Dar à luz ensinou-me a morrer

No mês passado, dei à luz meu terceiro filho. Foi um doloroso despegar dos confortos do século XXI, como o parto sempre é. Agonizante e indigno: minha vida subitamente interrompida por procedimentos invasivos, minha mente rolando do choque dos processos naturais – contorcendo-se e tremendo – para a desconexão mental das intervenções médicas.

O parto no Ocidente hoje é um estranho acoplamento. Nossos processos mais antigos e primitivos são costurados de maneira desajeitada com a tecnologia de ponta. Eu não estava tendo um “nascimento natural”, mas ainda assim muito do que aconteceu foi inevitavelmente natural.

Enquanto eu estava deitada na cama do hospital, esperando para encontrar meu filho, duas janelas se abriram em minha mente.

O sofrimento do começo da vida

A primeira foi uma janela para o nascimento: o nascimento real, como experimentado por bilhões de mulheres antes de mim. Dar à luz uma criança foi difícil para mim, apesar de toda ajuda e conveniência, todas as enfermeiras e médicos que me atendiam e todas as drogas calmantes que se infiltraram em minhas veias para anestesiar a dor. Meu corpo foi devastado. Mas tive ajuda em todas as formas e um marido fiel ao meu lado – naquele dia e nos muitos dias por vir. Como seria sem tudo isso?

Minha mente folheou cenas de outras mulheres dando à luz – cenas que eu só imaginei através de palavras em uma página ou imagens em uma tela. Mulheres que dão à luz sozinhas. Mulheres que não têm ajuda médica e enfrentam a dureza do parto sem alívio. As mulheres que sabem que seu filho pode morrer – ou que elas próprias podem morrer – no processo. Nós, no Ocidente, nos distanciamos dessas realidades, mas, em uma ala da sala de parto, o espectro do que o nascimento significou e significa para bilhões pairou ao meu redor e não me consegui livrar dele.

Então vieram as perguntas: como poderia Deus permitir tanta dor a tantas pessoas? O sofrimento gritante escrito no roteiro de começos humanos. O solitário lamento das mulheres que dão à luz nas margens, escondidas nas sombras ou expostas pelas circunstâncias. E, no entanto, Deus é – como a mãe escrava Hagar O nomeou – o Deus que vê (Gênesis 16:13).

Ele é o Deus que carinhosamente testemunha esse sofrimento, que nos encontra nele se nos voltarmos para Ele. E Ele é o Deus que pode realmente ajudar, quer estejamos em um chão de terra ou em uma cama de hospital. De fato, Ele é o Deus que se relaciona connosco em todas as circuntâncias, como no parto. Ele é a Rocha que nos carregou, o Deus que nos deu nascimento (Deuteronómio 32:18). Embora uma mãe possa esquecer o bebé em seu peito, Ele não se esquecerá de nós (Isaías 49:15). Não há respostas arrumadas deste Deus. Mas há o corpo partido de seu Filho, nu e humilhado, morrendo para que pudéssemos viver.

O sofrimento do fim da vida

E então minha mente vagueou para frente. Eu nunca suportarei a dureza de um nascimento sem ajuda. Mas um dia, vou enfrentar a dureza da morte. Um dia, minha visita a um hospital não terminará com uma nova vida em meus braços, mas com meu corpo morto e frio coberto por uma folha prensada a quente. Os médicos tentarão ajudar. Eles trarão suas máquinas e intervenções. Mas eles estarão correndo para um comboio que está ganhando velocidade. No final, minhas mãos passarão por seus dedos. Pode ser uma despedida indigna. Chamamento da hora da morte. O melhor que posso esperar é que meus filhos estejam lá. Meu marido, se seguirmos as normas estatísticas, já terá percorrido o caminho. Qual será então a minha esperança, enquanto as luzes piscam e os monitores piscam?

A história de Lázaro ressuscitado dos mortos ficou em minha mente por muitos anos. Não por causa do desfecho narrativo, quando Jesus grita: “Lázaro, sai!” e sai o homem que estava morto (João 11: 43–44) – embora a cena seja maravilhosa. Mas por causa da conversa tranquila que Jesus tem com Marta primeiro. Jesus forçou essa crise.

Marta chamou por Ele quando o irmão dela estava doente, e Jesus não veio. Ele deliberadamente deixou Lázaro morrer, esperando até que ele estivesse morto por quatro dias. E então Ele veio. “Eu sou a ressurreição e a vida“, Ele disse a essa mulher através de suas lágrimas. “Quem crê em mim, ainda que morra, viverá, e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá. Você crê nisso? ”(João 11: 25–26).

Quando chegar à última cama de hospital, devo acreditar não apenas em um Homem que é meu ingresso para a eternidade, mas no Homem que é a própria eternidade. Jesus não nos dá apenas a ressurreição. Ele é a ressurreição e a vida. Sem Ele, só há morte. Com Ele, há uma vida que nenhuma morte solitária pode tirar. Dar à luz foi, para mim, um teste – uma janela para a visão da morte. As persianas modernas foram recuadas por um momento. Ele é a ressurreição e a vida. Eu acredito nisso?

Artigo original por Rebecca McLaughlin em : https://www.desiringgod.org/articles/giving-birth-taught-me-how-to-die

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: