Como os cristãos devem ver a classificação biológica?

Deus construiu certas classificações na criação, mas o homem nomeou animais desde o Jardim do Éden. Um dos primeiros trabalhos de Adão foi classificar os animais. “Depois que formou da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, o Senhor Deus os trouxe ao homem para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a cada ser vivo, esse seria o seu nome.
Assim o homem deu nomes a todos os rebanhos domésticos, às aves do céu e a todos os animais selvagens. Todavia não se encontrou para o homem alguém que o auxiliasse e lhe correspondesse
.”1 Adão foi o primeiro taxonomista do mundo. Ele passou parte do sexto dia nomeando os pássaros e os animais. Embora esse fosse um trabalho muito mais fácil do que seria hoje, uma vez que ainda não ocorrera nenhuma variação, ainda levaria talvez algumas horas para nomear os tipos.

Ao longo da história, o homem seguiu o exemplo de Adão e tentou classificar em grupos o mundo ao seu redor. Um dos primeiros a ser memorizado foi o filósofo e naturalista grego Aristóteles. Aristóteles agrupou coisas com vida em plantas e animais, emvários subgrupos. Ele escreveu vários trabalhos sobre animais que incluíram uma discussão sobre sua história2. O sistema de classificação de Aristóteles, por mais grosseiro que fosse, como muitas de suas outras ideias, persistiu até o próximo milênio.

O moderno sistema de classificação usado hoje na ciência baseia-se fortemente no trabalho do botânico sueco Carl Linnaeus(Lineu em português), que se baseou no trabalho de John Ray. Lineu era um cristão que era apaixonado pela ciência, mesmo enquanto criança.3 O sistema de classificação de Lineu era brilhantemente simples. Lineu postulou, por exemplo, que as plantas poderiam ser agrupadas por seus órgãos reprodutivos. Ele chamou esses grupos de classes. Alguns passos abaixo das classes, Lineus construiu um grupo chamado genus. Vários gêneros poderiam ser colocados em uma classe. Abaixo do gênero, Lineu criou um grupo que ele chamou de espécie. Como até alguns evolucionistas reconhecem, espécie é a palavra latina para kind (tipo).4

Ao nomear espécies, Lineu resolveu um problema significativo na biologia. Anteriormente, as coisas vivas receberam nomes latinos que eram muito descritivos, mas eram muito longos para uso comum. Lineu manteve os nomes em latim, a linguagem da ciência da época, mas cortou os nomes até duas palavras; o gênero e a espécie. Isto é referido hoje como nomenclatura binomial. Cada criatura na terra é nomeada usando este sistema. Por exemplo, o leão no sistema Lineano é chamado Panthera leo.

O sistema moderno de classificação

Quando Darwin surgiu, o sistema de classificação proposto por Lineu foi sequestrado para sugerir que a estrutura inferida do sistema taxonómico realmente existia na natureza e era usada para alegar uma relação contínua com o passado. “A teoria da evolução afirma que as aparentes relações dos organismos em uma classificação sistemática são relações reais, porque “relacionamento” em tal classificação não é uma metáfora, mas é, na verdade, atribuída à comunidade de descendentes.” 5 Em outras palavras, a estrutura do sistema de classificação é, na verdade, a estrutura de uma gigantesca árvore genealógica universal de toda a vida. Embora essa não tenha sido a intenção de Lineu, é para isso que o mundo moderno utiliza sua classificação.

Como resultado, a classificação moderna está agora se a se transformar em uma técnica amplamente dependente, conhecida como cladística. Por causa de uma mentalidade evolutiva generalizada, surgiu um novo dogma. É um conceito resumido como “design comum é igual a ancestralidade comum“. Em outras palavras, se as criaturas compartilham semelhanças, então presume-se que elas tenham um ancestral comum no passado.

É um conceito resumido como “design comum é igual a ancestralidade comum”.

Dentro de um tipo criado – onde os animais realmente estão relacionados – este método pode ser vantajoso. Quando as criaturas não estão relacionadas e compartilham recursos de design, problemas são introduzidos. Portanto, a crença universal de que design comum equivale a ancestralidade comum nem sempre é a melhor. Por isso, muitos criacionistas recorrem frequentemente ao mantra mais lógico de que “design comum é resultado de um designer comum”.

A cladística examina características de caráter arbitrariamente selecionadas, atribui-lhes valores arbitrariamente e tenta construir uma árvore genealógica para um determinado conjunto de organismos com base na similaridade estatística. Ele separa esses organismos em grupos chamados clades, formando o que é chamado de hierarquia aninhada. Hierarquia aninhada em particular é frequentemente citada como evidência para evolução (ainda que construída sobre suposições arbitrárias).

Isso ocorre porque os organismos presumivelmente se encaixam naturalmente uns nos outros como bonecas russas, cada uma se encaixando em uma hierarquia aninhada maior. Isso é algo que os evolucionistas assumem que não deveria ser o caso se os animais tivessem sido criados. As hierarquias aninhadas são organizadas em algo chamado cladograma ou árvore filogenética.

De modo geral, os cientistas consideram que as árvores filogenéticas mais curtas são mais precisas do que as mais longas, embora isso esteja mudando à medida que se deposita mais confiança na modelagem computacional em um esforço para eliminar possíveis erros humanos nos cálculos.6 O objetivo específico da cladística é reconstruir uma árvore evolucionária de vida para um determinado grupo de organismos. Alguns livros chegam ao ponto de tentar construir uma árvore da vida para toda a vida, conectando micróbios ao homem.

Os cladistas operam usando vários conjuntos de dados selecionados arbitrariamente. Originalmente, os conjuntos de dados eram de natureza morfológica, dependendo muito da aparência e dos traços dos organismos em questão. Esses conjuntos de dados são, em geral, uma questão de presença ou ausência dos traços. Os conjuntos de dados são selecionados pelos autores de um determinado estudo e não são holísticos, muitas vezes abrangendo apenas certos traços ou certas regiões do DNA.7

No entanto, o advento da genética e do sequenciamento genético introduziu um conflito no reino cladístico. Dados genéticos e morfológicos são raramente usados ​​em conjunto no mesmo estudo cladístico. Com o advento da genética, muitos cladistas começaram a usar dados genéticos de forma exclusiva ou extensiva para seus cladogramas. Isso gerou um conflito entre aqueles que preferem uma abordagem morfológica da taxonomia e aqueles que estão interessados ​​apenas em dados genéticos.8 Apesar da discordância em relação ao tipo de conjunto de dados usado, a cladística usa os mesmos métodos, independentemente do conjunto de dados usado. No entanto, este debate obscurece as verdadeiras questões em jogo.

A técnica cladística baseia-se na crença de que a especiação é o mecanismo da evolução.

A técnica cladística baseia-se na crença de que a especiação é o mecanismo da evolução. É assumida variação genética ilimitada neste sistema. O processo é fortemente dependente do pressuposto da evolução darwinista. Mesmo os evolucionistas admitem livremente: “A cladística envolve poucas suposições, e seu caráter científico é devido em grande parte à sua dependência de uma única premissa auxiliar (conhecimento de fundo) relacionada ao processo, ou seja, a descendência com modificação.” 9 Contudo uma suposição é suficiente para destruir os cladistas. A evolução é assumida por cladística e se cladísticas são usadas para provar a evolução, é a falácia de implorar a questão (usando-se a si para provar a si mesma). Obviamente, a evolução está entrelaçada no tecido da cladística e, portanto, indiretamente, na taxonomia cladística moderna.

Alguns evolucionistas querem de alguma forma separar a cladística da evolução. Eles reconhecem que, se a evolução é assumida como base para cladística, então a cladística não pode fornecer evidências para a evolução. Isso seria logicamente circular e, mais importante, tolo. Esta longa citação ilustra bem sua linha de pensamento:

O processo de filogenia que explica os padrões hierárquicos descobertos pela sistemática é uma das mais profundas teorias empíricas da ciência moderna. Eu não afirmei que a macroevolução é pouco corroborada e, portanto, não é intersubjetivamente plausível (a macroevolução é uma das minhas teorias favoritas, e eu ensino aos meus alunos de graduação que é “verdade”). Em vez disso, meu argumento é que a teoria da macroevolução é corroborada por evidências da sistemática (ou seja, anatomia comparativa, paleontologia, biogeografia e, mais recentemente, bioquímica comparativa). Portanto, a suposição a priori de descendência com modificação falha em fornecer suporte ontológico independente para a sistemática. Se a cladística do “conhecimento prévio da descida com a modificação” não for testável por meios independentes, pareceria mais com um Primeiro Princípio metafísico como o vitalismo ou ortogéneses do que um componente de um enfoque hipotético-dedutivo de Popper.10

Há muita coisa nessa citação para descompactar, mas a ideia por trás disso é que, se a cladística não é independente da evolução, ela não pode fornecer evidências para a evolução. O autor chega a ponto de admitir que, se a macroevolução não pode ser confirmada de forma independente, ela não faz parte da ciência, mas é “metafísica“.

Note também que o autor se esforça para garantir que seus companheiros evolucionistas não o depreciem por heresia ao professar que a macroevolução é uma de suas “teorias” preferidas e ele ensina a seus alunos que é verdade. É provável que este autor esteja ciente do que acontece com aqueles que questionam o dogma darwinista.

Em uma tentativa de fornecer evidências para sua visão, este autor realmente ilustrou quão profundamente amarrada está a cladística à evolução. Cladística é comumente citada como evidência de ancestralidade evolucionária comum. Não tem aplicação prática. Quase todos os trabalhos que discutem filogenia tentam inferir descendentes com modificações. Assim, o seu principal uso é para provar a evolução. No entanto, como mencionado acima por um autor diferente, a descida com modificação é assumida antes de qualquer trabalho ser feito. Cladística é, na verdade, um exemplo da falácia do raciocínio circular (isto é, afirmando o consequente ou suplicando a questão).

Como parte da discussão sobre a metodologia cladística, há artigos frequentes respondendo a outros autores discutindo sobre trivialidades ou metodologia. Em um desses artigos, uma declaração reveladora foi feita na conclusão: “É precisamente essa conexão com o princípio da descendência comum que assegura à sistemática filogenética um papel central na biologia sistemática e evolucionária e é responsável por seu crescente sucesso” .12 Cladística está claramente centralmente ligada à explicação evolucionista. Os dois não podem ser separados.

De fato, a cladística assume ancestralidade evolucionária por padrão. Deve, a fim de resultar. O ponto principal da cladística é determinar as relações entre organismos e grupos de organismos ao longo do tempo, construindo uma árvore filogenética.13 Há livros inteiros escritos contendo tentativas de fazer uma análise cladística em todas as formas de vida. O método é projetado para procurar por ancestralidade comum e hierarquias aninhadas que não podem ser produzidas sem essa suposição. Isso pode ser ilustrado pelos muitos artigos de cladística na literatura que tentam determinar a ancestralidade comum de grupos separados.14 15 16

Uma verdadeira árvore genealógica só pode ser montada de uma maneira.

Incrivelmente, um autor que defende uma forma de cladística fez presumivelmente um deslize freudiano bem grande. Ele admitiu que o sistema de taxonomia evolucionária, considerando as espécies como a unidade da evolução, não pode ser falsificado: 17 “As dificuldades incorporadas naquela parte da taxonomia evolucionária que difere da sistemática filogenética levam a uma falta geral de testabilidade das classificações evolutivas”. Enquanto este autor definitivamente assina a evolução como um todo, na tentativa de promover sua marca, ele minou toda a teoria. Se a taxonomia evolutiva não pode ser falsificada, então é arbitrária. Se o sistema de taxonomia é arbitrário, então ele não pode ser uma árvore genealógica, porque pode ser montado de qualquer maneira que um cientista desejar e ainda funcionar. Uma verdadeira árvore genealógica só pode ser montada de uma maneira.

Outros evolucionistas reconhecem a arbitrariedade do sistema taxonômico. George Gaylord Simpson, um especialista em taxonomia escreveu:

No padrão maior, no entanto, nenhuma taxa (incluindo espécies) pode ser estritamente não-arbitrária quanto à exclusão. É preciso desenhar uma linha completamente arbitrária, representando um ponto no tempo, através de uma linhagem em constante evolução e dizer: “Aqui um táxon termina e outro começa”. Em princípio, isso significa que um animal individual poderia pertencer a uma espécie em um instante e a outra espécie no instante seguinte. Isso é aparentemente absurdo, mas não mais do que os resultados de outros critérios disponíveis para tais divisões arbitrárias necessárias. ”19

Ele está correto ao dizer que é um absurdo, mas o que ele ignora é que também destrói a evolução por especiação, porque a espécie fica a critério dos cientistas. Se a especiação não é o mecanismo da evolução, então o castelo de cartas entra em colapso.

Os evolucionistas poderiam potencialmente contrapor-se à natureza arbitrária da espécie apelando aos mecanismos da cladística como prováveis, explicando assim a variação na natureza. No entanto, até mesmo alguns de seus próprios pensadores reconhecem que isso é insustentável.

“Provavelmente nenhum cladograma filogenético, não importa como seja construído, pode ser totalmente ‘provado’ ou ‘falsificado’”. 20

Esta é uma afirmação incrivelmente honesta porque essencialmente admite o que os criacionistas vêm dizendo há décadas. As relações evolutivas, que são o que os cladogramas são construídos para encontrar, não são provadas nem comprovadas. Porque ser falsificável é uma parte fundamental do método científico, este autor acaba de admitir que cladística não é ciência, minando assim toda a árvore evolutiva da vida! Notavelmente, outros autores também fazem essa afirmação, aparentemente inconscientes das implicações.21

Além das ideias evolucionárias ligadas à cladística, existem outros problemas significativos com cladística que são independentes da visão de mundo. As classificações baseadas em cladística funcionam com base na seleção de um grupo de características e na busca de similaridades. Mas essas características estão a critério do pesquisador! Isso também torna a cladística arbitrária.

Os pesquisadores podem fazer um mapa cladístico baseado em qualquer traço que quiserem, que é o que fazem, como ilustram as disputas sobre filogenias genéticas e morfológicas.22 Assim, teoricamente, poderiam produzir uma ancestralidade evolucionária direta entre qualquer criatura que escolhessem. Esta não é uma maneira válida de argumentar.

Mesmo que isso não seja um problema, os mecanismos cladísticos não têm como lidar com uma questão maciça e pendente na biologia: a hibridização, ou a procriação entre espécies. Alguns autores admitiram isso: “Ainda não temos uma técnica para lidar com casos de hibridização” .23 Dado que a hibridização às vezes produz novas espécies, esse é um grande buraco na utilidade da cladística. 24

Manter a classificação?

Como a cladística é a nova base para a classificação moderna e está completamente ligada à evolução, é razoável questionar se os cristãos devem aceitar essa forma do sistema moderno de classificação. Alguns cristãos rejeitaram a taxonomia inteiramente em favor de um sistema supostamente mais bíblico. No entanto, esta posição é funcionalmente insustentável.

O sistema lineano não foi criado para funcionar sob uma interpretação exclusivamente naturalista das origens.

O sistema lineano não foi criado para funcionar sob uma interpretação exclusivamente naturalista das origens. Lineu era um homem cristão profundamente sincero. Ele frequentemente se referiu a Deus em seus escritos, dizendo: “Eu admiro a sabedoria do Criador, que se manifesta de várias maneiras e a demonstra aos outros.” 25 O propósito de Lineu era simplesmente fornecer um agrupamento para os organismos. Sua intenção foi mal interpretada e reaproveitada pelo atual paradigma dominante para torná-la adequada à sua visão de mundo. Curiosamente, alguns evolucionistas, embora reconhecendo Lineu por seus esforços, não gostam de sua taxonomia porque ela é contrária à evolução darwiniana.

Ter um sistema de classificação, por mais arbitrário que seja, é melhor do que a desordem que resultaria sem ele. A remoção do sistema de Lineu devolveria a taxonomia ao verdadeiro “Velho Oeste” que era antes de Lineu publicar seu trabalho, com nomes a critério do taxonomista. Este certamente não é um resultado desejável, nem um substituto bíblico poderia ser alcançado sob o atual paradigma dominante na comunidade científica.

O sistema lineano, com sua ordem inerente, é um grande benefício para os baraminologistas da criação, pois fornece uma estrutura geral a partir da qual realizar estudos.27 Ao ter a vida pré-catalogada em grupos, os baraminologistas podem escolher um grupo e tentar determinar o que não pertence nesse tipo particular.

O sistema de Lineu, devido à influência evolucionária, está operando em oposição direta à Bíblia, embora essa não tenha sido sua intenção. Simpson até admite que todo o sistema foi empurrado para baixo na ordem, ou seja, que o que antes era uma ordem é agora uma família e assim por diante.

Infelizmente, a intenção de Lineu foi sequestrada por fanáticos da evolução usando grupos arbitrários e raciocínio circular para fornecer evidências de seu dogma, assumindo que seu dogma é verdadeiro. A cladística não fornece evidências para a evolução. Simplesmente ilustra a extensão a que os defensores darwinistas vão para promover seu paradigma governante.

Artigo original por Harry F. Sanders, III em: https://answersingenesis.org/theory-of-evolution/how-should-christians-view-biological-classification/

Notas de Rodapé :

  1. Genesis 2:19-20.
  2. Aristotle, The History of Animals, trans. D’Arcy Wentworth Thompson, http://classics.mit.edu/Aristotle/history_anim.html.
  3. Heinz Goerke, Linnaeus, Denver Lindley, (New York: Charles Scribner Sons, 1973).
  4. N. Singh, “Concepts of Species and Modes of Speciation,” Current Science 103, no. 7 (2012): 784–790, SemanticScholar.org pdf.
  5. Alec L. Panchen, Classification, Evolution, and the Nature of Biology (New York: Cambridge University Press, 1992).
  6. Valentin Rineau, Rene Zaragueta I Bagils, and Michel Laurin, “Impact of errors on cladistic inference: simulation-based comparison between parsimony and three-taxom analysis.” Contributions to Zoology 87, no. 1 (2018): 25–40, https://hal.sorbonne-universite.fr/hal-01783500/document.
  7. Adam M. Laing, Sharon Doyle, Maria Eugenia Leone Gold, Sterling J. Nesbitt, Maureen A. O’Leary, Alan H. Turner, Eric W. Wilber, and Karen E. Poole, “Giant taxon-character matrices: the future of morphological systematics.” Cladistics 34, no. 3 (2018): 333–335, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/cla.12197.
  8. Kipling W. Will and Daniel Rubinoff, “Myth of the molecule: DNA barcodes for species cannot replace morphology for identification and classification,” Cladistics 20 (2004): 47–55, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1096-0031.2003.00008.x.
  9. “Arnold G. Kluge, “Total Evidence or Taxonomic Congruence: Cladistics or Consensus Classification,” Cladistics 14 (1998): 151–158, http://www.geocities.ws/cybermorphy/Kluge1998.pdf.
  10. Andrew V. Z. Brower, “Evolution Is Not a Necessary Assumption of Cladistics,” Cladistics 14 (2000): 143–154, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1096-0031.2000.tb00351.x.
  11. Jerry Bergman, Slaughter of the Dissidents (Southworth; Leafcutter Press, 2008).
  12. Kevin de Queiroz and Michael J. Donoghue, “Phylogenetics Systematics or Nelson’s Version of Cladistics,” Cladistics 6 (1990): 61-75, https://repository.si.edu/bitstream/handle/10088/4669/VZ_1990adeQ_DonoghueCladistics.pdf.
  13. Willi Hennig, “Phylogenetic Systematics” in Cladistic Theory and Methodology, Thomas Duncan and Tod F. Stuessy, (New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985).
  14. C Wheeler, Michael Whiting, Quentin D. Wheeler, and James M. Carpenter, “The Phylogeny of the Extant Hexapod Orders,” Cladistics 17 (2001): 113–169, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1096-0031.2001.tb00115.x.
  15. David J. Garbary, Karen S. Renzaglia, and Jeffrey G. Duckett, “The phylogeny of land plants: a cladistic analysis based on male gametogenesis,” Plant Systematics and Evolution 188 (1993): 237-269, ResearchGate PDF.
  16. Rolando Gonzalez-Jose, Ignacio Escapa, Walter A. Neves, Ruben Cuneo and Hector M. Pucciarelli, “Cladistic analysis of continuous modularized traits provides phylogenetic signals in Homo evolution,” Nature 453 (2008), PDF.
  17. Ernst Mayr, Animal Species and Evolution, (Cambridge, MA: The Belknap Press of Harvard University, 1965).
  18. O. Wiley, “Karl R. Popper, Systematics and Classification: A reply to Walter Bock and Other Evolutionary Taxonomists.” in Cladistic Theory and Methodology, ed. Thomas Duncan and Tod F. Stuessy, (New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985).
  19. George Gaylord Simpson, Principles of Animal Taxonomy (New York: Columbia Univeristy Press, 1961).
  20. H. Wagner Jr., “Origin and Philosophy of the Groundplan-divergence Method of Cladistics” in Cladistic Theory and Methodology, ed. Thomas Duncan and Tod F. Stuessy, (New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985).
  21. Peter D. Ashlock, “The Uses of Cladistics” in Cladistic Theory and Methodology, Thomas Duncan and Tod F. Stuessy, (New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985).
  22. Will and Rubinoff, 2004.
  23. Joseph H. Camin and Robert R. Sokal, “A Method for Deducing Branching Sequences in Phylogeny” in Cladistic Theory and Methodology, Thomas Duncan and Tod F. Stuessy, (New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985).
  24. James Mallet, “Hybrid Speciation” Nature 446 (2007): 279-283, Hybrid Speciation PDF.
  25. H. Stoever, The Life of Sir Charles Linnaeus, trans. Joseph Trapp, (London: E. Hobson, 1794).
  26. Simpson, 1961.
  27. Todd Charles Wood and Paul A. Garner, ed. Issues in Creation Genesis Kinds: Creationism and the Origin of Species, (Eugene, OR: WIPF & Stock, 2009).
  28. Simpson, 1961.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: