Negar-se a si mesmo é amar-se a si mesmo

Quando muitos ouvem a ordem direta de Jesus para negarem-se a si mesmos e tomar sua cruz (Marcos 8:34), eles ouvem outra voz ao lado de nosso Senhor. “Em outras palavras, seja miserável”, diz a voz. “Perca tudo o que você ama. Pegue sua pequena porção de felicidade e atropele-a. Torne-se um mártir.”

Podemos chamar essa voz sempre disponível de Tradução da Nova Serpente (NST) da Bíblia. Afinal, o diabo foi o primeiro tradutor e intérprete da Bíblia do mundo. “Nada de comer da árvore, ele disse? Sim, deixe-me dizer o que isso significa. . . ” (Gênesis 3: 1-5). A experiência raramente é tão consciente para nós como foi para Eva, é claro. Não percebemos que caímos no feitiço da serpente; simplesmente deixamos de ouvir Jesus, com a subtil sensação de que seus mandamentos são pesados.

Mas o que Satanás omite é que Jesus veio “para destruir as obras do diabo” (1 João 3: 8), incluindo a mentira blasfema de que “negar a si mesmo” significa “ser miserável”. E então, Ele silencia a voz da serpente nos dizendo aonde realmente leva a abnegação. Quando nos negamos a nós mesmos, Jesus diz-nos, nos encontramos. Desafiamos o diabo. Nós nos juntamos ao lado do céu. Nós destruímos nossa tristeza.

Encontre-se

Numa sociedade que valoriza o individualismo tanto quanto a nossa, talvez um medo se torne ainda maior quando ouvimos “negar a si mesmo”: o medo de nos perdermos. Sermos privados de tudo o que nos faz ser “eu”. Nossos sonhos serão destruídos, nossos desejos embotados, nossa personalidade apagada. Seremos mais uma gota num mar de cinza sem fim.  

O medo é compreensível. “Negar a si mesmo” requer, afinal, abnegação. Devemos colocar o machado na raiz de cada árvore que produz frutos ruins em nós. Cada pecado deve ser morto, cada parte de mim que não O reflete deve ser renunciada – e não apenas uma vez, mas “diariamente” (Lucas 9:23). “Veja”, diz a serpente, “perca-se”.

Ao que Jesus responde: “Não, encontre-se – seu verdadeiro eu.” Ele diz: “Quem quiser salvar a sua vida a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará” (Marcos 8:35). O reino dos céus guarda segredos dos quais o diabo nada sabe. Onde Jesus reina, o caminho para cima é para baixo, os primeiros são os últimos e a única maneira de salvar sua vida é perdê-la por causa Dele.

A vida que encontramos do outro lado da abnegação pode parecer muito diferente da vida que sempre conhecemos. Mas não será – não pode – ser pior. É uma vida em que ganhamos cem vezes mais do que abdicamos (Marcos 10:30). É uma vida onde não somos mais uma nota quebrada na sinfonia do universo, mas sim soando a parte para a qual Deus nos criou. É uma vida com Jesus: Criador de toda beleza, Redentor de todo quebrantamento, Fonte de toda alegria.

Quando você nega-se a si mesmo, não se perde – não no final das contas. Você vai se encontrar.

Desafie o Diabo

O diabo, é claro, não é favorável a que ninguém se encontre. Ele prefere roubo, assassinato e destruição (João 10:10). Portanto, quando chegamos a um ponto em que sabemos que devemos negar a nós mesmos, ele sugere, de uma forma ou de outra, que em vez disso nos salvemos.

Aqui em Marcos 8, Pedro foi o peão do diabo. Quando o discípulo tentou desviar seu Mestre da cruz, Jesus respondeu: “Afaste-se de mim, Satanás!Pois você não está pensando nas coisas de Deus, mas nas coisas dos homens ”(Marcos 8:33). A tentação de salvar nossos seres pecadores em vez de negá-los pode vir de milhares de lugares – de nosso próprio pecado interior, de nossa sociedade, até mesmo de um amigo querido como Pedro. Mas, no fundo, “salve-se” é conversa da serpente. É o evangelho da Geena.

Quantas vezes tivemos o impulso de negar a nós mesmos – largar a bebida, doar o bónus, ir conversar com aquele vizinho, confessar o pecado constrangedor – apenas para ter uma parte de nós, como Pedro, começar a questionar nossas boas resoluções ? “Agora, agora, há um caminho mais confortável para a glória, não é? Certamente podemos agarrar a coroa sem carregar esta cruz? Não há necessidade de ser tão extremo. Moderação em todas as coisas, lembre-se. ” O diabo pode ser um leão, mas raramente ouvimos seu rugido; mais frequentemente, ele aparece em nossas razões mais plausíveis para evitar a abnegação.

Se você quer agradar ao diabo, recuse-se a negar a si mesmo. Mas se você quer desafiar seu antigo inimigo, se você quer desprezar aquele que odeia sua alma, se você quer cortar os braços que o arrastariam para o inferno, então se abaixe e pegue sua cruz.

Junte-se ao lado do céu

Para alguns, o maior custo da abnegação não é a perda dos prazeres privados, mas a perda da reputação e dos relacionamentos públicos. Jesus foi “rejeitado pelos anciãos e pelos principais sacerdotes e pelos escribas” (Marcos 8:31) – para não mencionar zombado por seus vizinhos e criticado por sua família (Marcos 3: 20-21; 6: 1-6). Se O seguirmos, a rejeição recairá sobre nós também.

No entanto, observe como Jesus coloca o custo na perspetiva celestial. Quem estamos a deixar quando nos levantamos para seguir Jesus? “Esta geração adúltera e pecadora” (Marcos 8:38). Em nosso pecado, mantemos companhia com adúlteros; nós mesmos éramos um deles, de fato (Tiago 4: 4). Esta é a comunhão que devemos abandonar. E quando o fizermos, a quem nos juntaremos? “O Filho do Homem”, que um dia retornará “na glória de seu Pai com os santos anjos” (Marcos 8:38). Em outras palavras, nós nos juntamos ao céu. E é sempre melhor estar do lado justo do céu do que do lado “certo” da história.

Destrua sua tristeza

Chegamos agora à promessa talvez mais surpreendente da abnegação. Se você negar a si mesmo, não apenas se encontrará, desafiará o diabo e se juntará ao lado do céu; você será feliz. Pois, como Jonathan Edwards uma vez pregou, “A abnegação destrói a própria raiz e fundamento da tristeza.” Todas as tristezas, sofrimentos, provações e problemas do mundo começam na escolha de nossos primeiros pais escolherem-se si mesmos sobre Deus (Romanos 5:12; 8:20). Muitas de nossas próprias tristezas crescem da mesma raiz amarga. Se vamos destruir nossa tristeza até ao fundo, o eu que ama o pecado deve ser negado.

Jesus sabia que sua missão era destruir toda a tristeza. Não se deixe enganar pelo rosto virado como uma pedra em direção a Jerusalém (Lucas 9:51). Quando Jesus olhou para os chicotes, os pregos, a cruz, as multidões, a lança e o túmulo, Ele viu algo além de todos eles, pelo qual vale a pena morrer: “glória” (Marcos 8:38). E parte dessa glória, Hebreus nos diz, era “a alegria que lhe estava proposta” (Hebreus 12: 2).

Como foi para Jesus, assim é connosco. As alegrias mais profundas neste mundo vêm apenas do outro lado da abnegação. Na verdade, a alegria é tão rica, tão expansiva e generosa, que muitas vezes nos encontra em meio à nossa abnegação. A nova vida surge enquanto a outra morre; a nova planta brota enquanto ainda estamos cortando a raiz da velha. Assim como estamos “tristes, mas sempre nos alegrando”, também estamos “abnegados, mas sempre nos alegrando” (2 Coríntios 6:10).

Em seu chamado para negarmo-nos a nós mesmos, Jesus quebra o encanto da serpente e acena para a alegria para a qual Ele nos criou. “Venha”, diz ele, “deixe os prazeres seguros e pequenos de uma vida autoprotegida, pelas delícias de seguir o Rei do céu. Deixe as trevas pela luz, o inferno pelo céu e a vida que você quer salvar por uma vida muito melhor de amor por mim.” Apesar de toda a dor que a abnegação traz, é o único caminho para “grande alegria” (Salmo 43: 4) – porque é o único caminho para Cristo.

Artigo original por Scott Hubbard em https://www.desiringgod.org/articles/denying-yourself-is-loving-yourself

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: