Memorize as promessas do pecado. Batalhando as três grandes tentações

Nada nos ajudará a combater a tentação como a intimidade com as promessas de Deus. Para superar a força sedutora da mentira do pecado, precisamos conhecer a voz mais doce, mais forte e mais segura de nosso Pai no céu. Uma maneira de Ele treinar seus filhos para escapar do emaranhado de pecado, no entanto, é os fazer estudar a voz terrível e inebriante de nosso inimigo. Ele quer que conheçamos os planos de nossos inimigos (2 Coríntios 2:11) para reconhecermos a tentação onde quer que a encontremos.

Quando o sábio de Provérbios transmite sabedoria a seu filho, ele começa com um aviso: “Meu filho, se os pecadores o seduzirem, não o consintas” (Provérbios 1:10). Uma marca de maturidade e sabedoria piedosa é uma maior consciência e vigilância contra a tentação. Mas como o rapaz saberá quando está sendo seduzido?

“Satanás semeia a ideia perturbadora de que merecemos muito mais do que temos.”

O que diria a seu próprio filho? Como você o prepararia para reconhecer e rejeitar a tentação quando ela inevitavelmente acontecer? O pecado persegue com sutileza e ambiguidade, mesmo quando o próprio pecado não é sutil ou ambíguo. O pai sábio quer que seu filho vulnerável seja capaz de discernir a sedução em todos os seus disfarces, então ele ensaia várias das promessas do pecado:

Se disserem: Vem connosco, embosquemos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes;
traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova;
acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos de despojos a nossa casa;
lança a tua sorte entre nós; teremos todos uma só bolsa.

(Provérbios 1:11-14)
Você ouve a tentação – o poder sedutor desse tipo de corrupção? Você reconhece o engano – como cada promessa de mel depende de alguma mentira? Pergunte a si mesmo o que torna esses males atraentes para o coração humano, para um coração como o seu. Deus, em sua palavra, nos ensina a meditar nas promessas do pecado, para que não sejamos enganados, seduzidos e destruídos por eles.

“És o senhor da tua vida”

A primeira tentação pode ser a mais difícil para muitos de nós nos relacionarmos: “Vem connosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova” (Provérbios 1: 11–12). Quem secretamente quer emboscar e matar alguém, quanto mais os inocentes? Como um pensamento tão violento e vil seduziria alguém?

Quando o rei Davi escreve sobre os iníquos, ele fornece uma chave para entender esse tipo de tentação:

No orgulho de seu rosto, os ímpios não o procuram;
todos os seus pensamentos são: “Deus não existe”. . .
Ele diz em seu coração: “Não serei abalado;
por todas as gerações não enfrentarei adversidades. ”. . .
Fica de tocaia nos povoados, à espera para matar inocentes.
(Salmo 10: 4, 6, 8).

O orgulho tem o poder de tornar até assassinatos intoxicantes. Somente um coração que diz: “Deus não existe” pode conspirar, se esconder e esperar para prejudicar os inofensivos. Você ouve a alegria em sua voz monstruosa? “Não serei abalado.” Eu posso matar uma pessoa inocente sem motivo, e ainda assim não ser punido. Nada vai acontecer comigo. Não há Deus – não há deus além de mim. O auge da maldade é crer que Deus não terá sua vingança contra o nosso pecado, que Ele não julgará todos os nossos pensamentos, palavras e ações com perfeita justiça.

Quando comecei a ver como o orgulho violento pode ser, pensei em uma manchete misteriosa que li sobre um horrível vídeo viral de um gangue atacando um estranho surpreendido e inocente. Por que alguém faria isso? Pensei eu. “Deus não existe. . . . Não ficarei abalado. ” Os ímpios gostam de fazer o pior que podem imaginar para provar que ninguém pode puni-los. Eles até registaram o crime e o publicaram para todos verem, inclusive a polícia. O orgulho tenta desesperadamente provar-se a si mesmo.

“O auge da maldade é crer que Deus não terá sua vingança contra o nosso pecado”

Pior, ainda assim, estamos todos bastante familiarizados com o assassinato de inocentes em nossos dias, pelo menos na América – milhões de inocentes. O aborto persiste por causa da ilusão orgulhosa do anonimato. A Paternidade Planejada (Planned Parenthood) (e outras) sobrevive neste evangelho: ninguém saberá e não há consequências. “Você é o deus do seu corpo” – não o Deus que compôs a obra-prima que toca em seu ventre (Salmo 139: 13). Os pregadores pró-escolha podem não recitar as palavras de Provérbios 1: 11–12, mas a insanidade impiedosa está escrita em todos os anúncios e outdoors cor-de-rosa: “Não há Deus“.

Mas há um Deus. Ele vê todas as manchas do nosso mal, e todos O encontraremos. Naquele dia, Ele chamará cada grama de iniquidade a julgamento até que não encontre nenhuma (Salmo 10:15). Salomão destaca a ironia na crueldade dos ímpios: “Esses homens aguardam seu próprio sangue; eles fizeram uma emboscada para suas próprias vidas ”(Provérbios 1:18). Quando os pecadores nos atraem, dizendo: “Você é o único senhor de sua vida”, eles estão nos atraindo para uma emboscada criada por nós mesmos. Nosso orgulho nos sussurra em direção à autodestruição.

Você vê esse impulso em seu próprio coração – fingir que Deus não vê seus pecados secretos, ou que Ele realmente não fará nada sobre eles? Com que rapidez matamos em nossos corações (Mateus 5: 21–22), dizendo a nós mesmos que ninguém sabe a raiva que nutrimos? Quantas vezes colocamos a bandeira da graça sobre nossos ombros enquanto mergulhamos de volta à luxúria, ganância ou egoísmo, assumindo que Deus deve nos perdoar? Se Deus deve nos perdoar, não importa o que façamos, então acreditamos que somos Deus. Talvez o horror dessa tentação não seja tão estranho, afinal.

Quando Satanás sussurra o contrário, lembre-se de que Deus responderá por todo e qualquer pecado que tenhamos cometido, seja no sangue de seu precioso Filho ou em ondas incansáveis ​​de ira. Ele não será escarnecido (Gálatas 6: 7), e a cruz não será prostituída. Se Deus perdoou nosso orgulho, esse orgulho vai e deve morrer.

“Posso-te dar mais que Deus”

Tendo alimentado e inflamado nosso orgulho, a tentação volta-se no próximo verso para nossos desejos, onde a ambição e a cobiça frequentemente se disfarçam. “Encontraremos todos os bens preciosos”, dizem os iníquos, “encheremos nossas casas de pilhagem” (Provérbios 1:13). O fascínio aqui é mais óbvio: podemos satisfazer todos os seus desejos secretos. O refrão é tão antigo quanto familiar. Quando Satanás deslizou até Eva no jardim, ele estendeu o bem precioso que Deus proibira: “Deus realmente disse: ‘Você não comerá de nenhuma árvore no jardim‘?” (Gênesis 3: 1).

Esta é uma das promessas favoritas do pecado: eu posso te dar mais do que Deus. Quantos de nossos pecados que nos assolam estão enraizados nas crenças gêmeas a que temos direito a mais do que Deus nos deu e que somente Deus não pode satisfazer nossas almas? Satanás semeia a ideia perturbadora de que merecemos muito mais do que merecemos. Que Deus retém o melhor de nós. Que santidade e pureza são caminhos seguros para o tédio e o arrependimento. Nossa carne persegue desesperadamente essa fantasia pecaminosa, mas perderemos tudo em nossa busca por mais do que Deus.

O sábio adverte mais tarde em Provérbios 1: “Tais são os caminhos de todos os que são gananciosos por ganhos injustos; tira a vida de seus possuidores” (Provérbios 1:19). A ganância rouba ainda mais do que promete. Em vez de satisfazer a fome inquieta em nossos corações, corta todo o oxigênio. Assim como o orgulho, quando os ímpios cedem à ganância, eles estabelecem uma armadilha mortal para si mesmos:

Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.

(1 Timóteo 6:10)

Enquanto estão deitados na cama, com os olhos fechados, imaginando-se entregando-se ao próximo conforto ou luxo, esfaqueiam-se repetidamente.

“Deus nos ensina a meditar nas promessas do pecado, para que não sejamos enganados, seduzidos e destruídos por eles.”

Enquanto escrevo, outro bilionário está no noticiário dessa busca perversa e insaciável por mais. Insatisfeito com o enorme sucesso, riqueza e fama, ele assediou dezenas de jovens. E quando o procurador dos Estados Unidos concordou com um acordo de apelo horrivelmente suave em 2008 (o advogado foi forçado a renunciar pelo caso), o bilionário pensou que havia escapado com seu mal – “Deus não existe. Não serei abalado. ” Ele não parou de saquear os inocentes na época e, portanto, voltou ao tribunal por acusações de tráfico sexual. Seduzido pelo pecado, não havia preço muito alto – nem mesmo sua alma. O único consolo é saber que Deus, ao contrário dos sistemas de justiça humanos, pode e irá punir todo mal cometido. O bilionário perceberá então que o preço por abusar daquelas meninas – por ignorar Deus para roubar ganhos pecaminosos – era muito mais alto do que ele jamais imaginou.

O segredo do descontentamento – em abundância ou em fome, com bilhões de dólares ou com poucos – é depositar nossa esperança e alegria em algo ou alguém que não seja Deus. É acreditar que esse bem precioso está em qualquer lugar fora da beleza dos mandamentos de Deus. Para os seguidores de Cristo, a morte, não o pecado, é ganho (Filipenses 1:21). Porque na presença Dele há plenitude de alegria, e à sua direita há prazeres – prazeres reais, intensos e inigualáveis ​​- para sempre (Salmo 16:11).

“Você nunca precisa sentir-se deixado de lado ou sozinho.”

Uma das frases mais fáceis de ignorar no aviso do pai também é uma das mais reveladoras. “Se eles disserem: ‘Venha connosco…” (Provérbios 1:11). A solidão aterroriza muitos de nós. E a praga está a espalhar-se nos Estados Unidos, não apenas entre os Baby Boomers, mas também entre as gerações mais jovens. Satanás espalha a praga de mil maneiras, separando os fracos do resto do bando, e depois deleitando-se com nosso medo e pena de nós próprios.

Os lobos em Provérbios 1 retornam a essa vulnerabilidade em nós: “Lança a tua sorte entre nós; todos teremos uma bolsa ”(Provérbios 1:14). A mentira deve ser tão óbvia – por que confiaríamos nos que matam os inocentes para se satisfazer? – e, no entanto, a promessa é inegavelmente atraente: você nunca precisa sentir-se deixado de lado ou sozinho de novo.

Não é simplesmente o apelo da comunidade, mas da comunidade sem julgamento ou limites. Podemos ouvi-los sussurrando: “Não vamos julgar ou rejeitar você. Nós não vamos confrontá-lo por causa do pecado; pecaremos consigo!” A “amizade” deles faz o pecado parecer tão seguro (estamos escondidos e protegidos um pelo outro), satisfatório (todo mundo está o fazendo e amando) e até sentimental (estamos gostando disso juntos). As promessas do pecado tecem um tecido cada vez mais forte de mentiras que se tornam cada vez mais difíceis de discernir.

Não precisamos evitar nosso medo da solidão, porque Deus nos disse que não fomos feitos para ficar sozinhos (Gênesis 2:18). De facto, na medida em que tentamos negar nossa necessidade de outros, as palavras tornam-se ainda mais atraentes: “Venha connosco“. Não, precisamos conhecer bem nossa necessidade e reconhecer a comunidade falsificada que o pecado oferece – do tipo que desaba quando as provações chegarem.

“As promessas do pecado tecem um tecido cada vez mais forte de mentiras que se tornam cada vez mais difíceis de discernir.”

Todos que seguem a Cristo algumas vezes se sentirão deixados de lado e sozinhos nesta vida. Se outras pessoas compartilharam o evangelho consigo e não o mencionaram, elas não o prepararam bem para andar com Jesus. Jesus diz: “Você será odiado por todos por causa do meu nome” (Mateus 10:22). Não seremos apenas ignorados, negligenciados e deixados de lado; seremos odiados – não por alguns, mas por todos. Mais uma vez, Ele diz: “O mundo os amaria se pertencessem a ele, mas vocês já não fazem parte do mundo. Eu os escolhi para que não mais pertençam ao mundo, e por isso o mundo os odeia.”(João 15:19). Ser escolhido por Deus significa ser rejeitado pelo homem. Até as promessas de Jesus nos lembram que nos sentiremos desprezados e evitados: “Bem-aventurados sois quando os homens vos odiarem e quando vos expulsarem da sua companhia, vos injuriarem e rejeitarem o vosso nome como indigno, por causa do Filho do Homem.”(Lucas 6:22) .

Portanto, devemos esperar sentir-nos deixados de lado e sozinhos – mesmo por nossas famílias (Marcos 10:29). Mas não completamente sozinhos. Jesus também diz: “Eis que eu estou convosco sempre até o fim dos tempos” (Mateus 28:20). Mesmo quando nos sentimos mais sozinhos, não estamos sozinhos se estamos em Cristo. E junto com Ele, somos adotados em uma família mais profunda, mais ampla e eterna. Cristo diz: “ E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe [ou mulher], ou filhos, ou campos, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna.” (Mateus 19:29).

Exponha as promessas do pecado

Como parte de sua guerra contra o pecado, medite nas suas falsas promessas. Não more lá, mas também não as deixe pegá-lo de surpresa. Podemos enfrentar de frente as mentiras atraentes, sem insegurança ou ansiedade, porque temos promessas muito melhores – e porque temos um Salvador que já lutou e venceu a guerra contra a tentação.

Quando o pecado diz aos nossos desejos famintos: “Eu posso te dar mais do que Deus”, podemos dizer com Cristo: “Está escrito: ‘O homem não viverá apenas de pão, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’. ”(Mateus 4: 4). Quando o pecado diz ao nosso coração solitário: “Eu o manterei seguro, e você nunca terá que se sentir deixado de lado ou sozinho”, podemos dizer com Cristo: ” As Escrituras também dizem: ‘Não ponha à prova o Senhor, seu Deus’”(Mateus 4: 7). Quando o pecado diz ao nosso orgulho: “Você é o senhor da sua vida”, podemos dizer com Cristo: ” “Saia daqui, Satanás!”, disse Jesus. “Pois as Escrituras dizem: ‘Adore o Senhor, seu Deus, e sirva somente a ele’.” (Mateus 4:10).

Tendo memorizado as promessas do pecado, nós as conquistamos com a espada do Espírito (Efésios 6:17), que é a palavra do nosso Deus.

Artigo original por Marshall Segal (@marshallsegal) em : https://www.desiringgod.org/articles/memorize-the-promises-of-sin

One thought on “Memorize as promessas do pecado. Batalhando as três grandes tentações

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: