Uma tarefa grande demais para um. A terceira pessoa no Evangelismo

Fui ao estudo do Alcorão preparado, embora com alguma apreensão. Um dos membros do grupo convidou-me para sua casa nos arredores de nossa cidade da Ásia Central. Conhecemo-nos na semana anterior num parque, onde lhe dei uma cópia das Escrituras. Foi aí que me contou sobre o grupo de homens que se reunia uma noite por semana para discutir o Islão. Tendo me ouvido falar sobre Jesus, perguntou-se se eu estaria disposto a fazer o mesmo por seus amigos. “Você podia vir”, pediu ele, “e nos explicar a mensagem do Novo Testamento?” Eu concordei prontamente.

Quase instantaneamente, no entanto, comecei a questionar minha resposta. Se esse homem ou seu grupo quisesse fazer mal a um estrangeiro, seria muito fácil num local isolado à noite. Então, nos dias que se seguiram ao seu convite, minha mente correu todas as razões pelas quais eu não devia ir. Eu ensaiei minhas inadequações. Eu questionei minha capacidade de linguagem. Pensei na minha esposa e filhos.

No final, porém, estava convencido de que não podia recusar uma oportunidade tão única, então fiz a única coisa que pude: pedi ajuda. Primeiro, é claro, de Deus. Mas então pedi a alguns irmãos em Cristo que viessem comigo.

Evangelismo com uma terceira pessoa

Às vezes, quando confrontamos nossa responsabilidade evangelística, nossa resposta falada, ou não, é: Como devo fazer isso? Eu não sou dotado de evangelismo. Não sei todas as respostas. E se algo der errado?

Por trás dessas linhas aparentemente autodestrutivas pode estar um medo genuíno – algo parecido com o que experimentei naquela noite -, mas elas podem revelar uma suposição oculta de individualismo autossuficiente. Para ser um bom evangelista, assumimos que é preciso sermos adequados em nós mesmos. Você deve ser ousado, mas relacionável. Você precisa ser um teólogo acessível – gentil, embora persuasivo. Você deve ser apologista estudioso e comunicador cativante. No entanto, quem entre nós se encaixa em todas essas categorias? Ninguém.

Ninguém é suficiente para corresponder ao nosso chamado. Como Moisés, cada um de nós tem motivos legítimos para duvidar de nossas habilidades como porta-voz de Deus. Mas em nossa insuficiência, Deus nos lembra de seu poder e presença connosco – e Ele nos dá ajudantes. Não somos deixados sozinhos para realizar esta tarefa. Somos membros do corpo de Cristo e acredito que precisamos redescobrir o valor de fazer evangelismo nesta comunidade fornecida por Deus.

Algumas das minhas melhores lembranças da Ásia Central foram minhas conversas sobre o evangelho com muçulmanos. Se possível, sempre organizava um horário para reunir quando Dave, um irmão canadense, pudesse comparecer. Dave era mais acolhedor e amigável do que eu. Mas eu ficava mais à vontade liderando uma discussão no idioma local. Enquanto eu falava, Dave estava constantemente orando e se envolvendo. Invariavelmente, chegaria um momento em nossa conversa sobre o cristianismo, em que eu ficaria hesitante. Faltaria uma boa resposta. Ou eu esqueceria um verso. Nesse momento, sem falta, Dave interviria. Ele tinha apenas as palavras oportunas e verdadeiras. Para mim, a alegria de ver o Espírito nos usar como equipe foi emocionante.

Nós, não eu

Dada nossa interdependência criativa, não deve surpreender que o Novo Testamento retrate regularmente testemunhas saindo em grupos. Jesus estabeleceu o padrão enviando seus primeiros seguidores dois a dois (Marcos 6: 7; Lucas 10: 1). Nos primeiros capítulos de Atos, encontramos Pedro e João orando e pregando juntos (Atos 3–4). Em Antioquia, o Espírito separou Saulo e Barnabé para uma missão colaborativa (Atos 13: 2). Priscila e Áquila, esposa e marido, trabalharam em conjunto para discipular Apolo (Atos 18:26).

Os primeiros evangelistas também ministraram em grupos maiores. Os apóstolos prestavam testemunho juntos no Pentecostes (Atos 2: 1–4) e regularmente no templo (Atos 5: 12–21). Mais tarde, quando Pedro foi chamado para pregar a Cornélio, trouxe alguns irmãos (Atos 10:23). Paulo também, como seu Mestre, reuniu discípulos ao seu redor e viajou com eles. Ele constantemente ministrava e pregava em comunidade (Atos 16: 10–13; 19: 9).

Esse método evangelístico oferece responsabilidade, oração, garantia e orientação embutidas. Muitas vezes, ao me encontrar individualmente com um incrédulo, senti a necessidade de falar o evangelho apenas para acabar evitar fazer-lo. Mas quando encontro não-cristãos ao lado de um irmão ou irmã em Cristo, geralmente sinto-me mais encorajado e compelido a falar.

Não apenas isso, mas acredito que nosso testemunho é mais persuasivo quando evangelizamos ao lado de uma terceira pessoa. Quando realizado em comunidade – por mais que um crente – o evangelismo pode se expandir além do que “eu acredito” e “eu penso”. Na minha perspetiva, isso foi particularmente importante para viver como minoria e forasteiro numa nação muçulmana. Ao trabalharmos juntos, com minha esposa e filhos ou outros membros da igreja, nossa testemunha coletiva transmitiu amorosamente o que acreditávamos, o que experimentamos e o que compartilhamos em Cristo. É difícil ignorar uma mensagem consistente de várias vozes, especialmente quando se trata de uma comunidade de alegria, comunhão e convicção.

Evangelismo para a terceira pessoa

Mas há outro benefício em conceber o evangelismo realizado em comunidade, especialmente quando estamos conversando com mais de uma pessoa. Eu gosto de pensar nisso como fazer evangelismo para a terceira pessoa.

Aqui, novamente, a Bíblia nos dá exemplos. Quando Pedro e companhia visitaram Cornélio, eles pregaram o evangelho a um grupo de parentes e amigos (Atos 10:24). Quando Paulo e Silas conversaram com o carcereiro das Filipinas, reuniram toda a sua família para ouvir as boas novas (At 16:32). Nas Escrituras, encontramos regularmente evangelistas reunidos em casas, sinagogas, na beira de um rio, em salões comunitários e no mercado – geralmente na comunidade.

Mais de uma vez, experimentei a inesperada bênção de me encontrar com alguém que estava interessado no evangelho, apenas para que outra pessoa na sala respondesse positivamente. Em diferentes ocasiões, nos encontramos com um indivíduo que tinha perguntas sobre o cristianismo. À medida que a discussão continuava, ficou claro que suas perguntas eram mais como acusações. Mas como tentamos evangelizar na comunidade – hospedando amigos ou reunindo grupos em um café – geralmente havia outras pessoas na sala. E algumas vezes aprendíamos mais tarde que, embora silenciosos, eles eram os mais atraídos por Cristo.

Não apenas isso, mas quando fazemos evangelismo em nosso lar, fazemos com nossos filhos. Eles também escutam. Eles observam a fé de seus pais tornada real quando discutimos com outras pessoas sobre o evangelho. E nesse processo, eles podem ser moldados por um evangelho de segunda mão como a terceira pessoa na sala. De fato, às vezes me pergunto se um motivo pelo qual algumas crianças crescem e se afastam da fé é porque nunca ouviram seus pais falarem o evangelho a mais ninguém.

Outra pessoa na mesa

Portanto, sempre que você considerar uma oportunidade para evangelismo, não pense nisso apenas como uma conversa individual. O evangelismo pessoal não precisa ser individualista. Você não precisa esperar pelo momento perfeito em que está sozinho com um não-cristão. Você não precisa reunir força ou coragem para fazer tudo sozinho. Em vez disso, faça evangelismo com uma terceira pessoa em mente.

Quando você é convidado por não-cristãos para uma festa – talvez um lugar em que hesite em ir sozinho – leve um amigo em Cristo. Quando você receber vizinhos não convertidos para uma refeição, convide outras pessoas da igreja a virem também. Quando você pretende comunicar o evangelho a quem quer que seja, não se concentre apenas no seu público-alvo. Pense em convidar e incluir outras pessoas. Esteja consciente da outra pessoa na mesa. Pense nos seus filhos ouvintes. Lembre-se de trazer irmãos e irmãs, os dons que Deus deu, e experimente o incentivo mútuo que advém do evangelismo em comunidade.

Artigo original por Elliot Clark em : https://www.desiringgod.org/articles/a-task-too-big-for-one

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: