Um Deus de amor me feriria?

Das poucas coisas que me lembro de minha curta temporada frequentando a igreja, a mensagem que cobria a parede continua a ser a mais forte: “Prepare-se para encontrar seu Deus.”

Era o grande “E” no gráfico de olho; não notar nele confirmava a cegueira. Mesmo quando alguém não deseja vê-lo, esse comando olha para si.

A cada distração do sermão ele falava – Prepare-se para encontrar seu Deus. Quando a atenção começou a se desviar na oração, ela me encontrou – Prepare-se para encontrar seu Deus. Orei mais, cantei mais alto e escutei melhor por causa daquele comando inevitável sempre inspecionando como um vigia de sua torre.

Convites agonizantes

Também me lembro do dia em que reuni coragem para pesquisar as palavras sérias. Amós 4:12, a parede me disse. Comecei no versículo 6, onde o Senhor falou estas palavras ao seu povo:

Fui eu mesmo que dei a vocês estômagos vazios em cada cidade e falta de alimentos em todo lugar, mas vocês não voltaram para mim”, declara o Senhor.

“Também retive a chuva de vocês quando faltavam ainda três meses para a colheita. . . contudo, vocês não voltaram para mim”, declara o Senhor.

“Eu golpeei vocês com ferrugem e bolor; vossos muitos jardins e vossas vinhas, vossas figueiras e vossas oliveiras que os gafanhotos devoraram; contudo, vocês não voltaram para mim”, declara o Senhor.

“Mandei entre vós uma peste, à maneira do Egito; Matei os vossos mancebos à espada, levei os vossos cavalos, e fiz subir o fedor do vosso arraial às narinas; contudo, vocês não voltaram para mim”, declara o Senhor.

“Eu derrubei alguns de vocês, como quando Deus destruiu Sodoma e Gomorra, e vocês eram como um tição arrancado da fogueira; contudo, vocês não voltaram para mim”, declara o Senhor.

“Portanto, assim te farei, ó Israel; porque eu farei isso consigo, prepare-se para encontrar o seu Deus, ó Israel!” (Amós 4: 6-12)

Prepare-se para encontrar seu Deus. Esta não foi uma chamada para o culto de domingo. Foi uma convocação terrível para um povo adúltero se preparar para encontrar seu Marido ciumento no julgamento. No entanto, isso por si só não me incomodou. Tudo o que Deus fez antes do severo aviso também me abalou.

Ouviu tudo?

Deus desejou que Israel voltasse para Ele, então o que Ele fez? Ele deu a eles limpeza de dentes (o que significa que ele os deixou com fome); Ele reteve a chuva deles, esvaziando seu suprimento de comida e economia; Ele destruiu suas vinhas; Ele espalhou doenças entre eles; Ele matou jovens soldados, recuperou seus cavalos de guerra e dizimou suas forças; Ele ordenou que as chamas tomassem as cidades. Deus os afligiu para que se voltassem e O buscassem.

Mais feroz do que esperamos

Esta imagem é incompatível com o Deus que você adora? O Deus que, por amor a si, irá prejudicá-lo para salvá-lo? Um amor que vai cortar, quebrar e fazer você sangrar – como um cirurgião especialista – para o curar? Quantos bancos, eu me perguntei, teriam se esvaziado se o verso rastejasse da parede para o púlpito?

Muitos estão contentes com o amor de Deus consistindo apenas em terna bondade e ininterrupta gentileza. Eles desejam que o amor Dele seja totalmente dedicado à felicidade imediata deles – não importa como eles escolham a buscar. A ternura parece ser a disposição incontestável que alguns imaginam de Deus. Sensível aos nossos sonhos. Generoso quanto aos nossos desejos. Generoso com nossas contas bancárias e pecados. Este “deus do amor” não exige nenhum milagre da graça para O adorar; o ateu não se importa com esse Deus.

No entanto, o amor de Deus, conforme encontrado na Bíblia, é um fogo que consome a escória, um cinzel que se molda em sua própria perfeição, um abraço eterno que sufoca todos os rivais, um bisturi afiado destinado a dar vida real e uma forte felicidade muito para além da morte. Este amor tem objetivos maiores do que nosso conforto, nossa saúde ou nossa segurança – nesta vida. Este amor é mais feroz e profundo do que muitas vezes pensamos, melhor e mais forte do que muitas vezes queremos. Esse amor pode nos prejudicar e esse amor pode nos matar.

Ele flagela aqueles que ama

O amor de Deus não orbita em torno de nossas necessidades sentidas. Ele tem o nosso melhor, não o nosso mais fácil, em mente. Seu amor – perigoso, ciumento, possessivo – é o amor que sempre nos ferirá para nos salvar.

Você se esqueceu da exortação que se dirige a vós como filhos? “Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se canse quando por ele reprovado. Pois o Senhor disciplina aquele que ele ama e castiga a cada filho que ele recebe. ” (Hebreus 12: 5-6)

“Castigar” aqui pode ser traduzido como “açoites” ou “chicotes”. É algo para suportar. Algo desagradável e bastante doloroso. Algo em que não nos inscreveríamos. Algo que somos tentados a desprezar. Algo que não parece terno, gentil ou amoroso no momento. Mas suas chicotadas são isso. Veja o texto.

Ele atinge aqueles que ama e prejudica cada filho que recebe. Ele não disciplina os filhos de Satanás, apenas os seus (Hebreus 12: 8). Essas correções indesejáveis, essas marcas de adoção, nos levam a “compartilhar sua santidade” e desfrutar daquele “fruto pacífico da justiça” que conduz à vida eterna (Hebreus 12: 10-11).

Seu amor tem bordas afiadas – não para nos destruir, mas para nos separar de tudo que realmente nos ameaça. Em vez do que muitas vezes percebemos ser as tempestades de nosso Deus irado como prova de sua repulsa por nós, essas correções são, na verdade, as evidências improváveis ​​de seu amor. Como Calvin colocou,

É um consolo inestimável – que os castigos pelos quais nossos pecados são corrigidos são evidências, não da ira de Deus por nossa destruição, mas sim de seu amor paternal, e são, ao mesmo tempo, ajuda para nossa salvação, pois Deus está zangado com nós como seus filhos, a quem Ele não deixará perecer.

Ele não nos deixará perecer. Quando vagamos em direção aos penhascos, Ele nos encurrala com sua vara de volta para o céu. O que parece ser a glória do “deus do amor” – deixado à nossa própria maneira – é, na realidade, a sua ira, que leva o refrão: “Deus os abandonou. . . desistiu deles. . . abandonou-os”(Romanos 1:24, 26, 28).

Até a morte pode ser amor?

É por isso que muitos de vocês estão fracos e doentes, e alguns morreram. . . . Mas quando somos julgados pelo Senhor, somos disciplinados para que não sejamos condenados junto com o mundo. (1 Coríntios 11:30, 32)

O amor de Deus não fica quieto, contente, enquanto vagamos para a destruição. Ele não fica parado assistindo sua noiva bancar a prostituta. Ele nos encontra. Nos redime. Nos lava. Nos transforma. Disciplina-nos. E às vezes isso nos mata.

Esse amor não foi solicitado a alguns coríntios. Eles começaram a comer a Ceia do Senhor de uma maneira indigna. Eles não se examinaram. Eles comeram e beberam julgamento. Como Deus respondeu? “É por isso”, explica o apóstolo, “muitos de vocês estão fracos e doentes, e alguns morreram”. Alguns ficaram doentes devido à disciplina de Deus. Alguns eram fracos. Outros morreram. Funerais foram realizados por causa do discipulado de Deus em sua igreja.

Por que seríamos disciplinados até a morte? “Para que não sejamos condenados junto com o mundo.” Existe algo pior do que a morte. O amor de Deus às vezes para nossa respiração para salvar nossas almas. Este amor, ao contrário de nossas suposições profundas, é um oceano, violento e belo. Se Deus nos amasse como nós nos amamos, estaríamos perdidos.

Ser amado por Deus

Oh, o temível e maravilhoso amor de Deus. Esse Deus é tão sério sobre ter completamente os seus que os fará morrer de fome agora para alimentá-los para sempre, matá-los agora para mantê-los para sempre. Seus inimigos podem chamá-lo de monstro, mas seus santos cantam: “Porque o teu amor constante é melhor do que a vida, os meus lábios te louvarão” (Salmo 63: 3). Ser amado por Deus é ser santificado, vestido para o céu, preparado para a eternidade, trazido através do deserto uivante deste mundo, através do furioso rio Jordão e protegido na Terra Prometida de uma nova criação. Esse amor não nos poupará de inchaços, hematomas e sangramentos que nos prepararão para sua presença.

Pedir que o amor de Deus se contente connosco como somos é pedir que Deus deixe de ser Deus: porque Ele é o que é, seu amor deve, pela natureza das coisas, ser impedido e repelido por certas manchas em nossa personagem presente, e porque Ele já nos ama, Ele deve trabalhar para nos tornar amáveis. (C.S. Lewis, The Problem of Pain, 41)

E Ele faz exatamente isso. Tendo nos perdoado, Ele nos torna bonitos. Ele dobra todas as circunstâncias, trabalha todas as coisas para o bem – cada ferida e cada alegria – para nossa glória eterna de sermos conformados à imagem deste Filho (Romanos 8: 28-29).

O amor de Deus abraça seus filhos onde eles estão atualmente (Ele morreu por nós enquanto ainda éramos ímpios) – não nos tornamos dignos de seu amor; nós não conseguimos. Mas seu amor, quando nos encontrar, não nos deixará onde estamos – estamos destinados a ser santos e imaculados diante Dele em amor.

Com todo o seu coração e alma

No entanto, isso não significa que Ele abençoa e machuca igualmente, nem que fica indiferente aos nossos gritos ou à nossa dor. Muito pelo contrário. No meio de uma lamentação de partir o coração sobre a punição de Israel pelo Senhor, Jeremias nos lembra:

O Senhor não rejeitará para sempre, mas, embora cause tristeza, ele terá compaixão de acordo com a abundância de seu amor constante; pois ele não aflige de coração nem entristece os filhos dos homens. (Lamentações 3: 31-33)

Ele não aflige de coração.” Seu deleite não é nos ferir. Ele não é como o menino no recreio, queimando vermes com um microscópio. Mesmo quando Ele impõe as mais pesadas aflições sobre nós, não é sua alegria fazê-lo. Em vez disso, Jeremias regista seu coração para com a igreja desta forma:

Farei com eles um pacto eterno de não me desviar de fazer o bem a eles. E porei o medo de mim em seus corações, para que não se voltem de mim. Vou alegrar-me em fazer-lhes o bem e plantá-los nesta terra com fidelidade, de todo o meu coração e de toda a minha alma. (Jeremias 32: 40-41)

Este amor – o único amor forte o suficiente para nos livrar do inferno, para nos tornar agradáveis ​​aos seus olhos, para nos deleitar por toda a eternidade – não nos deixa sozinhos com nossos pecados prediletos e dispositivos condenáveis. Seu amor coloca em nós o temor para que não possamos nos afastar Dele. Ele nos quer onde está, com todo o seu coração e toda a sua alma.

Ele provou a profundidade imponderável de seu coração por seu povo de uma vez por todas quando Jesus Cristo veio para suportar a ira de Deus por nossos pecados. Não deveria nos surpreender que Deus nos esmagasse por nossos pecados; deveria nos surpreender que seu amor esmagasse o Filho por nós. Não importa o quanto Deus escolha para nos afligir para o nosso bem, os golpes mais pesados ​​nunca são o que nossos pecados merecem. Pois Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu único Filho.

Artigo original por Greg Morse em : https://www.desiringgod.org/articles/would-a-loving-god-wound-me

One thought on “Um Deus de amor me feriria?

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: