Procure um coração partido pelo pecado

A vida cristã triunfante e vitoriosa é marcada por uma característica curiosa: raramente se sente triunfante ou vitoriosa.

No reino de Deus, a força vem por meio da fraqueza (2 Coríntios 12: 9–10), a grandeza por meio do serviço (Marcos 10:43) e a integridade por meio do quebrantamento (Salmo 147: 3). Como diz a oração clássica,

Deixe-me aprender pelo paradoxo

que o caminho para baixo é o caminho para cima,

que estar baixo é estar alto,

que o coração partido é o coração curado,

que o espírito contrito é o espírito alegre.

Muitos de nós aceitaríamos com prazer a última parte de cada uma das linhas acima, se pudéssemos renunciar à primeira. Mas, na sabedoria de Deus, nenhum santo é elevado, curado e regozijante que também não esteja baixo, quebrantado e contrito. Samuel Rutherford foi direto: “Buscai um coração quebrantado pelo pecado, pois sem ele não há encontro com Cristo” (Letters of Samuel Rutherford, 328).

Podemos realizar muito neste mundo sem um coração partido; pode até parecer que alcançamos muito na vida cristã sem um coração quebrantado. Mas não podemos ter comunhão profunda e doce com Cristo, pois Ele entra apenas pelas frestas de um coração quebrantado.

Benefícios de um coração partido

Certamente perigos acompanham essa busca. Alguns cristãos focam-se com uma obsessão quase mórbida na maldade do pecado, na maldade de nossos corações e o dever de lamentar nossa corrupção remanescente. Eles passam seus dias vagando pelos labirintos de seu pecado interior, quase nunca levantando os olhos para o Salvador que os amou e se entregou por eles (Gálatas 2:20).

Pior ainda, buscar um coração partido pode facilmente se tornar uma tentativa distorcida de autojustificação. Podemos imaginar, talvez inconscientemente, que somos mais aceites por Deus quanto pior nos sentimos sobre nós mesmos – esquecendo, como diz o hino,

Poderia meu zelo ter tréguas,

Será que minhas lágrimas podem fluir para sempre,

Estas os pecados não podem expiar

Você deve salvar, e somente Você.

O quebrantamento não pode nos justificar; as lágrimas não podem nos limpar. Só o sangue pode (Efésios 1: 7).

E, no entanto, o ponto ainda é válido: um coração partido pelo pecado abre a porta para uma comunhão mais profunda com Cristo. Pois apenas um coração partido nos ensina a odiar seus rivais, acolher sua graça e ouvir sua canção de amor e favor.

Odiar seus rivais

A comunhão com Cristo, assim como a comunhão com o cônjuge, requer um sentimento mais profundo do que simplesmente: “Eu escolho você acima de todos os outros.” Exige o sentimento: “Desejo você acima de todos os outros.” Um coração não partido pelo pecado pode escolher Cristo, pelo menos de uma maneira exterior, enquanto ainda acalenta pensamentos de outras coisas. Mas um coração partido passou a sentir o pecado como seu maior fardo e vergonha e, portanto, resiste aos rivais de Cristo com uma força muito maior do que o mero autocontrole: a força da santa repulsa.

Num sermão sobre o Salmo 51, John Piper observa que, neste salmo de arrependimento sobre o adultério, David nunca pediu a Deus por mais autocontrole sexual. “Porque ele não está orando para que os homens o responsabilizem? Porque ele não está orando por olhos protegidos e pensamentos livres de sexo? ” Piper pergunta. A resposta: “Ele sabe que o pecado sexual é um sintoma, não a doença.” O adultério é um sintoma de uma doença mais profunda: um coração não partido pela maldade do pecado, não destruído pela glória de Cristo.

Então, em vez de meramente implorar por autocontrole – pelo poder de escolher os caminhos de Deus – David ora: “Cria em mim um coração puro, ó Deus” (Salmo 51:10). E um coração puro é, no fundo, um coração quebrantado: “Os sacrifícios para Deus são um espírito quebrantado;coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás ”(Salmo 51:17). Se David queria desfrutar da comunhão restaurada com Deus, ele precisava de mais do que força de vontade. Ele precisava de um coração partido.

O autocontrole tem seu lugar na vida cristã, é claro. Mas por si só, separado de um ódio profundo e duradouro de tudo o que nos afastaria de Cristo, ele meramente enfraquece o pecado nos ramos, em vez de secá-lo na raiz.

Dê as boas-vindas à sua graça

Um coração partido, então, nunca é um fim em si mesmo. Cristo, nosso bom médico, parte um coração como um cirurgião às vezes deve quebrar um osso: apenas para que possa curá-lo melhor no final. “Ele cura os quebrantados de coração e cura as suas feridas” (Salmo 147: 3). E o remédio mais doce que Ele dá chama-se graça.

Embora amargo em si mesmo, um coração partido pode abrir nossas mãos para receber a graça de maneira mais profunda do que nunca. Só depois que Isaías foi desfeito, lembre-se, ele ouviu as palavras consoladoras: “Tua culpa foi tirada e teu pecado foi expiado” (Isaías 6: 7). Somente quando Pedro se encolheu, condenado, Jesus disse lhe ele: “Não tenha medo” (Lucas 5:10). E só depois que Paulo gritou: “Desventurado homem que sou!” ele disse com igual força, “Graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor!” (Romanos 7: 24-25).

Se pensamentos ansiosos sobre o amor de Deus rodam dentro de nós, será que estamos baseando seu amor demais em nós? E será que o que mais precisamos é de um novo coração partido, a ponto de nos desesperarmos novamente? Talvez então pudéssemos ouvir as palavras de Horatius Bonar:

A fé é descanso, não labuta. É o abandono de todos os anteriores esforços cansativos de fazer ou sentir algo bom, a fim de induzir Deus ao amor e ao perdão; é a receção calma da verdade por tanto tempo rejeitada, que Deus não está esperando por tais incentivos, mas ama e perdoa por sua própria boa vontade, e está mostrando essa boa vontade a qualquer pecador que vier a Ele em tal pé, rejeitando suas próprias realizações ou bondades, e confiando implicitamente no amor livre daquele que amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito.

Alguns tentam em vão subir ao céu por uma escada de boas ações e sentimentos. Mas os de coração partido sabem que só alcançamos o céu de joelhos dobrados. “Pois assim diz Aquele que é alto e exaltado:. . . ‘Eu habito no lugar alto e santo, e também com aquele que é contrito e humilde de espírito’ ”(Isaías 57:15). A graça do Santo vem apenas para os humildes.

Ouça Sua música

Essa graça em si é uma maravilha. Ainda mais maravilhosa é a maneira como Deus a dá. Imagine, se você ousar, o Deus da graça correndo em sua direção em seu quebrantamento, sua boca aberta não com censura, mas com música.

Aos exilados em Jerusalém, Deus prometeu: “Removerei de seu meio os orgulhosos; não haverá mais arrogância em meu santo monte. Só restarão os pobres e os humildes” (Sofonias 3: 11–12). Em outras palavras, Ele prometeu misericordiosamente partir o coração de seu povo. E então, contra todas as expectativas, Ele diz,

Pois o Senhor, seu Deus, está em seu meio; ele é um Salvador poderoso. Ele se agradará de vocês com exultação e acalmará todos os seus medos com amor; ele se alegrará em vocês com gritos de alegria!. (Sofonias 3:17)

Tal como acontece com muitos dos caminhos de Deus, “por trás de uma providência carrancuda, Ele esconde um rosto sorridente.” Talvez tenhamos medo de que, depois de partir nossos corações, Deus continue a anunciar nosso pecado por toda a eternidade – que ele irá esfregá-lo em nossos rostos, por assim dizer, e fazer do céu um mundo de penitência rastejante diante do franzir de testa Todo-Poderoso.

Em vez disso, Ele enche o ar com música. Por séculos e séculos, a melodia de nosso Deus perdoador mostrará a seu povo outrora ferido e agora curado, cada vez mais, “as imensuráveis riquezas de sua graça em bondade para connosco em Cristo Jesus” (Efésios 2: 7). E ainda assim a música continuará.

Procure um Coração Partido

Claro, não podemos simplesmente nos levantar e entregar a nós mesmos um coração partido. Assim como os homens de Jerusalém “foram partidos no coração” apenas quando tocados por uma adaga divina (Atos 2:37), assim também é connosco: se nossos corações devem ser quebrantados pelo pecado, Deus deve quebrá-los.

No entanto, podemos fazer algo. Podemos seguir o conselho de Rutherford de “buscar um coração quebrantado“. Podemos desistir do esforço exaustivo de esconder nosso pecado e de fingir que somos melhores do que somos. Podemos orar para que Deus gentil e amorosamente nos quebrante. E podemos abraçar a verdade contraintuitiva de que a vida cristã avança pelos opostos: subimos mais alto ao inclinar-nos; nós progredimos pelo arrependimento.

Neste mundo, nossa plenitude virá por meio do vazio, nossa força por meio da fraqueza, nossa alegria por meio do luto, nossa exaltação por meio da humildade e nossa plenitude por meio de um coração quebrantado e contrito.

Artigo original por Scott Hubbard em : https://www.desiringgod.org/articles/seek-a-broken-heart-for-sin

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: