a abordar todas as questões atuais. E se isso é verdade em questões que conhecemos, é especialmente verdade em questões com as quais temos pouca ou nenhuma experiência pessoal.

Se estivermos em alguma forma de liderança onde somos chamados a abordar essa questão, primeiro devemos orar pela sabedoria e então devemos ser publicamente honestos sobre o que não sabemos e não sucumbir à pressão e tentar falar mais do que sabemos. E então, se o Senhor conduz, devemos perseguir a compreensão necessária para falar com mais utilidade.

E quando discernimos a direção de Deus para nós falarmos, nós, como Jesus, lembremo-nos que nossas bocas, dedos e plataformas pertencem a Deus. Não podemos dizer o que quisermos sobre o que sabemos. Não fazemos nada por nossa própria autoridade, mas devemos dizer apenas o que discernimos que Deus quer que digamos.

Rígido, carinhoso ou silencioso?

Nós falamos a verdade em amor (Efésios 4:15), mas não falamos para “gostos” humanos; falamos para aprovação de Deus. Isso significa que às vezes falamos uma verdade amorosa que é terna e doce (Provérbios 16:24), e outras vezes falamos uma verdade amorosa que é graciosamente dura (Provérbios 27: 6). Isso é falar como Jesus, que às vezes dizia coisas como: ” Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei ” (Mateus 11:28), e que em outras ocasiões disse coisas como: ” eu vo-lo afirmo; mas, se não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis. “(Lucas 13: 5).

Discernir quando dizer uma verdade carinhosa e amorosa, quando dizer uma verdade dura e amorosa, e quando não dizer nada é a tensão que Deus criou propositadamente para nos manter dependentes da oração a Ele. Muitas vezes, não é manifestamente óbvio. Há momentos em que realmente queremos falar e não devemos. E há momentos em que realmente não queremos falar, mas devemos.

O que mais nos ajudará a discernir quando é hora de manter o silêncio ou um tempo para falar é cultivar um tremor sagrado na palavra de Deus e nas nossas palavras. O tipo certo de temor do Senhor é nosso melhor guarda-lamas.

 

Artigo original por Jon Bloom em: https://www.desiringgod.org/articles/know-what-not-to-say

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: