Confiando no Texto

Sem os textos originais da Bíblia em nossas mãos, como podemos ter certeza de que nossas cópias sobreviventes não contêm muitos erros?

Porque minha Bíblia de referência tem notas no final da página que dizem coisas como “Alguns manuscritos acrescentam. . .” Ou “alguns manuscritos antigos omitem. . . ”?

Este não é um problema menor. Liderado por Bart Ehrman, um movimento crescente afirma que não podemos ter certeza do que a Bíblia original disse.

Primeiramente, não há outra literatura antiga tão bem atestada por tantos manuscritos (cópias manuscritas do texto original) por um período de tempo tão longo quanto a Bíblia dos cristãos. Mas como não temos os originais, escritos por Isaías ou Paulo, por exemplo, será que as muitas cópias feitas ao longo dos anos introduziriam milhares de erros, como Erhman e outros acreditam?

Vamos dar uma olhada para saber o que dizer da próxima vez que alguém fizer essa reivindicação. Vamos começar com o Antigo Testamento.

O Texto do Velho Testamento

Os escribas judeus eram copistas em tempo integral. Eles consideravam suas Escrituras o texto mais sagrado. Transcrevê-los era um dever consagrado e uma responsabilidade impressionante que eles cumpriam com cuidado meticuloso. Eles contaram cada palavra e letra em cada linha. Assim que uma cópia precisa fosse cuidadosamente verificada, a cópia mais antiga nunca era usada novamente, para que ninguém pudesse adicionar seu próprio texto a uma área danificada.

O hebraico, o idioma em que a maior parte do Antigo Testamento foi escrito, originalmente não possuía vogais. Por volta de 900 dC, estudiosos judeus adicionaram vogais. O texto deles, conhecido como Texto Massorético, é o usado hoje em todas as nossas traduções. No entanto, o tempo entre Isaías (700 aC) para o Texto Massorético (900 dC) é de cerca de 1.600 anos. Tempo suficiente para erros aparecerem?

Em 1947, os Pergaminhos do Mar Morto foram descobertos, e um pergaminho completo de Isaías estava entre eles datado por volta de 150 aC. Isso reduziu o tempo entre Isaías e os Masoretes pela metade. Além da ortografia, gramática e pontuação – que não são erros -, há um acordo esmagador entre o pergaminho do Mar Morto de Isaías e o Texto Massorético, 900 anos depois. A versão padrão em inglês permitiu apenas 9 lugares em que os tradutores preferiram o texto do Mar Morto sobre o texto massorético – ou seja, 9 pequenas preferências em 1.286 versos da nossa tradução em inglês de Isaías. E nenhum delas introduz algum erro factual ou doutrinário.

O destacado estudioso FF Bruce concluiu que as evidências dos Manuscritos do Mar Morto confirmam o que já tínhamos boas razões para acreditar: “Os escribas judeus dos primeiros séculos cristãos copiaram e voltaram a copiar o texto da Bíblia Hebraica com a maior fidelidade” (Second Thoughts on the Dead Sea Scrolls, 1956, p. 62).

A tradução grega das Escrituras Hebraicas, concluída mais de um século antes de Cristo e conhecida como Septuaginta, é uma fonte adicional para confirmar o texto do Antigo Testamento. Mas é uma tradução, não um original. Novamente, existem diferenças, mas geralmente são fáceis de resolver.

O Texto do Novo Testamento

Os livros do Novo Testamento foram todos escritos antes do final do primeiro século. Essa foi a conclusão até do estudioso teologicamente liberal John A. T. Robinson em seu padrão Redating the New Testament (SCM Press, 1976). As jovens igrejas estavam ansiosas por obter cópias dos Evangelhos, das cartas de Paulo e do resto. Por exemplo, Clemente de Roma, que foi martirizado por volta de 95 dC, escreveu à igreja de Corinto para elogiar a carta de Paulo a Roma, que ele assumiu que eles possuíam (1 Clemente 47).

Até ao momento, existem mais de 5.800 textos gregos de todo ou parte do Novo Testamento. As primeiras cópias do Novo Testamento completo remontam ao século IV dC. No entanto, livros e fragmentos separados são muito anteriores a isso. Alguns datam já na primeira metade do segundo século. Além disso, os livros do Novo Testamento foram traduzidos muito cedo para outros idiomas (conhecidos como Versões); e podemos comparar nossa Bíblia com os extensos escritos dos primeiros líderes cristãos, incluindo alguns que citaram com frequência as Epístolas e Evangelhos. Tudo isso é material de origem para confirmar a precisão do nosso texto do Novo Testamento.

Alguns estimam que, ao todo, temos cerca de 20.000 dessas fontes para comparar nosso texto. Daniel Wallace, diretor do Centro para o Estudo dos Manuscritos do Novo Testamento, conclui: “Variantes significativas e viáveis. . . compreendem menos de 1% de todas as variantes de texto. No entanto, mesmo aqui, nenhuma crença cardinal está em jogo.”

Encontrando o melhor Texto

Onde alguns textos omitem ou acrescentam versos ou palavras, é tarefa dos especialistas sugerir qual leitura está mais próxima do original; existem critérios razoáveis ​​para isso. Lembre-se de que as palavras em questão não representam nem uma milésima parte de todo o Novo Testamento. Existem três “famílias” de textos gregos a considerar.

Primeiro. Mais de 80% dos textos gregos disponíveis para o Novo Testamento datam do século IX dC. Estes são conhecidos como Texto Majoritário. Em 1516, o erudito holandês Erasmus publicou sua edição do Novo Testamento Grego, que era significativamente próximo ao Texto Majoritário. Em 1550, Stephanus publicou seu próprio texto recebido, que era essencialmente o texto final de Erasmus.

Segundo. No século XIX, foram utilizados alguns textos mais completos do Novo Testamento que não estavam disponíveis para Erasmus ou Stephanus: principalmente códices (manuscritos antigos em forma de livro em vez de pergaminhos) Sinaiticus, Alexandrinus e Vaticanus. Estes foram datados para os séculos IV e V dC. Isso os tornou muito mais antigos que o Texto Majoritário e, portanto, foram assumidos por alguns estudiosos, incluindo Westcott e Hort, como mais confiáveis. Essa “família” se tornou o texto básico de muitas traduções para o inglês. A versão revisada e a versão padrão revisada são exemplos de traduções baseadas neste texto em grego.

Terceiro. A maioria dos estudiosos evangélicos segue hoje um curso intermediário e compara todos os textos disponíveis para produzir um Texto Eclético. A Nova Versão Internacional e a Versão Padrão em Inglês são exemplos baseados neste Grego.

Palavras que pode confiar

Descobrir exatamente o que o texto representa com mais precisão o original é conhecido como crítica textual. Esta não é uma frase negativa; significa apenas avaliar cuidadosamente. É uma disciplina altamente especializada. Isso não afeta nossa crença de que a Palavra de Deus é sem erro, porque inerrância se refere ao texto original escrito por Moisés, Isaías ou Paulo, por exemplo. As diferenças entre qualquer uma das cópias são uma pequena fração do todo. Confira essas notas de rodapé em qualquer Evangelho e você verá como são poucas e menores. Apenas em raras ocasiões são significativas. Nenhuma doutrina cristã depende de um verso disputado, como até Ehrman reconheceu quando afirmou que “crenças cristãs essenciais não são afetadas por variantes textuais na tradição manuscrita do Novo Testamento” (Misquoting Jesus, 2005, p. 252).

Em todos os manuscritos disponíveis do Novo Testamento, temos exatamente o que Deus revelou aos escritores do primeiro século. Além de João 7: 53–8: 11 e Marcos 16: 9–20, as únicas diferenças são variações relativamente pequenas em palavras ou versículos. Portanto, podemos afirmar com confiança que a Bíblia é a Palavra de Deus inerrante que foi incrivelmente bem preservada ao longo dos séculos. Temos muitas traduções excelentes e confiáveis.

É importante lembrar que a grande maioria das diferenças entre nossas várias traduções para o inglês são simplesmente as preferências dos tradutores na escolha das palavras em inglês para transformar a mesma palavra ou frase grega ou hebraica.

Qualquer pessoa que afirme que tudo o que temos em nossa Bíblia é uma “aproximação aproximada” do texto original está a ser extremamente imprecisa. Sir Frederic Kenyon, diretor do Museu Britânico por 21 anos, expressou confiança no texto da Bíblia: “O cristão pode pegar a Bíblia inteira em suas mãos e dizer sem medo ou hesitação que ela contém a verdadeira palavra de Deus, proferida sem perda essencial de geração em geração ao longo dos séculos ”(Our Bible and the Ancient Manuscripts, 1895, p. 55).

Todas as evidências reunidas desde que Sir Frederic Kenyon escreveu essas palavras reforçaram sua afirmação.

Deus prometeu preservar Sua Palavra

O único lugar em que podemos aprender sobre a vida eterna é na Palavra de Deus; portanto, o Senhor prometeu preservá-la para todas as gerações.

O salmista proclamou: ” Para sempre, ó Senhor, a tua palavra está firmemente fixada nos céus ” (Salmo 119: 89). Mas a Palavra de Deus também continua na terra, como o profeta Isaías nos garantiu: “A grama murcha, a flor desaparece, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre ” (40: 8).

O próprio Jesus Cristo falou da preservação de suas palavras: “” O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não passarão “” (Marcos 13:31).

O uso frequente do Antigo Testamento por Jesus e pelos apóstolos revela sua confiança de que havia sido preservado até os dias deles.

Para enfatizar a permanência de suas palavras, Deus adverte quem tenta mudá-las. Você pode encontrar estas advertências no início, no meio e no final de sua revelação:

Tudo o que eu te ordeno, você deve tomar cuidado. Você não deve adicionar ou tirar dela ”(Deuteronômio 12:32).
Não acrescentes às suas palavras, para que ele não te repreenda e sejas achado mentiroso” (Provérbios 30: 6).
Se alguém acrescentar a elas, Deus acrescentará a ele as pragas descritas neste livro, e se alguém tirar as palavras do livro desta profecia, Deus tirará sua parte na árvore da vida e na cidade santa ”(Apocalipse 22: 18–19).

Deus quer que sejamos confiantes que embora todas as coisas estejam a mudarao nosso redor, Sua imutável Palavra está em nossas mãos. “” A palavra do Senhor permanece para sempre “” (1 Pedro 1:25).

Artigo original em : https://answersingenesis.org/the-word-of-god/trusting-text/?utm_source=twitter-aig&utm_medium=social&utm_campaign=twitter-aig por Brian H. Edwards

One thought on “Confiando no Texto

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: