Homem e mulher os fez. Sexo, género e a imagem de Deus

O “gênero” é uma construção social? Ser homem ou mulher deve ser uma questão de escolha pessoal? Existem mais de dois “sexos”?

Dez anos atrás, essas perguntas eram inéditas, sem ser em alguns departamentos de universidades seculares. Mas, por mais peculiar e até sacrílego que possa parecer, muitas pessoas hoje diriam sim a essas três questões. Talvez seu jardim de infância tenha um companheiro de brincadeira sendo criado como “neutro em termos de gênero”. Ou sua cafeteria está a começar a usar crachás com “pronomes preferidos”. Ou um pouco mais perto de casa, você pode ter um membro da família que está “em transição”.

Embora o Ocidente moderno tenha perdido seus limites e celebrado uma infinidade de opções de gênero, como devem os cristãos entender e criticar os conceitos atuais de gênero à luz das Escrituras? Começamos com o entendimento, e não o conflito, de quatro categorias: sexo, gênero, normas e chamados.

Sexo: Masculino e feminino

O termo sexo tem algumas definições. Pode se referir ao ato de relações sexuais ou às categorias de homem e mulher. Para esta discussão, estamos nos concentrando na segunda definição.

Sexo como homem ou mulher é uma classificação binária objetiva. Nesse sentido, sexo refere-se a divisões baseadas em funções reprodutivas. Muitos hoje, no entanto, afirmam que o sexo não é objetivo, mas arbitrário. Por exemplo, alguns afirmam que o sexo é “atribuído” no nascimento. Isso é simplesmente falso. O sexo de um recém-nascido é observado fisicamente pelos órgãos sexuais do bebê e confirmado geneticamente através de um teste de DNA.

Mas e as pessoas que são “intersexuais”? Essa condição excecionalmente rara (em todos os aspetos, um em milhares, e não centenas) prova que o sexo não é binário e está em um espectro? Não. A intersexualidade é um fenômeno biológico em que um indivíduo pode ter ambiguidade genital ou variação genética. Na biologia humana, no entanto, as anomalias não anulam categorias.

Gênero: Auto-percepções

A noção moderna de “gênero”, por outro lado, é uma invenção bastante recente e é mais difícil de examinar. Ao contrário do sexo, o gênero é uma categoria que existe objetivamente apenas no campo da linguística. Não aponta nada tangível. Em vez disso, agora “gênero” está sendo usado para se referir a uma realidade psicológica independente do sexo biológico. É a autopercepção subjetiva de ser homem ou mulher.

Atualmente, esse conceito psicológico de “gênero” está sendo essencialmente aplicado linguisticamente, com demandas para usar pronomes preferidos e nomes recém-escolhidos para corresponder à autopercepção e não à verdade objetiva. Mas é assim que as mentes são mudadas – primeiramente mudando a linguagem.

Dado que o sexo é objetivo e o gênero é subjetivo, normalmente se pensaria que valorizaríamos a conformidade das ideias subjetivas à verdade objetiva. Em vez disso, o oposto é verdadeiro: nossa cultura agora valoriza alterar a realidade física objetiva de nossos corpos para acomodar a impressão subjetiva de nós mesmos.

A autopercepção da maioria das pessoas é congruente com o sexo biológico. Para uma pequena percentagem de outras pessoas, não é. O sofrimento mental dessa dissonância é chamado de disforia de gênero – uma consequência psicológica da queda. Alguns optam por se identificar como transgéneros de homem para mulher ou mulher para homem, em essência elevando a psicologia à biologia.

No entanto, essa nova forma de dualismo separa a mente do corpo e eleva a autocompreensão como determinante da personalidade – daí a identidade de gênero do neologismo. A verdade é que o senso de si mesmo descreve, na melhor das hipóteses, como nos sentimos, não quem somos.

Normas: Expectativas Culturais

Mas alguns afirmam que masculino e feminino são realmente determinados pela cultura. Essa falácia categórica é uma fusão de homem e mulher com a classificação separada de masculinidade e feminilidade. Masculinidade e feminilidade são características comportamentais associadas ao homem ou à mulher. Sim, essas normas sociais às vezes podem ser moldadas por nossa cultura e expectativas.

Por exemplo, em algumas partes dos Estados Unidos, ser masculino frequentemente significa ser duro, fazer barulho, ser sem emoções e inartístico. Para alguns, o homem americano por excelência pode ser um jogador de futebol ou trabalhador da construção civil robusto, barulhento e bombástico. No entanto, em muitos outros lugares, esses dois exemplos não seriam considerados masculinos, mas bárbaros!

Quem disse que um homem não pode ser artístico? Jubal era “o pai de todos os que tocam harpa e flauta” (Gênesis 4:21). Moisés liderou Israel em uma canção de vitória sobre o Egito (Êxodo 15: 1–18). David era hábil na harpa e escreveu numerosos salmos (2 Samuel 23: 1). Ele também designou homens para serem músicos no templo (1 Crônicas 25: 1–31).

Quem disse que os homens não podem ser emocionais? Muitos dos profetas, como Esdras, Neemias e Jeremias, não tiveram medo de expressar suas emoções através de lágrimas públicas (Esdras 10: 1; Neemias 1: 4; Lamentações 1:16). Até o próprio Jesus chorou publicamente (João 11:35). Emoções fortes não são reservadas apenas para mulheres.

O rei David era conhecido por ter um coração segundo Deus. Ele é famoso por suas bravas façanhas – primeiro como pastor quando lutava com leões e ursos para proteger suas ovelhas, depois como um jovem que desafiou o gigante Golias e depois como rei-guerreiro. Mas David era conhecido por também ser sensível e intuitivo, exibindo traços que a cultura machista consideraria inapropriados para um “homem de verdade”. Se David crescesse hoje como um garoto tocando harpa, algumas crianças talvez o tivessem provocado por ser um “maricas”.

Chamamentos: Masculinidade e Feminilidade

Significa isso que não há distinções entre homem e mulher? Em vez de procurar pistas principalmente na sociedade, devemos procurar nas Escrituras. As normas culturais para homens e mulheres podem ser moldadas pela sociedade, mas a palavra de Deus comunica que homens e mulheres, embora tenham valor igual, também são distintos em seus chamados. Identificamos essa distinção de chamado como masculinidade e feminilidade bíblicas, uma categoria que o mundo secular não reconhece.

No relato da criação, Deus cria a mulher para ser “ajudante adequada para ele” (Gênesis 2:18). A palavra ajudante (hebraico ‘ezer) não indica uma pessoa de menor valor. De fato, ´ezer ocorre 21 vezes no Antigo Testamento, e 16 delas se referem a Deus como ajuda de Israel.

Adequada para ele” (kenegdo) comunica complementaridade – semelhança e dissimilaridade. Adão e Eva são parecidos como seres humanos, mas diferentes como homens e mulheres. Deus pretende que a mulher complemente e não duplique o homem. Essa diferença de chamado é o desígnio de Deus desde o início.

O apóstolo Paulo exorta os maridos a amarem suas esposas “como Cristo amou a igreja e se entregou por ela” (Efésios 5:25) e as esposas a se submeterem a seus maridos “como a igreja se submete a Cristo” (Efésios 5:24). Esses chamados distintos são vitais no casamento, na igreja e em outros reinos também.

Mais do que Biologia

No primeiro capítulo da Bíblia, Deus cria os céus e a terra e enche a terra com criaturas vivas. A coroa da criação é Adão, ou o homem (humanidade). E entre todas as várias características humanas, Deus destaca uma em particular: homem e mulher.

Gênesis 1:27 transmite uma conexão inegável entre “a imagem de Deus” e as categorias ontológicas de homem e mulher. Este versículo consiste em três linhas de poesia, com a segunda e a terceira linhas estruturadas em paralelo, comunicando uma correlação entre a imagem de Deus e “homem e mulher”.

Então Deus criou o homem à sua própria imagem,
à imagem de Deus Ele os criou;
homem e mulher, Ele os criou.

Ser criado à imagem de Deus e ser homem ou mulher são essenciais para ser humano. O sexo (masculino e feminino) não é simplesmente biológico ou genético, assim como ser humano não é simplesmente biológico ou genético. O sexo é antes de tudo uma realidade espiritual e ontológica criada por Deus. Ser homem ou mulher não pode ser mudado por mãos humanas; sexo é uma categoria da obra de Deus – seu design original e eterno.

Por mais que alguém tente alterar esse fato em seu próprio corpo, o máximo que se pode fazer é remover ou aumentar artificialmente partes do corpo ou usar produtos farmacêuticos para suprimir artificialmente a realidade biológica e hormonal da essência de uma pessoa, como homem ou mulher. . Em outras palavras, a psicologia usurpa a biologia; o que sinto se torna quem eu sou. Ao negar essa realidade física e genética, permitimos que a experiência substitua a essência e, mais importante, a imagem de Deus.

Sola Experientia

Como cristãos que vivem hoje em tempos desconcertantes, devemos reconhecer que o mundo confunde e combina essas quatro categorias. O mundo sugerirá que a masculinidade é uma construção social (que pode ser em parte, mas não o todo) e, em seguida, afirmará que masculino e feminino também são uma construção social – o que enfaticamente não é.

A questão final é: o que devem os cristãos enfatizar quando se envolvem em discussões sobre esse tópico? O transgenerismo não é exclusivamente uma batalha pelo que é masculino e feminino, mas sim uma batalha pelo que é verdadeiro e real. Os cristãos não podem simplesmente concordar e sorrir educadamente diante de mentiras prejudiciais.

O pós-modernismo, saindo do romantismo e do existencialismo, nos diz que “você é o que sente”. Assim, a experiência reina suprema, e tudo o mais deve se curvar diante dela. A sola experientia (“somente a experiência”) venceu a sola Scriptura (“somente a Escritura”).

Mas Deus está dizendo: Você é quem Eu o criei para ser. A verdade não é algo que sentimos; não é baseada em nossa autopercepção. De fato, as Escrituras nos dizem que o coração caído “é enganador acima de todas as coisas e está desesperadamente doente; quem o pode entender?” (Jeremias 17: 9). Não podemos confiar em nossos próprios pensamentos e sentimentos, por isso precisamos submetê-los a Deus porque podemos “confiar no Senhor para sempre, pois o Senhor Deus é uma rocha eterna” (Isaías 26: 4).

Recuso-me a colocar minha psicologia sobre a minha biologia e, como cristão, recuso-me a colocar qualquer das duas acima das Escrituras. Eu sou quem Deus – que não comete erros – me fez ser. Então quem sou eu? Quem Deus me fez ser?

Eu sou criado à imagem de Deus e sou um homem cristão redimido. Nada mais. Nada menos.

Artigo original por Christopher Yuan (@christopheryuan) em : https://www.desiringgod.org/articles/he-made-them-male-and-female

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: