Todo os dias são maus dias Como Eclesiastes me ensinou a apreciar a vida

Após décadas de ministério, qual conselho gostaria de ter recebido enquanto jovem? Estude o livro de Eclesiastes.

Eclesiastes mostrou-me o segredo de apreciar a vida, mesmo no meio dos problemas. Salvou-me da desilusão quando os trabalhos que pensei que eram frutíferos pareceram ser inúteis. Quando amigos viraram as costas, Eclesiastes me ajudou a me proteger contra a amargura. Ele curou-me de colocar minha esperança num resultado específico e me protegeu de ficar perplexa e desanimada com más notícias.

Em resumo, Eclesiastes me fez realista, e ainda assim estou mais feliz do que nunca. Essa coleção de sabedoria tornou-se (como é para J.I. Packer, cujos escritos me apresentaram a Eclesiastes) meu livro favorito da Bíblia, e me arrependo de não o ter estudado antes.

Se você obtiver a sabedoria aqui enquanto ainda é jovem, ela o preparará para a vida real. Isso elimina falsas suposições com as quais às vezes lemos o restante das Escrituras. Mesmo se você encontrar Eclesiastes quando for mais velho, também certamente o livro explica muito. Você aprende que a vida não foi para lados tortos; já estava torta (Eclesiastes 1:15). Eclesiastes pinta uma imagem não envernizada da vida real, mas suas sombras pesadas ajudam a ver a luz da verdadeira alegria.

Os maus dias são normais

Para começar, Eclesiastes nos diz como é a vida. “uma enfadonha ocupação que deu Deus aos filhos dos homens para nela se exercitarem” (Eclesiastes 1:13). É assim que a vida realmente é, para todos nós.

Por causa do primeiro pecado fatal, Deus amaldiçoou a terra e impôs dificuldades à descendência de Adão (Gênesis 3: 16-19). A maldição afetou todos nós que vivemos “debaixo do sol” (Eclesiastes 1: 3). Os cristãos não são isentos. A maldição também infetou todo o trabalho do homem, “o trabalho em que ele trabalha” (Eclesiastes 1: 3). A vida é uma tarefa onerosa, uma ocupação frustrante, uma rotina cansativa. É um negócio infeliz. E Deus a fez assim.

Nosso problema é que realmente não acreditamos que a vida seja uma ocupação infeliz. Pensamos que, se trabalharmos duro, teremos sucesso. Imaginamos que o sofrimento é de curto prazo, a dor é uma exceção à regra e o fracasso é apenas o prelúdio da vitória. Essas ilusões nos deixam surpreendidos pelos contratempos, devastados pelo fracasso e pela perda, perplexos pelas provações, confusos pela dor. Não é assim que as coisas deveriam acontecer! Falamos sobre “ter um mau dia” como se fosse um em mil, mas Eclesiastes (e realmente o restante das Escrituras, quando você o lê bem) nos diz que todos os dias são maus. O trabalho diário sob o sol é um negócio infeliz.

Quanto mais cedo enfrentarmos o fato de vivermos e trabalharmos em um mundo amaldiçoado pelo pecado, mais realistas e estáveis ​​seremos. Pararemos de esperar que as coisas sempre melhorem. Não ficaremos tão surpresos quando eles às vezes pioram. Não temos mais medo de más notícias: não porque esperamos que não cheguem, mas porque sabemos que elas estão chegando (Salmo 112: 7; Eclesiastes 12: 1).

Adquira Eclesiastes e pode aprender a enfrentar os negócios infelizes da vida com coragem e humor. Não seremos tão rápidos em duvidar de Deus e finalmente teremos uma paz estabelecida em nosso coração. Como na minha família nos lembramos uns aos outros (com um sorriso) quando deparados com um novo negócio infeliz, “Isso é Eclesiastes!” Em outras palavras, Deus pode ser confiável; Ele nos disse que isso iria acontecer.

Bênçãos que você não pode contar

Eclesiastes nos ensina como aproveitar a vida no meio de nossas ocupações infelizes. Pois enquanto toda a humanidade trabalha sob os efeitos da queda, para aqueles que Deus chamou de acordo com seu propósito, Ele dá alegria. “Não há nada melhor para uma pessoa do que comer e beber e ter prazer em seu trabalho. Vi também que isto é da mão de Deus. . . . Pois para quem o agrada, Deus deu sabedoria, conhecimento e alegria”(Eclesiastes 2:24, 26).

As dádivas de gozo de Deus não são aleatórias; elas são da mão Dele. Como está escrito em Tiago: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes” (Tiago 1:17). Deus abençoa a labuta do cristão com prazer. Todo sentimento de satisfação em uma cama arrumada, um chão limpo e um armário organizado é da mão de Deus. A felicidade em um prazo cumprido, um orçamento equilibrado ou um relatório arquivado desce do Pai das luzes. Prazer em uma refeição deliciosa, e na louça toda limpa e guardada? Você adivinhou: da mão de Deus.

Que tal o alívio de resolver um problema, o prazer de ler um livro para seus filhos, a bênção de aliviar os problemas de seu marido? A brisa fresca através das janelas abertas no carro de manhã, o delicioso almoço com os amigos, a doce sensação de uma cama confortável à noite – todos esses momentos de diversão em nosso trabalho são presentes da graciosa mão de Deus.

Quando você começa a procurar os dons de alegria de Deus, a proporção de problemas e alegrias se torna surpreendentemente desequilibrada, inclinando-se fortemente a favor da alegria. Como meu marido gosta de dizer, bons presentes estão chovendo sobre nós da mão de Deus, todos os dias, durante toda a vida. Podemos sentir prazer em nosso trabalho se dedicarmos um tempo para ver e agradecer a Deus. Considere: de que maneira pode-se lembrar de aproveitar os presentes da mão de Deus hoje? Você descobrirá que é uma ocupação infeliz feliz que Deus deu àqueles que O agradam.

A recomendação final

Finalmente, Eclesiastes nos ajuda a enxergar além de nossas ocupações infelizes. Mesmo que seus amigos se afastem, seus negócios falhem ou você seja forçado a mudar para uma casa menor, você pode perseverar, porque o valor final do seu trabalho não é encontrado nesta vida. “Porque Deus julgará toda ação, toda coisa secreta, seja boa ou má” (Eclesiastes 12:14).

Em outras palavras, não nos resta, aqui e agora, determinar o valor final do nosso trabalho. Como Jeremiah Burroughs diz, somos simplesmente chamados a “desempenhar os deveres das [nossas] circunstâncias atuais”, confiando em Deus que, por fim, julgará a fecundidade de nosso trabalho e nos dará nossa recompensa celestial.

Isso significa que, não importa quanto coração você tenha derramado em uma amizade fracassada, quanta criatividade você investiu em um negócio a ser encerrado ou quanto esforço você dedicou à casa que terá de sair, seu trabalho para o Senhor nunca será um prejuízo líquido. É por isso que Paulo pode nos exortar a “sermos firmes, imóveis, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que no Senhor seu trabalho não é em vão” (1 Coríntios 15:58).

A vida sob o sol é brutal e não mostra sinais de ficar mais fácil. Nosso trabalho é amaldiçoado e muitas vezes, falha em algum nível humano, provavelmente mais do que sucede. Mas a mulher piedosa pode enfrentar o futuro com paz e confiança; ela até “ri da hora que está por vir” (Provérbios 31:25). Pois o mesmo Deus que nos disse que a vida é difícil nos disse que Ele está próximo (Salmo 34:18).

Pela fé em Cristo, podemos desfrutar dos dons paternos de Deus, abundantes na obra para a qual Ele nos chamou e aguardamos ansiosamente o dia em que – oh, graça incrível! – recebemos nossa recomendação de Deus (1 Coríntios 4: 5).

Artigo original por Carolyn Mahaney em : https://www.desiringgod.org/articles/every-days-a-bad-day

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: