As palavras mais doces para as feridas mais profundas

Quando o conflito surge em nossas vidas, a Bíblia muitas vezes ganha novo significado e poder.

A Bíblia nasceu em conflito: da escravidão no Egito a vaguear (e resmungar) no deserto; de viver sob reis perversos e opressivos para os piores horrores da invasão e exílio; dos apóstolos sendo perseguidos, aprisionados e martirizados ao próprio Filho de Deus sendo brutalmente crucificado. Não deveríamos nos surpreender quando as Escrituras se sentirem mais familiares quando nossas circunstâncias forem mais difíceis.

Deus não nos dá sua palavra apenas para nos carregar através de nossas provações; Ele também nos dá fases de prova, tribulação para abrir nossos olhos para sua palavra. Quando a oposição vem, ou os planos se desfazem, ou os relacionamentos fraturam, ou a paz entra em colapso, Suas palavras incham com força e doçura incomuns. Como o salmista diz: “Quando as preocupações do meu coração são muitas, as tuas consolações alegram a minha alma” (Salmos 94:19).

Quando nossas feridas são profundas, a cura de Deus é mais profunda. Quando nossos problemas são amplos, Sua ajuda é mais ampla. Quando nossas preocupações são muitas, seus consolos são maiores.

As feridas mais dolorosas

O Salmo 94 foi escrito por e para uma comunidade que sofre. O povo de Deus foi agredido pelos ímpios e, em seguida, observou seus salteadores parecer safarem-se com isso.

Ó Senhor, até quando?
até quando os ímpios exultarão?
Eles derramam suas palavras arrogantes;
todos os malfeitores se orgulham.
Eles esmagam o seu povo, ó Senhor
e afligem sua herança.
Eles matam a viúva e o peregrino,
e assassinam o órfão.
(Salmo 94: 3–6)

Essas pessoas são más além da expectativa, saqueando viúvas e assassinando órfãos, mas o próximo versículo pode ser o mais assombroso: “Eles dizem: ‘O Senhor não vê‘ – usando o nome da aliança que Deus deu a Israel – ” o Deus de Jacó não percebe ‘”(Salmo 94: 7). Os orgulhosos, os malfeitores, os assassinos, os perversos – eles estavam entre o povo de Deus. Estes não são os inimigos ciumentos e sem Deus de Israel. Eles fazem parte da família.

Nós esperamos maldade do mundo. Mas os ataques mais dolorosos são frequentemente aqueles que vêm dos lugares que menos esperamos: no nosso caso, de dentro da casa da fé. Em vez de simpatia calorosa, recebemos um exame rigoroso. Em vez de reunir-se para nos apoiar em nosso tempo de necessidade, eles acumulam cargas mais pesadas em nossos ombros. Em vez de ajuda, abandono. Em vez de perdão, amargura. Em vez de pureza e autocontrole, indulgência. Em vez de paz, conflitos e mais conflitos. Em vez de paciência, raiva e irritabilidade. Em vez de bondade e gentileza, abuso. Em vez de honestidade, duplicidade. Em vez de amor, hostilidade.

Como ficamos quando estamos cansados ​​e feridos dentro do próprio acampamento? Cumprimos promessas, como estas quatro abaixo, que eram fortes o suficiente para manter, proteger e sustentar o povo de Deus muito antes de nossas provações começarem.

  1. Deus sabe mais do que nós.

Quando a vida é especialmente difícil, às vezes pensamos que vemos mais do que Deus. Que tudo seria corrigido se pudéssemos Lhe Ele nosso relatório completo, ou pronunciar o julgamento nós mesmos.

Infelizmente, a autopiedade muitas vezes nos transforma em tolos:

Entenda, ó mais maçante do povo!
Tolos, quando você serão sábios?
Aquele que plantou a orelha, ele não ouve?
Aquele que formou o olho, ele não vê?
Aquele que disciplina as nações, ele não repreende?
Aquele que ensina o conhecimento do homem –
o Senhor – conhece os pensamentos do homem
que eles são apenas um sopro.
(Salmo 94: 8–11)

Como poderíamos ver mais do que Deus quando Ele formou nossas retinas, projetou nossas córneas e colocou nossas íris? Como poderíamos ouvir mais do que Deus quando Ele sintonizava as canções dos pássaros, fez nossas cordas vocais vibrarem com significado e plantou a maravilha de ouvir através de pequenos buracos em nossas cabeças? Tudo o que vemos, Ele vê mais. O que quer que tenhamos ouvido, Ele ouviu mais. Ele sabe mais sobre essa situação – muito mais – do que nós.

  1. Até as nossas piores provações estão cheias do Seu amor.

A maldade dos ímpios não serve apenas para demonstrar a justiça, a ira e o poder de Deus, mas Deus em Sua sabedoria inescrutável, faz com que também sirva para crescermos, amadurecermos e até mesmo servindo para nos assegurar. Mesmo quando o povo escolhido de Deus atacou os seus, o salmo declara corajosamente: “Abençoado” – feliz! – “é aquele a quem disciplinas, Senhor, aquele a quem ensinas tua lei. Tu lhe dás alívio em tempos de aflição” (Salmo 94: 12–13). Bem-aventurado o homem piedoso que é maltratado, porque esse sofrimento o treinará em retidão e o preparará para um descanso mais profundo.

Muitas vezes queremos pensar em nós mesmos como vítimas e sobreviventes nestas situações, simplesmente esperando que Deus ataque nossos inimigos. Mas Deus muitas vezes derrota e humilha nossos perpetradores de uma maneira mais profunda. Ele faz até mesmo seus piores e mais malvados esforços servirem ao Seu amor por nós. Ele não apenas nos dá a vitória, mas nos torna “mais que vencedores” (Romanos 8:37).

Quando Deus lidar finalmente com os ímpios, Ele os eliminará para sempre (Salmos 94:23), mas quando Ele chega a nós, “Ele não lida connosco segundo nossos pecados, nem nos retribui segundo nossas iniquidades” (Salmo 103: 10). Se somos Dele, guardados em Seu Filho, nem uma gota da nossa dor é castigo. Provérbios diz:

 Meu filho, não rejeite a disciplina do Senhor; não desanime quando ele o corrigir. Pois o Senhor corrige quem ele ama, assim como o pai corrige o filho a quem ele quer bem. (Provérbios 3: 11–12)

Se somos seus filhos, qualquer dor que estamos sentindo é, em última análise, a bondade amorosa do nosso Pai, destinada a nos conduzir à justiça, paz e alegria. Mesmo em nossas piores provações, quando alguém que amamos quer nos prejudicar, Deus usa incansavelmente todo momento, toda conversa, toda injustiça em amor por nós – e não contra nós.

  1. Deus julgará cada ofensa – e corrigirá tudo.

Não importa quão bom e amoroso e soberano seja Deus, o errado será sempre errado. Seu amor não faz o errado mais certo. Mas Ele acabará por corrigir todo erro. Certo dia, em breve, Deus fará os pecados dos perversos caírem sobre eles; ele os destruirá por suas maldades. O Senhor, nosso Deus, os destruirá.” (Salmos 94:23). Não nos caberá a nós fazer o julgamento e executar a sentença. Em vez de buscar retribuição por nós mesmos, fugimos para os braços de um Juiz muito melhor: “Ó Senhor, Deus da vingança, ó Deus da vingança, resplandeçe! Levanta-te, ó juiz da terra; retribui aos soberbos o que eles merecem! ”(Salmo 94: 1–2).

O apóstolo Paulo também conhecia a tentação de abrigar amargura, alimentar a raiva e buscar vingança. “Amados, nunca se vingam, mas deixem isto para a ira de Deus, pois está escrito: ‘A vingança é minha, eu retribuirei, diz o Senhor’” (Romanos 12:19). Deus pagará toda a ofensa cometida contra si. Se Ele não lançar seus perpetradores no inferno, é porque Ele enviou seu Filho para a cruz por eles. Ele estará disposto a morrer para pagar qualquer dano contra si. Se duvidarmos da justiça de Deus quando fomos injustiçados, estaremos a dizer que o próprio inferno ou a cruz de Cristo são menos que suficientes.

Portanto, como aqueles por quem Cristo morreu, não amaldiçoaremos (Romanos 12:14). Nós não nos orgulharemos (Romanos 12:16). Nós lutaremos pela paz (Romanos 12:18). Nós nos importaremos com aqueles que nos prejudicam (Romanos 12:20). Nós venceremos o mal com o bem (Romanos 12:21). Vamos confiar em Deus para corrigir tudo o que é errado contra nós.

  1. Mesmo quando queremos desistir, Deus não desistirá.

Quando estamos sob ataque, especialmente por outras pessoas que reivindicam o nome de Cristo, podemos querer desistir e ir embora. Sempre será mais fácil optar por sair do conflito, por meio de uma reconciliação meticulosa, de que morrer pelo bem dos outros (especialmente de outros que nos magoaram). Todos nos tornamos cansados ​​nos relacionamentos. Mas Deus nunca se cansa de nos amar e nunca considera ir embora.

O salmista diz: “O Senhor não abandonará seu povo; ele não abandonará sua herança; porque a justiça retornará aos justos e todos os retos de coração a seguirão”(Salmo 94: 14–15). Ele não te deserdará. Ele não te abandonará. A Justiça está a chegar. Confie Nele e siga-O nas chamas diante de si. Ele não desistirá de o amar, e Ele não permitirá que você seja queimado.

O Senhor do universo, que plantou o ouvido e formou o olho, que dá a toda a humanidade a vida e o sopro e tudo, que pode fazer todas as coisas e cujo propósito nunca pode ser frustrado, esse Deus lhe diz,

Quando passar por águas profundas, estarei a seu lado. Quando atravessar rios, não se afogará. Quando passar pelo fogo, não se queimará; as chamas não lhe farão mal. Pois eu sou o Senhor, seu Deus, o Santo de Israel, seu Salvador.”(Isaías 43: 2–3)

Você pode se sentir fraco, frágil e instável por enquanto, mas Deus será forte por si. Você será capaz de dizer: “Quando pensei: ‘Meu pé escorrega’, seu amor constante, ó Senhor, me segurou” (Salmos 94:18). Quando o conflito vem e sua alma pesa, e a angústia permanece alta, não deixe sua Bíblia cair. Espere as palavras de Deus para lhe segurar como nada mais pode.

Artigo original por Marshall Segal em https://www.desiringgod.org/articles/the-sweetest-words-for-the-deepest-wounds

One thought on “As palavras mais doces para as feridas mais profundas

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: