O perigoso amor pela facilidade

Ele não conseguia imaginar a vida sem seu lenço. Não que ele vivesse uma vida que exigisse um lenço, veja bem; era o princípio da questão. Ele morava em sua toca de hobbit – sua casa muito confortável e totalmente mobilada na colina – e não tinha interesse em viajar para o desconhecido desordenado, desconfortável e imprevisível.

Como cristãos que vivem no Ocidente, uma tentação que enfrentamos (muitas vezes sem saber que a enfrentamos) é a tentação de nos tornarmos confortáveis, aconchegados, contentes, totalmente desinteressados ​​em qualquer coisa que possa ameaçar o repouso que construímos para nós mesmos. Vivemos como Bilbo Bolseiro no Shire da história da igreja, em grande parte afastados de seus muitos perigos e desconfortos. Acreditamos que estamos seguros, como Tolkien escreveu sobre o Shire em O Hobbit, então “as espadas nessas partes são quase sempre cegas, e os machados são usados ​​para árvores e os escudos como berços ou tampas de pratos; e os dragões estão confortavelmente distantes (e, portanto, lendários).

Com todas as imperfeições restantes da América, desfrutamos de mais liberdades, riquezas, luxos, tecnologias do que qualquer pessoa antes de nós. Somos a inveja de reis antigos: podemos viajar pelo mundo em horas, nossas mensagens de texto e e-mails voam em círculos ao redor de suas cartas e mensageiros. Temos colchões, ar condicionado, fornos, carnes na maioria das refeições, chocolate como sobremesa casual, escovas de dentes e desodorizante, dentistas e hospitais, morfina e antibióticos e banheiros. Mesmo muitos na classe baixa carregam supercomputadores em seus bolsos. A fome aqui está quase erradicada. Nossa pobreza não é como a pobreza histórica nem bíblica.

Deus concedeu muita graça comum. Somado à sua doação material, Ele nos concedeu a capacidade de escolher nossos governantes, adorar livremente (mais ou menos) e ser julgados por um sistema de justiça muito superior ao da maioria das nações, do passado ou do presente. Mesmo os cristãos comuns hoje não trocariam facilmente de lugar com a realeza em 1 ou 2 Reis, e não apenas porque vivemos sob uma aliança melhor. Somos indescritivelmente prósperos.

Lado negro da prosperidade

No entanto, existe um lado negro da prosperidade. O amor à riqueza é a raiz de todo mal (1 Timóteo 6:10). É por isso que o sábio Agur, por exemplo, orou para não ficar rico,

Afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dê pobreza nem riquezas; alimente-me com a comida que é necessária para mim, para que eu não te negue e diga: “Quem é o Senhor?” ou para que eu não seja pobre e roube e profane o nome do meu Deus.(Provérbios 30: 8–9)

Ele aprendeu com a história de Israel que se repetia: primeiro bênção, depois esquecimento, idolatria, disciplina e exílio, arrependimento. Desde o início, Moisés alertou o povo para que não engordasse e se esquecesse:

“Tenham cuidado para que, em meio à fartura, não se esqueçam do Senhor, seu Deus, e desobedeçam aos mandamentos, estatutos e decretos que hoje lhes dou.
Quando ficarem satisfeitos e forem prósperos, quando tiverem construído belas casas onde morar,
e quando seus rebanhos tiverem se tornado numerosos e sua prata e seu ouro tiverem se multiplicado junto com todos os seus bens, tenham cuidado!
Não se tornem orgulhosos e não se esqueçam do Senhor, seu Deus, que os libertou da escravidão na terra do Egito.”
(Deuteronómio 8:11-14)


Vemos a mesma tentação no final nas epístolas de Jesus quando ele repreende a próspera igreja de Laodicéia por sua mornidão,

Sei de tudo que você faz. Você não é frio nem quente. Desejaria que fosse um ou o outro!
Mas, porque é como água morna, nem quente nem fria, eu o vomitarei de minha boca.
Você diz: ‘Sou rico e próspero, não preciso de coisa alguma’. E não percebe que é infeliz, miserável, pobre, cego e está nu.”
Apocalipse 3:15-17

O lado negro da prosperidade é que ela pode nos fazer esquecer de seu Deus ou moderar o zelo por Ele.

Bem Alimentado pelo Fogo

Enfrentamos o perigo de nos tornarmos peregrinos flácidos, pouco corajosos e complacentes. A facilidade tenta a pessoa a amar nossos luxos e considerar uma vida radical para Cristo como “indesejável” e “imprudente”. Embora eu goste de pensar que sou mais como Gandalf ou Thorin – guerreiros que suportam camas de pedra e refeições escassas, mau tempo e inimigos armados para uma missão urgente – vejo em mim mesmo mais Bilbo pré-aventura do que gostaria de admitir. Quando convidado a embarcar em uma aventura incerta, eu, como ele, digo interiormente: “[Eu] não tenho uso para aventuras. Coisas desagradáveis e complicadas! Te atrasam para o jantar!”

No entanto, esse espírito é contrário ao chamado de nosso Senhor. Ele me comissionou (como a todos os cristãos) uma grande missão – estender um reino, resgatar almas perdidas, lutar contra as sombras (e os espíritos das trevas que elas escondem). Esta aventura me convida a trocar lenços e confortos por sofrimentos e cruzes (Lucas 9:23). Ele me designa para sacrificar a mim mesmo para atender às necessidades dos outros, matar o que há de terreno em mim, confrontar irmãos enredados em iniquidade, considerar minha vida barata comparada à sua glória, ficar contra o mundo, a carne e Satanás , e, se necessário, deixar tudo para trás e morrer por seu nome. Diariamente, Ele acena para o vasto além – mesmo quando é apenas atravessar a rua para falar o evangelho aos meus vizinhos.

Quando Cristo vier como um ladrão de noite, quantos de nós ele encontrará em nossas vestes e chinelos, sentados contentes perto do fogo, sussurrando para nós mesmos: “Alma, você tem muitos bens acumulados para muitos anos; relaxe, coma, beba, seja alegre ”(Lucas 12:19)? Sei que espero silenciosamente, de vez em quando, que Jesus se contente em complementar uma vida americana. Que nunca preciso me atrasar para o jantar.

E por este fogo, as ferozes perseguições do dragão, as taxas imponderáveis de execuções não nascidas, o perigo de vizinhos descrentes e as multidões de almas perdidas caindo deste mundo sem nunca ter ouvido falar de Cristo, tudo parece confortavelmente distante.

Aprenda a enfrentar a abundância

Com que frequência você reconhece, quanto mais resiste, às tentações que vêm com a abundância? A tentação do mundanismo respeitável? A tentação de amar sua vida neste mundo?

Poucas coisas achatam a virilidade do Cristianismo como parar no caminho, acampar deste lado do Jordão. Para ficar confortável. Engordar. Para se envolver em perseguições civis. Para deixar de servir ao Rei e ao país celestial. Perder a missão de vista, não ter mais estômago para a guerra. Gostar demais de nossas poltronas e programas de televisão favoritos.

O pedido para a maioria de nós não é fazer as malas e nos mudar para Papua Nova Guiné (embora possa ser para alguns). Nem todos iremos para o exterior e escaparemos de nosso Condado Ocidental. Em vez disso, a maioria de nós Deus chama para viver fielmente em nossas circunstâncias. Devemos aprender – e isso é contraintuitivo – como enfrentar a abundância.

Sei viver na necessidade e também na fartura. Aprendi o segredo de viver em qualquer situação, de estômago cheio ou vazio, com pouco ou muito.
Posso todas as coisas por meio de Cristo, que me dá forças.

Filipenses 4:12,13

Todos nós podemos nos imaginar enfrentando humildade e fome e precisando desesperadamente da ajuda do Senhor. Mas observe que outro segredo Paulo precisa aprender. Ele aprendeu o segredo para enfrentar a abundância. Ele precisava de ajuda na escola de golpes duros e camas macias. E aprendeu o segredo de como abundar sem se deixar corromper: tudo podia Naquele que o fortalecia.

Podemos supor que não há perigo num mundo que parece tão seguro. Se ninguém está batendo violentamente na porta, presumimos que não precisamos da mesma força que os cristãos pobres ou perseguidos. Nós precisamos. Nós também precisamos da força de Cristo na prosperidade que enfrentamos. Precisamos de Cristo e sua força para viver focados no céu, arriscar reputação e fortuna, e deixar claro buma terra cheia de abundância, que buscamos um país melhor – um celestial.

Artigo original por Greg Morse em : https://www.desiringgod.org/articles/the-dangerous-love-of-ease

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: