Sua vida contará quando você partir? Um apelo aos pais espirituais

Um bom amigo descobriu recentemente que seu pai biológico pode ter a doença de Alzheimer. Quando perguntei como ele se sentia a respeito, ele respondeu: “Estou dividido. Por um lado, estou apavorado por ele. A doença é selvagem e é lamentável que qualquer pessoa se torne lentamente um estranho para todos os seus entes queridos e até para si mesmo. Eu oro a Deus para que ele não tenha isso. ”

Eu balancei a cabeça, esperando que ele continuasse.

“Por outro lado,” ele começou, e então parou. “Posso ser honesto? Eu sei como isso vai soar. ” Quando eu assegurei que ele podia, ele olhou para baixo e continuou: “Meu primeiro pensamento foi que ele teve Alzheimer durante toda a sua vida. Alzheimer quando eu era criança tentando andar de bicicleta. Alzheimer durante meu primeiro jogo de futebol. Alzheimer em quase todos os aniversários, na maioria dos Natais e na formatura. A dor que odeio ainda ter esmaga-me. Se ele tiver esta doença – e eu oro a Deus para que não tenha – estou com raiva que ele não terá memórias minhas para esquecer. “

O que pode ser dito sobre a hemorragia interna que um pai pode deixar a um filho? Meu amigo não é o único filho a ser esquecido. A ausência do pai, real ou funcional, não prevalece apenas em nossas casas, mas até (e mais tragicamente) na família de Deus. Com o discipulado masculino na igreja tão raro, com tanta liderança espiritual no lar tão distintamente ausente, quantos homens na igreja, se morressem repentinamente, deixariam filhos espirituais?

O homem que começou bem

Homens de Deus, estamos envolvidos numa guerra multigeracional para a glória de Cristo. A menos que nosso Senhor volte primeiro, nossos filhos terão uma batalha pela frente muito depois de nossa partida. Devemos mostrar tão pouco interesse em treiná-los? Que a história do maior rei de Judá, Ezequias, nos avise para apesar de se fazer muitos atos valentes para o Senhor, no final, não falharmos com os futuros homens que precisam de nós.

Este rei realizou muitos feitos notáveis durante sua vida. Se metade do que foi amplamente dito de Ezequias pudesse ser dito de nós, poderíamos morrer abençoados:

Ele confiou no Senhor, o Deus de Israel, de modo que não houve como ele entre todos os reis de Judá depois dele, nem entre os que foram antes dele.Pois ele se apegou ao Senhor.Ele não deixou de segui-lo, mas guardou os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés.E o Senhor estava com ele;onde quer que ele saísse, ele prosperava. (2 Reis 18: 5-7)

Várias grandes realizações marcaram seu reinado de 29 anos, bem impressionante.

Ele Aboliu a Idolatria

Ezequias começou seu governo como um homem de Deus. Com apenas 25 anos, ele destruiu toda idolatria ao seu alcance. Ele removeu os lugares altos, quebrou os pilares e cortou os postes de Asherah. Ele despedaçou Neushtan, a serpente de bronze que Moisés ergueu para salvação no deserto que a nação tinha vindo adorar como um ídolo (2 Reis 18: 4; Números 21: 9). Ele também empreendeu campanhas militares não vistas desde o reinado de Davi, derrubando os filisteus até Gaza (2 Reis 18: 8).

E ele não apenas eliminou a idolatria da terra, mas promoveu a unidade de adoração ao Deus de Israel, convidando outras tribos para se juntar a eles na Páscoa. Ele deu início a uma reforma espiritual abrindo as portas do templo, colocando a casa de Deus em ordem e devolvendo o povo à lei de Deus (2 Crônicas 29: 3-11). Ezequias ardia de zelo pelo nome de Deus.

Até aqui tudo bem.

Ele desafiou a superpotência pagã

Ezequias ascendeu ao trono quando Judá ficou espremido entre duas superpotências, o Egito ao sul e a Assíria ao norte. A Assíria varreu as terras afirmando-se como a potência imperial da época, conquistando e fazendo com que nações menores, como Judá, pagassem impostos. Quando Ezequias inicialmente se recusou a pagá-los, as coisas pioraram e a Assíria se mobilizou para invadir.

Enquanto o rei Ezequias brilhou como um estrategista militar, mudando o canal de água de fora das muralhas de Judá para dentro para minar um cerco, ele demonstrou seu verdadeiro valor como rei ao confiar em seu Deus. Enquanto a Assíria cercava a cidade, clamando em esforço para intimidar sua rendição (2 Reis 18: 19-35), Ezequias rasgou suas roupas e orou: “Ó Senhor nosso Deus, salva-nos, por favor, de sua mão, que todos os reinos da terra possam saber que tu, ó Senhor, és somente Deus” (2 Reis 19: 14–19).

Deus ouviu sua oração e prometeu que a Assíria “nem mesmo atirará uma flecha” para dentro da cidade (2 Reis 19:32 NLT). E eles não o fizeram. “Naquela noite, o anjo do Senhor saiu e feriu 185.000 no acampamento dos assírios” (2 Reis 19:35). Senaqueribe voltaria para casa para ser saudado com um assassinato. Ezequias provou confiar em Deus diante de seus poderosos inimigos.

Até agora tudo bem.

Procurou o Senhor para Cura

No versículo seguinte, descobrimos que Ezequias ficou mortalmente doente. Isaías lhe deu esta palavra de Deus: “Põe em ordem a tua casa, porque morrerás;não recuperarás”(2 Reis 20: 1). Ao ouvir isso, Ezequias chorou amargamente e clamou a Deus: “Agora, ó Senhor, lembra-te de como tenho andado diante de ti com fidelidade e de todo o coração, e tenho feito o que é bom aos teus olhos” (2 Reis 20: 3).

Deus ouviu sua oração, viu suas lágrimas e acrescentou quinze anos à sua vida (2 Reis 20: 5–6). Quando sua vida ficou em aberto, Ezequias foi, como tinha feito até aquele ponto, a seu Deus em busca de ajuda.

Até agora tudo bem.

Como não acabar bem

A história de Ezequias, no entanto, termina com uma nota surpreendentemente ímpia. Tudo começou com uma decisão tola. Assim que o rei se recuperou, o príncipe da Babilônia enviou suas saudações. Lisonjeado, orgulhoso ou talvez na esperança de uma aliança política, Ezequias dá as boas-vindas ao enviado da Babilônia e mostra-lhes seu reino – incluindo a casa do tesouro de Judá, sua prata, seu ouro, seus óleos caros, seu arsenal e todas as suas riquezas (2 Reis 20 : 12–13).

Depois, o profeta Isaías traz esta palavra solene,

“‘Está chegando o dia em que tudo em seu palácio, todos os tesouros que seus antepassados acumularam até agora, será levado para a Babilônia. Não ficará coisa alguma’, diz o Senhor.
‘Até mesmo alguns de seus descendentes serão levados para o exílio. Eles se tornarão eunucos e servirão no palácio do rei da Babilônia’
”.(2 Reis 20:17-18)

Por causa de sua decisão, seus filhos e pessoas seriam saqueados, capturados e escravizados. Qualquer bom rei ou pai seria compelido a lutar, orar, se sacrificar, se defender.

Então, como Ezequias responderia? Ele rasgaria suas vestes e buscaria ao Senhor, como fez quando seu reino foi ameaçado pela Assíria? Ele choraria amargamente, como fez por si mesmo quando a doença fatal veio? Então Ezequias disse a Isaías: ” Ezequias disse a Isaías: “A mensagem do Senhor que você transmitiu é boa”. Pois o rei pensava: “Pelo menos haverá paz e segurança durante minha vida”. (2 Reis 19)

Um rei esqueceu seu povo. Um general esqueceu seu exército. Um pai esqueceu seus filhos. Tudo o que ele foi encarregue de liderar, prover e proteger sofreria, e sofreria horrivelmente. Seus próprios filhos seriam escravos. Mas ele já teria partido há muito então. O que lhe interessa isso então?

Aviso para pais espirituais

O impressionante final de Ezequias permanece como um apelo para que os homens mais velhos da fé não se esqueçam da próxima geração. Nossas igrejas precisam de mais pais espirituais – presentes, pastorais, que orem muito. Homens fortes para liderar suas famílias no Senhor, e homens para amar os filhos espirituais fora de suas casas.

Pode estar tudo bem consigo hoje. Talvez você tenha crescido sob a liberdade religiosa, passado sua juventude por Cristo, visto as forças espirituais das trevas fugirem diante da bandeira de nosso Rei. Talvez você sinta que muitas de suas vitórias mais importantes ficaram para trás, que sua sorte caiu em lugares agradáveis. Você está contente em deixar os jovens nos bancos descobrirem tudo – assim como você o fez. Eles servem ao mesmo Senhor soberano que os sustentará como sustentou a si.

Mas, como jovem falando em nome de jovens, por favor, não tire seus uniformes. Você pode ter cicatrizes e histórias para provar seu valor, mas suas fitas e medalhas não são nenhuma proteção para si ou seus filhos espirituais que o seguem. O mesmo inimigo que o perseguiu por tantos anos, ainda hoje nos caça a nós dois.

Não caia na tentação do egoísmo que matou Ezequias. Pedimos que imitem Paulo e vigiem seu próprios Titos, Onésimos e Timóteos. Você ouvirá com prazer o conselho de Paulo de passar adiante tudo o que recebeu a outros homens fiéis (2 Timóteo 2: 2)? Deixe que o pensamento de mais coroas diante do Senhor o incentive a gastar até mesmo esses últimos trechos trabalhando pelo bem eterno daqueles que você deixa para trás para continuar a obra (1 Tessalonicenses 2:19). Os jovens na igreja precisam de sua sabedoria, suas orações, sua paternidade, sua ajuda.

Artigo original por Greg Morse em : https://www.desiringgod.org/articles/will-your-life-count-when-youre-gone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: