E se eu nunca melhorar? Como não confortar as pessoas que sofrem.

Eu liguei-lhe quando ouvi a notícia. O marido dela tem cancro.

Quando os médicos detetaram uma irregularidade pela primeira vez, não se preocuparam. Provavelmente não era nada. Mas eles decidiram fazer testes pelo sim pelo não. Apesar do que eles previram, os testes voltaram positivos. Maligno.

Ela correu para um vizinho logo depois que receberam o diagnóstico. Seu vizinho simpatizou, mas imediatamente descartou os seus medos. Inúmeras pessoas têm cancro e vivem vidas longas e saudáveis. Ela não precisa se preocupar. Tudo ia ficar bem.

Como seu vizinho poderia saber disso? E se o marido não estivesse bem?

Minha amiga deixou esse encontro sentindo-se incompreendida e minimizada. Seu vizinho não sabe o que vai acontecer. Ninguém sabe. Para minha amiga, o conforto fácil e a tranquilidade rápida pareceram-lhe vazios. Ela não precisa do conforto “Não se preocupe; tudo vai ficar bem”. Esse conforto não é baseado na verdade. Simplesmente parece distante da dureza da situação.

Conforto Caiado

Por que oferecemos conforto caiado de qualquer maneira? Eu fiz isso, então estou a acusar-me tanto quanto a qualquer um. Pergunto porque é esse o nosso roteiro quando a tristeza está na porta. Talvez nós queiramos que nossos amigos se sintam melhor imediatamente. Mesmo que o conforto seja temporário, queremos que eles sigam em frente e não se concentrem no negativo. Nós também acreditamos sutilmente que Deus será mais glorificado na cura e plenitude do que na doença e no quebrantamento.

O conforto que estamos a oferecer nesses momentos é verdadeiro? É útil ouvir estórias de pessoas que tiveram um bom resultado? Ou ser citado incentivando as estatísticas de sobrevivência? É realmente reconfortante saber que 70% das pessoas se recuperam ou sobrevivem – quando 30%, não? Nosso conforto é baseado em assumir que seremos a maioria?

Este é o único tipo de conforto que o mundo pode dar. Infelizmente, quantos crentes tentam consolar o sofrimento. As pessoas me garantiram que Deus seria mais glorificado na cura do meu filho recém-nascido. Além disso, seu cirurgião cardíaco teve uma taxa de sucesso de 80%. Não se preocupe; tudo vai ficar bem.

Quando meu filho morreu aos dois meses de idade, Deus foi glorificado de uma maneira diferente.

E se eu nunca curar?

Quando fui diagnosticada com pós-pólio, meus amigos tinham certeza de que eu não iria me deteriorar fisicamente. Eu venceria as probabilidades e isso glorificaria a Deus. Mas anos depois, quando a pós-pólio se instala, percebo que posso glorificar a Deus mesmo que meu corpo não seja curado.

Quando o meu ex-marido partiu, todos tiveram histórias de casamentos desfeitos glorificados por Deus sendo restaurados. Eles tinham certeza de que essa também seria nossa história. Mas aprendi que Deus ainda pode ser glorificado depois de um divórcio doloroso e indesejado.

“Quando as pessoas continuam me assegurando que terei um resultado positivo, parece que minha dor está sendo descartada.”

Quando as pessoas me continuam a assegurar que terei um resultado positivo, parece que minha dor está a ser descartada. Minha amiga sentia o mesmo quando estava a ser constantemente animada. Ela queria um conforto verdadeiro. Conforto que iria segurá-la, independentemente do resultado. Conforto que não mudaria nem desvaneceria à medida que a notícia se desenrolasse. Conforto que não foi baseado em um pensamento demasiado positivo.

Meu amigo então me disse onde ela encontrou o verdadeiro conforto. Ela havia decorado o catecismo de Heidelberg e, enquanto processava o diagnóstico do marido, as palavras voltaram para ela. Essas palavras trouxeram uma cascata de conforto, especialmente porque o marido também era crente. Eles haviam encontrado o verdadeiro conforto.

O maior conforto que nós temos

Quando ela memorizou o catecismo pela primeira vez, eram apenas palavras. Boa teologia. Um ótimo quadro pensando em Deus. Agora, elas eram fontes de água viva.

“Mas anos depois, quando a pós-pólio se instala, percebo que posso glorificar a Deus mesmo que meu corpo não seja curado.”

Eu lembrava-me  vagamente das palavras quando ela começou: “Qual é o seu único conforto na vida e na morte?” Ela fez uma pausa e então disse: “Que eu não sou minha, mas pertenço de corpo e alma, tanto na vida, quanto na morte ao meu fiel Salvador Jesus Cristo. ”Fiquei surpresa com o poder dessa simples declaração. O maior conforto que podemos ter é saber que pertencemos a Jesus. Que nada pode nos separar do seu amor ou nos arrancar da sua mão. Nossas vidas agora pertencem a Cristo, e na morte ainda pertenceremos a Ele.

Ela continuou: “Ele pagou totalmente por todos os meus pecados com Seu precioso sangue e me libertou de todo o poder do diabo”. Seu precioso sangue me redimiu. Não há dívidas pendentes com Deus. E Satanás não tem poder sobre mim, então não há nada a temer. Esse é o verdadeiro conforto.

Ela continuou a falar, enunciando suas palavras devagar, pensativa. Elas não eram apenas palavras. Cada frase estava cheia de significado. Ela continuou: “Ele também me preserva de tal maneira que, sem a vontade do meu Pai celestial, nem um fio de cabelo pode cair da minha cabeça. De fato, todas as coisas devem trabalhar juntas para a minha salvação ”.

Neste ponto, eu estava à beira das lágrimas. Escritura foi tecida através de cada linha, lindamente entrelaçada para dar uma imagem de conforto de tirar o fôlego. Não importa o que aconteça, Deus me preservará. Ele conhece todos os detalhes da minha vida e todos os cabelos da minha cabeça. Nada pode acontecer comigo além de sua vontade soberana. Tudo o que acontece comigo é para o meu bem e para a glória de Deus.

Confortado pelo Sofredor

Porquê que eu não tinha meditado sobre essa questão de catecismo, repleta de escrituras, antes? Estas palavras, embasadas nas Escrituras, são garantias sólidas para cada crente. São verdades atemporais, baseadas nas promessas eternas de Deus. Este é o verdadeiro conforto e é imutável.

Ela concluiu: “Portanto, pelo seu Espírito Santo, Ele também me assegura da vida eterna e me faz sinceramente disposto e pronto a partir de agora para viver para Ele.” Porque nós estamos seguros da vida eterna no céu, podemos suportar qualquer coisa nesta vida curta e passageira na terra. Quando sabemos que nosso fim é glorioso, podemos viver com alegria e boa vontade por Ele, não importando nossas circunstâncias.

“O maior conforto que podemos ter é saber que pertencemos a Jesus.”

Quando minha amiga o terminou de recitar o catecismo, fiquei sem fala. Essas palavras tinham tal poder. Embora eu tivesse ido para consolá-la, ela estava me confortando com o conforto que recebera do Senhor.

Artigo original por Vaneetha Rendall Risner em : https://www.desiringgod.org/articles/what-if-i-never-get-better

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: