Todo pecado esconde uma mentira. Três maneiras de como a tentação nos trai.

Os leitores são aconselhados a lembrar-se que o diabo é um mentiroso.”

Assim, alerta C.S. Lewis no início de Screwtape Letters (ix). O aviso é adequado não apenas para os leitores do clássico moderno de Lewis, mas para todas as pessoas, em todos os lugares, o tempo todo. Não importa o quanto estejamos alertas para a guerra espiritual, somos aconselhados a relembrar-nos que o diabo é um mentiroso.
É sempre bom relembrar. Pois, enquanto estivermos neste mundo, algo dentro de nós – “desejos enganosos” (Efésios 4:22) – desejará acreditar nele. Algo dentro de nós vai querer acreditar nele quando ele sugerir que a liberdade está bem acima da cerca dos mandamentos de Deus. Ou que o pecado contém algo essencial para nossa felicidade. Ou que a obediência a Deus nos tornará miseráveis.
Todas mentiras, é claro. Mas sob a influência do engano do pecado, o sussurro do diabo pode soar como a verdade do evangelho. Portanto, nossa paz e segurança, nossa felicidade e santidade dependem de sermos capazes de dizer com o apóstolo Paulo: “Não ignoramos os seus desígnios” (2 Coríntios 2:11).

Os desígnios do Diabo

Sim, não podemos rastrear cada mentira diretamente ao diabo. O pecado tem seu engano nativo (Hebreus 3:13). Mas todas as mentiras neste mundo trazem a marca daquele que é “o pai da mentira” e “o enganador de todo o mundo” (João 8:44; Apocalipse 12: 9). Estude o rosto do pai e você aprenderá a reconhecer sua ninhada.
O que vemos quando examinamos os projetos do diabo? Vemos que ele diminui a culpa do pecado, esconde o perigo do pecado e embeleza o prazer do pecado.

Culpa diminuída

Quando o diabo encontrou nosso Senhor no deserto, ele procurou fazer o pecado parecer pequeno. Se Jesus realmente fosse o Filho de Deus, que mal poderia haver em transformar essa pedra em pão, ou em permitir que os anjos adoradores sustentassem seu corpo em queda (Mateus 4: 3-6)? Certamente, dadas as circunstâncias, esses eram privilégios e necessidades, não pecados.

Bem, nós não somos o Filho de Deus. Mas o diabo conhece mil maneiras de sugerir nos sugerir o mesmo. Talvez ouçamos: “Você está tão cansado e sob tanta pressão; quem pode te culpar? ” Ou, “Você não viu fulano fazer o mesmo na semana passada?” Ou, “Se você é filho de Deus, a graça está disponível.” Lentamente, a escuridão do pecado fica cinza, os mandamentos de Deus tornam-se recomendações e, antes mesmo de cedermos, estamos misturando um bálsamo para acalmar nossa consciência ferida.

Perigo escondido

Quando Deus descreve nossas tentações, frequentemente usa imagens de predador e presa, de caçador e vítima. O pecado nos leva a “um laço do diabo” (1 Timóteo 3: 7); da mesma forma, as iniquidades de um homem ímpio “o enlaçam, e ele está preso nas cordas do seu pecado” (Provérbios 5:22). Claro, “em vão se estende a rede à vista de qualquer pássaro” (Provérbios 1:17), por isso o diabo esconde cuidadosamente a rede da vista.

Embora Deus tenha advertido mil vezes sobre o fruto do pecado proibido – que “no dia em que dele comeres certamente morrerás” – o diabo nunca se cansa de dizer aos filhos de Adão: “Certamente não morrerás” (Gênesis 2:17 ; 3: 4). “Não, não”, diz ele. “Que perigo poderia haver em um pequeno pecado? Encontre alívio desta vez, gratifique sua carne desta vez, responda à voz de suas paixões desta vez, e então retorne à justiça. ”

Com essas palavras, ele cobre o anzol com a minhoca e passa folhas e galhos na rede preparada para se partir.

Prazer Embelezado

Todas as tentações seriam inofensivas, é claro, se o pecado não prometesse prazer – se a rede não oferecesse comida e o anzol não fosse verme. Assim, o diabo pega os prazeres passageiros que existem no pecado e os faz sentir, pelo menos por enquanto, mais doces do que os prazeres à direita de Deus.
Sob a força da tentação de Satanás, Caim sente a emoção da vingança; Acã, a glória da riqueza; David, o deleite do adultério. Nós também podemos nos encontrar fixados num certo pecado com um senso avassalador de necessidade: se não clicarmos aqui, comprarmos isto, bebermos aquilo, como seremos felizes? Como vamos suportar nossos sofrimentos ou nosso tédio? Talvez reprimimos alguma parte essencial de nós. Talvez, tendo chegado tão longe, não tenhamos escolha a não ser mergulhar de cabeça.
Ao mesmo tempo, a luz do rosto de Deus fica mais fraca, o caminho estreito se aperta e os mandamentos de Deus, que antes trouxeram tanta liberdade, caem sobre nós com um peso que não podemos suportar.

‘Não somos ignorantes’

Esses são alguns dos desígnios de Satanás. Agora, o que devemos fazer para poder dizer com Paulo: “Não somos ignorantes” (2 Coríntios 2:11)? Devemos nos saturar totalmente com “a verdade. . . em Jesus ”(Efésios 4:21) para que, no momento da tentação, a culpa do pecado seja exposta, o perigo do pecado revelado e o prazer do pecado redirecionado.

Culpa Exposta

Quando o diabo sugere: “Este pecado é pequeno”, as Escrituras nos treinam para responder: “Não existe tal coisa como‘ um pecado pequeno ’. É uma coisa pequena tolerar o pecado pelo qual meu Salvador morreu para perdoar? É uma coisa pequena arrastar um ídolo para o templo do Espírito Santo (Efésios 4:30)? Ou poderia ser uma coisa pequena descartar as palavras de meu Pai como conversa vazia? “
Ou quando ele sussurra: “Mas Deus é misericordioso”, dizemos: “Sim, Deus é misericordioso – não apenas para me perdoar, mas também para me purificar. Misericórdia, graça e perdão não me tentam a pecar; eles me treinam para a piedade (Tito 2: 11-12). Você não se lembra que a bondade do Senhor é um apelo ao arrependimento (Romanos 2: 4)? ”
Ou quando ouvimos: “Mas você tem estado sob tanta pressão”, respondemos: “Mas a pressão nunca pode desculpar o desprezo pelos mandamentos de Deus. Posso sinceramente imaginar estar diante do tribunal de Cristo (2 Coríntios 5:10), segurando minha amargura, autopiedade ou raiva, e dizendo: ‘Eu estava sob tanta pressão’? ”

Perigo revelado

À medida que o Espírito expõe a culpa do pecado, Ele também revela seu perigo. Quando nos sentimos atraídos pela lógica do “só desta vez”, lembramos que o pescador só precisa de uma mordida para pegar o peixe; o caçador precisa apenas de um pé para lançar a armadilha. Da mesma forma, o diabo precisa apenas de uma indulgência para apertar seu controle sobre nossas almas. Beber demais “apenas uma vez”, olhar pornografia “apenas uma vez”, gratificar nossa vaidade “apenas uma vez”, sem um ato decisivo de arrependimento, nos deixará mudados.

John Owen escreve: “Alguns, no tumulto de suas corrupções, buscam quietude trabalhando para satisfazê-las,‘ fazendo provisões para a carne, para satisfazer seus desejos, ’como o apóstolo fala. . . . Isto é diminuir fogo com madeira e óleo ”(Indwelling Sin, 178). Em outras palavras, tentar silenciar nossos desejos pecaminosos cedendo “só desta vez” é como tentar apagar o fogo acrescentando outra lenha.

Prazer redirecionado

A batalha ainda não acabou, uma vez que a culpa do pecado é exposta e seu perigo revelado. Nosso desejo de prazer dado por Deus, forte como o Niagara, não pode ser reprimido pela mera abnegação. O rio deve correr para algum lugar – e se não para pecar, então para algo melhor.

Aqui, muitos de nós enfrentamos problemas. Os prazeres do pecado costumam ser imediatos, enquanto os prazeres da justiça costumam demorar. Os prazeres do pecado não requerem abnegação, enquanto os prazeres da justiça às vezes requerem o corte de uma mão (Mateus 5:30). Como podemos negar a nós mesmos o fácil e imediato pelo difícil e demorado?

Da mesma forma que um caminhante, desesperado por água, nega a si mesmo uma poça de água salgada porque sabe que um riacho de cristal corre três quilómetros acima no caminho. Ele se lembra não só de que essa água vai enfurecer ainda mais sua sede, mas também de que Deus tem fornecido água muito mais doce se ele continuar caminhando. Assim, com “a certeza das coisas que se esperam”, convidando-o a seguir em frente (Hebreus 11: 1), ele dirige o rosto para o caminho.

Toda tentação, então, é uma oportunidade não apenas para rejeitar os prazeres fugazes do pecado, mas também para abraçar o valor insuperável de Cristo. Toda tentação oferece uma chance de envergonhar o diabo, não por mera abnegação, mas por uma melhor satisfação: o próprio Cristo, que promete prazer que mal podemos imaginar – e que nunca mente.

Artigo original por Scott Hubbard em : https://www.desiringgod.org/articles/every-sin-hides-a-lie

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: