Quando se tornou a carreira meu ídolo?

Transcrição de áudio

Na última vez, conversamos sobre cristãos que trabalham aos domingos. Hoje falamos de cristãos que trabalham todos os dias. A pergunta vem de Samantha. “Olá, pastor John! Tenho a honra de trabalhar num campo muito exigente em DC, ao lado de vários outros jovens cristãos que também trabalham muito. Acho que é seguro dizer que estamos a trabalhar demais. Seria bastante normal para mim e outros jovens associados passar sete semanas inteiras de trabalho. O telefone nunca está desligado, os textos nunca param, o trabalho nunca termina. É imersivo. Trabalho é vida. E, por mais que lamentemos, lutamos para saber o que fazer nos momentos em que não estamos a trabalhar. O trabalho nos dá dicas de ação na vida, sobre o que fazer em seguida. E assim, nosso trabalho pode minar os relacionamentos e o envolvimento significativo na igreja – tudo o que não é trabalho. Mesmo que não sejamos oficialmente forçados a trabalhar todos os dias, os desejos de progresso e sucesso futuro e de obter segurança financeira são motivações tão fortes que parar de trabalhar parece perder ímpeto para os outros num campo de carreira muito competitivo. Esse é o meu mundo agora e não parece saudável. Em que ponto a diligência profissional se torna idolatria corrupta? ”

Parece-me que Samantha já tem uma compreensão surpreendente dos sinais reveladores da idolatria na maneira como ela descreve sua situação. Talvez a melhor coisa que eu posso fazer seja fornecer-lhe um novo conjunto de categorias sobre como pensar sobre isso – não contradizendo o que ela já viu, mas apenas apresentando uma nova maneira.

Aqui estão quatro palavras que, em grego – sim, isso será relevante – têm um significado positivo e um significado pecaminoso, e ainda assim são a mesma palavra. Às vezes são uma virtude, às vezes um pecado. E tentar descobrir quando o significado positivo está a descrever algo ou quando o significado pecaminoso está a descrever algo é um exercício muito proveitoso, precisamente para a preocupação de Samantha. Então, aqui estão as quatro palavras:

Epithumia pode significar desejo em um sentido positivo ou cobiça em um sentido negativo.
Peirasmos pode significar teste ou tentativa em um sentido positivo ou tentação em um sentido negativo.
Zēlos pode significar zelo em um sentido positivo ou ciúme em um sentido negativo.
Ergon pode significar trabalhar em um sentido positivo e ou num sentido negativo (no que se refere à justificação).

Enquanto você tenta entender porque o positivo se torna negativo, tudo isso parece muito próximo do problema de Samantha. Vamos analisar um de cada vez.

Deseje o melhor

Quando o desejo se torna cobiça? A pista para mim que prepara o cenário para todas essas palavras e a posição de Samantha, na sua pergunta em particular, são os Dez Mandamentos. Os dez mandamentos terminam com “Não cobiçarás” (Êxodo 20:17). E essa palavra cobiça é a mesma que no Salmo 19:10, onde diz que as Escrituras são mais desejáveis ​​do que ouro. Então, às vezes a palavra desejo é muito positiva mas às vezes é cobiça.

É o mesmo em hebraico e em grego. E a pista para o que transforma desejo em cobiça, eu acho, é o primeiro mandamento. Eles são mutuamente explicativos. Eles são parentes, você pode dizer, o primeiro e o último mandamento dos Dez Mandamentos. “Não terás outros deuses diante de mim” (Êxodo 20: 3). Ou seja, “Não desejes ninguém ou nada acima de mim. Faz-me teu maior tesouro e desejo.”

Aqui está a minha resposta: um desejo se torna cobiça quando começa a substituir Deus como seu principal desejo. Portanto, em nosso local de trabalho, sempre temos uma barra de medição para a idolatria: o que desejo está começando a parecer mais precioso, mais gratificante e mais valioso para mim do que Deus?

Teste-se a si mesmo

Quando a palavra teste – testando nossa fé – se torna tentação ou atração ao pecado? E vemos a resposta quando percebemos para que servem os testes. Deus envia testes para fortalecer nossa fé, para nos tornar mais felizes e confiantes, dependentes Dele.

Mas um teste se torna uma tentação, uma atração ao pecado, quando começa a fazer exatamente o oposto – nomeadamente, não para fortalecer nossa fé, mas para miná-la. O teste não está colocando firmeza em nossa determinação de depender de Deus, mas está nos levando a depender de nós mesmos, de que nós, não Deus, sabemos o que é melhor. Podemos provar a diferença. Nós sabemos. Podemos provar quando isso está a acontecer: “Esse teste está me deixando mais forte e mais feliz na minha dependência de Deus“. Ou: “De fato, está enfraquecendo minha dependência de Deus e começando a fazer-me depender de mim mesmo”.

E podemos testá-lo: no local de trabalho, à medida que as pressões estão chegando, qual o efeito em mim: “Vou ficar acordado mais tarde; Estou a fazer mais; Estou dependendo mais de mim; Tenho certeza de minhas habilidades”, ou a nossa fé está crescendo com uma espécie de repousante “Deus é suficiente, e Ele me ajudará“? Nós podemos saber a diferença. É um teste.

Ressentir das recompensas de outras pessoas

Quando o zelo se torna ciumento? Isso acontece quando passamos de uma paixão pelo nome de Deus estar acima de outros nomes, para uma paixão pelo nosso nome estar acima de outros nomes. O ciúme é um desejo ressentido de que alguém tenha alguma glória ou recompensa que eu queria para mim. É motivado não por um mero senso de conquista, mas pelo desejo de reconhecimento acima dos outros, por conquista superior reconhecida acima dos outros.

Então, podemos dizer que está a começar a acontecer quando não nos alegramos com os sucessos e recompensas de outras pessoas, mas sentimos um ressentimento irritante. E sabemos: “Ok, meu zelo está se a tornar ciumento“.

Criados para boas obras

Aqui está o último. Qual a diferença entre boas e más obras(trabalho)? Quando essa palavra se torna má? O texto principal é Efésios 2: 8–10. “Pela graça você foi salvo pela fé. E isso não é tarefa sua; é um dom de Deus, não um resultado de obras. ” Portanto, o trabalho é negativo nessa frase. Você não deve trabalhar para isso. Você não deve ver sua posição com Deus como resultado desses esforços, “para que ninguém se glorie“.

E então ele continua no versículo 10: “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras“. Aquelas obras são boas. As primeiras são más. E a segunda, que é a mesma palavra, é boa. E essas obras “Deus preparou antecipadamente, para que andássemos nelas“.

Obras tenebrosas e obras maravilhosas – qual a diferença? O texto está falando sobre boas obras. Paulo não está a falar sobre bater ou machucar pessoas; ele está a falar de boas obras. Essas boas obras são pecaminosas quando pensamos que nossa salvação, nossa aceitação de Deus, nosso grande status como filhos de Deus, nossas grandes riquezas como companheiros herdeiros de Cristo são o resultado de nossas obras. Não são. É graça grátis. É um presente de Deus através da fé, não obras. E então o versículo 10: “Nós somos sua feitura“. Nós somos criados. Fomos agora criados para boas obras.

Então, quando o seu trabalho está se tornando obras? Seu trabalho está a tornar-se obras quando você começa a sentir que está a receber sua aceitação de Deus, quando sente que está ganhando seu maior status, quando começa a sentir que está ganhando suas maiores riquezas por essas obras. Seu trabalho piedoso está se tornando ímpio quando seu maior senso de aceitação, seu maior status, suas maiores riquezas, seu maior significado e identidade são o produto de seu trabalho. Ou, dizendo de outra maneira: seu trabalho se tornou idolatria quando é a raiz e não o fruto de sua aceitação, seu status, suas riquezas, sua identidade, todas grátis em Cristo.

A glória da graça de Deus está em jogo aqui. Pela graça, Ele deu livremente em Cristo a maior aceitação, o maior status, a maior riqueza, a maior identidade. Se deixarmos de ver nosso trabalho como um transbordamento disso e começarmos a ver nosso trabalho como base disso, transformamos nosso trabalho em idolatria que menospreza a graça.

Artigo original por John Piper (@JohnPiper) em : https://www.desiringgod.org/interviews/when-has-my-career-become-my-idol

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: