Girafas: testemunhos imponentes do design de Deus

Como uma girafa

Elevando-se sobre a savana africana, a girafa parece pertencer ao circo. Anda sobre “pernas de pau” e seu pescoço desfila alto no céu. Mas a girafa não é uma aberração cómica da natureza. Ela exibe design divino.

Quando a girafa dá à luz, o bezerro recém-nascido cai para o chão de uma altura maior que metro e meio. Dentro de 15 minutos após o nascimento do bezerro, ele se levanta sobre as pernas desgrenhadas. Em pouco tempo, o bezerro de quase dois metros de altura conquista os dois distintos andamentos de girafas.

A primeira marcha é lenta, enquanto a girafa move alternadamente as pernas esquerdas e depois as pernas direitas. Ao fugir de predadores como leões, a girafa pode galopar por um curto período de tempo a velocidades de quase 64 quilômetros por hora. Uma girafa corre o maior risco de um ataque de leão quando abre as pernas da frente e se inclina para beber água.

Sendo vulnerável a predadores, metade dos bezerros girafas não sobrevive ao primeiro ano. A outra metade, no entanto, pode viver 20 anos na natureza. As girafas adultas geralmente frustram os predadores por seu ponto alto de vantagem, galope rápido e chute poderoso, que pode matar um leão. O padrão marrom e creme da girafa camufla-o de predadores. Embora os padrões das girafas possam parecer idênticos, cada girafa tem marcações únicas.

Parasitas e doenças são frequentemente mais mortais para as girafas do que os predadores. As girafas afastam os parasitas produzindo químicos, que dão um cheiro fedorento ao seu pelo, e os pássaros-carrapato vivem das girafas comendo insetos como piolhos.

As girafas vasculham as acácias, usando as línguas de 20 polegadas para arrancar as folhas. Como suas línguas negras são preênseis, elas podem agarrar as coisas em suas línguas. Como ruminantes, as girafas mastigam a comida por metade na viagem da comida pelo estômago de quatro câmaras.

Uma girafa empunha o pescoço comprido para se comunicar. Ela mostra a submissão esticando o pescoço reto e alto, com o nariz apontado para cima. Para mostrar agressão, a girafa desce o pescoço paralelamente ao chão. Girafas machos usam seus pescoços para lutar pelo domínio, esganando-se – basicamente, uma luta de braço com os pescoços – e brigando – lançando seus pescoços e ossicones (chifres) para o oponente.

As girafas são principalmente criaturas silenciosas, fazendo apenas alguns sons como grunhidos e berros. Mas os cientistas captaram sons de baixa frequência, chamados ondas infra sonoras, que as girafas podem usam para se comunicar, mesmo a distâncias superiores a 1,6 km.

Resumo

1 Como o animal terrestre mais alto, as girafas macho se elevam a cerca de 6 metros. As girafas fêmeas são um pouco mais baixas e pesam menos do que os machos, que às vezes pesam 1300kgs.
2 As girafas vivem em rebanhos, com as fêmeas e os bezerros separados dos machos.
3 Nove subespécies da família das girafas foram identificadas em diferentes áreas da África, com base nas diferenças de tonalidade da pele. Os cientistas estão rotulando algumas dessas subespécies como espécies distintas.
4 O único outro membro da família Giraffidae é o ocapi, um animal elusivo com algumas listras de zebra.
5 Para enviar oxigênio suficiente para o cérebro, os pulmões das girafas são oito vezes maiores que os pulmões humanos.
6 A girafa ostenta a cauda mais longa dos animais terrestres, com quase oito pés de comprimento.1
7 As girafas dormem em média apenas duas horas de sono por dia.

Design Divino

Jean Lamarck e mais tarde Charles Darwin propuseram que uma girafa desenvolvia um pescoço longo, herdando características adquiridas através do uso e desuso. Darwin pensou que uma seca poderia ter levado as primeiras girafas a esticar o pescoço para alcançar as folhas no topo das árvores. Hoje, porém, através de uma maior compreensão da hereditariedade, sabemos que uma girafa com um pescoço esticado por alcançar lugares altos não passaria essa característica para sua descendência.

Uma ideia modificada sugere que o pescoço longo evoluiu através de mutações e seleção natural, o que favoreceu aquelas girafas que podiam alcançar galhos mais altos. Essa ideia levanta a questão: o que as girafas mais jovens comeriam e porque as girafas ainda hoje comem à altura dos ombros e abaixo? Mais importante, a progressão proposta de girafas de pescoço curto para pescoço longo está ausente no registo fóssil.2

Os evolucionistas também encontram um dilema de design para a evolução de um pescoço longo. Esse pescoço de um metro e oitenta exige um sistema intrincado de vasos sanguíneos para manter a pressão sanguínea adequada entre o coração e o cérebro. Uma girafa dobrando o pescoço para baixo para beber água é uma exibição maravilhosa de design. O coração de 11 kgs que bombeia o sangue até o pescoço contra a gravidade repentinamente se bombeia com a gravidade, isso deve causar a explosão do delicado cérebro. Mas os vasos sanguíneos são projetados exclusivamente com paredes reforçadas, válvulas de desvio, uma rede de amortecimento e sinais de sensor para moderar a pressão quando a girafa inclina o pescoço para baixo.

O reverso desse intrincado sistema acontece quando a girafa levanta a cabeça para que a pressão seja recuperada e a girafa não desmaie. Além disso, a pele esticada nas pernas das girafas foi comparada ao traje G de um astronauta, porque impede que a pressão alta pressione o sangue para fora dos capilares.

Ken Ham escreveu o problema para os evolucionistas:

Quantas girafas explodiram seus cérebros em pedaços ao se abaixarem – quantas desmaiaram quando ergueram a cabeça, tornando-se alimento para os leões – até que as características especiais de alguma forma evoluíram? É óbvio que as primeiras girafas precisavam ter esses recursos especiais desde o início. Caso contrário, elas não teriam sobrevivido para transmiti-los aos seus filhos!

Na próxima vez que você visitar o zoológico, pare na exposição de girafas. Com pessoas olhando para si, discuta como a girafa exibe a obra de Deus. Olhe para aquele pescoço comprido, mas não pare por aí. Desvie o olhar para o Criador e louve-o.

Digno és, ó Senhor,
de receber glória, honra e poder;
porque criaste todas as coisas,
e por tua vontade elas existem e foram criadas. (Apocalipse 4:11)

Notas de rodapé:

1  Liz Langley, “Nice Caboose: Animals with the Longest Tails” National Geographic, Accessed April 5, 2019. https://news.nationalgeographic.com/2016/04/160430-animals-science-longest-tails-reptiles/.

2  See Brian Thomas, “150 Years Later, Fossils Still Don’t Help Darwin,” Institute for Creation Research, March 2, 2009, http://www.icr.org/article/a-150-years-later-fossils-still-dont-help-darwin/.

Artigo original por Karin Viet em: https://answersingenesis.org/mammals/giraffes-towering-testimonies-to-gods-design/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: