Troque autoajuda por ajuda de Deus

Eles saíram para obter ajuda de um poder superior. O leão precisava de coragem. O homem de lata precisava de um coração. O espantalho precisava de um cérebro. A garotinha desejava voltar para casa. Mas no final da jornada, eles chegaram à infeliz descoberta: O Mágico de Oz não era um mágico. Ele precisava de telas e microfones. Sua varinha estava quebrada. Ele tinha apenas alfinetes e agulhas para dar.

No entanto, nem tudo estava perdido. Nossos quatro heróis perceberam que o que cada um procurava, cada um já possuía. Ao longo do caminho, o homem de lata amou, o leão arriscou, e o Espantalho pensou. Dorothy tinha a capacidade de viajar para casa de onde quer que fosse. Eles descobriram que não precisavam de um Oz todo-poderoso por trás da cortina. O que cada um realmente precisava, já continha.

Quer Frank Baum quisesse ou não, o Mágico de Oz é uma parábola adequada do movimento de autoajuda das gerações do oeste cada vez mais pós-cristão. O Oz, muitos dizem, não tem nada a oferecer. Deus, como confirma a sabedoria do homem moderno, é uma fraude. No entanto, alguns correm para nos dizer, nem tudo está perdido. Depois de despertarem do ópio das massas, eles nos dizem para acordar para a realidade: o que precisamos desde o início já reside em cada um de nós.

A verdade em autoajuda

Alguns professos cristãos estão a promover recursos de autoajuda a taxas alarmantes. Como pode acontecer ao morder o rolo de pizza muito rapidamente, podemos perder a capacidade de notar diferenças de sabor. Nós mastigamos a ideologia da autoconfiança da psicologia pop e não discernimos nenhuma diferença real do cristianismo, que se baseia na dependência de Deus. Engolimos os dois indiscriminadamente e nos perguntamos porque nossos estômagos doem.

Antes de examinarmos as diferenças entre as ideologias, primeiro uma pergunta: podemos aprender alguma coisa com o movimento de autoajuda? Porque esse placebo ajuda um pouco? Muitos se alinham para testemunhar seu poder de cura total. O que há no óleo de cobra?

Pelo menos um ingrediente verdadeiro: a autoajuda reconhece nossa agência pessoal. A autoajuda pressupõe que você realmente possa fazer algo para se ajudar. Também rejeita o engano de nos desviarmos impotentes a jusante de nossas circunstâncias passadas ou atuais. Não somos folhas flutuando caídas das árvores. O eu de ontem não precisa ser o eu do amanhã. Nós podemos aprender disciplina. Podemos “assumir o controle” de vários aspetos de nossas vidas, escapar dos vícios e superar medos.

Pelo menos a autoajuda afirma o que Deus sempre disse: podemos, mesmo agora, colher uma colheita diferente semeando uma plantação diferente. Destaca adequadamente a verdade de que podemos – e devemos – possuir algumas medidas de responsabilidade por nossas vidas. Cada um de nós pode escolher, como Lutero disse uma vez, muitas coisas sob o céu. E cada decisão terá consequências.

O conselho de autoajuda resgata algumas das visões de mundo fatalistas, paternalistas e desumanizantes (tão comuns hoje) que negam um componente crucial do mundo de Deus: “Então Deus criou o homem à sua própria imagem, à imagem de Deus que ele o criou; homem e mulher os criou ”(Gênesis 1:27).

Diagnosticando a diferença

A inaptidão da filosofia da autoajuda torna-se aparente quando a contrastamos com a ajuda de Deus. Observe três diferenças, entre outras.

1.Em quem você confia?

Os gurus de autoajuda têm pouco a nos vender além de nós mesmos. Ao parar na mera agência pessoal, eles nos enviam para construir uma nova vida, enquanto nos negam palha para nossos tijolos. Claro, eles se interpõem para nos levar adiante (por uma pequena taxa, é claro), mas o poder real reside dentro. O deus para quem eles apontam se inclina para caber em cada espelho que vemos. Voltando ao nosso otimismo infantil, “eu penso que posso, penso que posso”, essa busca sem fim para encontrar seu verdadeiro potencial é emprestada pela heresia mais antiga: “E você será como Deus” (Gênesis 3: 5).

Alegando ser sábios, esses gurus trocam a glória do Deus imortal por imagens de homens de sucesso. Acredite em si mesmo. Agarre o cetro da sua vida. Você pode fazer todas as coisas através de você que lhe dá força. Como se Deus, olhando do céu sem piedade, trovejasse: “Apenas se desenrasque!”

Os promotores de autoajuda não foram ensinados naquela escola que Paulo tinha:

Estávamos tão profundamente sobrecarregados além de nossas forças que nos desesperamos com a própria vida. De fato, sentimos que recebemos a sentença de morte. Mas isso nos fez confiar não em nós mesmos, mas em Deus que ressuscita os mortos. (2 Coríntios 1: 8–9)

As ilusões da autoajuda quebram quando o sofrimento pesa tanto nas nossas costas que desesperamos pela própria vida. A dor nos lembra que ainda somos apenas criaturas – pois os deuses não sangram. Mas toda aflição é uma amiga quando nos ensina a cantar: “Eu levanto meus olhos para as colinas. De onde vem minha ajuda? Minha ajuda vem do Senhor, que criou o céu e a terra ”(Salmo 121: 1–2). Somente os ombros Dele, que carregaram a cruz e sangraram de bom grado pela traição de nossa auto-dependência, podem suportar todas as nossas necessidades adicionais

2. Que ajuda recebe?

Quando procuramos ajuda interna, recebemos apenas soluções temporais para o que equivale a problemas eternos. Esse vício em álcool não é antes de tudo um pecado, porque destrói a família e envenena. Toda transgressão, como todos descobriremos em breve, é contra Deus: “Contra você, somente você, pequei e fiz o que é mau aos seus olhos” (Salmo 51: 4). Deus tem a primeira queixa, embora o estilhaço certamente atinja outros também. A auto-dependência pode subjugar alguns dos sintomas do pecado – você para de beber, comer demais ou cometer adultério – mas uma vida de pecado contra Deus permanece sem tratamento e, por fim, inalterada.

Enquanto a autoajuda pode arrumar um navio naufragado, ” a piedade, porém, para tudo é proveitosa, porque tem promessa da vida presente e da futura.” (1 Timóteo 4: 8). Graça treina o cristão a dizer “não!” ao roubo, problemas com raiva, pornografia, orgulho, preguiça e dizer: “sim!” ao autocontrole, retidão e vida piedosa no presente (Tito 2: 11–12 ) – enquanto nos guia para casa e no prepara para o céu, não o inferno.

3. Quem recebe a glória?

Quando confiamos em nós mesmos – e de fato obtemos sucesso – obtemos a glória. Sou mais inteligente, mais disciplinado, melhor. Quando nos tornamos homens e mulheres feitos por nós mesmos, e não homens e mulheres feitos por Deus, corremos de vidas desordenadas para os braços do orgulho. Tendo escapado da cobra, encontramos o urso. E isso tenta o autoconfiante a menosprezar os que não são bem-sucedidos e, quer eles sucumbam à tentação ou não, nunca se preocupam em olhar para Deus.

Mas o homem que confia em Deus tem uma canção de vitória muito diferente:

Não confio em meu arco, nem minha espada pode me salvar. Mas você nos salvou de nossos inimigos e envergonhou aqueles que nos odeiam. Em Deus nos vangloriamos continuamente e daremos graças ao seu nome para sempre. (Salmo 44: 6–8)

O cristão, acordado para a realidade de que ele não tem nenhum bem à parte de seu Deus (Salmo 16: 2), fala repetidamente: ” Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória” (Salmo 115: 1) Cristo é o seu orgulho. Cristo é o seu refrão. Ele quer que todo triunfo adicione outra joia à coroa de seu rei.

Faça a troca

A autoajuda me dá minha própria glória pequena e passageira. A ajuda de Deus nos oferece uma alegria profunda e eterna, segura em sua glória inabalável. A autoajuda oferece um bem temporal (na melhor das hipóteses). A ajuda de Deus dá o bem eterno com benefício presente. A autoajuda depende de minha disciplina, minha determinação e meu esforço. A ajuda de Deus se baseia no clamor de uma criança para seu pai, apoiando-se na família eterna e confiando nas promessas infalíveis de Deus. A ajuda de Deus me sustenta com Pão diário do céu. A autoajuda me canibaliza, pois não encontra outra comida. A ajuda de Deus termina na salvação, na glória e na conquista do mundo, da carne e do diabo. A autoajuda aborda as tosses e espirros desta vida, mas deixa-nos, no final, sem esperança, sem perdão e sem Deus neste mundo.

Portanto, troque a autoajuda pela ajuda de Deus. Deus não ajuda aqueles que, indiferentes a Ele, ajudam-se si mesmos. Ele trabalha para aqueles que esperam por Ele (Isaías 64: 4). No final, a autoajuda é pura loucura. Nos envia para trabalhar em Babel, alugar um quarto em Gomorra, comer relva com o rei louco e a falar sobre nós mesmos: “Pegue sua cama e levante-se”. O placebo funciona apenas por algum tempo, mas tudo acabará por cair – e “Grande será a queda.” Mas aqueles que confiam em Cristo têm Deus Todo-Poderoso trabalhando neles, promessas insondáveis para guiá-los, um céu para o qual caminhar e um Salvador para glorificar ao longo do caminho.

Artigo original por em : https://www.desiringgod.org/articles/trade-self-help-for-god-help

One thought on “Troque autoajuda por ajuda de Deus

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: