O estranho “programa de acasalamento” de Jacob em Gênesis 30

Resumo

Os capítulos 30 a 31 de Gênesis têm sido frequentemente atacados e apresentados como sendo um exemplo de folclore, superstição e compreensão veterinária primitiva. Mas ao reconhecer que a providência divina estava em ação, juntamente com um conhecimento botânico sagaz, essa imagem muda rapidamente. Pesquisas sobre remédios botânicos e fitoterápicos nas últimas décadas exoneraram as metodologias que Jacob usou com os rebanhos de Labão. De fato, alguns dos mesmos espécimes botânicos que Jacob utilizou estão agora a ser usados para suplementar a alimentação do gado e são usados como tratamentos veterinários em várias condições e doenças.

Introdução

Gênesis 30: 37–31: 16 é uma seção das Escrituras frequentemente ridicularizada pelos céticos, e até mesmo alguns daqueles comprometidos com a inerrância e autoridade bíblica lutam com a compreensão e a explicação para os outros. Tantas questões foram levantadas: a prática de “casca descascada” de Jacob tem alguma influência sobre como as ovelhas e as cabras se reproduzem? Oferece algum valor de saúde ou reprodutivo? Deus instruiu Jacob nessa prática? Era essa a sua intenção e, se assim fosse, era enganoso para Jacob procurar apropriar-se dos rebanhos de Labão, seu sogro? Isso era um fenômeno inteiramente natural, ou havia uma grande dose de direção providencial envolvida?

Os rebanhos de Jacob

Antes de nos aprofundarmos nesta seção, é importante olhar os versículos anteriores no seu contexto. Começando em Gênesis 30:25, vemos que Jacob quer deixar o serviço de Labão e retornar à sua terra natal. Mas reconhecendo que Deus o abençoou por causa da presença de Jacob, Labão pede que Jacob fique e continue a administrar seus rebanhos – e Labão promete deixar Jacob escolher seu salário. Jacob propõe uma solução em que iria ficar e cuidar dos rebanhos de Labão pelo que parece ser uma taxa irrisória, e uma que é impossível trair.

Passarei hoje por todo o teu rebanho, separando dele todos os salpicados e malhados, e todos os escuros entre as ovelhas, e os malhados e salpicados entre as cabras; e isto será o meu salário.
De modo que responderá por mim a minha justiça no dia de amanhã, quando vieres ver o meu salário assim exposto diante de ti: tudo o que não for salpicado e malhado entre as cabras e escuro entre as ovelhas, esse, se for achado comigo, será tido por furtado.
Concordou Labão, dizendo: Seja conforme a tua palavra.
E separou naquele mesmo dia os bodes listrados e malhados e todas as cabras salpicadas e malhadas, tudo em que havia algum branco, e todos os escuros entre os cordeiros e os deu nas mãos de seus filhos;
e pôs três dias de caminho entre si e Jacó; e Jacó apascentava o restante dos rebanhos de Labão.
(Gênesis 30:32-36)

Um mau negócio?

É evidente no texto e na reação de Labão que essa proposta parecia ser desequilibrada em a seu favor: muito provavelmente, a maioria dos rebanhos de Labão eram puras ovelhas brancas e cabras puras brancas ou pretas, com pouquíssimos animais malhados, pintalgados ou listrados. Como a maioria dos rebanhos de Labão tinha cores sólidas de pelagem, ele imaginou que seus rebanhos continuariam a se reproduzir fielmente a suas peles de cor sólida. Depois de remover o pequeno rebanho de Jacob (ele mantinha os seus filhos longe de Jacob), ele acreditou que eles não poderiam, portanto, influenciar seu próprio rebanho, acasalando com eles. Para Labão, parecia que Jacob deixaria, na melhor das hipóteses, algumas ovelhas malhadas, listradas e riscadas, e talvez cabras, enquanto continuaria ganhando rebanhos e a pagar taxa de mão-de-obra extremamente baratas por seus cuidados.

Crítica Bíblica mal colocada e “Hocus Pocus” baseado na visão

Agora, como inicialmente lemos nesta passagem, nos deparamos com Jacob a decidir sobre uma metodologia bastante peculiar para o que parece ser a criação seletiva de ovelhas e cabras. Esta seção (Gênesis 30: 37–43) é a mais criticada como sendo folclore supersticioso e medicina “óleo de cobra”, “provando” que a Bíblia é cheia de contos de fadas e que o escritor (Moisés) era ignorante sobre qualquer conhecimento médico real. A acusação é feita de que esses pastores de cabras em Canaã obviamente não sabiam nada sobre genética e assim acreditavam em uma influência pré-natal quase lamarckiana ou mesmo em magia da fertilidade.1

Entretanto, quando alguém segue de perto a passagem de Gênesis 30: 37-43, torna-se evidente que um truque de acasalamento baseado na visão não é o que Jacob tinha em mente ou teria tentado. Agora vamos ler a passagem em questão.

Então tomou Jacob varas verdes de estoraque, de amendoeira e de plátano e, descascando nelas riscas brancas, descobriu o branco que nelas havia;
e as varas que descascara pôs em frente dos rebanhos, nos cochos, isto é, nos bebedouros, onde os rebanhos bebiam; e conceberam quando vinham beber.
Os rebanhos concebiam diante das varas, e as ovelhas davam crias listradas, salpicadas e malhadas.
Então separou Jacob os cordeiros, e fez os rebanhos olhar para os listrados e para todos os escuros no rebanho de Labão; e pôs seu rebanho à parte, e não pôs com o rebanho de Labão.
e todas as vezes que concebiam as ovelhas fortes, punha Jacob as varas nos bebedouros, diante dos olhos do rebanho, para que concebessem diante das varas;
mas quando era fraco o rebanho, ele não as punha. Assim as fracas eram de Labão, e as fortes de Jacob.
E o homem se enriqueceu sobremaneira, e teve grandes rebanhos, servas e servos, camelos e jumentos.

(Gênesis 30:37-43)

A maioria das pessoas tende a se concentrar nos versículos 40-41 que (em inglês) usam as frases que são traduzidas como “colocam as faces dos rebanhos para” e “diante dos olhos do rebanho” e concluem que o programa de criação de Jacob se baseou na obtenção do resultado dos bandos olharem para os ramos descascados (varas). Mas escapa-lhes a importância do versículo 38, que afirma que Jacob colocou os paus descascados no cocho de água e que os rebanhos criaram perto daqueles cochos. De fato, o que provavelmente está sendo aludido é o fato de que, à medida que as fêmeas bebiam água dos cochos, os machos subiam atrás delas para acasalar. Os cordeiros eram provavelmente colocados na frente dos bebedouros para manter as fêmeas focadas na frente deles, enquanto os machos vinham por trás e acasalavam com elas. Agora a questão que surge então é então como Labão tirou todos os animais listrados, salpicados e malhados dos rebanhos, como os rebanhos revestidos de cor pura poderiam começar a produzir nada além de animais malhados e listrados? É aqui que a direção providencial, as ervas medicinais e realmente a genética entra em ação.

O Conhecimento e Metodologia de Jacob

Em primeiro lugar, devemo-nos lembrar que os animais originais manchados / listrados não surgiram do vácuo. Obviamente, havia informações genéticas para que pelo menos alguns animais tivessem peles manchadas / listradas. Considerando o texto pelo seu valor de face, parecia ser um traço recessivo comparado ao número de rebanhos revestidos de cor pura, que dominavam os rebanhos.2 Se as coisas funcionassem como de costume, Jacob precisava ter esses animais com os traços genéticos para listras, manchas e arranjar forma para reproduzirem-se em maior número que os rebanhos revestidos de cor única. Isso exigiria três coisas, um conhecimento intricado dos comportamentos de alimentação e acasalamento dos animais, medicamentos para manter esses animais mais saudáveis e uma compreensão de quais animais tinham os traços genéticos que ele precisava produzir. Nós abordaremos as ervas medicinais mais tarde, mas por enquanto, vamos considerar a genética. Felizmente para Jacob, ele não precisava saber nada sobre genética, tudo o que ele tinha que fazer era obedecer a Deus.

Nós descobrimos mais tarde na narrativa estendida que Jacob beneficiou devido a visões de Deus. Todo o contexto pode ser encontrado em Gênesis 31: 7–18, mas o básico pode ser encontrado em Gênesis 31: 10–12.

Quando os rebanhos estavam criando, vi em um sonho que os machos listrados, manchados e salpicados estavam acasalando com as fêmeas. Nesse sonho, o Anjo de Deus disse-me: “Jacob!” E eu disse: “Aqui estou”. E ele disse: ‘Olhe para cima e veja: todos os machos que estão acasalando com os rebanhos são listrados, manchados e salpicados, pois tenho visto tudo o que Labão tem feito a você. ”(Gênesis 31: 10–12 HCSB) .

Jacob recebeu conhecimento prévio de que animais nasceriam pelos animais que estavam se reproduzindo. Mas espere, como poderia haver animais manchados / listrados para se reproduzir quando já tinham sido removidos por Labão? Precisamos ter em mente que esta era uma visão e que os animais listrados / malhados eram provavelmente Deus mostrando a Jacob a composição genética subjacente de alguns animais dos rebanhos. Tudo o que Jacob fez para talvez “ajudar” o programa de criação providencial de Deus era garantir ele desse a certos animais ervas medicinais para torná-los mais saudáveis e / ou quaisquer animais que parecessem fisicamente mais fortes recebessem remédios herbais e alimentos extras (sim, as varas podem ser consumidas como alimento pelos animais) na época de reprodução e animais aparentemente de uma só cor (mas que ainda assim continham a informação genética para listras e manchas) produziram, de forma providencial, mais manchas.

O cuidado de Deus e a defesa de Jacob

A resposta abrangente para as perguntas sobre essa passagem é que havia um meio providencial pelo qual Deus permitiu que Jacob prosperasse, embora Labão estivesse a tentar enganá-lo e defraudá-lo (Gênesis 31: 7-8). Labão começou a ver que Deus estava a abençoar os rebanhos de Jacob e então mudou os termos do acordo indiscriminadamente e repetidamente. Enquanto lemos essa passagem, precisamos ter em mente que Jacob não estava a trair Labão mas sim Deus estava a neutralizar a batota que Labão estava a fazer. Aparentemente, Deus tinha vindo a Jacob em um sonho e lhe dito o que fazer, e então Deus dirigiu o nascimento das ovelhas e bodes para produzir o que Labão tinha forçado Jacob a tirar dos rebanhos. Não nos é dito nas Escrituras se Deus miraculosamente mudou a composição genética dos rebanhos ou se apenas guiou divinamente aqueles com a informação genética para listras, manchas para superar os outros animais. Mas de qualquer forma, isso foi providencialmente direcionado.

O método em si tem sido frequentemente caracterizado como nada e, portanto, sem importância (mas veja a discussão sobre as propriedades naturais de algumas dessas coisas na próxima secção), exceto que provavelmente foi um mandamento de Deus para testar a obediência de Jacob. Portanto, muitos teólogos fazem questão de aconselhar não o tentar como um projeto de pesquisa de reprodução seletiva. Se Deus não tivesse intervindo sobrenaturalmente, provavelmente não teria funcionado do jeito que funcionou. Foi produzido sobrenaturalmente (embora não seja irracional que o processo tenha sido auxiliado por propriedades medicinais à base de plantas). Como Deus mandou os sonhos para Jacob, é possível que também tenha orientado Jacob na própria metodologia.

A ciência por trás das varas

Várias fontes afirmam que o álamo e amendoeiras têm propriedades medicinais para os seres humanos e animais. Há vários artigos científicos que mencionam que as árvores particulares das quais Jacob descasca as varas supostamente curam problemas urogenitais, reduzem as febres, funcionam como anti-inflamatórios e ajudam a reduzir os distúrbios reprodutivos. Tudo isso tornaria um animal mais saudável e mais propenso a produzir descendentes saudáveis.

Vários estudos foram feitos sobre álamo e casca de amendoeira, folhas, nozes e galhos (ramos de pequeno diâmetro, ou o que as Escrituras chamavam de “varas”), e eles mencionaram que as ovelhas os comeriam e que as ovelhas beneficiariam especialmente deles. Além disso, muitos dos compostos químicos ainda seriam benéficos, mesmo se fossem simplesmente mergulhados em água. Alguns desses benefícios são destacados abaixo.

Álamo

Melhores taxas de reprodução

Também tem sido proposto que o salgueiro e o choupo forneçam forragem para o gado de valor nutritivo moderado. A alimentação de folhas de salgueiro ou aparas para ovelhas durante o acasalamento resultou em redução da perda de peso vivo e aumento nas taxas reprodutivas.3

A suplementação pós-parto aumentou a taxa reprodutiva de ovelhas em aproximadamente 20 e 30% unidades para os grupos de tratamento baixo e alto, respectivamente, em comparação com o grupo controle. . . . O aumento da taxa reprodutiva em ovelhas suplementadas deveu-se ao aumento da taxa de conceção e da fecundidade, com maior proporção de ovelhas prenhes e maior proporção de gestações múltiplas nos grupos suplementados.4

A dieta reforçada de proteínas e carboidratos melhora ainda mais as taxas reprodutivas

Concentrações aumentadas de N [nitrogênio], CT [tanino condensado] e carboidratos solúveis em água (WSC) na dieta de ovelhas suplementadas também poderiam aumentar a produção de proteína dietética não degradável e proteína microbiana do rúmen, por unidade de proteína [proteína bruta] consumida. Uma combinação desses mecanismos, especialmente a provável maior absorção de proteína, provavelmente explica o aumento da taxa reprodutiva de ovelhas a partir da suplementação de choupo.5

O estudo mostrou que tanto as altas e baixas taxas de suplementação de álamo (em comparação com o controle) aumentaram a taxa reprodutiva. A percentagem de parição foi aumentada no grupo de tratamento alto, com os aumentos de 41 e 34%, respetivamente, em relação às ovelhas controle (que não foram alimentadas com uma dieta suplementada com choupo). Mesmo o tratamento com álamo mais baixo aumentou a percentagem de partos reais em 20%, em relação ao grupo controle. Esses efeitos do tratamento persistiram e os cordeiros ficaram mais saudáveis mesmo após o desmame.6

Taxas de Concepção Melhor, Gestação Ótima e Aumento dos Nascimentos Múltiplos

A taxa de concepção foi maior para o grupo de tratamento alto, comparado ao controle; 100% versus 92,9%. A proporção de ovelhas que deram origem a múltiplos cordeiros foi maior para os grupos de tratamento alto e baixo, em comparação com o controle. O tratamento com álamo teve um efeito significativo na data média do parto, com ovelhas no parto de alta qualidade 4 dias antes das ovelhas de controle.7

Salicina e taninos condensados em álamos aumentam a utilização de proteínas e a taxa de natalidade

Sabe-se que as árvores de álamo contêm concentrações significativas do composto secundário salicina e outros glicosídeos fenólicos, o que pode ser um fator no aumento da taxa reprodutiva em ovelhas suplementadas com estacas de choupo.8

A principal diferença entre a composição química da forragem de álamo e salgueiro e a pastagem de verão é a presença de substâncias químicas secundárias. Os principais químicos secundários presentes na forragem de choupo e salgueiro são glicosídeos fenólicos (por exemplo, salicina) e taninos condensados. Os efeitos dos taninos condensados no desempenho das ovelhas estão começando a se tornar aparentes e incluem o aumento da utilização de proteína da forragem e um aumento na porcentagem de partos em algumas circunstâncias.

Amendoeira

A amêndoa doce também demonstrou ter vários benefícios para os ruminantes no tratamento de doenças e distúrbios urogenitais.

A amêndoa doce é muito eficaz na úlcera vesicular, bem como na pedra renal e vesicular [rim e bexiga]. Assim, ajuda a aliviar a disúria, a nefrectomia, a micção por queimação [todas as infecções dolorosas do trato urinário] e a retenção urinária. Amêndoa amarga também é útil para estas doenças. Também é útil na úteralgia (dificuldade ou dor no trato urinário), inflamação e dureza do útero. . . 10

A próxima referência também afirma que o povo judeu usou casca de amendoeira para aumentar a produção de leite materno e diminuir as dores de parto no gado.

Judeus iemenitas usavam amêndoas externamente para tratar hemorragias. E internamente para tratar pedras nos rins, baço, dor de garganta e tosse. Medicina tradicional entre os judeus do Iraque faz uso extensivo da amendoeira e seus produtos para tratar doenças dos olhos, disenteria e dor de ouvido; aliviar as dores de parto e aumentar o leite materno.11

A Completa verdade

Uma última árvore é mencionada em Gênesis 30:37 e é traduzida como Castanha, Plano ou Sicômoro em versões inglesas. É quase certo que este é o Platanus orientalis ou o plátano oriental. Esta árvore também tem alguns benefícios medicinais documentados e, incidentemente, é mencionado que suas propriedades anti-inflamatórias são melhor extraídas por ter a madeira na água.
Benefícios anti-inflamatórios e gastrointestinais

A atividade anti-inflamatória de Platanus orientalis mostrou que o extrato aquoso de madeira de Platanus orientalis apresentou atividade máxima em contraste com outros extratos. Conclusão: Esses achados fornecem algum valor biológico de diferentes extratos de Platanus orientalis para uso como agentes antioxidantes e antiinflamatórios.12

As folhas de avião comumente conhecidas no Irã como “Barge chenar”, têm sido usadas em líquidos aromáticos concentrados, remédios herbais e medicina tradicional iraniana para tratar vários distúrbios. Eles são usados em medicamentos folclóricos e tradicionais iranianos para o tratamento de algumas doenças dermatológicas, gastrointestinais, reumáticas e inflamatórias.13

Neste estudo, verificou-se que é a madeira de Platanus orientalis que mostrou todas as atividades no máximo, portanto, deve-se concluir que a maioria dos materiais bioativos está concentrada na madeira, qualquer que seja o sistema de solventes.14

Benefícios para a saúde dos machos

Além dos benefícios à saúde das ovelhas mencionadas anteriormente, um animal macho mais saudável é mais provável de ser visto como um parceiro em potencial pela fêmea e, assim, aumenta a probabilidade de transmitir seus genes. Assim, qualquer coisa que seja de benefício medicinal, como um anti-inflamatório, antioxidante e urogenital e ajuda gastrointestinal (como nas amendoeiras e plátanos) beneficiaria todos e quaisquer animais nos rebanhos mantidos por Jacó. Portanto, pode haver algo nesse procedimento que Jacob utilizou. Muitos dos remédios internos mais comuns foram feitos embebendo a casca de choupos, aviões ou amêndoas na água, exatamente o que Jacob fez. Ele cortou tiras nos galhos, que expuseram os taninos na casca, depois os colocou nos bebedouros, e o calor solar provavelmente aqueceu o suficiente para liberar os compostos químicos na água.

A verdadeira ciência corrobora a escritura

Assim, a metodologia de Jacob, quer tenha sido por Deus lhe dizer quer ele tivesse algum conhecimento fitoterápico, parece ter alguns benefícios potenciais para a saúde, e com Deus provavelmente aumentando a fertilidade dos rebanhos que Jacob recebeu de Labão, os resultados do programa de reprodução foram extremamente benéficos para Jacob. A metodologia de Jacob funcionaria sem a ajuda da providência divina? É difícil dizer, mas com qualquer tipo de vantagem dada pelos remédios fitoterápicos, parece que algum sucesso reprodutivo teria sido inevitável (talvez não tão rapidamente ou numericamente vantajoso como aconteceu com Deus intervindo diretamente).

Em vez de ser um exemplo de folclore supersticioso e “magia da fertilidade”, o relato nas Escrituras é sustentado por estudos botânicos e farmacológicos, está sendo praticado hoje e está sendo estudado com mais detalhes. Os benefícios dos remédios fitoterápicos, comparados a alguns antibióticos, aos quais as bactérias e os parasitas estão se tornando resistentes, estão sendo investigados por muitos na indústria pecuária como uma adição bem-vinda à prática veterinária. Mais uma vez, os críticos descobrem que a Escritura ensina ciência sólida e, mais importante, que as respostas estavam no Gênesis o tempo todo.

Notas de rodapé:

  1. Scott B. Noegel, “Sex, Sticks, and the Trickster in 30:31–43: A New Look at an Old Crux,” Journal of Ancient Near Eastern Society 25 no. 1 (1997): 7–8, https://janes.scholasticahq.com/article/2420-sex-sticks-and-the-trickster-in-gen-30-31-43.
  2. “Australian Researchers Decipher Sheep Coat Color Genes,” GenomeWeb News, July 11, 2008, https://www.genomeweb.com/archive/australian-researchers-decipher-sheep-coat-color-genes; and “Goat Color Genetics 101,” Minifluffs Caviary, https://minifluffsrabbitry.weebly.com/goat-color-genetics-101.html.
  3. Shashwati Chandrakant Mathurkar, “Pharmacology of Salicin Derivatives in Sheep,” (PhD Thesis, Massey University, New Zealand, 2016), 68, https://mro.massey.ac.nz/handle/10179/12149.
  4. L. McWilliam et al., “The Effect of Different Levels of Poplar (Populus) Supplementation on the Reproductive Performance of Ewes Grazing Low Quality Drought Pasture During Mating,” Animal Feed Science and Technology 115, nos. 1–2 (July 2004): 2, doi:10.1016/j.anifeedsci.2004.03.006.
  5. Ibid.
  6. Ibid, 11.
  7. Ibid.
  8. Ibid, 15.
  9. D. Kemp, T. N. Barry, and G. B. Douglas, “Edible Forage Yield and Nutritive Value of Poplar and Willow,” Grassland Research and Practice Series, no. 10 (2003): 61, https://www.grassland.org.nz/publications/nzgrassland_publication_2609.pdf.
  10. Mohd Khalid Abdullah and Mohd Kashif Hussain, “Badam (Prunus amygdalus): A Fruit with Medicinal Properties,” International Journal of Herbal Medicine 5, no.5 (2017): 115, http://www.florajournal.com/archives/2017/vol5issue5/PartB/6-5-22-166.pdf.
  11. Efraim Lev and Zohar Amar, Practical Materia Medica of the Medieval Eastern Mediterranean According to the Cairo Genizah, (Leiden, Boston, Brill Academic Publishers, 2008), 93.
  12. Syed Irtiza et al., “Antioxidant and Anti-inflammatory Activities of Platanus orientalis: An Oriental Plant Endemic to Kashmir Planes,” Pharmacologia 7, no. 4 (2016): 217, doi:10.5567/pharmacologia.2016.217.222.
  13. Ibid., 218.
  14. Ibid., 221.

Artigo original por Troy Lacey em: https://answersingenesis.org/genetics/animal-genetics/jacobs-odd-breeding-program-genesis-30/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: