Paganismo e a Revolução Transexual:

Durante grande parte do século XX, o mundo ocidental viveu sob a égide da cosmovisão cristã. As pessoas, mesmo as não cristãs, geralmente construíram seus pressupostos sobre o mundo na cosmovisão cristã. Por exemplo, o casamento teria sido justamente entendido como um homem e uma mulher unidos em um pacto vitalício sob Deus (ver Mateus 19: 3–9). No entanto, o mundo ocidental agora rejeita a ideia de que existe um Deus eterno, verdadeiro e vivo, Deus, que se revelou à sua criação e definiu o que é moralidade, casamento e sexualidade. Embora muitas coisas sem dúvida tenham ajudado a corroer a visão de mundo cristã no Ocidente, não há dúvida de que a revolução darwiniana que começou em 1800 abriu o caminho para a revolução sexual que ocorreu na década de 1960.(1) Hoje, estamos vendo o fruto da revolução sexual colhida na cultura ocidental, já que muitos dos radicais da década de 1960 ocuparam lugares influentes no governo, universidades e mídia e usaram essas plataformas para espalhar sua visão de mundo. Em nossa cultura ocidental moderna, as mudanças distorcidas e corruptas que estão a ocorrer são exibidas nos seguintes comportamentos (entre outros):

Homossexualidade
Bissexualidade
Poligamia
Pansexualidade
Transgenderismo
Travestismo
Não binarismo

De onde vieram todas essas crenças? A atual agenda sexual que está a ser promovida na nossa cultura por esses graduados da cultura dos anos sessenta é parte integrante de uma visão neopagã do mundo que moldou a atual geração milenar.(2) O que está a acontecer agora na cultura ocidental não é apenas a influência do secularismo, mas também o retorno do paganismo antigo (isto é, aqueles que adoram a criação). Embora muitos possam ver o paganismo como uma religião ultrapassada praticada por pessoas há milhares de anos, ele está bem vivo hoje. Em seu livro The Other Worldview, o teólogo Peter Jones aponta isso:

A agenda sexual é apenas um símbolo visível de uma poderosa desconstrução de um século da cosmovisão cristã e sua substituição por uma cosmologia pagã [monística], da qual a sexualidade é um sacramento.(3)

A cosmovisão neopagã é essencialmente monística (atribuindo unicidade ou singularidade à existência) e baseia-se em uma cosmovisão oriental. A visão de mundo monística “. . . vê o mundo como auto-criado (ou perpetuamente existente) e auto-explicativo. Tudo é composto da mesma coisa, seja matéria, espírito ou uma mistura. . . . Embora exista diferenciação aparente e até hierarquia, todas as distinções são, em princípio, eliminadas e tudo tem o mesmo valor. ”(4) É importante entender que a prática da homossexualidade e do transgenderismo não apareceu do vácuo, mas a celebração delas são a expressão perfeita de uma cosmovisão neopagã (monística).(5) Já foi observado, por exemplo, que a cosmovisão por trás do transgenderismo abraça a antiga filosofia do gnosticismo, na qual o verdadeiro eu é outra coisa para além de um corpo material. (6)

Nada novo debaixo do sol

As diferentes identidades sexuais que estão a ser promovidas e celebradas por muitos na nossa cultura hoje são fragmentos de evidência que o Ocidente adotou agora uma cosmovisão neopagã: o culto à criação. Em Romanos 1, Paulo enfoca especificamente a idolatria do mundo pagão resultante da supressão da revelação de Deus na criação (Romanos 1: 18–20). O resultado dessa supressão da verdade estava previsto:

Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.

Romanos 1:24,25

A Bíblia deixa claro que existem apenas duas visões de mundo: adoração à criatura (em mil formas diferentes) ou adoração ao Criador.7 A razão pela qual existem apenas duas visões de mundo é porque existem apenas dois tipos de mente neste mundo : a mente reprovável (Romanos 1:28; cf. 8: 7) e a mente perspicaz (Romanos 12: 2) .8 A mente reprovável, aprisionada no pecado, acredita na mentira e adora e serve a criatura e não ao Criador. Visto que a mente perspicaz foi transformada, libertada do pecado, está agora livre para adorar e servir ao Criador. Para remover a cosmovisão cristã, a cosmovisão neopagã deve corroer a distinção entre o Criador e a criatura. Uma vez que as pessoas rejeitam Deus como Criador e se voltam para a adoração da criação, isso leva à revolução sexual:

Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza.
Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.
Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam.

Romanos 1:26-28

Todos por um?

Não é surpresa que, desde o início da revolução sexual na década de 1960, testemunhamos um tsunami sexual público progressivo. Todas as crenças acima são agora parte integrante da visão de mundo ocidental e exemplos de como a moralidade se tornou tão distorcida e corrompida. A aprovação cultural de questões como homossexualidade e transgenderismo é um desenvolvimento progressivo de toda uma análise do pensamento monístico (a negação de distinções entre Deus e o mundo). O objetivo do neopaganismo é relativizar tudo o que parece diferente, unir-se aos opostos e livrar-se das distinções que Deus fez em sua criação devido à crença de que tudo é “um” (isto é, não binário = não dois) . Por exemplo, a heterossexualidade celebra a alteridade (grego, héteros = outro), enquanto a homossexualidade (grego homo = mesmo) celebra a uniformidade de tudo, que é a definição da cosmovisão neopagã. Na visão bíblica do mundo, no entanto, as distinções são o produto do trabalho do Criador na criação:

E Deus viu que a luz era boa, e separou a luz da escuridão.

Gênesis 1:4

Então Deus disse: “Haja um espaço entre as águas, para separar as águas dos céus das águas da terra”. Então Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar, para que apareça uma parte seca”. E assim aconteceu.
Deus chamou a parte seca de “terra” e as águas de “mares”. E Deus viu que isso era bom.

Gênesis 1:6, 9-10

Então Deus disse: “Haja luzes no céu para separar o dia da noite e marcar as estações, os dias e os anos.
Que essas luzes brilhem no céu para iluminar a terra”. E assim aconteceu.
Deus criou duas grandes luzes: a maior para governar o dia e a menor para governar a noite, e criou também as estrelas.
Deus colocou essas luzes no céu para iluminar a terra,
para governar o dia e a noite e para separar a luz da escuridão. E Deus viu que isso era bom.

Gênesis 1:14-18

Deus criou grande variedade de animais selvagens, animais domésticos e animais que rastejam pelo chão, cada um conforme a sua espécie. E Deus viu que isso era bom.
Então Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa imagem; ele será semelhante a nós. Dominará sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, sobre todos os animais selvagens da terra e sobre os animais que rastejam pelo chão”.

Gênesis 1:25,26

Em Gênesis 1, Deus separa as coisas na criação, colocando-as em seus devidos lugares, e também cria diferentes tipos de criaturas, e então declara que sua criação é “muito boa” (Gênesis 1:31). É importante perceber que as distinções são a essência do cristianismo e da criação:

Criador e criatura
Cristo e Satanás
Monoteísmo e politeísmo
Amor de Deus e amor ao próximo
Vida e morte
Verdade e falsidade
Santidade e pecado
Céu e inferno

Distinções básicas

Talvez a distinção mais importante em Gênesis 1 seja a criação da humanidade por Deus:

    Então Deus criou o homem à sua própria imagem, à imagem de Deus ele o criou; homem e mulher os criou (Gênesis 1:27).

Em Gênesis 1 e 2, há várias coisas sobre a distinção entre homem e mulher que são importantes para entendermos, pois estão sendo corroídas hoje pela visão de mundo neopagã. Primeiro, a distinção entre homem e mulher é uma realidade biológica e não algo social ou autoconstruído. O que fez de Adão e Eva “homem e mulher” é o fato de lhes ter sido dito “Sejam férteis e multipliquem-se. Encham e governem a terra” (Gênesis 1:28). O fato de o homem e a mulher poderem procriar nos diz o que Deus quer dizer com “homem e mulher”, pois é para isso que seus sistemas reprodutivos foram projetados. Em Gênesis 2:18, Deus disse: “Não é bom que o homem esteja sozinho. Farei alguém que o ajude e o complete” Quando Deus procurou um “ajudante” adequado para Adão, Ele não escolheu nem um animal nem uma duplicata exata do homem, mas criou uma mulher – formada exclusivamente para intimidade, companhia, trabalho conjunto e pró-criação (Gênesis 2: 22) Deus uniu o primeiro homem, Adão (1 Coríntios 15:45), e a primeira mulher, que foi levada do seu lado, chamada Eva (Gênesis 3:20). O fato de Adão e Eva serem feitos um para o outro é indicado no jogo de palavras de homem (iysh) e mulher (ishshah) (ver Gênesis 2:23). Essa associação específica é um reflexo do fato de que quando um homem e uma mulher deixam o pai e a mãe, eles se tornam “uma só carne” (Gênesis 2:24; cf. Mateus 19: 5). Somente uma “ajudante” feminina poderia ajudar Adão a cumprir o mandamento de “frutificar e multiplicar“, fazer com que Adão reconhecesse o aspeto “uma só carne” do convénio do casamento e é uma manifestação social de uma realidade biológica, pois ela é capaz de fazer o que Adão não pode fazer, pois ela pode ter filhos. A distinção entre masculinidade e feminilidade não é auto-construída, mas sim construída por Deus e deve ser celebrada como muito boa.

Uma solução

A única solução para esse problema da cosmovisão neopagã é a cosmovisão bíblica, pois vê corretamente as distinções no mundo: a principal é que Deus é nosso Criador e a humanidade é sua criação. Na visão bíblica do mundo, o principal problema da humanidade é que nosso pecado nos separa de um Deus santo e, portanto, somos dependentes Dele e não podemos nos salvar a nós mesmos (ver Efésios 2: 8–9). A resposta para esse problema é o ato de Deus, pelo qual Ele reconcilia suas criaturas de volta a Si mesmo através da morte e ressurreição de seu Filho, o Senhor Jesus Cristo (ver Colossenses 1:20). É nossa esperança e oração que, por meio de nossas conferências e materiais, possamos ajudar outras pessoas a encontrar essa solução.

Artigo original por Simon Turpin em : https://answersingenesis.org/family/marriage/paganism-and-the-transexual-revolution/

Notas de rodapé:

  1. O escritor, filósofo e humanista inglês Aldous Huxley (1894–1963), neto de TH Huxley (buldogue de Darwin) e irmão do evolucionista ateu Sir Julian Huxley, declarou o motivo de sua postura anticristã: “Eu tinha motivos para não querer que o mundo tivesse significado; consequentemente, presumi que não possuía nenhum, e consegui, sem dificuldade, encontrar razões satisfatórias para essa suposição. O filósofo que não encontra significado no mundo não se preocupa exclusivamente com um problema de pura metafísica, ele também se preocupa em provar que não há uma razão válida pela qual ele pessoalmente não deva fazer o que quer, ou por que seus amigos não devem tomar o poder político e governar da maneira que acharem mais vantajosa para si mesmos … Para mim, a filosofia da falta de sentido era essencialmente um instrumento de libertação, sexual e política. ” Aldous Huxley, Ends and Means (Nova York, NY: Harper & Brothers, 1937): 270.· Peter Jones, The Other Worldview: Exposing Christianity’s Greatest Threat (Bellingham, WA: Kirkdale Press, 2015): 50–81.
  2. Ibid., 64.
  3. Ibid., 12.
  4. Jones observa a conexão entre a visão de mundo monística e a sexualidade: “Os sacerdotes andróginos estavam associados à adoração da deusa Ishtar na era suméria (1800 aC). Está registado da deusa cananéia Anat: “Seus sacerdotes se vestiam e usavam maquiagem como [mulheres]”. No início do século V dC, o culto à deusa Cibele continuou a ter sucesso. Agostinho, em sua Cidade de Deus, descreve em primeira mão a exibição pública de sacerdotes homossexuais (galloi): “Eles foram vistos ontem, com os cabelos úmidos, os rostos cobertos de maquiagem, os membros flácidos, a caminhada efeminada, vagando por ruas e praças de Cartago, exigindo do público os meios para subsidiar sua vida vergonhosa. ”Ibid., 64.
  5. Dr. Ryan Anderson, “When Harry Became Sally: Responding to the Transgender Moment,” February 2018. https://www.youtube.com/watch?v=9VjlxHMwhsA. Isso não significa que todos aqueles que se identificam como transgêneros sejam gnósticos, mas apenas que a ideologia vem de uma visão de mundo gnóstica.
  6. Simon Turpin, “The Gospel and World Religions,” World Religions and Cults Vol. 2 (Green Forest, Arkansas: Master Books, 2016): 464.
  7. The Other Worldview, 162–178.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: