Hermafroditismo em Animais

A reprodução é um processo complexo e amplamente variado, dependendo dos animais envolvidos. Para alguns animais, envolve apenas a duplicação de si mesmos. Para outros, é necessário encontrar um companheiro. Esse processo pode ser muito difícil ou muito simples, dependendo da espécie, e diferentes criaturas lidam com isso de maneiras diferentes. Uma maneira de os organismos terem sido projetados para lidar com a questão da reprodução é o hermafroditismo, no qual os indivíduos têm ambos os órgãos reprodutivos. Esta condição é mais comumente encontrada em peixes, mas outros animais exibem-lha bem.

O hermafroditismo vem em duas formas principais: sequencial e simultâneo. Hermafroditismo sequencial refere-se a organismos que iniciam a vida com um gênero e podem potencialmente fazer a transição para o gênero oposto à medida que envelhecem. Existem dois tipos de hermafroditismo sequencial, dependendo de qual gênero o organismo começa a vida. Se o organismo começa a vida como macho, o hermafroditismo sequencial é chamado protandria. Se a situação é revertida, chama-se protoginia.1

Hermafroditismo Simultâneo

No hermafroditismo simultâneo, os animais permanecem hermafroditas por toda a vida. Esse tipo de hermafroditismo é incomum na maioria dos vertebrados. Mas é conhecido entre alguns vertebrados, principalmente em peixes. Quando ocorre, geralmente envolve um fenômeno conhecido como “troca de ovos”. Esse fenômeno envolve um tipo especial de acasalamento, no qual ambos os parceiros passam os ovos e fertilizam os que recebem.2 Em outros organismos, o hermafroditismo simultâneo aparece de forma oposta com os parceiros trocando espermatozoides, envolvendo gametas masculinos em vez de femininos. Essa condição ocorre em peixes, caracóis, crustáceos e outros organismos.3 Um ou ambos os mecanismos são encontrados em peixes, moluscos4 e crustáceos.5

Curiosamente, o hermafroditismo simultâneo permitiria que os organismos se acasalassem com qualquer membro da mesma espécie, mas pelo menos alguns dos hermafroditos simultâneos são monogâmicos. Por exemplo, o Chalk Bass, um pequeno peixe de recife escolar, é um hermafrodita simultâneo que passa pela troca de ovos. No entanto, apesar da ampla oportunidade de acasalar-se com qualquer outro membro da escola, o Chalk Bass é monogâmico.6

Hermafroditismo sequencial

O hermafroditismo sequencial é muito mais comum que o hermafroditismo simultâneo.7 Ao contrário do tipo simultâneo, os hermafroditas sequenciais têm apenas os órgãos reprodutivos para um gênero em um dado momento. Sob certas circunstâncias, eles podem mudar de sexo. Os peixes-papagaio são bem conhecidos por sua capacidade de mudar de fêmea para macho.8 As fêmeas são capazes de sentir a ausência de um macho em um determinado território, e essa ausência estimula o desenvolvimento de uma das fêmeas na área para se tornar um macho. Curiosamente, ao contrário de outras espécies conhecidas de hermafroditas sequenciais, geralmente não é a maior fêmea que se transforma em macho.9 Em vez disso, uma das fêmeas menores se transforma em macho. Um padrão semelhante ocorre em algumas espécies de peixes-anjo, embora neste caso seja a maior fêmea que muda de sexo.10

De longe, o exemplo mais comum desse tipo de hermafroditismo protogínico é encontrado entre os wrasses, que são peixes de água salgada. O wrasse de cabeça azul é o exemplo mais conhecido e bem estudado. Um estudo recente postulou que o mecanismo por trás da mudança de gênero de fêmea para macho vem do estresse de uma interrupção da ordem social. Essencialmente, o artigo argumentou que a ausência de um macho induz um stresse social nas mulheres que causa modificações epigenéticas (alterações genéticas fora do genoma) que levam a maior fêmea a se tornar um macho.11 Independentemente disso, o wrasse de cabeça azul é um dos os exemplos mais conhecidos de hermafroditismo protogínico.

Embora menos comuns, alguns peixes passam de macho para fêmea quando necessário. O mais conhecido desses peixes é o popular peixe-palhaço. Além de gerar sua própria franquia de filmes, esses peixes também são populares entre os aquaristas de água salgada. O que é menos conhecido é sua capacidade de mudar de sexo. O peixe-palhaço vive em colônias constituídas por uma fêmea maior, um macho menor e até vários juvenis. Se a fêmea morre ou é removida, o macho menor cresce e muda internamente para uma fêmea, enquanto um dos juvenis se transforma em macho.12

Origens do Hermafroditismo

Os evolucionistas têm se esforçado para explicar o hermafroditismo. De acordo com suas próprias filogenias (estudos que tentam determinar a ancestralidade), não há uma linha clara que rastreie a evolução das várias formas de hermafroditismo em peixes ou outros organismos.13,14 Um artigo propôs a ideia de que o hermafroditismo surgiu de uma espécie de “ condição proto-hermafrodítica. ”15 Exatamente o que era essa condição não está bem definida, mas supostamente permitiu que os primeiros peixes exibissem múltiplas formas de hermafroditismo. Essa ideia não é generalizada, no entanto.

A visão mais comum na comunidade evolucionária é que o hermafroditismo é de alguma forma derivado de organismos heterossexuais.16 Geralmente, os evolucionistas pensam que o hermafroditismo surge da necessidade de parceiros, para manter a diversidade genética em organismos de baixa mobilidade ou pela vantagem de maiores números de determinado gênero.17 No entanto, nenhum desses modelos explica como o hermafroditismo surgiu em primeiro lugar. Um artigo disse: “Muito menos certas, no entanto, são respostas para as seguintes perguntas. Como exatamente o hermafroditismo evolui do gonochorism [gêneros distintos]? E o gonochorismo ressurgirá de casos filogeneticamente localizados de hermafroditismo ancestral? ”18 Este artigo está fazendo as perguntas certas, mesmo que não responda a nenhuma delas. Existe a suposição tácita de que, de alguma forma, não importa qual seja a resposta, o hermafroditismo deve ter evoluído porque existe. Essa é a falácia lógica de implantar a pergunta. Apenas supor que algo aconteceu não o torna verdadeiro. Este é outro exemplo da natureza plástica das explicações evolutivas, onde, independentemente das dificuldades, a evolução tem uma resposta.

O hermafroditismo faz muito mais sentido na perspetiva da criação. No mundo anterior à queda, o hermafroditismo simultâneo poderia permitir que organismos com interações limitadas se reproduzissem mais facilmente, pois teriam sido capazes de se acasalar com qualquer membro de sua espécie. No mundo pós-queda, o hermafroditismo sequencial também teria sido incrivelmente útil para manter a reprodução se o macho ou a fêmea dominante de um grupo morressem ou fossem comidos por um predador, principalmente para animais coloniais menores, como peixes-palhaço. Assim, o hermafroditismo nos animais se encaixa muito melhor com uma cosmovisão bíblica – sabendo que Deus se importa com suas criaturas e deseja que elas prosperem (Salmo 104: 24–28).

Notas de rodapé:

  1. Robert R. Warner, “The Adaptive Significance of Sequential Hermaphroditism in Animals,” The American Naturalist 109, no.965 (1975): 61–82, https://courses.pbsci.ucsc.edu/eeb/bioe161/wp-content/uploads/2012/12/Warner-Robert.-The-Adaptive-significance-of-sequential-hermaphroditism-in-animals.pdf.
  2. Eric A. Fischer, “Egg trading in the Chalk Bass, Serranus tortugarum, a simultaneous hermaphrodite,” Ethology 66, no. 2 (1984): 143–151, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1439-0310.1984.tb01361.x.
  3. Warton Monteiro, Jose Maria G. Almeida Jr., and Braulio S. Dias, “Sperm sharing in Biomphalaria snails: a new behavioural strategy in simultaneous hermaphroditism,” Nature 308 (1984): 727–729, https://www.nature.com/articles/308727a0.
  4. John A. Downing, J.-P. Amyot, M. Perusse, and Y. Rochon, “Visceral sex, hermaphroditism, and protandry in a population of the freshwater bivalve Elliptio complanate,” Journal of the North American Benthology Society 8, no. 1 (1989): 92–99, https://www.researchgate.net/profile/John_Downing4/publication/238104298_of_the_freshwater_bivalve_Elliptio_complanata/links/54132a6f0cf2fa878ad3d5b1/of-the-freshwater-bivalve-Elliptio-complanata.pdf.
  5. Helio Laubenheimer and Andrew L. Rhyne, “Experimental confirmation of protandric simultaneous hermaphroditism in a Caridean shrimp outside of the genus Lysmata, Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom 88 no.2 (2008): 301–305, https://docs.rwu.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1162&context=fcas_fp.
  6. Eric A. Fischer, “Simultaneous Hermaphroditism, Tit-for-Tat, and the Evolutionary Stability of Social Systems,” Ethology and Sociobiology 9 (1988): 119–136, http://courses.washington.edu/ccab/Fischer%20on%20hamlets%20&%20tit%20for%20tat%20-%20ESB%201988.pdf.
  7. Robert R. Warner, “Mating Behavior and Hermaphroditism in Coral Reef Fishes,” American Scientist 72 (1984): 128–136, https://pdfs.semanticscholar.org/4213/9446eeaca4c3686666f87f92c60b8f506d06.pdf.
  8. J.H. Choat and D.R. Robertson, “Protogynous Hermaphroditism in Fishes of the Family Scaridae,” in Intersexuality in the Animal Kingdom, ed. Rudolf Reinboth (Berlin: Springer-Verlag, 1975), https://www.researchgate.net/profile/D_R_Robertson/publication/280557474_Protogynous_Hermaphroditism_in_Fishes_of_the_Family_Scaridae/links/55b9004b08aec0e5f43c0c75.pdf.
  9. Roldan C. Muñoz and Robert R. Wagner, “Alternative contexts of sex change with social control in the bucktooth parrotfish, Sparisoma radian,” Environmental Biology of Fishes 68, no. 3 (2003): 307–319, https://www.researchgate.net/profile/Robert_Warner2/publication/227128011_Alternative_Contexts_of_Sex_Change_with_Social_Control_in_the_Bucktooth_Parrotfish_Sparisoma_radians/links/0912f50883b8a0e34f000000.pdf.
  10. Jack T. Moyer and Akinobu Nakazono, “Population Structure, Reproductive Behavior and Protogynous Hermaphroditism in the Angelfish Centropyge interruptus at Miyake-jima, Japan,” Japanese Journal of Ichthyology 25, no. 1 (1978): 25–39, https://www.jstage.jst.go.jp/article/jji1950/25/1/25_1_25/_pdf.
  11. Erica V. Todd et al., “Stress, novel sex genes, and epigenetic reprogramming orchestrate socially controlled sex change,” Science Advances 5, no. 7 (2019), https://advances.sciencemag.org/content/5/7/eaaw7006/tab-pdf.
  12. Associated Press “How some fish undergo sex changes spontaneously,” CBC, July 11, 2019, https://www.cbc.ca/news/technology/fish-sex-change-1.5207852.
  13. Jack T. Moyer and Akinobu Nakazono, “Protandrous Hermaphroditism in Six Species of the Anemonefish Genus Amphiprion in Japan,” Japanese Journal of Ichthyology 25, no. 2 (1978): 101–106, https://www.jstage.jst.go.jp/article/jji1950/25/2/25_2_101/_pdf.
  14. J.C. Avise and J.E. Mank, “Evolutionary Perspectives on Hermaphroditism in Fishes,” Sexual Development 3, no. 2–3 (2009): 152-163, https://faculty.sites.uci.edu/johncavise/files/2011/03/299-SexDev-herms.pdf.
  15. Gavin C. Woodruff, “Insights Into Species Divergence and the Evolution of Hermaphroditism From Fertile Interspecies Hybrids of Caenorhabditis Nematodes,” Genetics 186, no. 3 (2010): 997–1012, https://www.genetics.org/content/genetics/186/3/997.full.pdf.
  16. Yvonne Sadovy de Mitcheson and Min Liu, “Functional hermaphroditism in teleosts,” Fish and Fisheries 9 (2008): 1–43, https://www.researchgate.net/profile/Min_Liu5/publication/229778735_Functional_hermaphroditism_in_teleosts/links/5c45ace6a6fdccd6b5bd0f97/Functional-hermaphroditism-in-teleosts.pdf.
  17. Avise and Mank, 2009.
  18. Wagner, 1975.
  19. Avise and Mank, 2009.

Artigo original por Harry F. Sanders, III em : https://answersingenesis.org/animals/hermaphroditism-in-animals/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: