Você ora contra a tentação?

Orai para que não entreis em tentação.”

Jesus se ajoelha no jardim de sua agonia e dirige seus homens a orar, não apenas contra o pecado, mas contra a tentação.

Na linha da frente da maior tentação de sua vida, Ele ordena seus discípulos – não uma, mas duas vezes (Lucas 22:40, 46) – para orar contra a tentação. Quarenta dias de jejum no deserto agora devem parecer brincadeira de criança em comparação com o teste que Ele está prestes a suportar. Sua hora chegou.

Ele enfrenta o único grande teste na história do mundo: O homem-Deus sem pecado sofrerá tortura até a morte pelos pecados dos rebeldes que Ele ama? E, no entanto, quando sua própria grande tentação começa, trazendo tal agonia que o suor cai de sua cabeça como gotas de sangue (Lucas 22:44), Ele se volta para seus homens duas vezes para dizer: “Orai para que não entreis em tentação” ( Lucas 22:40, 46).

Enfático em sua famosa oração

Esta não é a primeira (nem segunda) vez que Ele instruiu seus discípulos a orarem contra a tentação.

Quando eles vieram até Ele e perguntaram: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lucas 11: 1), Ele respondeu com a memorável e poderosa “Oração do Senhor”, que em Lucas são meras 36 palavras em nosso inglês! Em uma oração tão firme e concentrada, Ele não apenas menciona, mas conclui com a petição: “não nos guies à tentação” (Lucas 11: 4).

Orar contra a tentação não é passageiro, como se alguma palavra do próprio Deus pudesse ser ignorada. Aqui no jardim, e no exato momento em que Jesus nos ensinou a orar, Ele diz para orar não apenas contra o pecado (que está implícito), mas explicitamente para orar contra a tentação.

Para aqueles de nós que ouvem suas palavras, encontramos pelo menos três implicações do (talvez surpreendente) mandamento de Jesus.

Ore contra a tentação

Primeiro, Deus realmente nos guarda de algumas tentações em resposta às nossas orações. Deus e seu Filho não nos incentivam a brincar em oração. Oração é importante. O soberano Deus escolhe governar o universo de forma a que a oração tenha um papel. Sob sua mão, alguns eventos acontecem (ou não) porque seu povo orou; outros não transpiram (ou acontecem) porque não oraram.

Quando oramos não apenas contra o nosso pecado, mas contra a tentação do pecado, exibimos uma humildade amadurecida. Nós reconhecemos nossa fraqueza e o poder do pecado. E nos lembramos do coração do nosso Pai para a santidade e para o nosso bem. Deus “não tenta a ninguém” (Tiago 1:13). A culpa pelo pecado cai diretamente sobre o pecador. “Cada pessoa é tentada quando é atraída e seduzida por seu próprio desejo” (Tiago 1:14). E, no entanto, Deus, em sua graça e misericórdia, se deleita em nos manter longe de muitas tentações – incontáveis ​​vezes, talvez, mesmo quando deixamos de pedir, e  também quantos preciosos exemplos temos em resposta direta aos nossos pedidos?

Se levarmos a sério as profundezas do pecado em nós e as profundezas da misericórdia em nosso Pai, daremos ouvidos às palavras de Jesus e ao comentário de John Owen: “Que ninguém finja temer o pecado que não tema a tentação também! Esses dois estão muito unidos para serem separados. Não se odeia verdadeiramente o fruto quando se deleita na raiz ”. Por causa da verdade e da boa consciência, distinguimos a tentação do pecado e, em nome da santidade e da alegria, não os separamos. E então nós oramos não apenas contra nossos pecados, mas contra nossas tentações.

Planeie contra a tentação

Em segundo lugar, quando oramos contra a tentação, começamos o processo de tentar evitá-la e, ao fazer isso, nos tornamos um meio para Deus responder à nossa oração. Deus não apenas nos impede da tentação por causa de nossas orações, mas no próprio ato de orar, nos envolvemos mais profundamente na luta. Fortalecemos nossas almas contra o pecado. Nós nos tornamos mais profundamente investidos. Resolvemos, pelo Espírito, apegar-nos à verdade e não “endurecer-nos pela falsidade do pecado” (Hebreus 3:13). Lembramos aos nossos corações que os prazeres do pecado são superficiais e fugazes (Hebreus 11:25), enquanto o prazer em Deus é profundo e duradouro (Salmos 16:11).

Orar contra a tentação nos leva, então, a planear contra a tentação de maneiras tangíveis. Conhecendo nossos padrões e inclinações a pecados particulares, evitamos contextos imprudentes. Nós “fugimos das paixões da juventude” (2 Timóteo 2:22) e “não damos provisão para a carne, para satisfazer seus desejos” (Romanos 13:14). Nós damos ouvidos à sabedoria de um pai amoroso para com seu filho (Provérbios 5: 1) sobre a “mulher leviana” (Provérbios 5: 3): não apenas para ficar fora de sua cama, mas para “manter o seu caminho longe dela, e não se aproxime da porta da sua casa ”(Provérbios 5: 8).

É graça não apenas sermos afastados do pecado, mas também da tentação (Apocalipse 3:10). Nosso espírito, na verdade, pode estar disposto a dizer não ao pecado, mas a carne pode ser fraca (Mateus 26:41). E orar contra a tentação nos coloca no caminho do planeamento contra ela também.

Ainda assim se prepare contra a tentação

Finalmente, quando nós entramos em tentação, se nós oramos contra ela, então nós não deveremos ser surpreendidos por ela, mas devemos estar mais prontos para batalha. Deus ama um coração que ora contra a tentação e muitas vezes responde ao nosso pedido. E, no entanto, seus caminhos são mais altos que os nossos. Ele sabe, no amor, quando permitir que a tentação venha. De fato, diz Jesus, as tentações certamente virão (Lucas 17: 1). Oremos como pudermos contra elas, mas Deus não prometeu sempre responder a esta oração da maneira que quisermos. Ainda não.

Então, quando oramos contra a tentação, nós nos preparamos para não ficarmos surpresos quando ela vier (1 Pedro 4:12). E quando oramos contra a tentação, podemos sentir ainda mais claramente que Deus permitiu amorosamente esse teste em minha vida. E Ele não me deixou sem suas promessas para estes momentos. “Deus é fiel, e ele não permitirá que você seja tentado além de sua capacidade, mas com a tentação ele também fornecerá o caminho do livramento” (1 Coríntios 10:13). Como José, isso pode significar fugir (Gênesis 39: 11-12). Como Jesus, muitas vezes significará ensaiar as próprias palavras de Deus (Mateus 4: 1-11) ou ficar em silêncio diante dos tolos (Mateus 26:63; Marcos 14:61; Atos 8:32).

O Senhor sabe resgatar que lhe são devotos das provações” (2 Pedro 2: 9), não apenas protegê-los das provações. E o cristão mais preparado para vencer a tentação é aquele que reza e planeja contra ela.

Guardado por Deus no teste

Ore contra seus pecados específicos e, ao mesmo tempo, dê um passo adiante e ore também contra tentações específicas.

Quando oramos contra a tentação, podemos esperar dois resultados: (1) de maneiras reais e tangíveis, Deus ficará satisfeito em nos manter longe das tentações que, de outra forma, teríamos enfrentado se não tivéssemos orado. E (2) às vezes, Deus pode achar por bem fazer com que nos deparemos com a própria tentação pela qual oramos (e planeamos!) contra – e quando o fizermos, tendo orado, estaremos melhor preparados para enfrentá-la e derrotá-la no poder de seu Espírito.

Deus providenciará uma saída (1 Coríntios 10:13). Procure-a e a tome. E agradeça a Ele, não só pelas muitas vezes, sem que você saiba, que Ele o protegeu da tentação completamente, mas também pelas vezes em que Ele respondeu suas orações de maneira diferente, não apenas mantendo você longe da tentação, mas guardando você durante a tentação.

Artigo original por David Mathis em : https://www.desiringgod.org/articles/do-you-pray-against-temptation

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: