Fidelidade em lugares esquecidos. Porque a pequena obediência é importante para Deus.

Quando o Espírito Santo cultiva os seus frutos em nossas vidas, Ele frequentemente age de maneiras pelas quais nunca oraríamos (Gálatas 5: 22-23). Para fazer crescer o fruto do amor em nós, Ele pode dar-nos um inimigo; para cultivar o fruto da paz, pode permitir que o conflito se aproxime. E para fazer crescer o fruto da fidelidade, pode nos enviar a lugares esquecidos.

Lugares esquecidos são aqueles cantos do mundo para onde ninguém parece estar a olhar, onde nossos esforços passam despercebidos, sem agradecimento. Talvez trabalhemos entre fraldas e pratos, cubículos e e-mails. Ou talvez, mais dolorosamente, entre campos missionários infrutíferos, filhos rebeldes ou cônjuges cujo amor esfriou. Todos nós vivemos em lugares esquecidos às vezes; alguns vivem lá o tempo todo.

Fazer trabalho enfadonho como discípulo

Devemos ter cuidado para não subestimar o esforço espiritual de tal trabalho monótono e aparentemente sem recompensa. As tarefas diárias em lugares esquecidos podem ser pequenas, mas acumulá-las ao longo de meses, anos ou décadas, pode faze-lo simpatizar com Oswald Chambers quando ele escreveu:

Não precisamos da graça de Deus para suportar as crises, a natureza humana e o orgulho são suficientes, podemos enfrentar a tensão magnificamente; mas requer a graça sobrenatural de Deus para viver vinte e quatro horas por dia como um santo, para passar pelo trabalho penoso como um discípulo, para viver uma existência comum, não observada e ignorada como um discípulo de Jesus.

Chambers pode exagerar no seu caso – mas não muito. Na verdade, os lugares esquecidos podem parecer um deserto, e muitos dias chegam quando nos encontramos à procura de algo para nos manter a andar, um pouco da água da rocha para nos sustentar neste deserto (Salmos 105: 41).

Nós a encontraremos, não nos próprios lugares esquecidos, mas no Deus que nos enviou aqui, que está connosco aqui e que promete nos recompensar aqui.

Providência de Deus

Às vezes, podemos encarar as responsabilidades à nossa frente e nos perguntar como chegamos aqui. Como nós vagamos por este deserto de dias monótonos e obediência oculta? Ficamos familiarizados com o olhar para trás, imaginando se perdemos uma curva em algum lugar. Como é esclarecedor, então, lembrar que nossa situação de vida não é, em última instância, uma questão de acaso, nem de quaisquer erros que tenhamos cometido, nem mesmo da série de eventos que levam até o presente, mas da providência de Deus. As tarefas que temos pela frente são, pelo menos por hoje, atribuição de Deus para nós.

Certamente, a providência de Deus não anula as decisões – e talvez os erros ou pecados – que nos levaram a esta posição na vida, nem nos desencoraja de lutar por melhores circunstâncias: somos mais do que galhos na torrente dos propósitos de Deus . Mas a providência de Deus nos ensina a ver, como diz o Catecismo de Heidelberg, que “folha e lâmina, chuva e seca, anos férteis e estéreis, comida e bebida, saúde e doença, riqueza e pobreza, na verdade, todas as coisas chegam a nós não por acaso, mas por sua mão paternal. ” Não importa como chegamos aqui, os lugares esquecidos são, em última análise, das mãos de nosso Pai.

Repetidamente, Deus descreve nossos próprios planos e esforços como significativos, mas os Dele como decisivos – até mesmo nos assuntos mais pessoais da vida. Ele determina quando e onde vivemos (Atos 17:26). Ele nos atribui uma medida de fé (Romanos 12: 3). Ele distribui dons espirituais como deseja (1 Coríntios 12:11). Ele nos confia vários talentos – sejam cinco, dois ou apenas um (Mateus 25:15). Ele nos dá um ministério específico (Colossenses 4:17). Ele até nos chama para uma vida particular (1 Coríntios 7:17).

Com o tempo, esse lugar esquecido pode dar lugar a um lugar diferente – e dependendo das circunstâncias, podemos ser sábios em buscar essa mudança. Mas, por enquanto, podemos olhar para as responsabilidades à nossa frente e dizer com alívio: “A mão de meu Pai me trouxe aqui.”

O Prazer de Deus

Deus não apenas nos envia aos lugares esquecidos; Ele também nos encontra lá. Quando trabalhamos na obscuridade, Ele está perto (Salmo 139: 5). Quando nosso trabalho escapa da atenção de todos os olhos humanos, não escapa dos Dele (Lc 12: 7). Ele capta cada oração sussurrada, cada gemido em direção a Deus. Ele está pronto a todo momento para marcar as menores tarefas que realizamos com fé.

O sábio nos explica porquê: “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor, mas os que agem com fidelidade são o seu deleite” (Provérbios 12:22). Deus se deleita não principalmente na grandeza da obra, mas na fidelidade do obreiro. O que mais poderia explicar a insistência do Novo Testamento de que mesmo os membros mais baixos e invisíveis da sociedade estão “servindo ao Senhor Cristo” quando caminham fielmente em seus chamados (Colossenses 3:24)? Os menores deveres feitos com fé tornam-se deveres feitos para Cristo.

O missionário Hudson Taylor gostava de dizer: “Uma coisa pequena é uma coisa pequena, mas a fidelidade nas pequenas coisas é uma coisa grande”. Cozinhar uma refeição, preencher uma planilha, fazer compras, limpar o nariz de uma criança – essas são pequenas coisas. Mas se feito fielmente por causa de Cristo, elas se tornam maiores do que todos os triunfos e troféus de um mundo incrédulo. Elas se tornam o deleite de nosso Senhor vigilante.

A Promessa de Deus

Uma vez que rastreamos a providência de Deus no passado e sentimos seu prazer no presente, Ele quer que consideremos o futuro, quando toda a nossa obediência será recompensada.

Quando muitos cristãos imaginam o dia do julgamento, presumimos que os holofotes recairão sobre os grandes atos de pecado e justiça. E certamente o será – mas não só. Notavelmente, quando Jesus e os apóstolos falam daquele dia, eles geralmente se concentram nos momentos comuns da vida.

No dia do julgamento as pessoas darão contas de cada palavra descuidada que falarem”, Jesus nos diz (Mateus 12:36). Por outro lado, Deus recompensará seu povo pelas menores boas obras que fizerem por sua graça: por dar aos necessitados (Mateus 6: 4), por orar no quarto (Mateus 6: 6), por jejuar em segredo (Mateus 6: 6). Mateus 6:18), mesmo por dar um copo de água fria a um dos discípulos de Cristo (Mateus 10:42).

O apóstolo Paulo escreve de forma semelhante que “todos devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba o que lhe é devido pelo que fez por meio do corpo, seja bom ou mau” (2 Coríntios 5:10). Mas então, em Efésios, ele esclarece o tipo de bem que tem em mente: não apenas o bem extravagante, o bem impressionante ou o bem acima da média, mas “qualquer bem” (Efésios 6: 8). No dia do julgamento, cada pedaço de obediência invisível encontrará sua recompensa adequada.

Viver e morrer em lugares esquecidos, então, não é um índice infalível de nosso trabalho aos olhos de Deus. Muitos santos, de facto, não saberão o verdadeiro valor do que fizeram por Cristo até que o próprio Cristo lhes diga (Mateus 25: 37-40).

Excecional no comum

Chambers, depois de comentar sobre a graça necessária para suportar o trabalho penoso como discípulo, continua a escrever: “É inato em nós que temos que fazer coisas excepcionais para Deus; mas não temos. Temos que ser excepcionais nas coisas comuns, ser santos nas ruas mesquinhas, entre as pessoas mesquinhas, e isso não se aprende em cinco minutos ”.

Novamente, Chambers pode exagerar um pouco. Deus às vezes nos chama para fazer coisas excecionais por Ele: adotar crianças, lançar ministérios, plantar igrejas, mudar-se para o estrangeiro. Mas a questão ainda é válida, porque nenhum de nós fará nada excecional a menos que primeiro tenhamos aprendido, por meio de dez mil passos de fidelidade, a ser excecional no comum.

Não estamos sozinhos aqui. A fidelidade, lembre-se, é um fruto do Espírito. E para dar esse fruto em nós, Ele deseja que entesouremos a providência, o prazer e as promessas de Deus que nos cercam atrás e para a frente, e nos seguem em todos os lugares esquecidos.

Artigo original por Scott Hubbard em : https://www.desiringgod.org/articles/faithfulness-in-forgotten-places

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

<span>%d</span> bloggers like this: