Como oro por uma cura e honro o “não” de Deus?

Esta é uma questão bem pertinente. Se Deus é soberano, como oramos por coisas boas enquanto também honramos a decisão final de Deus como a melhor opção? É uma pergunta de um ouvinte chamado Connor.

“Pastor John, quanta confiança devemos expressar ao pedir a Deus por cura física? De alguma forma, parece errado ou fraco orar: “Deus, cure essa pessoa – mas se não O fizeres, ok, Tua vontade será feita. ” Sinto-me menos genuíno em pedir a Deus para ajudar alguém quando estou constantemente reconhecendo para mim mesmo que Ele pode não o fazer, e devo-o reconhecer. Você poderia dar um exemplo de como orar corretamente em confiança e com autoridade em nome de alguém por cura, enquanto se permanece em plena submissão ao mistério da vontade de Deus?”

Ainda um mistério

Bem, deixe-me dizer ao Connor que aos 72 anos eu me pergunto se irei para meu túmulo sem ter chegado a uma resposta satisfatória para essa pergunta. Volto a essa pergunta várias vezes por causa de textos que nos apelam à confiança de que receberemos do Pai o que pedimos quando pedimos com fé (como Marcos 11: 23–24) e textos que dão o Senhor Jesus como modelo quando, depois de fazer seu pedido, mesmo como o perfeito Orador, Ele disse: “No entanto, não se faça a minha vontade, mas a Tua” (Lucas 22:42). Claramente, não era pecado para Jesus adicionar esse qualificador. Ele não pecou.

Então deixe-me simplesmente dar-lhe as peças do puzzle da oração que eu continuo reorganizando em minha mente para tentar ver a imagem bíblica coerente. Eu sei que há uma imagem coerente. Esta é a Bíblia. Esta é a palavra de Deus. Se houver um problema, isso é um problema em mim, não Jesus.

Aqui estão duas das peças que já mencionamos. Temos fortes promessas de Jesus, em João 15 e João 16 e Marcos 11 e em outros lugares, de que sempre que pedirmos e acreditarmos que temos o que pedimos, nós o receberemos. A outra parte são as palavras de Jesus, “todavia não se faça a minha vontade, mas a tua” (Lucas 22:42).

Deus dá sempre o melhor

Agora, há algumas outras peças do puzzle, então deixe-me colocar-lhas na mesa e ver se podemos organizá-las em uma ordem que possam fazer uma imagem que possamos entender.

Jesus disse em Mateus 7: 7-11

Peça e lhe será dado; Procure e achará; bata e será aberto para si. Pois todo aquele que pede recebe, e aquele que procura encontra, e ao que bate, abrir-se-lhe-á. E qual de vocês, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se ele pedir um peixe, lhe dará uma serpente? Se vocês então [isso é realmente importante para entender o coração de nosso Pai em oração], que são maus, sabem como dar bons presentes a seus filhos, quanto mais seu Pai que está no céu dará coisas boas para aqueles que lhe pedirem!

Foi um grande encorajamento para mim ao longo dos anos que o último verso parece prometer não que Deus dará exatamente o que uma criança tola às vezes pede, mas sempre lhe dará coisas boas: “quanto mais seu Pai que está no céu dará coisas boas para aqueles que lhe pedirem!

Uma das peças do puzzle da oração parece ser que devemos sempre orar não com a qualificação de que Deus reterá as coisas boas: “Não obstante, não seja minha boa vontade, mas sua má vontade, seja feita”. Não é esse o sentido da qualificação.

Não vamos presumir que vamos qualificar nossas orações dizendo: “Bem, estou pedindo coisas boas, e Deus pode dar uma coisa má, então acho que tenho apenas que me submeter”. Isso não é o que Ele faz. Ele não dá coisas más para seus filhos. Em vez disso, devemos orar com a confiança de que o que Ele dá pode ser diferente do que pedimos e, ainda assim, bom – melhor ainda.

A certeza de nossa fé pode não ser a coisa exata que achamos melhor, mas nossa certeza de fé deve estar na bondade de nosso Pai, que sempre faz o que é melhor para seus filhos.

Bem garantido

Agora, debaixo dessa confiança está o que eu chamo a lógica do céu de Romanos 8:32: “Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós [então Deus entregou seu Filho para morrer em nosso lugar], como nos não dará também com ele todas as coisas?”

Em outras palavras, por causa do sangue de Jesus, Deus segurou, garantiu, comprou e fez todas as coisas certas. Não nos dará graciosamente todas as coisas? Eu vou interpretar isso como significando todas as coisas que precisamos para fazer Sua vontade, ou todas as coisas que precisamos para glorificá-Lo – todas as coisas que precisamos para sermos eternamente felizes na comunhão de Deus para sempre.

Esta é a garantia que podemos ter quando oramos pelo bem nas vidas das pessoas de Deus.

Confiança em Deus

Outra peça do puzzle que está implícita no que acabamos de ver, penso, é que a segurança na oração deve repousar sobre a revelação que Deus deu. Nós não honramos a Deus, assumindo que sabemos o que é melhor em qualquer situação. Precisamos de uma revelação Dele para ter total confiança de que o que estamos pedindo é melhor.

O que ele prometeu explicitamente nas Escrituras – esta é a revelação que temos em Mateus 7:11 – é que ele dará coisas boas àqueles que pedirem.

A questão agora é: como podemos alinhar nossos pedidos com o que Ele considera uma coisa boa – a coisa boa que Ele almeja fazer através de nossa oração nessa situação?

Diferentes dons

É aqui que entra outra peça do quebra-cabeça. Em 1 Coríntios 12: 8–9, Paulo descreve dons do Espírito que nem todos os crentes possuem:

Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;
E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;

Agora pense sobre isso e as implicações da fé ser chamada de um dom espiritual, e a cura é chamada de um dom espiritual.

Paulo diz explicitamente que nem todos os crentes têm isso o tempo todo. Isso não ensina necessariamente que alguns poderão ter fé para orar por cura em alturas em que outros não o farão? No entanto, não é pecado não ter um dom espiritual. A Bíblia ensina que não é designado para todos terem isso o tempo todo.

O fato de haver dons de fé, dons de cura e outros dons pode explicar muito bem o que está acontecendo em Tiago 5:15, onde Tiago fala da oração da fé que curará o enfermo. Talvez esse seja o dom da fé dado naquele momento a um ou mais dos anciãos que estão orando.

Agora, há outras peças do puzzle da oração que precisam se encaixar na imagem, mas estas são suficientes, talvez, para lhe dar algo para trabalhar nos próximos anos – ou décadas.

O armazém de nosso Pai

Eis o que Connor perguntou especificamente: Como faço para orar corretamente, com confiança e autoridade, em nome de alguém por cura, permanecendo em total submissão ao mistério da vontade de Deus? Essa é a pergunta dele.

Aqui está o que eu diria. Devemos descansar nossa confiança e nossa autoridade na promessa de Jesus em Mateus 7:11 e na promessa de Paulo em Romanos 8:32. Por causa da morte de Jesus, cada coisa boa que os eleitos de Deus precisam foi comprada para eles infalivelmente por Jesus. Nosso Pai celestial sempre dá desse armazém. E Ele dá o que é bom para seus filhos quando o pedimos.

Ele lhes dá bem quando pedimos, e sim, devemos permanecer abertos, recetivos e ansiosos para receber um dom espiritual de fé a qualquer momento que possa fixar nossa confiança em um resultado específico. Mas não vamos supor que é assim que toda oração deve ser feita.

Artigo original por John Piper em : https://www.desiringgod.org/interviews/how-do-i-pray-for-healing-and-honor-gods-no

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: