O segredo para se libertar do pecado habitual

Continuamos caindo no mesmo pecado quando deixamos de acreditar que a santificação realmente nos fará mais felizes do que ceder novamente. Muitos outros fatores podem nos influenciar, mas a raiz do pecado habitual é uma batalha não pelo autocontrole, mas pela felicidade. O que acreditamos e queremos, no fundo de nossos corações, realmente importa.

Quando meus dois filhos mais velhos eram adolescentes, eles faziam o que a maioria dos adolescentes mais jovens faz (incluindo meus três adolescentes restantes). Eles saqueavam a despensa, a geladeira e o congelador por carboidratos vazios à base de açúcar. Se não os encontrassem, corriam para restaurantes de fast food e lojas de conveniência. Minha esposa e eu insistíamos com eles em direção a dietas mais equilibradas e citávamos os efeitos negativos desses alimentos no corpo e na mente, baseados na ciência, mas com pouco sucesso.

Então, por volta dos 17 ou 18 anos, de repente, começaram a comer alimentos saudáveis ​​e nutritivos e a evitar “junk food”. De fato, começaram a se destacar aos pais e a exortar o restante da família a respeito da importância de comer bem. Agora, aos vinte e poucos anos, eles comem muito melhor do que eu na idade deles.

O que aconteceu com eles? Realmente não foi eles deixaram de ser ignorantes para serem informados. Eles sabiam, mesmo quando crianças, que junk food era “má” para eles e vegetais eram “bons” para eles. O que faltava era a crença de que comer vegetais realmente os faria mais felizes a longo prazo do que comer junk food naquele momento. Então eles experimentaram um “despertar” de que alimentos nutritivos trariam maior alegria a longo prazo, em vários níveis, do que carboidratos vazios. Foi aí que começaram a mudar o que comiam.

Seus despertares fornecem uma ilustração útil do motivo pelo qual muitas vezes vivemos derrotados perante um pecado habitual: continuaremos a escolher pecar enquanto acreditarmos que escolher não pecar é escolher menos felicidade.

O pecado pode ser bem simples

Agora, sou um pecador muito experiente (como você), então sei o quão reducionista isso pode parecer. Existem muitos fatores que contribuem para a razão pela qual continuamos a ceder ao pecado, mesmo que pensemos que não o queremos. O pecado é bastante complexo, não é?

Na verdade não. O pecado pode criar ilusões complexas e resultar em todo o tipo de complexidade. Mas, em sua essência, o pecado é bastante simples.

O apóstolo João diz isso em quatro palavras: “Toda a injustiça é pecado” (1 João 5:17). Sim, mas não são nossas motivações e influências para fazer errado uma grande bagunça emaranhada? Bem, o apóstolo Tiago diz: “Cada pessoa é tentada quando é atraída e seduzida por seu próprio desejo. Então o desejo, quando concebido, dá à luz o pecado”(Tiago 1: 14–15). Não há muitas qualificações. Não há muitas racionalizações. Não são muitas complicações.

Se somos tentados a pensar que isso se deve à ignorância de Tiago sobre fatores psicológicos, sociológicos, biológicos ou de origem que nos influenciam a pecar, estamos enganados. Ele pode não ter a extensão dos dados científicos disponíveis em nossos dias, mas ele conhecia os seres humanos. Sua epístola é cheia de reflexões penetrantes de nosso funcionamento interno. Na verdade, acho que ele viu mais claramente dentro de nós do que a maioria dos ocidentais do século XXI. Tiago simplesmente viu o que é o pecado em sua essência.

O pecado em sua essência

Todo pecado, toda irregularidade, não importa de que tipo – seja praticado em comportamento ou nutrido secretamente em algum lugar escuro do nosso coração (Mateus 5:28) – é uma manifestação de algo em que acreditamos. Todo pecado nasce de uma crença de que desobedecer a Deus (fazer mal) produzirá um resultado mais feliz do que obedecer a Deus (fazer o que é certo). Quer estejamos conscientes disso ou não, é a verdade. Ninguém peca por dever.

Todo pecado é uma versão repetida, um remake, do pecado humano original, quando nossos pais antigos comeram o fruto da árvore proibida. Por que eles fizeram isso? Eles eram ignorantes? Não. Deus lhes disse diretamente que comer a fruta seria errado e eles ficariam muito mais felizes se se abstivessem de comer (Gênesis 2: 16–17). Mas Satanás deu uma guinada diferente nas palavras e motivos de Deus e disse que eles ficariam muito mais felizes se comessem.

Eles pesaram as duas afirmações e fizeram a sua escolha. Eles viram que a árvore era “boa para comer” (“o desejo da carne”), “um deleite para os olhos” (“o desejo dos olhos”) e “desejável para fazer sábio” (“o orgulho da vida ”, Gênesis 3: 6; 1 João 2:16). Eles comeram pela alegria que (erroneamente) acreditavam estar diante deles.

Nós escolhemos em que acreditar

Não era errado que Adão e Eva fossem motivados pela alegria, assim como não era errado Jesus ser motivado pela alegria (Hebreus 12: 2). É por isso que escolhemos fazer ou não fazer alguma coisa.

Se for dada a escolha, escolhemos o que acreditamos que nos tornará mais felizes do que somos, ou menos infelizes do que somos – mesmo que o conhecimento em nossa mente nos diga que nossa escolha é “errada”. Como Blaise Pascal disse: “O coração tem suas razões, que a razão não sabe.” E Pascal sabia o que motivava as razões do coração: “ Todos os homens buscam a felicidade. Isso é sem exceção.” Deus nos criou assim.

O que o tornou errado foi onde Adão e Eva tentaram encontrar alegria, onde depositaram sua fé. Eles acreditaram na promessa de alegria de Satanás sobre a promessa de alegria de Deus. Pois “tudo o que não procede da fé [em Deus] é pecado” (Romanos 14:23). E “quem quiser se aproximar de Deus deve acreditar. . . que ele é  galardoador dos que o procuram”(Hebreus 11: 6).

Libertar-se do pecado habitual

Quando somos apanhados em pecado habitual ou assolador, nosso problema, em sua essência, pode ser simples. O que nos mantém em cativeiro é uma crença enganosa sobre o que nos fará felizes.

Eu sei as objeções que podem surgir. Muitas vezes “sabemos” que um pecado é destrutivo para nós e para os outros. Podemos detestar o pecado de certas maneiras e sentir vergonha por ele. Podemos ter um desejo sincero de sermos livres, e simplesmente sentimos que não podemos, como se estivéssemos escravizados – o que, de certa forma, somos (João 8:34). Essas são as complexas consequências e ilusões que o pecado produz.

A verdade, porém, é que somos escravizados porque acreditamos que desistir do pecado é abraçar a vida com menos felicidade ou mais miséria. Como meus filhos agora adultos acreditavam: comer junk food pode ser “má” para eles, mas a vida era mais feliz comendo comida “má” do que comer comida “boa”. Isso não mudou até que a crença deles sobre a felicidade nutricional mudou. Uma vez que isso mudou, o poder da junk food começou a perder força.

O pecado habitual não é derrotado fundamentalmente pelo poder da abnegação, mas pelo poder de um desejo maior. A abnegação é obviamente necessária, mas a abnegação só é possível – certamente a longo prazo – quando é alimentada por um desejo de uma alegria maior do que o que negamos (Mateus 16: 24–26).

Como se libertar

O segredo para se livrar do aprisionamento do pecado habitual começa com um exame orante, rigoroso e honesto das promessas satânicas em que acreditamos – e as melhores promessas que Deus fez. Quais promessas realmente produzirão a maior e mais longa felicidade, a serem verdade? E qual fonte de promessas que tem a credibilidade mais comprovada?

Então devemos renunciar às mentiras em que acreditamos, arrepender-nos perante Deus por ter acreditado nelas persistentemente e começar a exercer fé nas promessas de Deus, obedecendo-O – “[produzindo] frutos em harmonia com o arrependimento” (Mateus 3: 8).

Como disse, este é apenas o começo. Não prometo que seja fácil a partir daí. Muitas vezes, é muito difícil, porque a perceção de nossas falsas crenças não desassocia essas crenças. Frequentemente, crenças falsas entrincheiradas moldaram nossas perceções e comportamentos instintivos e, portanto, levam tempo significativo e esforço intencional para mudar. Não é chamada de “luta da fé” por nada (1 Timóteo 6:12).

Mas direi o seguinte: quanto mais convencido você se tornar de que Deus é a fonte de todas as alegrias superiores para si, mais decidido ficará para lutar por essas alegrias, e mais fácil será a luta ao longo do tempo. Mas, a menos que você se convença, em alguma medida, de que isso é verdade, o poder de seus pecados habituais manterá seu domínio sobre você.

Artigo original por Jon Bloom (@Bloom_Jon) em : https://www.desiringgod.org/articles/the-secret-to-breaking-free-from-habitual-sin

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: