A bênção de Esaú

Se tem sua Bíblia, convido-o a voltar comigo para Gênesis 27. Estamos a estudar Gênesis há – esqueci há quanto tempo. Mas até semana passada, estávamos a estudar já há várias semanas a vida de Isaque, e na semana passada começamos a olhar mais especificamente para a vida de Jacob. Já vimos em Gênesis 25, versículos 12 a 34, a promessa feita a Rebeca, antes de Jacob e Esaú nascerem, de que o mais velho iria servir o mais jovem. Em outras palavras, foi prometido antes de Jacob nascer que ele seria aquele por quem a linha de promessa da aliança seria estendida e aprovada.

E assim, na semana passada, vimos Isaque deliberadamente a lutar contra a soberania de Deus, deliberadamente determinado com todas as suas forças dar a bênção a seu filho favorito, Esaú, apesar da profecia dada a Rebeca. E dissemos que era uma imagem perfeita da ineptidão e fraqueza do homem justapostas à soberania de Deus. Vemos este homem que era cego; vemos esse homem confuso com os sinais que recebia como o toque que recebeu de pele supostamente peluda de Jacob. E ele sentiu o cheiro da refeição, e sentiu o cheiro de seu filho Esaú nas roupas, e ouviu a voz de Jacob, mesmo que tudo o mais lhe dissesse Esaú. E todos os seus sentidos o enganam. É uma figura do homem em sua fraqueza tentando resistir à soberania de Deus.

Na próxima vez que você decidir que vai resistir à soberania de Deus, lembre-se do velho Isaque, com todos os seus cinco sentidos frustrados diante da majestade e da onipotência de Deus. Bem, dissemos que essa história realmente destaca a graça e a soberania de Deus. Toda a gente nessa história sai mal. Isaque resiste à vontade de Deus. Esaú é um homem totalmente carnal e natural. Rebeca, embora saiba com razão que a linha da graça passa por Jacob, resiste ao marido, usurpa sua autoridade, derruba sua dignidade e mente ao longo do caminho para estabelecer sua própria agenda. E Jacob, bem, ele é o implementador da deceção. E nos perguntamos, Senhor, como você escolheu este homem para ser a receção da liderança da aliança. Mas não é toda a história uma imagem de que a graça de Deus não triunfa por causa de nós, mas apesar de nós. E Sua graça é estabelecida de fato. E agora vemos o resto da história. Então, vamos voltar à santa palavra de Deus em Gênesis 27, começando no versículo 30, e ver o outro lado do engano:

Génesis 27:30-46

Nosso Senhor e nosso Deus, a luta nesta família, da qual aprendemos nestes últimos dias, é profunda, e ainda assim é um reflexo das lutas em nossos próprios corações. Fala connosco esta noite, onde quer que estejamos, para que possamos prestar atenção às Tuas advertências e ver Tua graça, pois pedimos em nome de Jesus, amém.

Na semana passada, na história da bênção de Isaque por Jacob, vimos a soberania e a bondade de Deus anular a vontade e a iniquidade do homem em bênção para Jacob. Isaque e Esaú conspiraram para frustrar o conselho de Deus. Deus confundiu o conselho deles. Rebeca e Jacob conspiraram para enganar e usurpar a autoridade do chefe da casa da aliança, Isaac. Deus abençoou Jacob, não por causa do que eles haviam feito, mas apesar do que eles haviam feito. E pelos próximos vinte anos, Jacob será disciplinado pelo Deus que o ama demais para deixá-lo como ele é. A bondade e a soberania de Deus anularam a vontade e o pecado do homem. Nesta semana, as galinhas voltam para casa para se esconder. Mas aqui novamente vemos a soberania de Deus, sua graça e sua misericordiosa misericórdia.

Vamos olhar para esta passagem juntos. Ela se divide em três partes. Nos versículos 30 a 36, ​​vemos as reações de Esaú e Isaque quando descobrem o que Jacob fez. Nos versículos 37 a 41, vemos a triste bênção que Isaque subsequentemente dá a Esaú, por insistência dele. E então, nos versículos 42 a 46, começamos a ver as consequências desse esquema na vida dessa família. Vamos olhar para essas passagens juntos.

  1. A reação de Esaú ao engano de Jacob.

Primeiro, nos versículos 30 a 36. Quando vemos as reações de Esaú e Isaque quando Esaú vem do campo, aprendemos algo muito importante. Aprendemos que nossa resposta às estranhas providências de Deus e nossa resposta aos castigos de Deus revelam nosso coração. Quando Deus em Sua providência nos castiga, quando Ele nos mostra nosso pecado no espelho de Sua palavra, a maneira como respondemos a isso diz-nos muito sobre nossos corações.

E não é interessante ver nos versículos 30 a 36 as respostas totalmente diferentes de Isaque e Esaú? Você pode ver a graça no coração de Isaque. E você pode ver a total falta de graça no coração de Esaú. A trama que estudamos na semana passada já havia sido traçada e realizada, e o crime é descoberto nos versículos 30 a 32. Observe a ironia do versículo 30. Assim que Isaque terminou de abençoar Jacó, chega Esaú. Agora eles sempre dizem que a verdade é mais estranha que a ficção, e nenhum dramaturgo poderia ter escrito uma trama mais irónica do que esta. Quando Jacob saiu, Esaú veio com seu banquete saboroso para Isaque. E quando Isaque descobre que abençoou o filho errado, que é o filho certo no plano de Deus, ele sabe imediatamente que está lutando contra Deus. Você vê isso no versículo 33. Há duas coisas que quero que veja no versículo 33. Primeiro, nos dizem que Isaque tremeu violentamente. É até difícil traduzir isso para o inglês. O hebraico indica que ele foi abalado até o âmago de seu ser. E não é simplesmente que ele estava bravo por ter sido enganado, foi por ter percebido que estava lutando contra a vontade de Deus.

E isso o abalou ao perceber o perigo da posição em que ele se colocara. E isso fica claro nas últimas palavras que ele diz no versículo 33. Essa é a segunda coisa que gostaria que você visse há. Ele diz: “Sim, e ele será abençoado“. Isaque sabia que estava tentando abençoar Esaú contra a vontade de Deus. E, por meio do engano, abençoou Jacó. Ele agora diz a Esaú, deixe-me dizer-lhe que ele será realmente abençoado, porque fiz o meu melhor para não o abençoar. E Deus, em Sua sabedoria, e todo-poderoso poder, soberania e providência, organizou-o para que eu fosse feito de tolo, e o abençoei, e deixe-me dizer uma coisa: Esaú, ele será abençoado. Isaac soube que tinha estado a lutar contra Deus.

Mas olhe para Esaú no versículo 34, 36 e no verso 38. Esaú não tem ideia. Ele nem percebe que esteve numa luta contra Deus. Mas pai, você não tem uma bênção para mim? Versículo 34. “Mas pai, você não tem uma bênção para mim.” Verso 38. “Você não tem mais que uma bênção?” Esaú sabia a resposta para essa pergunta, mas ele não sabia a resposta para essa pergunta. A resposta para a pergunta o pai tem apenas uma bênção? A resposta é absolutamente sim. Existe apenas uma bênção. Existe apenas uma bênção da aliança. Há apenas um direito de nascença. Há apenas uma bênção na cabeça da aliança. Esaú sabia disso, mas ele não sabia disso. Esaú aqui insiste – e veremos isso na próxima seção – ele insiste em sua própria bênção separada. Ele havia cedido seu direito de primogenitura. Ao ceder o direito de primogenitura, ele cedeu seu direito à bênção de seu pai como chefe da aliança. Mas Esaú tinha lutado contra isso de qualquer maneira.

Você vê aqui a soberania de Deus? Deus continua a governar e prevalecer nesta seção. E você vê aqui o modelo de arrependimento em Isaque? Quando Isaque é confrontado com a realidade de seu pecado, ele imediatamente admite a derrota diante da vontade de Deus e confessa que a vontade de Deus será estabelecida com ele ou sem ele. Com ele ou contra ele, Sua vontade será estabelecida. Já começamos a ver o funcionamento do Espírito Santo no coração de Isaque, em direção ao arrependimento total nesta seção, quando ele percebe o que está a fazer. Mas, por outro lado, não vemos senso de arrependimento em Esaú. Esaú parece não entender que ele próprio havia desprezado as coisas espirituais, as bênçãos e o direito de primogenitura. Ele parece não entender e apreciar a singularidade dessa bênção. Ele anseia por outra bênção. Não vemos arrependimento em seu coração. Em Isaque, vemos um modelo de verdadeiro arrependimento. E nesta passagem vemos a soberania de Deus, mas em Esaú não vemos arrependimento.

Sabe, quando se depara com uma situação como essa, ela revela algo sobre seu coração. Nos últimos anos, vimos coisas surpreendentes em nossa vida pública, não é? É até embaraçoso ver alguns desses arrependimentos públicos. Mas tem havido uma variedade impressionante, não tem? Algumas pessoas pediram-nos que só precisamos ficar fora da sua vida privada e seguir em frente. Outros nos disseram que realmente estavam arrependidos, mas que não deveria haver consequências para seus pecados. Outros disseram que estouarrependido, mas meu pecado me custou o direito de manter a posição que ocupo. Vimos uma variedade impressionante de respostas a isso em público. Isaque é dono de sua rebelião contra a vontade de Deus. Isso o abala profundamente e vemos nele o começo de um verdadeiro arrependimento. Mas em Esaú, vemos um homem que não tem a menor ideia de que está a lutar contra Deus.

II A insistência de Esaú em uma bênção.

Nos versículos 37 a 41, Esaú continua insistindo que seu pai lhe dê uma bênção à parte de Jacob, e nesses versículos vemos a bênção que Jacob acaba lhe dando. E novamente, aprendemos nesta passagem que aqueles que anseiam por apenas bênçãos do mundo frequentemente as recebem em detrimento de sua alma. Pessoas que querem apenas bênçãos temporais, Deus geralmente lhes dá exatamente o que querem. Você já me ouviu citá-lo antes, e provavelmente vou citá-lo novamente mil vezes, se você puder sobreviver a mim. Os próprios gregos costumavam dizer. “A quem os deuses destruiriam, eles lhes concediam seus desejos.” Eles respondem suas orações. Muitas vezes é assim com o homem natural. O homem natural ora apenas para bênçãos temporais, e é exatamente isso que Deus lhe dá. Deus lhe dá o que ele quer. E é exatamente isso que vemos com Esaú. Isaque reconhece a soberania de Deus e o significado da bênção. Veja o versículo 37. Isaque responde a Esaú: “Eis que eu o fiz (Jacob), seu mestre, e todos os seus parentes eu lhe dei como servos; e com grãos e vinho novo eu o sustentei. Agora, quanto a você, o que posso fazer, meu filho? “ O que eu posso fazer? Eu dei-lhe a bênção de Deus de acordo com a vontade de Deus. Que posso eu fazer? Como posso lutar contra a soberania de Deus? Mas Esaú no versículo 38 persiste ignorantemente. Ele se recusa a reconhecer seu próprio pecado. Ele persiste em exigir uma bênção além de Jacob.

Esaú, deixe-me dizer que ele é a pessoa provavelmente nesta passagem pela qual estamos mais propensos a ser solidários. Vemos esse homem caindo aos prantos, convulsionando, arfando de pranto e tristeza, não podemos deixar de sentir pena dele. Mas você precisa entender que Hebreus 12 deixa claro que isso não é arrependimento. Oh, ele está sinceramente chateado com o que perdeu, mas não tem ideia do seu significado espiritual. E ele não está a fingir. Ele está arrependido, está meditando, por causa das consequências do que fez. Os resultados são horrendos. Ele está envergonhado, embaraçado, zangado, louco, pronto para matar. Mas arrependimento? Em nenhum lugar de Esaú você vê arrependimento. Isso é visto no fato de que ele exige que seu pai lhe dê uma bênção à parte da de Jacob. Aqui vemos desejos mundanos em Esaú e um remorso mundano em Esaú, mas não vemos arrependimento espiritual.

Esta passagem dá-nos uma expressão clássica da diferença entre arrependimento e remorso. Todo mundo fica triste quando é pego. Nem toda a gente se arrepende quando é pego. Ouça o que Calvino diz. Ele diz isso de maneira bela e aguda e apenas algumas frases: “Que a mente de Esaú foi afetada sem nenhum senso de arrependimento aparece assim, porque ele acusou o irmão e não se culpou”. Ele fez isso comigo. Outra pessoa – o dedo está apontando para fora. Meu problema está lá fora. Alguém fez isso comigo. Alguém me armadilhou. É “o problema está lá fora”. Eu sou uma vítima. Eu não sou um agressor. Calvino continua: “Mas o próprio começo do arrependimento é o luto por causa do pecado, juntamente com a autocondenação”. Esaú deveria ter descido em si mesmo e ter se tornado seu próprio juiz, mas, em vez disso, ele culpa Jacob.

Pais, vocês já viram isso centenas de vezes em seus filhos. Eles são pegos em flagrante. Mas, mas, mas mãe, ele me fez fazer isso. É incrível. Eles sabem como fazer isso desde seus primeiros dias. Sempre tem mais alguém. É mais triste, não é, quando é um adulto que deveria saber melhor. É sempre culpa de outra pessoa.

Você vê que esta passagem nos dá uma expressão clássica da diferença entre arrependimento e remorso. A pessoa arrependida vê duas coisas, seu pecado e a misericórdia de Deus, e ele se vira desse pecado, reconhecendo-o para seu Deus misericordioso. Volte comigo na parte de trás dos seus hinos para a página 875. Nosso Catecismo Menor coloca isso de maneira tão bonita. Oitocentos e setenta e cinco. Veja a parte inferior da página, no lado direito. Pergunta 87 do nosso Catecismo Menor. “O que é arrependimento para a vida? O arrependimento para a vida é uma graça salvadora pela qual um pecador (e olhe, a partir de duas coisas) um pecador, por um verdadeiro senso de seu pecado e pela apreensão da misericórdia de Deus em Cristo, com pesar e ódio por seu pecado, vira-se para Deus, com toda a determinação e depois a uma nova obediência.” Você não vê pista disso em Esaú nesta passagem. Ele não vê seu pecado nem vê a misericórdia de Deus. De fato, não é interessante, Esaú vê o pecado de Jacob mas nunca vê o Deus de Jacob. Não é interessante? Ele não vê nenhuma dessas coisas. Em remorso, lamentamos ter sido apanhados e lamentamos as consequências, mas não vemos nosso pecado, não vemos nossa responsabilidade e não vemos, ironicamente, a misericórdia de Deus.

O pecador no qual o Espírito Santo está trabalhando, no entanto, vê seu pecado em corajoso alívio. Ele não o disfarça, mas vê como ele é feio. Mas, ao mesmo tempo, vê um Deus que é tão incrivelmente misericordioso onde a única coisa lógica a fazer é fugir para Seus braços. E é interessante que o homem impenitente não veja nenhuma dessas coisas. Eu não sou pecador e não sei sobre toda essa coisa de Deus. Esta passagem nos dá uma expressão clássica da diferença entre arrependimento e remorso.

III As consequências do pecado.

E então vemos nos versículos 42 a 46 as consequências. São de partir o coração. As consequências de tudo isso permanecerão por muitos e muitos anos. Aprendemos que nunca há impunidade pelo pecado. Sempre há consequências. É muito importante percebermos que, quando Deus nos perdoa, ele não varre as consequências de nossos pecados debaixo do tapete, e não o faz de duas maneiras.

Primeiro, é muito importante que você perceba que por todo pecado que você e eu cometeremos, Jesus suportou as feridas e morreu. Você precisa entender que toda a força da penalidade por esses pecados é visitada no seu Salvador. E é por isso que, como cristão crente, nunca podemos ser irreverentes sobre o pecado, porque sabemos o que esse pecado custou ao nosso Salvador. Mas há outra maneira pela qual nunca somos capazes de escapar das consequências do pecado. E se Deus te ama, Ele não vai deixar você se safar do pecado sem discipliná-lo, porque Ele não quer que você seja destruído pelo pecado. E o pecado o destruirá, apesar de como ele se anuncia. O marketing do pecado é excelente, mas o produto é horrível.

Veja os resultados do pecado nesta situação horrenda. Basta olhar nos versículos 42 a 46 e pensar comigo. Há pelo menos seis resultados do pecado que posso ver muito na superfície de toda essa passagem. Antes de tudo, o resultado do pecado de Jacob e Rebeca foi que Isaque foi desonrado da maneira mais extrema. Pensem nisto amigos. Isaque, amado chefe da aliança, tão confuso e mal-intencionado quanto estava, estava no que ele pensava ser seu leito de morte. E seu filho entra e o engana, zomba e rouba dele esta bênção. Você pode imaginar algo mais ofensivo? Talvez você tenha tido o privilégio de se reunir ao redor do leito de morte de um pai ou avô amado. Você pode imaginar seu irmão ou sua irmã cometendo um grande engano na frente dele, naquele ambiente sagrado em que eles estão expressando seus últimos desejos e fazendo suas considerações finais à família e aos amigos. Você pode imaginar uma situação mais sagrada que poderia ser violada pela mentira e pelo engano? Foi exatamente o que Rebeca e Jacob fizeram. Eles desonraram um homem que pensou que estava a morrer. Não para por aí, não é?

O segundo resultado é que Esaú odeia Jacob. Como podemos esperar que Esaú responda de outra maneira? Quando Esaú descobre que foi enganado mais uma vez, ele se consola. Oh, bem, vou chorar por meu pai por alguns dias, mas deixe-me dizer uma coisa, quando ele se for eu vou matar Jacob. E vou gostar de matar meu irmão, Jacob. Jacob tem responsabilidade nessa atitude de Esaú. Sim, esse é o problema de Esaú. Sim, Esaú é culpado por isso. Mas a conduta de Jacob em relação a seu irmão significa que ele tem alguma responsabilidade pela maneira como seu irmão reage a ele.

Há um terceiro resultado. Não é interessante que Jacob, esse homem que obtém a bênção enganando, seja enviado ao seu tio Labão. E lá seu tio Labão vai enganá-lo. O enganador será enganado. No Inferno de Dante, lembra-se de quando lhe foi contado isso à força no ensino médio ou na faculdade? Não é interessante como Dante descreve como estão as pessoas que estão nos vários círculos do inferno – todos estão pagando preços, todos estão sendo punidos com punições apropriadas para seus crimes. E aqui Deus, porque ele ama Jacob, castiga seu engano com seu sentimento de como é estar do outro lado, porque Deus está determinado a curá-lo desse engano.

A propósito, você já reparou, Rebeca era a mentora desse enredo. Seu irmão, Labão, parece também ser bastante hábil em mentir. O que está a acontecer neste sistema familiar? Todos eles parecem ser muito hábeis em mentir. Minha mãe costumava dizer; enquanto me estaria preparando para sair com alguém minha mãe pontificaria essa pessoa com iria, e ela sempre faria, mais cedo ou mais tarde, este comentário: “Filho, não há nada que substitua o plano de fundo “. Você sabe que leu essa história e acha que sabe que há muita verdade nisso. Então, quando seus pais lhe dizem isso, você se lembra de que há alguma precedência bíblica para isso. Há algum plano de fundo nessa família que surge mesmo que a graça esteja presente.

O quarto resultado é que Jacob, o herdeiro, o herdeiro da riqueza de Isaque, fará trabalho duro por quase vinte anos para seu tio Labão. E ele não receberá salário justo. O quinto resultado, e isso é de partir o coração, é que Rebeca nunca mais verá Jacob. As palavras de Rebeca são comoventes. Meu filho, vá para Haran, vá para Paddan-aram. Fique com meu tio. Fique alguns dias. Fique alguns dias até que seu irmão Esaú esfrie e depois lhe chamo novamente. Ele nunca mais veria sua mãe. Você sabe que ela disse que queria mandá-lo embora porque temia perder o filho um dia. E ela perdeu. Você pode imaginar o relacionamento entre Rebeca e Isaque de agora em diante e sempre? E Jacob ela nunca mais veria.

O sexto resultado, é claro, é que o próprio Jacob em Gênesis 33: 3 se curvaria a Esaú. Mesmo que ele fosse o chefe da aliança, ele se curvaria diante de Esaú por causa de seu medo das represálias de Esaú por sua própria maldade. Jacob ficaria irritado com os pecados da culpa de seu pecado por vinte anos, e teria medo da represália de seu irmão. Deus amou tanto Jacob que estava determinado a não o deixar fora do gancho dos seus pecados.

Você sabe, todos nós, e eu posso falar com aqueles que ainda estão sob a liderança de sua mãe e pai e em sua casa, todos nós somos assim quando somos poupados das consequências de nossos pecados. E a maioria de nós não gosta quando nossos pais nos fazem enfrentar as consequências de nossos pecados. E é uma das grandes maldições deste dia que existem pais que não querem que seus filhos enfrentem as consequências do pecado. Esse é o pior tipo de parentalidade que pode existir. Agora, quando você recebe essas consequências, pensa que seus pais são as pessoas mais irracionais, mais odiosas e menos amorosas que já viveram.

Mas Deus amou tanto Jacob que ele não permitiu que ele acabasse no inferno por causa de seus pecados. E assim Ele vai discipliná-lo porque a quem o Senhor ama, Ele disciplina. Isso não se aplica apenas àqueles de nós que ainda estão na casa de nossos pais, é aplicável a todos nós. Porque todos nós ainda pecamos e é precisamente porque Deus nos ama que Ele vai nos disciplinar. Ah, sim, a graça de Deus é abundante nesta história. Sua graça é absolutamente avassaladora. Que Jacob seria o herdeiro das promessas de Abraão é de alguma maneira incompreensível. E poderia ser que ele se interessasse pelo sangue de nosso Salvador? Mas ele pagará o preço pelo seu pecado precisamente porque Deus não quer apenas vê-lo perdoado, mas também o verá em conformidade com a imagem do Senhor Jesus Cristo. Que Deus nos ajude a todos enquanto passamos por esse processo de disciplina juntos. Oremos.

Nosso Senhor e nosso Deus, a solenidade desta passagem agarra nossos corações e todos podemos identificar a Tua mão que nos corrige em nossas próprias experiências, se somos o instrumento de Tua disciplina ou os destinatários dela. Pedimos, ó Senhor, que vejamos essas providências e correções com olhos espirituais, realizando seus fins espirituais e aceitando-os com corações arrependidos e com sinceros desejos de sermos mais parecidos com Cristo, de viver e andar no Espírito. Pedimos essas coisas em nome de Jesus, amém.

Artigo original em : https://www.fpcjackson.org/resource-library/sermons/the-blessing-of-esau

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: