Inerrância e o teste da verdade

A doutrina da inerrância das Escrituras é uma das doutrinas mais importantes do cristianismo a ser defendida, especialmente quando as forças céticas aumentam seu ataque à veracidade da Bíblia. Neste artigo, vou definir o conceito fundamental da verdade, revisar o caso para a veracidade absoluta (ou inerrância) da Escritura, e então discutir como a Bíblia passa no “teste da verdade” até aos detalhes de suas afirmações.

O que é verdade?

O conceito de inerrância baseia-se na visão de correspondência da verdade e na lei da não-contradição.

De acordo com a visão de correspondência da verdade, a verdade é uma afirmação ou ideia que corresponde à realidade. Em outras palavras, uma afirmação é verdadeira se e somente se corresponder ao modo como as coisas realmente são. Minhas afirmações devem corresponder à realidade. Eu posso dizer que a terra é plana ou que o céu é verde – mas isso não os torna assim!

Implícita na visão de correspondência da verdade está a lei da não-contradição: algo não pode ser e não ser ao mesmo tempo e no mesmo sentido. Por exemplo, “A chuva está caindo no meu carro agora” e “A chuva não está caindo no meu carro agora” não podem ser verdadeiras. A verdade é coerente. Qualquer coisa verdadeira será consistente consigo mesma. Se duas declarações absolutamente se contradizem uma a outra, elas não podem ser ambas verdadeiras; eles não podem corresponder à realidade. Mas duas declarações podem ser falsas se nenhuma delas corresponder à realidade. Se eu alegar que eu só comi flocos de milho no café da manhã, e depois afirmei que só tinha cheerios no café da manhã, há um problema com minhas reclamações. Essas alegações exclusivas não podem ser verdadeiras. Na verdade, nenhuma seria verdade se eu não tivesse café da manhã.

Em toda a Escritura, há uma suposição da verdade como correspondência à realidade. É importante para os escritores da Bíblia que suas alegações de verdade combinem com o modo como as coisas realmente são. Por exemplo, os apóstolos sabiam que a alegação de que Jesus ressuscitara dos mortos tinha de corresponder à realidade. Se a ressurreição realmente não aconteceu, então nossa fé é em vão, e os apóstolos eram mentirosos. O apóstolo Paulo colocou desta forma: “[Se os mortos não ressuscitarem], somos, também, considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam. .”(1 Coríntios 15: 14-15). Paul confessou que ele seria uma falsa testemunha (um mentiroso) se a sua afirmação de verdade não correspondesse à realidade. A visão de correspondência da verdade é assumida aqui.1

A conceção bíblica da verdade implica sempre uma correspondência entre a afirmação pretendida e a realidade. Essa compreensão da verdade culmina na afirmação de que Jesus é a Verdade2 – a revelação da Realidade Suprema, a Fonte de qualquer outra coisa que seja real.3 Cristo encarna essa Realidade como uma Pessoa Divina que nos revela a verdade em sua Palavra, as Escrituras.4

A defesa da inerrância

Agora vamos resumir o argumento dedutivo para a inerrância (a veracidade absoluta da Bíblia). Esta doutrina se aplica tecnicamente ao texto original dos 66 livros das Escrituras. Mas na medida em que manuscritos e traduções refletem o texto original, também se aplica ao que temos hoje. Felizmente, podemos ter um alto grau de certeza com relação à redação do texto original para a grande maioria das passagens do Antigo e do Novo Testamento, e muitas traduções fornecem uma representação cuidadosa do texto bíblico. Aqui está o argumento para a inerrância:

Premissa A: Toda declaração de Deus é perfeita e, portanto, livre de erros.
Premissa B: Todas as afirmações da verdade dos escritores da Bíblia são as declarações de Deus.
Conclusão: Todas as afirmações da verdade dos escritores da Bíblia estão livres de erros.

A premissa A é apoiada pelo ensino de que Deus não pode mentir (Tito 1: 2) e que Ele sabe de tudo (1 João 3:20). Deus não pode dizer nada contrário ao que as coisas realmente são. Ele é moralmente perfeito e não desorientará ninguém, especialmente porque é onisciente. Os escritores da Bíblia declaram que as palavras de Deus são puras (Salmos 12: 6; Provérbios 30: 5). Paulo chama a Escritura de “palavra da verdade” (2 Timóteo 2:15), e ele diz que a verdade exclui a possibilidade de mentir (Romanos 9: 1). Não há nada falado por Deus que seja contrário ao que é verdadeiro.

A premissa B é apoiada por 2 Timóteo 3:16 (NIV), que diz: “toda a Escritura é soprada por Deus” e outras escrituras que se referem às palavras de Moisés, dos outros profetas e dos apóstolos como verdadeiras palavras de Deus.

Esse é o argumento dedutivo para a inerrância. Se as Premissas A e B são verdadeiras, então a Conclusão (que todas as afirmações da verdade dos escritores da Bíblia estão livres de erros) deve ser verdadeira. Se a Conclusão for verdadeira, então devemos abordar as Escrituras a partir da postura da fé, confiando que, quando interpretadas corretamente, nenhum erro será encontrado nas Escrituras, não importa quão pequeno seja. Nada será declarado como um fato que não corresponde ao modo como as coisas realmente são.5

Se alguém sugerisse que existem afirmações nas Escrituras que não representam a realidade com precisão, então ele estaria implicando que Deus é culpado de fazer declarações que são factualmente falsas. Mas Tito 1: 2 diz que Deus não pode mentir. Portanto, acreditamos que a Bíblia sempre passará no teste da verdade.

O teste da verdade

O teste da verdade tenta ver a relação entre as afirmações de um autor bíblico e a realidade. O primeiro teste pergunta: “Deus (e o autor humano) pretende, através desta declaração, fazer uma afirmação sobre a realidade? Em caso afirmativo, qual é a alegação?” Então pergunta-se: “Como essa comunicação pretendida corresponde à realidade?” E “Como essa afirmação de verdade é coerente com outras afirmações de verdade das Escrituras?” Aqueles que creem que a Bíblia é “soprada” por Deus nunca devem questionar se as afirmações verdadeiras correspondem à realidade. Se a Bíblia é inspirada por Deus, toda afirmação sobre a realidade no texto original das Escrituras é verdadeira, e nenhuma delas será mostrada como falsa quando adequadamente interpretada. A evidência nos aponta na direção dessa verdade. Embora nem todos os detalhes tenham sido confirmados, podemos confirmar a historicidade da Bíblia por meio de outros escritos históricos e arqueologia, e podemos mostrar que as discrepâncias aparentes têm possíveis soluções lógicas. Quando uma discrepância aparente é difícil de resolver, não forçamos uma harmonização, mas damos o benefício da dúvida à Bíblia e assumimos que toda afirmação real da verdade é consistente com a realidade de uma forma ou de outra, mesmo que não entendamos como.

Por exemplo, quando o Evangelho de João se refere a dois anjos sentados no sepulcro de Jesus após a ressurreição (João 20:12) e o Evangelho de Marcos fala de um anjo sentado no sepulcro (Marcos 16: 5), devemos assumir que João está certo e que Marcos também está certo, mesmo que não possamos entender como eles podem ser reconciliados. Nesse caso, é fácil, já que Marcos não diz que havia apenas um anjo. Na verdade, havia dois anjos, mas Marcos estava preocupado apenas em apontar um. Como alguns relatos aparentemente conflitantes são ambos (ou todos) verdadeiramente precisos, talvez nunca saibamos. Mas é seguro dizer que, uma vez que todos os relatos são inspirados por Deus e, portanto, totalmente verdadeiros, tentar harmonizar os textos normalmente nos levará mais perto de uma compreensão precisa do que aconteceu do que de tentar harmonizar o texto. Isso é semelhante ao facto que um detetive provavelmente chegará mais perto de descobrir o que aconteceu na cena do crime se ele examinar relatórios de uma variedade de testemunhas confiáveis ​​e tentar juntar o incidente.

Tanto a evidência interna quanto a evidência externa dos Evangelhos apontam para uma preocupação autoral por uma precisão cuidadosa (nossa prova dedutiva de inerrância é apoiada por provas indutivas). O autor Lucas disse a Teófilo que ele (Lucas) tinha uma “perfeita compreensão” do que estava escrevendo, e queria que Teófilo conhecesse “a certeza” do que aconteceu (Lucas 1: 1–4). Ele mencionou testemunhas oculares como suas fontes. Olhando para o restante do evangelho, podemos ver que Lucas datou eventos de figuras históricas conhecidas, como César Augusto e Cirênio. Esses eventos são confirmados por historiadores e arqueólogos. O famoso arqueólogo Sir William Ramsay disse: “A história de Lucas é insuperável em relação à sua confiabilidade”. 6

Evidência externa para a historicidade dos detalhes dos evangelhos também inclui Papias (contemporâneo do Apóstolo João) que diz:

Isto também o presbítero disse: Marcos, tendo se tornado o intérprete de Pedro, escreveu com precisão, embora não em ordem, tudo o que ele se lembrava das coisas ditas ou feitas por Cristo. . . .

Marcos não cometeu nenhum erro enquanto ele assim escrevia algumas coisas enquanto se lembrava delas. Pois ele era cuidadoso com uma coisa, não omitir nenhuma das coisas que ouvira e não declarar nenhuma delas falsamente.”7

Então, aqui está uma evidência extra-bíblica atestando a exatidão completa do evangelho de Marcos, com o reconhecimento de que ele não foi apresentado necessariamente em ordem cronológica.

Além desses exemplos de evidências internas e externas, devemos retornar ao fato de que esses evangelhos são inspirados por Deus. Como poderia o “Deus da verdade”, cuja “Palavra é pura”, contaminar sua Palavra com afirmações sobre a realidade que não são de algum modo verdadeiras (correspondentes à realidade)?

Ciência e a Bíblia

Acho que um dos maiores problemas que enfrentamos hoje nos estudos bíblicos é a pressão de se conformarem à opinião consensual da comunidade científica dominante. Muitos eruditos bíblicos interpretam Gênesis 6–9 como o ensino de um dilúvio local ou regional porque o estabelecimento científico “comprovou” que o registro fóssil demonstra milhões de anos de evolução, em vez de evidências de um dilúvio mundial. Muitos desses mesmos estudiosos impõem uma teoria de longas eras nos dias de Gênesis 1 porque o estabelecimento científico os convenceu de que a Terra tem bilhões de anos. Alguns, como Peter Enns, dizem que o apóstolo Paulo erroneamente acreditava que Adão era uma pessoa histórica.

Enns acha que Paulo estava errado porque o estabelecimento científico o persuadiu de que o homem é o produto de um longo processo de evolução. Enns e muitos outros estudiosos da Bíblia hoje cometem o erro de colocar sua fé na maioria da comunidade científica em vez de interpretar Gênesis 1–11 como Jesus e os apóstolos interpretaram – como história direta.

Jesus nunca desafiou a história da Bíblia. Jesus aceitou todas as pessoas e eventos do Antigo Testamento como real e precisamente históricos. Ele os menciona em seus ensinamentos e, às vezes, o ponto de sua referência a eles repousava na validade histórica dos relatos. Mateus 12:41 diz: “[Nínive] arrependeu-se da pregação de Jonas, e eis que algo maior do que Jonas está aqui.” E em Mateus 24:37, Jesus profetizou: “Porque, assim como foi nos dias de Noé, assim será na vinda do Filho do Homem”. Em outro lugar, Jesus advertiu: “E se os milagres que em ti se fizeram tivessem acontecido em Sodoma, essa cidade ainda hoje existiria. Eu porém vos digo que no dia do juízo os habitantes de Sodoma serão tratados com menos dureza do que tu, Cafarnaum.”(Mateus 11: 23–24).

É óbvio, a partir de Romanos 5, que Paulo entendia Adão como uma pessoa histórica. Pedro tomou o dilúvio como literal e global (2 Pedro 3). Jesus e os apóstolos não nos permitem entender os primeiros capítulos de Gênesis como literatura não-histórica.

Se resistirmos à pressão do estabelecimento científico (a nova “última autoridade” em nossa sociedade) e interpretarmos as evidências científicas à luz das Escrituras, e não o contrário, veremos menos conflitos entre a Bíblia e a ciência, e teremos menos alegadas discrepâncias para tentar explicar.

Conclusão

Se a Bíblia é verbalmente inspirada (soprada por Deus até às próprias palavras), então não haverá nada na Escritura que não seja verdadeiro quando corretamente entendido, mesmo quando escrito por homens com visões limitadas e até errôneas do mundo. Estou falando não apenas dos “pontos principais”, mas também de “pequenos detalhes”. Deus é poderoso o suficiente para impedir que os escritores da Bíblia cruzem a linha do verdadeiro para o falso. Se tudo nas Escrituras é realmente a Palavra de Deus, então é isso que Ele fez – Ele os impediu de reivindicar ou ensinar qualquer coisa contrária à maneira como as coisas realmente são.

Artigo original por Dr. Mark Bird em https://answersingenesis.org/is-the-bible-true/inerrancy-and-test-truth/

Notas de rodapé

  1. E quanto a outras visões da verdade, como a visão pragmática ou a visão da coerência? Eu as considero bons testes de verdade, mas não boas definições de verdade. Uma afirmação precisa ser coerente para ser verdade, mas existem afirmações falsas que podem ser consideradas coerentes. Isso não as torna verdadeiras. (Por exemplo, um assassino poderia reunir uma história internamente consistente que o afastasse da cena do crime, mas se a história contradizesse o que realmente aconteceu, ainda assim seria falsa.) A verdade também deveria “funcionar”, mas às vezes as falsas visões podem “funcionar” também. (Por exemplo, a teoria da evolução “funciona” em certo sentido como uma explicação abrangente até para as ciências sociais, mas isso não significa que tudo realmente evoluiu de uma única célula.) A teoria pragmática só pode ser usada como teste, não como uma definição de verdade.
  2. João 14:6
  3. “As God the Son, the Word is indeed the source of all truth.” Alan Padgett and Patrick Keifert eds., “I Am the Truth” in But Is It All True? (Grand Rapids, MI: William B. Eerdman’s, 2006),107.
  4. Jesus disse ao Pai em Sua Oração Sacerdotal: “Tua palavra é a verdade” (John 17:17).
  5. Isso se aplica às asserções dos escritores da Bíblia, não necessariamente aqueles que eles citam. A Bíblia registra as mentiras das pessoas. Por exemplo, a Bíblia cita as palavras de Jacó quando ele disse ao pai que ele era Esaú.
  6. Sir William Ramsay, Paul The Traveler and Roman Citizen (Grand Rapids, MI: Baker Book House, 1962), 81.
  7. The Church History of Eusebius, from Vol. 1 of Nicene and Post-Nicene Fathers, compiled by Philip Schaff. (Edinburgh: T&T Clark), 172–173, https://www.ccel.org/ccel/schaff/npnf201.iii.viii.xxxix.html#iii.viii.xxxix-Page_173.
  8. Em The Evolution of Adam, Enns argumenta que, embora a crença de Paulo de que Adão foi o primeiro humano contradisse o modo como a evolução aconteceu, isso não tem relação com o fato de o evangelho ser verdadeiro ou não.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: