Lutando pela Vida em “Um Lugar Tranquilo”

O som é mortal.

Então joga monopólio com pedaços de pano e joga os dados no tapete. Mesmo o calcar de uma folha pode ser fatal, então coloca areia nos caminhos para viajar de um lugar para outro. Você aprende linguagem de sinais para comunicar com seus filhos. Inclina a cabeça em oração, segura as mãos de sua família, mas ninguém levanta a voz para o Senhor. Você ri mudo, chora mudo, grita de dor mudo, canta mudo, vive mudo – ou  simplesmente você não vive.

Este é o mundo em Um Lugar Tranquilo (PG-13), o novo thriller escrito e dirigido por John Krasinski, que também desempenha o papel principal (Lee Abbott). Sua esposa, a atriz Emily Blunt, interpreta sua esposa no filme (Evelyn Abbott). O casal luta para sobreviver com seu filho e filha enquanto monstros se escondem na floresta. Para eles, não existe algo seguro e sadio. Os monstros não podem vê-los, mas eles podem ouvi-los. E se eles puderem ouvi-los, eles os encontrarão.

Em tais circunstâncias apocalípticas, o filme segue os Abbott enquanto eles se esgueiram pela vida, tentando fazer o que podem para manter alguma aparência de uma existência normal, embora silenciosa.

Um lugar mais tranquilo

Mas então o casal engravida. E como os pais bem sabem, nenhuma criança vem em silêncio.

No entanto, neste mundo de silêncio arrepiante, de vida ou morte, os Abbot nunca consideram impedir que uma criança gritando, chorando e agitada venha ao mundo. Certamente esta é uma ameaça terrível para a segurança da família. Certamente eles não poderiam trazer o bebê para o seu lugar quieto sem arriscar tudo. Certamente este bebê iria ser a causa da morte deles. Certamente, tais circunstâncias tornaram mais compreensível que alguém ponderasse sobre os “direitos reprodutivos” e optasse por exercer a “liberdade reprodutiva” para “interromper a gravidez”.

Se a gravidez fosse sua realidade neste mundo silencioso, e você tivesse nove meses para tomar a decisão, você invadiria o lugar quieto dentro dela e apagaria a voz que provavelmente o mataria? Os Abbots decidiram silenciosamente dizer : “Não”.

Morte em um lugar tranquilo

Muitos em nossa sociedade ouvem a mesma pergunta e rapidamente, até casualmente, respondem: “Sim”.

Nós matamos nossos filhos diariamente aos milhares. Nenhum monstro espreita nossas florestas, mas eles vivem em nossas casas. Nós nos tornamos eles. Nós levamos fórceps aquelas criaturas barulhentas que interromperiam nossos planos, nossos confortos, nossos programas de televisão. E se sabemos que eles têm uma deficiência – se eles serão especialmente necessitados – nós os silenciamos a um ritmo ainda mais acelerado. Nós somos aqueles que atacam os desamparados no lugar mais quieto, no ventre de sua mãe.

Um Lugar Tranquilo não é propriamente um filme de terror, mas é extremamente cheio de suspense e contém cenas violentas e assustadoras. Depois de uma hora e meia, você pode sair do cinema e ninguém realmente morreu. Mas o mesmo não acontece com os filmes de terror que acontecem em clínicas de aborto nos EUA e em todo o mundo – assassinatos silenciosos em salas estéreis. Eles usam casacos brancos. Eles fazem da morte um negócio. Eles pegam crianças de mães enganadas, que tragicamente pagam para que as crianças sejam levadas embora. Nós vivemos em uma sociedade cheia de monstros desse filme. E eles parecem tão comuns.

A igreja em um lugar tranquilo

Nós apenas não atacamos aqueles que não têm voz, mas atacamos aqueles que tentam falar por eles. Não se pode falar muito alto nas redes sociais, nas conversas em torno da mesa de jantar ou em qualquer conversa civilizada sobre o aborto. Sociedade educada sobre esta questão significa uma sociedade silenciosa. Odeie que se mergulhe agulhas em crânios de bebés, sugue-se seus cérebros e os enterrem – não em um túmulo – mas em uma lata de lixo, e você também se torna um alvo. Se, pessoalmente, nos recusamos a chamar o mal de bom e bom de mal, tornar a escuridão luz e o doce amargo (Isaías 5:20), então pelo menos devemos calar a boca sobre isso.

Muitos cristãos no Ocidente se cansaram de ser difamados sobre esta questão. Eles se cansaram de fazer o bem e falar corajosamente por uma causa tabu. Seguir Jesus é suficientemente divisivo sem ter que dar nossas vozes para falar sobre o que O aflige e O enfurece. Então, seu corpo se recusa a falar e nós também O silenciamos. E o nosso murmúrio de “Nós não sabíamos” não é suficiente.

‘Se você vacilar no momento de dificuldade, sua força será pequena. Liberte os que foram injustamente condenados a morrer; salve-os enquanto vão tropeçando para a morte. Se você vacilar no momento de dificuldade, sua força será pequena. Não se desculpe, dizendo: “Não sabia o que estava acontecendo”; lembre-se de que Deus conhece cada coração. Aquele que zela por sua vida sabe que você estava ciente; ele retribuirá a cada um conforme suas ações. ‘

(Provérbios 24: 10–12)

Muitos desmaiaram neste dia de adversidade. Eles são reduzidos a protestar mudamente, falam retamente mudamente, são um reino de sacerdotes e uma nação santa no mudo – vivem cristianamente mudos. Eles vivem em terras bem cuidadas e não devem fazer barulho enquanto colocam nossos filhos no Sheol. Eles se retiraram da luta e vivem como bons cidadãos em um lugar calmo – um lugar silencioso e civilizado que abafa seus filhos indefinidamente.

Sacrifício em um lugar tranquilo

Isto não é publicidade ao filme – pois temos bastante violência e medo na vida real não precisando escapar para ele. Mas às vezes, testemunhar o terror fictício pode nos ajudar a ver os horrores domesticados que nos cercam a cada dia – e a beleza do amor altruísta que se levanta para enfrentá-lo.

Contra todos os banners altos, cor-de-rosa e pró-escolha que nos rodeiam, Um Lugar Tranquilo representa vidas humanas pelas quais vale a pena se sacrificar. Mesmo quando um bebé lhes custaria tudo, mesmo quando tinham todas as desculpas para declarar seus próprios direitos, Lee e Evelyn Abbott lutaram por sua família e seu futuro filho. Eles arriscaram suas vidas por seus filhos. Eles esgotaram cada grama de energia para protegê-los. Eu não sei o que John Krasinski queria que o mundo soubesse sobre crianças ainda não nascidas, mas em seu filme, eu testemunhei o amor implacável, sacrificial e belo de Deus pelo menor e mais novo deles.

E o que foi representado na tela em Um Lugar Tranquilo foi representado por Deus na história. ‘Pois um menino nos nasceu, um filho nos foi dado. O governo estará sobre seus ombros, e ele será chamado de Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno e Príncipe da Paz. ‘

(Isaías 9: 6).

Jesus, um Pai eterno para nós, não sacrificou seus filhos, mas morreu por eles. Ele colocou sua vida para baixo, de modo que o perdão total e a plena filiação seriam garantidos para sua família comprada pelo sangue. Ele dá aos ex-monstros (tornando-os filhos) uma nova mente, um novo coração e uma nova coragem para proteger e lutar pelos mais indefesos de sua criação, escondidos em um lugar calmo.

Artigo original por Greg Morse em: https://www.desiringgod.org/articles/fighting-for-life-in-a-quiet-place

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: