A morte chegará quando Cristo chamar

Eu nunca costumei olhar para cemitérios. Meu medo da morte enquanto criança proibia-me de olhar para baixo das lápides, como se eu pudesse evitar a foice do ceifador, simplesmente desviando os olhos.

A morte era estrangeira até eu ver meu pai murchar. Quando o cancro raspou sua estrutura até os ossos, e o espaço entre as respirações ganhou maior distância, meu pior inimigo parecia dançar e destruir tudo ao mesmo tempo.

Eu queria que a morte se fosse, mas, em vez disso, foi meu pai que foi. Fiquei tão abalada com seu falecimento que me recusei a ver a maca sair da casa. O ceifador pode muito bem ter tirado meu pai de mim, mas eu não ofereceria a ele a satisfação do meu olhar. Eu não olharia enquanto a carrinha mortuária se afastava na escuridão da meia-noite.

Não foi até que me tornei seguidora de Cristo que minha perspetiva sobre a morte mudou, e cheguei a entendê-la como algo mais que um instrumento de destruição. Em Cristo, a morte não é dia do juízo final – é uma porta de entrada.

A morte serve o tempo de Cristo

É verdade que a morte é uma consequência desprezível da queda, e é certo lamentar e chorar pela devastação que causa neste lado da eternidade. No entanto, a morte não opera nem pode operar fora dos limites da soberania divina.

O ministro do século XIX, Alexander MacLaren, sugere: “A morte é o ministro de Cristo, ‘poderoso e belo, embora seu rosto seja sombrio’, e ele também se posiciona entre as fileiras dos ‘espíritos ministradores enviados para ministrar àqueles que serão herdeiros da salvação ‘[Hebreus 1:14].” A profunda sugestão de que a morte é um espírito ministrador pertencente a Cristo pode conceder coragem e conforto àqueles que creem. Porque Cristo derrotou a morte, Ele é seu dono e ordena que sirva a seus maiores propósitos de redenção. A convocação de Cristo não é precipitada, acidental, não intencional, impetuosa, mal calculada ou até cruel – não pode ser, pois seria inconsistente com Seu caráter.

No entanto, da nossa perspetiva no terreno, a morte geralmente se parece com todas essas coisas. Embora esse paradoxo não faça sentido para nós, Deus deseja que vivamos na tensão de sua verdade invertida. Nós nos consolamos, não apenas confiando nos caminhos mais elevados de Deus (Isaías 55: 8–9), mas também lembrando que Jesus não está nos pedindo para caminhar por algo que Ele não suportou.

Não se engane: quando o Mestre deseja que estejamos em casa, o chamamento vem apenas Dele. Cristo é o único com as chaves da morte (Apocalipse 1:18). Satanás não comissiona a morte, embora ele possa ter um papel no seu trabalho.

Seguimos o caminho do Mestre

Em João 14: 3–4, Jesus diz: “quando tudo estiver pronto, virei buscá-los, para que estejam sempre comigo, onde eu estiver. Vocês conhecem o caminho para onde vou.””(NVT). Quando tememos a morte, nossas almas desejam ser confortadas por alguém que passou pela aterrorizante peregrinação e finalmente viveu para contar sobre isso. Jesus – as primícias da vida ressuscitada (1 Coríntios 15:23) – é o único Homem que pode se orgulhar de tal feito. Ele acena com as mãos trespassadas pela grande brecha e nos acena para a glória. Para estar com Ele onde Ele está, devemos seguir o caminho que Ele seguiu: “Então, quando nosso corpo mortal tiver sido transformado em corpo imortal, se cumprirá a passagem das Escrituras que diz: “A morte foi engolida na vitória.” (1 Coríntios 15:54).

R.C. Sproul escreve sobre Cristo: “Ele derrotou o inimigo último da vida. Ele venceu o poder da morte. Ele nos chama a morrer, um chamado à obediência na transição final da vida. Por causa de Cristo, a morte não é final. É uma passagem de um mundo para o outro.” Não apenas o anjo da morte deve obedecer a Cristo no assunto, mas também devemos nos submeter em completa obediência – não mais por punição, mas por convite. Vem criança; Desejo que estejas onde estou (João 14: 2–3; 17:24). Assim como foi para Cristo, o corredor da morte é um pré-requisito para a nossa glorificação, onde corpo e alma aguardam sua redenção final.

Às vezes, a misericórdia mais amável que Deus pode conceder é o chamado que nos leva para casa. MacLaren explica: “Além de todas as causas secundárias, mais profundas que doenças ou acidentes, está a vontade amorosa daquele que é o Senhor da vida e da morte“.

Viajando Bem à Glória

De maneira alguma devemos tirar luz do mal que a morte desencadeia. Deveríamos odiá-la com todas as fibras do nosso ser, porque nosso corpo não foi originalmente projetado para lidar com ela. A morte era algo estranho no jardim do Éden, mas, devido à desobediência de um homem (Romanos 5:19), todos caímos sob sua maldição e gememos para que ela seja erradicada para sempre (Romanos 8: 20–23). Até aquele dia, observamos o ministro da morte ir para onde ele é comissionado divinamente, deixando-nos muitas vezes confusos com a lógica elevada das ordens.

No entanto, porque Cristo ressuscitou (Romanos 6: 9), podemos ter confiança de que Ele não mora na sepultura – e, se não há sepultura para Ele, então não há para nós também (Romanos 8:11).

“Quando o Mestre deseja que estejamos em casa, o chamamento vem Dele.”

Jesus realiza uma dupla obra para suas ovelhas: aqui na terra, Ele está connosco (Mateus 28:20). Lá no céu, Ele espera para nos receber (João 14: 3). Na terra, nossa comunhão com Ele é real, embora incompleta (1 Coríntios 13:12; 1 João 3: 2). No céu, obtém sua perfeição gloriosa (Colossenses 3: 4). Na terra, Cristo serve como nosso pastor que nos conduz pelo vale da morte (Salmo 23: 4). No céu, Ele nos acolhe na alegria do Mestre, com toda a ansiedade e exuberância que a hospitalidade divina pode oferecer (Mateus 25:23).

Em Cristo, podemos olhar para a morte e ver algo além de um ceifador angustiante: vemos um servo executando os planos necessários para levar o povo de Deus a um plano superior de glória (2 Coríntios 4:17). Ver a morte através das lentes da redenção pode não nos ajudar a entender os meios trágicos, mas nos dá maior confiança em confiar em Deus para os fins. Pois se o Santo de Israel envia um convite para casa, podemos ter certeza de que, de alguma forma, está selado com a bondade do beijo de Cristo. Quando tudo estiver pronto, Ele virá nos buscar.

Artigo original por Christine Chappell (@chappellwrites) em : https://www.desiringgod.org/articles/death-will-come-when-christ-calls

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: