“Ela estaria melhor morta” Três formas de abordar a deficiência

Trabalhar como especialista em deficiência na zona rural do norte da Índia, onde as visões do mundo são formadas com base em tradições e mitos, tivemos a oportunidade de testemunhar o impressionante estigma, exclusões e injustiças que as pessoas com deficiências e suas famílias enfrentam.

Lembro-me de ficar chocado quando ouvi pela primeira vez um pai dizer, diante de sua linda garota que tinha uma deficiência – uma deficiência semelhante à deficiência da minha filha – que sua filha estaria melhor morta. Eu ouvi sentimentos como este expressos muitas vezes desde então.

“Ela estaria melhor morta.”

Este horror faz sentido em uma visão hindu. Tendo “feito tempo” pelos pecados da vida passada, a morte significaria uma chance melhor na próxima reencarnação. Os seguidores de Cristo têm notícias muito melhores para qualquer pessoa com deficiência e para qualquer pessoa que viva com alguém com deficiência. O mito da reencarnação empalidece contra a promessa de ressurreição.

Jantares à “Lucas 14”

Nós nos sentimos abençoados por ter feito parte de atividades, como retiros familiares e jantares tipo “Lucas 14”, em que as igrejas se envolvem ativamente em amor para incluir as pessoas com deficiência.

Nestes jantares à Lucas 14 – inspirados nas palavras de Jesus em Lucas 14: 12-14 – as igrejas hospedam pessoas com deficiência para uma noite de entretenimento, boa comida e companheirismo. O ato de hospitalidade não mostra apenas o amor de Deus aos marginalizados, mas também demonstra a suas famílias e à comunidade que o reino de Deus acolhe com alegria aqueles que a sociedade ignora ou rejeita. Esse tipo de hospitalidade mostra que Deus ama seus filhos, independentemente de sua capacidade.

Embora você possa não ouvir alguém dizer “ela estaria melhor morta”, na América, o sentimento é tragicamente predominante. O status e o valor são prontamente determinados pela produtividade funcional das pessoas, sua contribuição para a produção econômica nacional e até mesmo sua contribuição para nossa felicidade pessoal. Nacionalmente, a América aborta, aparentemente sem consciência, a maioria dos bebês que são diagnosticados com uma deficiência. Na verdade, estamos dizendo: “Estamos melhor se ela estiver morta”.

Quatro razões para o cuidado energético

Sempre que os cristãos abraçam intencionalmente e entusiasticamente pessoas com deficiências, elevamos a glória de Deus nessa sociedade. Devemos nos dedicar a cuidar desses homens e mulheres, em primeiro lugar, porque cada pessoa é criada à imagem de Deus (Gênesis 1: 26-27). Todos os homens e mulheres com deficiência apresentam a inconfundível e inestimável imagem de seu Criador. E se Deus colocou sua imagem sobre essas pessoas, não ousamos ignorá-las ou aliená-las – ou pior.

Em segundo lugar, a deficiência é uma personificação bela e física dos tesouros mantidos em potes de barro (2 Coríntios 4: 7). O que vemos e experimentamos em nossa existência corpórea é um óbvio desgaste externo, mas, na verdade, Seu poder todo-supremo brilha através do nosso quebrantamento. O ministério da deficiência em uma igreja abre outra porta única para nós testemunharmos Deus glorificar sua força. E impede-nos de nos conformarmos com um mundo obcecado com a aparência do jarro.

Terceiro, o ministério da deficiência lembra a igreja que o sofrimento não é aleatório. Pelo contrário, é um instrumento que Deus pretende usar para a nossa maior e mais duradoura alegria. O sofrimento produz perseverança; perseverança, caráter; caráter, esperança; e a esperança não nos dececiona (Romanos 5: 3–5). Obediência através do sofrimento produz esperança, perseverança e alegria. Temos experimentado isso repetidas vezes no ministério da deficiência.

Quarto, enquanto o mundo vê pouco valor na deficiência – respondendo com eugenia, eutanásia e aborto seletivo – Jesus lembra aos seus discípulos que o homem cego de nascença nasceu assim com um propósito. Esse propósito era “para que as obras de Deus fossem exibidas” (João 9: 3). Nós nos movemos em direção aos deficientes porque ansiosamente esperamos ver o que Deus pode fazer.

Que podemos nós fazer?

O que podem as igrejas fazer, praticamente falando, para cuidar e atender as pessoas com deficiências? Estudamos os amigos do homem com paralisia em Marcos 2: 1–12. A história deles nos inspirou em nosso ministério entre os deficientes na Índia e oferece um paradigma para acolher a deficiência na nossa comunidade.

  1. Torne-se um amigo

“E eles vieram. . . ”(Marcos 2: 3)
Esses homens eram amigos do homem paralisado. O ato deles em seu nome era sacrificial – ele provavelmente não teria sido capaz de pagá-los. Jesus vê seu amor como um ato de fé e dá ao seu amigo uma nova vida – perdão e cura (Marcos 2: 5, 10-12).

Aqueles que testemunharam o que aconteceu disseram: “Nunca vimos algo assim!” (Marcos 2:12). A amizade com uma pessoa com deficiência pode exigir auto-sacrifício – muito sacrifício -, mas Deus pode trabalhar através de tais atos de fé para abrir nossos olhos para Sua glória. Normalmente, fazemos amigos com base em interesses comuns, mas quando nos atrevemos a sair e nos tornar amigos daqueles que são diferentes de nós, incluindo pessoas com deficiências, o mundo notará.

  1. Traga-os para dentro

“E eles vieram, trazendo para Ele um paralítico levado por quatro homens” (Marcos 2: 3).

A história deixa claro que não havia espaço para alguém chegar a Jesus. Os amigos do homem com paralisia foram além de simpatizar com ele, e se esforçaram para trazê-lo ao encontro de Jesus, superando obstáculos significativos para fazê-lo.

Convide as pessoas com deficiência para a sua igreja para conhecer Jesus. Na parábola do grande banquete em Lucas 14: 15–24, notamos que o mestre não dá uma escolha, mas ordena que eles tragam as pessoas e encham a casa. Como seria para você (e sua igreja) fazer um esforço extra para receber pessoas com deficiências físicas ou mentais?

  1. Derrube barreiras

“Porém, como eles não conseguiam levá-lo até junto de Jesus, por causa da multidão, subiram ao telhado. Fizeram uma abertura mesmo por cima do lugar onde Jesus estava e desceram o paralítico deitado na sua enxerga.” (Marcos 2: 4).

Os amigos do paralítico fizeram o que ele não podia, criando um caminho para ele vir a Jesus. De maneira semelhante, porém, mais profunda, Jesus foi até a cruz para dar a qualquer um que acreditasse nele acesso a Deus. Quão triste é, então, quando nossas atitudes e ambiente inacessível da igreja erguem barreiras que impedem as pessoas de se encontrarem com Deus. Nossa tarefa é remover tantas barreiras quanto pudermos para que todos tenham a oportunidade de ouvir as boas novas. Podemos precisar, por exemplo, construir rampas em vez de romper os telhados para permitir que nossos amigos com deficiência entrem e encontrem Jesus.

Conheça Priyanka

Uma história desse tipo de amizade se destaca da nossa experiência aqui na Índia. Um pastor que conhecemos se tornou amigo de uma garota com deficiência, quebrando barreiras sociais graves no processo. Ele fez tempo para se ligar a essa garota e sua família, e a convidou para sua igreja. O nome dela é Priyanka.

Ninguém na família dela estava disposto a levá-la à igreja, como eles tinham que estar com o gado, mas este pastor se comprometeu a levá-la em suas costas ao longo do caminho de dois quilômetros até a igreja. Entre outras razões, a história se destaca porque foi um pastor, não um pai, que tomou a primeira iniciativa para cuidar dessa criança. Ele fez isso durante vários meses, e Priyanka experimentou a cura espiritual e social através de sua igreja.

Enquanto isso, é claro, a igreja também experimentou as bênçãos por tê-la ali. Com o tempo, a família de Priyanka notou e apreciou tudo o que havia mudado em sua vida, então eles também começaram a frequentar a igreja. Agora toda a família chegou à fé, juntamente com mais dezassete pessoas de sua aldeia. O pai de Priyanka se tornou um plantador de igrejas. Ele agora está alcançando todos os que estão em sua área com o evangelho, incluindo aqueles com deficiências.

Oramos para que muito mais igrejas – na Índia, nos Estados Unidos e em todo o mundo – adotem esse tipo de fidelidade e vejam esse tipo de fruto cuidando de pessoas com deficiências – tornando-se um amigo, trazendo-as para dentro e quebrando todas as barreiras possíveis.

 

Artigo original por Martin John em: https://www.desiringgod.org/articles/she-would-be-better-off-dead

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: