O que faz toda a diferença- à imagem de Deus. O que nos torna especiais?

Somos apenas outro animal? Podemos discutir sobre DNA, tamanho do cérebro e estatura vertical, mas Gênesis 1 enfatiza um privilégio infinitamente maior que diferencia a humanidade

Implicações de uma visão anti-bíblica

O ateísmo vê o homem simplesmente como um ser material, como todos os outros animais. De muitas maneiras, essa é a visão predominante da cultura popular: o homem pode ter “vantagens evolutivas” sobre os animais na razão, na comunicação e em algumas habilidades físicas, mas não é um ser espiritual ou sagrado com um objetivo e um destino maior do que o dos animais. .

Nesta visão, o homem vive e morre como a besta. Assim, campos de concentração, gulags, campos de matança e clínicas de aborto são todos monumentos ao ateísmo. Tais visões degradadas do homem – particularmente ao negar que o homem é feito à imagem de Deus – inevitavelmente industrializam a miséria humana.

Cosmovisão bíblica

A Palavra de Deus, pelo contrário, vê o homem como o auge da obra de Deus. No sexto dia da Criação, como Sua obra final, Deus criou o homem como um ser físico e espiritual. Seu aspeto físico foi formado a partir do solo (Gênesis 2: 7) e seu aspecto espiritual veio de Deus (Eclesiastes 12: 7). Os animais, criados no quinto dia, se assemelham ao homem, pois também foram formados a partir do solo (Gênesis 2:19) e têm o sopro da vida (Gênesis 1:30, 6:17, 7:15, 7:22; Eclesiastes 3:19). Mas, embora os animais se assemelhem ao homem em certos aspetos, o homem os ultrapassa porque Deus soprou diretamente no homem e porque Ele criou o homem à Sua própria imagem. Assim, Deus coroou o homem com glória e majestade para governar as obras de Sua mão (Salmo 8: 5–6).

Mas o que exatamente é a imagem de Deus e quais são as implicações do homem sendo feito à Sua imagem? As respostas e aplicações de tais perguntas são essenciais para o cristão porque ditam a felicidade ou miséria humana – e frequentemente a vida e a morte. A imagem de Deus consiste na parte espiritual do homem que reflete o caráter de Deus e é a única base firme para advogar a dignidade do homem, a santidade da vida e a graciosa redenção dos pecadores.

A Imagem de Deus: Sua Natureza

Gênesis faz referência à imagem de Deus três vezes (Gênesis 1: 26–27, 9: 6). Em Gênesis 1: 26–27, Deus criou o homem à Sua imagem – uma frase repetida no versículo 27 de forma a dar maior ênfase – para o homem poder governar sobre a natureza. A palavra imagem geralmente descreve objetos físicos que são “esculpidos”, como as imagens físicas de deuses falsos (2 Reis 11:18) ou as imagens douradas (réplicas) dos ratos e tumores que Deus enviou como pragas nos filisteus (1 Samuel 6: 5) .1

O homem foi criado à Sua imagem. Esta não é uma ênfase ociosa. Alguns intérpretes questionaram se a preposição deve ser lida “como nossa imagem”, a fim de defender uma imagem física de Deus. Outros tentaram minimizar a implicação de que somos como Deus de várias maneiras. Mas a preposição aqui é significativa. Ela descreve o padrão em que Deus criou: Deus criou o homem em (ao padrão de) Sua imagem.2 Da mesma forma, em Êxodo 25:40, Deus ordenou a Moisés que fizesse a mobília do templo “no padrão da estrutura ”. Em Gênesis 9: 6, a imagem de Deus é mencionada novamente como a razão da pena de morte, porque o homem é feito à imagem de Deus. Nos três casos em que a frase aparece em Gênesis, a imagem de Deus diferencia o homem do resto da criação terrena como um reflexo de Deus, equipa o homem para governar a natureza e enobrece a vida humana.

Ser criado à imagem de Deus estabelece a dignidade humana e coloca o homem acima de toda a natureza.

A imagem de Deus é explicada em Gênesis 1:26 pela frase preposicional complementar “de acordo com nossa semelhança”. Semelhança significa “parecença” ou “similitude”. 3 Frequentemente usada em comparações (algo é como outra coisa), a semelhança geralmente descreve aparências (algo se parece com outra coisa na aparência). Ezequiel, por exemplo, compara a semelhança (aparência) dos rostos dos seres celestes com o rosto do homem (Ezequiel 1:10). A preposição na frase “de acordo com Sua semelhança” significa “semelhante a, como”, então Deus criou o homem à Sua imagem como semelhante à Sua semelhança. O teólogo John Laidlaw opinou que a imagem de Deus se refere a “aquelas características em Deus das quais o homem é uma cópia”. 4 Simplificando, a imagem de Deus reflete semelhanças entre Deus e o homem.

Mas como o homem é semelhante a Deus? Certamente, a semelhança exclui o corpo físico, já que Deus é Espírito (João 4:24). Além disso, exclui limitações criativas, pois Deus é infinito, eterno e imutável em todos os Seus atributos (Salmo 90: 2; Malaquias 3: 6; Jeremias 23:24). O homem se assemelha a Deus por ter um espírito livre, racional e pessoal, incluindo uma consciência com a lei de Deus escrita em seu coração (Romanos 2: 14-16); portanto, o homem pode governar a natureza de maneira semelhante à que Deus reina.5 Os Targums, a interpretação oficial da sinagoga no tempo de Cristo, explicam o espírito racional e pessoal do homem em Gênesis 2: 7: “E isto [o fôlego da vida] tornou-se no homem como um espírito que fala. ”Os seres humanos, em contraste com os animais, podem raciocinar, conversar e ter comunhão uns com os outros. Mas o mais importante, porque o homem se assemelha a Deus espiritualmente, ele pode ter comunhão com Deus.”

Mas, para ter comunhão com Deus, a imagem de Deus no homem deve refletir o caráter santo de Deus, especialmente em conhecimento, retidão e santidade – como caracterizada e produto da verdade. Em Colossenses 3:10, Paulo fala da imagem de Deus: “E [nós] vestimos o novo homem que é renovado em conhecimento, de acordo com a imagem daquele que o criou.” Na regeneração, Deus está renovando Sua imagem dentro de nós no verdadeiro conhecimento de Deus. Esse conhecimento de Deus é a vida eterna.

Na passagem paralela, Efésios 4:24, Paulo escreve: “E que você vista o novo homem que foi criado de acordo com [a imagem de] 6 Deus, em verdadeira justiça e santidade.” Paulo revela que a imagem de Deus inclui mais do que um espírito livre, racional e pessoal, mas que a imagem de Deus originalmente possuía um conhecimento de Deus, justiça e santidade permeado pela verdade. Esse tipo de justiça e santidade reflete a excelência moral de Deus. Mais uma vez, a semelhança da humanidade com Deus é espiritual. O pecado destruiu o conhecimento original, a retidão e a santidade que Adão possuía; assim, o homem nasce alienado de Deus, “morto em trespasses e pecados” (Efésios 2: 1), embora ainda possua a imagem de Deus agora danificada pelo pecado. A regeneração, no entanto, inicia o processo de renovação da imagem de Deus, restaurando o conhecimento perdido, a retidão e a santidade no crente. Esse processo continua até o fim da vida terrena do crente.

Mas mesmo na morte, quando corpo e espírito são separados, a imagem de Deus no homem continua. João, por exemplo, fala das almas debaixo do altar (Apocalipse 6: 9-11), as almas desencarnadas dos santos que partiram aguardando a ressurreição. Embora sem cérebro físico, eles se lembram do martírio, têm senso de justiça, expressam emoções e até desejam vingança. Embora sem boca física e cordas vocais, eles clamam e se comunicam, e até levantam suas vozes em voz alta. Embora sem um corpo físico, eles recebem roupas espirituais, enquanto esperam pela justiça.

Como espíritos desencarnados, os crentes mantêm a imagem de Deus. De fato, na morte no estado desencarnado, nossos espíritos serão aperfeiçoados ao se assemelharem a Deus (Hebreus 12:23). Na ressurreição, nosso corpo natural, que carrega a imagem do terreno (não de Deus) e é semeado na terra na morte, ressuscitará em um corpo espiritual. Então, nossos corpos também terão a imagem do céu (de Deus), assim como nossos espíritos agora (1 Coríntios 15: 35–49).

A Imagem de Deus: Sua Implicação

Por ser um ser espiritual feito à imagem de Deus, o homem se assemelha e reflete a Deus. Isso tem implicações profundas.

Primeiro, a imagem de Deus estabelece a dignidade humana. Ao negar a imagem de Deus, o ateísmo diminui a dignidade humana, reduzindo o homem a uma chance, um produto evolutivo da matéria, um mero animal. O panteísmo, no outro extremo, também nega a imagem de Deus e diminui a dignidade humana, exaltando toda a natureza como manifestação de Deus. As Escrituras, por outro lado, testemunham a dignidade do homem: “Pois você o fez um pouco mais baixo que os anjos, e o coroou de glória e honra” (Salmo 8: 5). Ser criado à imagem e à semelhança de Deus coloca o homem acima de toda a natureza. Segundo Cristo, uma alma humana é mais valiosa que o resto da natureza (Mateus 6:26; Marcos 8:36). De fato, Deus indicou o valor que dá à alma humana enviando Seu Filho para redimi-la. Isso não desvaloriza o resto da natureza, porque Deus a criou também. O homem à imagem de Deus deve governar a natureza com benevolência como bom mordomo da criação de Deus. No entanto, como escreveu o estudioso judeu Kaufman Kohler, “aquilo que distingue o homem do animal e também do resto da criação. . . é sua personalidade autoconsciente. . . através da qual ele se sente semelhante a Deus. ”7 Nenhuma condição humana mitiga essa verdade, seja ela uma limitação física, deformidade ou capacidade cognitiva. Somente o pecado tem um efeito debilitante (Romanos 1: 21–25, 3: 9–18, 5:12), mas só pode danificar a imagem de Deus, não removê-la. Nem mesmo os lunáticos nus que viviam em túmulos ou paralíticos ao lado da estrada estavam além da dignidade humana e da compaixão de Cristo (Mateus 4:24, 17:15; Marcos 5: 1-13).

Segundo, a imagem de Deus estabelece a santidade da vida. As culturas ateístas rejeitam a santidade da vida desvalorizando a vida dos nascidos e não-nascidos como política do estado. A Palavra de Deus, no entanto, protege a santidade da vida em suas leis. Em Gênesis 9: 5–6, Deus decreta que, se alguém cometer assassinato, o assassino deve perder sua vida, porque o homem é feito à imagem de Deus. O crime, portanto, é um ataque direto contra Deus. O tom pessoal e a tríplice repetição do verbo em Gênesis 9: 5 enfatizam a gravidade desse crime contra Deus: “E certamente seu sangue vital exigirei, das mãos de todo ser vivo certamente o exigirei. Da mão do homem, da mão de cada homem, exigirei a vida do homem ”(tradução dos autores). Deus pessoalmente procurará o assassino e o responsabilizará. A retribuição de Deus é certa. João Calvino observou que, como o homem é o portador da imagem de Deus, Deus se considera “violado em sua pessoa [a vítima]” e não se pode ferir outro ser humano “sem, de certo modo, ferir o próprio Deus”. 8 A literatura rabínica também fala em “prejudicar ”a semelhança divina através do homicídio.9 Deus criou a vida do homem como sagrada – destruir essa vida convida ao julgamento divino.

Terceiro, a imagem de Deus estabelece a necessidade da redenção de Deus. Sem a imagem de Deus no homem, o plano de redenção não existiria. Isso não implica que possuir a imagem de Deus habilite os pecadores à redenção, mas a redenção exige que os pecadores tenham sido feitos à Sua imagem. O propósito de Deus para enviar Seu Filho à semelhança do homem era renovar a imagem de Deus na humanidade através do evangelho (Efésios 4:24; Colossenses 3:10). De fato, os cristãos foram pré-conhecidos e predestinados a serem conformados à imagem de Seu Filho (Romanos 8:29). Como portadores da imagem de Deus, somos singularmente separados da criação, incluindo anjos (1 Pedro 1:12), para ser restaurados à comunhão com Deus, o Pai e Seu Filho (1 João 1: 3). O evangelho, uma vez recebido, renova a imagem que foi prejudicada pelo pecado de Adão e pelo nosso próprio pecado, para que o crente “tenha a imagem do céu” (1 Coríntios 15:49). Porque Deus nos criou à Sua imagem, sendo coroado de glória e honra, e por causa de Sua infinita graça para com os pecadores não merecedores, Deus enviou Seu Filho para nos redimir.

Os seres humanos carregam a imagem espiritual de seu Criador. Como portadores de imagem, todos temos valor, independentemente de nossas habilidades ou status nesta vida. Como portadores de imagens, percebemos que cada uma de nossas vidas é sagrada. Como portadores de imagens marcados pela Queda, precisamos de um Salvador. E como portadores dessa imagem, somos chamados pelo amor redentor do nosso Criador a ser renovados e conformados à imagem de Jesus Cristo, que é a perfeita e bela imagem de Deus.

E o nosso corpo é feito à imagem de Deus?

Na maior parte da história da igreja, pouca controvérsia cercava a natureza da imagem de Deus.1 Tradicionalmente, a alma ou a parte espiritual do homem servia como ponto focal da imagem de Deus. Recentemente, no entanto, muitos se afastaram desse entendimento. Alguns veem o homem criado como a imagem de Deus: semelhante a Ele no corpo físico. Bruce Waltke, por exemplo, sugere que a imagem se refere aos seres humanos como uma unidade psicossomática (uma unidade de mente e corpo) que “funciona para expressar, não para representar” Deus. Em essência, o homem é feito como imagem de Deus, em oposição à imagem de Deus. Além disso, baseando-se em paralelos de “imagem” e “semelhança” em estelas – monumentos de pedra dos antigos reis do Oriente Próximo – ele defende a imagem de Deus como vice-regência do homem na terra para governar a criação no lugar de Deus.2

Essa visão moderna, no entanto, apresenta problemas. Se a natureza física do homem ou sua função na Terra constituem a imagem de Deus, deformidades ou deficiências impediriam a realização da imagem. De fato, na morte, o homem deixaria de ser portador da imagem.

O valor e a dignidade do homem se estendem além de sua natureza física para algo interior: seu aspeto espiritual. Nos termos do Novo Testamento, é a renovação da imagem de Deus através do evangelho que aponta para a imagem como algo espiritual, como algo que é encontrado no ser humano. Paulo exortou que, enquanto o aspecto físico do crente está voltando ao pó, o aspeto espiritual é renovado todos os dias (2 Coríntios 4:16).

Embora rejeitemos as visões recentes de que o corpo faz parte da imagem de Deus, o entendimento tradicional da imagem de Deus não desvaloriza o corpo. De fato, porque o espírito do homem carrega a imagem de Deus, o corpo do homem se torna um tipo de templo que abriga a imagem de Deus, assim como o Espírito Santo que reside em nosso espírito faz do corpo de um cristão o templo do Espírito Santo (1 Coríntios 6:19). Consequentemente, as Escrituras costumam falar de nossos corpos como instrumentos de justiça (Romanos 6: 12–13); eles falam de matar os atos do corpo dominados pelo pecado (Romanos 8:13) e de apresentar nosso corpo como sacrifício vivo e santo (Romanos 12: 1). A imagem de Deus eleva o corpo acima de toda a criação terrena.

Mas uma coisa em que provavelmente todos podemos concordar é que os seres humanos foram criados para serem seres corporificados, com o corpo servindo de bainha para o espírito (Daniel 7:15). Este foi o desígnio de Deus. Deus tirou poeira do chão, formou o corpo humano e soprou nas narinas do homem o sopro da vida e o homem se tornou um “ser vivo” (Gênesis 2: 7). Como ser físico, ele é ordenado a procriar e dominar a natureza física (Gênesis 1:28). No entanto, por causa do pecado, o processo é revertido: o corpo retorna ao terreno de onde veio (Gênesis 3:19; Eclesiastes 3:20, 12: 7a) e o espírito retorna ao Senhor que o deu (Eclesiastes 3: 21, 12: 7b).

Notas de rodapé :

  1. With little variation, the church fathers, as well as Talmudic rabbis, would agree with Novatian who wrote, “[Man was] made in the image of God, to whom He [God] imparted mind, and reason, and foresight, that he might imitate God; and although the first elements of his body were earthly, yet the substance was inspired by a heavenly and divine breathing,” Novatian, “A Treatise of Novatian concerning the Trinity,” in The Ante-Nicene Fathers, vol. 5, Fathers of the Third Century: Hippolytus, Cyprian, Novatian, Appendix, ed. A. Roberts, J. Donaldson, and A. C. Coxe, trans. R. E. Wallis (Buffalo, New York: Christian Literature Company, 1886), p. 612.
  2. Bruce Waltke, Genesis: A Commentary (Grand Rapids: Zondervan), pp. 65–66.

 

Artigo original por David Casas e Dr. Russell Fuller em: https://answersingenesis.org/are-humans-animals/gods-image-difference-maker/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: