Conhecer Deus faz toda a diferença

Existem dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que são simplesmente naturais e aquelas que têm vida sobrenatural nelas. Alguns nasceram apenas uma vez; outros nasceram de novo. Muitos não confiam nem reconhecem Jesus como Senhor e Salvador. Um pequeno restante precioso o faz.

Por enquanto, pode ser difícil distinguir esses dois tipos de pessoas. Embora as falsas confissões sejam abundantes e os incrédulos demonstrem notável virtude na sociedade, no fundo de nossa humanidade compartilhada existe uma grande diferença: se realmente conhecemos a Deus, através de Jesus, ou não. Dado tempo suficiente, a árvore dará frutos ou não. A verdade se tornará clara sobre se realmente temos ou não a vida sobrenatural em nossa alma.

No Sermão da Montanha, Jesus aponta para “os gentios” como aqueles que não conhecem a Deus. Quatro vezes distintas, são exemplos negativos do que os cristãos não devem ser. Mas contra nossos instintos naturais, e pela graça da Palavra e do Espírito de Deus, Jesus não nos chama para o amor gentio (Mateus 5:47), não para a oração dos gentios (6: 7), não para os medos dos gentios (6:32), e não para a liderança gentia (20:25; também Marcos 10:42; Lucas 22:25). Em resumo, Ele nos chama para viver como pessoas que conhecem a Deus.

Não como gentios

Até a vinda de Cristo, gentios (não-judeus) eram, em geral, apenas pessoas naturais, mundanas, nascidas sob o pecado e ainda sob o pecado, “alienadas da comunidade de Israel e estranhas aos pactos da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo”(Efésios 2:12). Deus escolheu Abraão, gerando um povo étnico especial a quem Ele se revelou. Deus falou especialmente ao seu povo escolhido, os judeus. Enquanto isso, os gentios, com raras exceções, não ouviram ou conheceram o verdadeiro Deus.

Mesmo no ministério de Paulo, o apóstolo dos gentios (Romanos 11:13; 1 Timóteo 2: 7), o estigma se mantinha. Paulo escreveu que Cristo crucificado era “loucura para os gentios” (1 Coríntios 1:23) e pediu a seus conversos a “não mais andar como os gentios, na futilidade de suas mentes” (Efésios 4:17). Pedro também advertiu os cristãos dos gentios que “falam contra você como malfeitores” (1 Pedro 2:12); ele traçou uma linha clara entre a conduta cristã e “fazer o que os gentios querem fazer, vivendo em sensualidade, paixões, embriaguez, orgias, festas de bebedeira e idolatria sem lei” (1 Pedro 4: 3).

Talvez o mais revelador de tudo, Paulo escreve aos crentes “que cada um de vocês saiba como controlar seu próprio corpo em santidade e honra, não na paixão de luxúria como os gentios que não conhecem a Deus” (1 Tessalonicenses 4: 4- 5). No fundo, a questão não é etnia, mas conhecer a Deus. O cristianismo faz a reivindicação radical, e representa a notável realidade, que através de Jesus Cristo, e pelo seu Espírito, conhecemos e desfrutamos do verdadeiro Deus. Dois tipos de pessoas povoam nosso mundo: aqueles que conhecem a Deus em Cristo e aqueles que não conhecem.

Conhecendo Deus

Dadas as expectativas no primeiro século de que os judeus O conheceriam, tendo sido confiados com os oráculos de Deus (Romanos 3: 2), e que os gentios não confiavam, não deveríamos nos surpreender ao encontrar Jesus a trabalhar com essas categorias no Sermão da Montanha. .

Jesus chama seu povo, aqueles que conhecem o verdadeiro Deus como Pai, para tipos de amor, oração, vida e liderança que são distintos do “curso deste mundo” (Efésios 2: 2) e “as paixões de sua antiga ignorância”. ”(1 Pedro 1:14). Ele nos chama para amar e orar e viver e liderar não de acordo com nossos instintos naturais, mas de acordo com o poder , a perspetiva e a prática sobrenatural

Como nosso amor, nossas orações, nossas ansiedades e nossa liderança são diferentes do curso deste mundo quando conhecemos Jesus?

Como não amar

Um dos ensinamentos mais famosos de Jesus é seu surpreendente chamado ao amor inimigo. “Ame seus inimigos e ore por aqueles que os perseguem” (Mateus 5:44). Até gentios amam seus amigos.

    Se você ama aqueles que amam você, que recompensa você tem? Não fazem os cobradores de impostos o mesmo? E se você cumprimenta apenas seus irmãos, o que mais você está fazendo do que outros? Não fazem os gentios o mesmo? (Mateus 5: 46–47)

Então, nós temos o amor gentio. Que é o mesmo que o amor do coletor de impostos. Até mesmo os coletores de impostos amam aqueles que os amam. Até os gentios saúdam aqueles que os cumprimentam. Isso é natural.

Mas Jesus chama seu povo para amar e cumprimentar os outros além do que é natural. Ele nos chama ao amor sobrenatural que vai além do padrão e das normas deste mundo. Amor que não tem sua recompensa imediata nesta vida, mas espera pacientemente pela recompensa celestial. Amor que transcende as expectativas deste mundo, desafiando a explicação natural, de modo que, eventualmente, será dito de nós que algo é diferente em nós.

O amor ao inimigo é o que nosso Pai nos mostrou (Romanos 5: 8, 10), e é o que mostrará ao mundo que somos “filhos do seu Pai que está nos céus” (Mateus 5:45). Amar nossos inimigos não ganha nossa filiação celestial, mas evidencia isso. Mostramos o amor sobrenatural de nosso Pai celestial quando amamos aqueles que (ainda) não nos amam.

Como não orar

Apenas algumas frases depois, Jesus lança uma nova visão radical para a oração, ao contrário da maneira que a pessoa natural ora. “Quando você orar, não acumule frases vazias como os gentios, pois eles pensam que serão ouvidos por suas muitas palavras” (Mateus 6: 7).

Além da revelação especial do próprio Deus, em sua palavra e em seu Filho, as pessoas naturais presumem que precisamos assegurar ou ganhar a atenção de Deus com “muitas palavras” – acumulando frases que soem piedosas. Jesus pinta uma imagem muito diferente de seu Pai, que “sabe o que você precisa antes de pedir” (Mateus 6: 8). Em Cristo, chegamos a conhecer a Deus como realmente Ele é, como um Pai amoroso e íntimo que vê e conhece todas as nossas necessidades. O que significa que não precisamos denunciá-lo com muitas palavras e frases vazias.

Jesus então modela a oração que é surpreendentemente direta e simples: meras cinquenta palavras (Mateus 6: 9-13). Os cristãos orarão de forma diferente do que aqueles que podem apenas especular como Deus realmente é. A diferença se resume em conhecer o verdadeiro Deus, não uma invenção da imaginação e conjetura humanas. “Não seja como [os gentios], porque seu Pai sabe o que você precisa antes de lhe pedir” (Mateus 6: 8).

Como não ter medo

Jesus então se volta para abordar os medos e ansiedades cotidianas da vida neste mundo. “Não te preocupes com a tua vida, com o que comerás ou beberás, nem com o teu corpo, com o que vestirás” (Mateus 6:25). Ele aponta seus seguidores para além do básico da existência humana que pode consumir a mente natural, especialmente quando comida, bebida e roupas se tornam escassas. No entanto, se conhecermos a Deus como Pai, sabemos como Ele cuida de suas criaturas e, ainda mais, de seus portadores de imagem.

Olhe para os pássaros, como Ele os alimenta. Olhe para os lírios, como Ele os veste. Você não é mais valioso para o seu Pai do que muitos pássaros e incontáveis ​​lírios? “Portanto,” diz Jesus, Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir?
{Pois a todas estas coisas os gentios procuram.} Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso.”

”(Mateus 6: 31–32).

Gentios buscam as coisas da terra sem olhar para o céu. Jesus chama seu povo, que conhece seu Pai, para elevar-se acima das preocupações básicas das pessoas naturais para “buscar primeiro o reino de Deus e sua justiça” (Mateus 6:33), apostando na ajuda e preocupação de seu Pai.

Como não liderar

Finalmente, nos movemos para Mateus 20, onde a mãe de Tiago e João pergunta a Jesus se os filhos dela podem se sentar à sua direita e à esquerda no reino. Este é um pedido audacioso, mais do que ela sabe. Jesus diz que tal não é seu para decidir (Mateus 20:23), mas depois diz mais, apontando os fundamentos infundados sob sua pergunta.

Tal petição é fundamentada em suposições gentias (ou naturais) sobre liderança como privilégio pessoal. Jesus chama seus homens para outra visão, a própria visão da liderança sobrenatural que Ele está a viver enquanto caminha em direção à cruz.

Jesus, pois, chamou-os para junto de si e lhes disse: Sabeis que os governadores dos gentios os dominam, e os seus grandes exercem autoridades sobre eles.
Não será assim entre vós; antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva;
e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, será vosso servo;
assim como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.

(Mateus 20: 25-28)

A liderança natural domina os que estão sob nossa responsabilidade. A liderança gentia exerce autoridade sem serviço de doação. Mas Jesus diz: “Não será assim entre vocês”. Ele mesmo está cortando um novo caminho e convoca seus seguidores a se juntarem a Ele. Ele não usa seus seguidores para privilégios pessoais e benefícios particulares. Ele não os esvazia para se encher. Antes, em sua plenitude, Ele se esvazia, sem abdicar de seu senhorio, para o bem de seus seguidores. Ele não renuncia à sua autoridade, mas a exerce para o bem daqueles que estão sob sua responsabilidade, não para fins egoístas.

Esperança para os gentios

Jesus chama seu povo para ser distinto do mundo, seus padrões e o que é natural. Ele nos chama, guiado pelo seu evangelho e suprido pelo seu Espírito, a ser como o nosso Pai sobrenatural no céu, que nos amou quando ainda éramos inimigos, ouve nossas simples orações infantis, conhece e cuida de todas as nossas necessidades e exerce autoridade com graça e autossacrifício, não domínio ou obstinação.

A graça transformadora de Deus significa que há grande esperança para os gentios. As referências negativas aos gentios nos Evangelhos logo explodem em magníficas esperanças para os gentios em Atos e Romanos, no grande “voltar-se para os gentios” (Atos 13:46). Nenhum gentio, não importa quão longe ele estivesse, está além do alcance de Cristo. E o nosso Senhor ama redimir as maneiras pelas quais nós, judeus ou gentios, falhamos em amar, orar, viver e liderar como devemos.

Deus não está surpreso de que precisamos de uma profunda reeducação, e muitas vezes voltamos aos nossos modos gentios. No entanto, a cada passo de nossa jornada para a glória final, conhecê-Lo faz toda a diferença.

Artigo original por David Mathis (@davidcmathis) em https://www.desiringgod.org/articles/knowing-god-makes-all-the-difference

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: