Desmascarando os mal-entendidos do pecado imperdoável

Muitas vezes, essa pergunta é feita a partir do estado de medo. Aterrorizados por terem cometido o pecado eternamente imperdoável contra o Espírito, alguns crentes vivem com um desânimo carregado de culpa.

Meu coração dispara sempre que recebo uma correspondência de alguém que está cheio dessa ansiedade tensa e paralisante. Com pânico, perguntam angustiados: “Será que cometi pecado que não pode ser perdoado? Estou condenado para sempre por causa de uma única ação?” Embora eu entenda que esse tópico possa ser um tanto alarmante, é importante lembrar que o medo não vem de Deus.

Porque Deus não nos deu o espírito de medo, mas de poder, e amor e domínio próprio” (2 Tim. 1: 7, MEV).

Tudo o que rouba a integridade da mente não é de Deus. Portanto, se você carrega inquietação em seu coração, saiba que não foi Deus que a colocou lá. Mesmo a convicção de pecado, que às vezes pode causar um sentimento de tristeza pelo pecado, é essencialmente cheia de esperança, pois apresenta problemas e soluções ao mesmo tempo. Compare isso com o medo ímpio, que é sempre combinado com o desespero.

Primeiro, vejamos o versículo chave.

“Por isso eu lhes digo: todo pecado e toda blasfêmia serão perdoados, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada.
Quem falar contra o Filho do Homem será perdoado, mas quem falar contra o Espírito Santo não será perdoado, nem neste mundo nem no mundo por vir.


Mateus 12:31,32

Essas são algumas palavras muito duras de Jesus. São palavras encontradas em três dos quatro evangelhos. Portanto, antes de tentar explicar, saiba que não estou tentando banalizar ou minimizar a ponderação do assunto abordado. Jesus realmente quis dizer o que disse. Certamente há um pecado que nunca pode ser perdoado. Esteja certo disso.

Jesus realmente quis dizer o que quis dizer. Jesus é muito meticuloso sobre Sua escolha de Palavras, e cada uma delas é inspirada pelo próprio Espírito Santo. “Nunca” realmente significa “nunca”.

“Perdoado” realmente significa “perdoado”.

“Nunca perdoado” realmente significa “nunca perdoado”.

Jesus realmente estava a falar de um pecado que poderia garantir a condenação eterna de uma alma. Essa alma nunca pode ser perdoada – nem neste mundo ou no mundo vindouro, nem nesta era ou na era vindoura. Portanto, devemos seguir com reverência nossa abordagem para entender essas palavras muito sagradas. Na tentativa de consolar um ao outro, não devemos baixar nenhum padrão que o próprio Cristo tenha elevado. Também não devemos procurar inspirar facilidade, onde Cristo se propôs a inspirar grande reverência.

Estude o versículo de qualquer ângulo, e a seriedade ainda assim é muito óbvia. Abordo o versículo, como Paulo abordou a pregação do evangelho.

Conhecendo, portanto, o temor do Senhor, convencemos os homens …” (2 Cor. 5:11, MEV).

Em segundo lugar, vejamos o contexto do versículo.

Simultaneamente curando a fala e a visão de um homem, Jesus libertou aquele homem de um espírito demoníaco. Ao ver a maravilhosa libertação, uma multidão de espectadores começou a louvar a Jesus e a discutir a ideia de que Jesus poderia ser o Messias, o Salvador do mundo.

Entre a multidão de espectadores havia um grupo de fariseus. Eles estavam constantemente a procurar um meio pelo qual pudessem desacreditar a Jesus. Então, em resposta à libertação que testemunharam, os fariseus acusaram Cristo de usar o poder de Satanás para expulsar demônios. Jesus respondeu dizendo: “Todo reino dividido contra si mesmo é levado à desolação. E toda cidade ou casa dividida contra si mesma não permanecerá. Se Satanás expulsa Satanás, ele está dividido contra si mesmo. Então, como seu reino permanecerá? E se eu expulsar demônios por Belzebu, por quem seus filhos os expulsam? Portanto, eles serão seus juízes “(Mt 12: 25-27, MEV).

Agora lembre-se de que é pelo poder do Espírito Santo que os demônios são expulsos de um indivíduo.

Jesus corrobora essa verdade dizendo: “Mas, se expulso demônios pelo Espírito de Deus, então o reino de Deus já chegou até vocês.
Afinal, quem tem poder para entrar na casa de um homem forte e saquear seus bens? Somente alguém ainda mais forte, alguém capaz de amarrá-lo e saquear sua casa. “(Mt 12: 28-30, MEV).

No momento seguinte, Jesus nos dá as palavras severas e duras que estamos a analisar. Os fariseus atribuíram a obra do Espírito Santo a Satanás. Isso é horrível e muito assustador. Que acusação feia!

Então é isso? A falsa atribuição é a blasfêmia do Espírito Santo?

Veja o relato do evangelho de Marcos. Sua narrativa inclui uma parte em que os fariseus dizem que Jesus era “… possuído por Satanás, o príncipe dos demônios. É aí que ele obtém o poder de expulsar demônios“.

Os fariseus não apenas atribuíram a obra de Cristo ao poder demoníaco, como também acusaram Cristo de ser possuído pelo próprio Satanás. Eles disseram que o Espírito Santo era Satanás e rejeitaram a divindade de Cristo.

Não devemos ter problemas em conhecer o contexto da advertência de Cristo. Pois, de fato, as Escrituras nos dizem especificamente porque Jesus falou essas palavras sóbrias em primeiro lugar.

Porque eles disseram: ‘Ele tem um espírito imundo.'” (Marcos 3:30, MEV).

Em terceiro lugar, devemos entender a própria palavra. Blasfema aqui é o termo grego blasfémia.

(Nota: Interessantemente, é um substantivo feminino.) É um discurso difamatório contra o divino. É um discurso injurioso. É por isso que Jesus usou a frase “quem fala contra o Espírito Santo …”

Portanto, podemos descartar alguns dos pecados comumente atribuídos ao “pecado imperdoável”: assassinato, suicídio, fornicação, bruxaria, adultério e assim por diante. Esses pecados não podem ser o pecado imperdoável, porque não são pecados de expressão. Além disso, mesmo a blasfêmia geral contra Deus pode ser perdoada, como Jesus deixa perfeitamente claro quando declarou: “todo pecado e blasfêmia podem ser perdoados …” É claro que Ele continuou especificando a exceção. Jesus foi muito específico com Sua mensagem, e é essa especificidade que torna mais difícil cometer o pecado imperdoável.

Agora, alguns sugerem que o pecado imperdoável é o pecado da incredulidade consistente e teimosa. Em outras palavras, é “descrença até a morte”. Isso não pode ser verdade. Caso contrário, como alguém poderia ser marcado como imperdoável “neste mundo“, como Jesus disse? Que alguém possa estar além do perdão de Deus neste mundo significa que o pecado pode ser cometido deste lado da eternidade. Além disso, a ideia de que o pecado imperdoável não pode ser cometido enquanto se vive, ignora completamente o contexto original em que o assunto foi tratado pela primeira vez.

Os fariseus haviam cometido o pecado ou estavam perigosamente próximos de cometer o pecado. Então, o que eles fizeram?

Eles alegaram que o Espírito Santo era satânico e basicamente chamavam a Cristo, Satanás. Eles testemunharam a obra óbvia de Deus entre eles, mas denunciaram a Cristo. Lembre-se de que todos os espíritos contra Cristo negarão Seu senhorio.

Portanto, eu sei que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: ‘Jesus seja amaldiçoado!’ E ninguém pode dizer: ‘Jesus é o Senhor’, exceto pelo Espírito Santo “(1 Cor. 12: 3, MEV).

Portanto, não é possível para um cristão cometer esse pecado.

Mas já vos disse que também vós me vistes, e contudo não credes.
Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” (João 6: 36-37, MEV). .

Mesmo assim, é difícil ser cometido por um não crente. O pecado imperdoável é muito intencional; você não pode cometê-lo por acidente.

Os fariseus estavam diante de Cristo em carne. Diante de um óbvio milagre, eles teimosamente negaram a obra de Cristo. E, num esforço para negar uma obra óbvia de Deus, os fariseus blasfemaram descaradamente o que eles provavelmente sabiam ser divino, apesar de serem orgulhosos demais para o admitir. Além disso, as Escrituras não indicam se os fariseus haviam realmente cometido o pecado.

Quem comete o pecado imperdoável é tão contra o Espírito Santo que vão além da capacidade de se arrepender do pecado. O Espírito Santo convencerá apenas o pecador que tem a capacidade de se arrepender. Caso contrário, porque Ele os condenaria?

Mas já vos disse que também vós me vistes, e contudo não credes.
Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora ” (João 6: 36-37, MEV). .

Jesus nunca rejeitará quem vem a Ele. Esse versículo é verdadeiro mesmo quando contrastado com as principais escrituras desta seção. Como, então, reconciliamos as duas escrituras? Basicamente, quem vem a Jesus ainda não cometeu o pecado imperdoável.

Caso contrário, como sua promessa de nunca rejeitar alguém se mantém verdadeira?

Verdade: Jesus promete nunca rejeitar quem vem a Ele.

Verdade: Quem comete a blasfêmia do Espírito Santo é rejeitado.

Verdade reconciliada: Quem vem a Jesus ainda não cometeu o pecado imperdoável.

Conclusão: Jesus aceitará quem vier a Ele.

Sabemos que quem realmente cometeu a blasfêmia do Espírito Santo não tem a capacidade de ser convencido. Pois é o Espírito que convence (João 16: 8). Se alguém não tem a capacidade de ser convencido, ele também não tem a capacidade de se arrepender.

Portanto, se você está preocupado que cometeu o pecado imperdoável, não o cometeu.

Se alguma vez você se voltar para Cristo, Ele o receberá. Insisto: devemos comparar escrituras com as escrituras.

Em conclusão, a blasfêmia do Espírito Santo é um pecado da língua que pode ser cometido enquanto você ainda está vivo. É uma atribuição difamatória da obra do Espírito. Porém, por mais que se possa definir o pecado imperdoável, fica claro que, se você realmente cometeu esse pecado, não terá interesse no arrependimento nem medo de o cometer. O desejo de ser perdoado e o medo de o ter cometido são provas de que você não o cometeu. Quando as escrituras são comparadas às escrituras, descobrimos que Jesus nunca rejeitará ninguém. É assim que sabemos que é preciso deliberadamente ir além de um certo ponto para cometer o pecado imperdoável.

No entanto, é uma verdade muito sóbria.

Artigo original por David Diga Hernandez em : https://www.charismanews.com/opinion/58146-debunking-misunderstandings-of-the-unpardonable-sin

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: