Destemido, mesmo na doença. Aulas para o hospital

Há mais de um ano, eu e meus filhos visitamos nosso amigo no hospital durante uma de suas muitas crises de enfisema. Ele sofreu por um período longo e complicado, oscilando durante meses entre um centro de reabilitação e um hospital, sem se estabilizar por tempo suficiente para voltar para casa. Em pouco tempo, um tanque de oxigénio era sua companhia constante, e ele não conseguia mais cantar os hinos que antes o animavam em tempos difíceis.

Meus filhos estavam acostumados a essas visitas e escalaram ao lado de nosso amigo para rabiscar em livros de colorir enquanto conversávamos. Quando eles se aconchegaram ao lado dele, ele não riu ou os abraçou como de costume. Quando perguntei o que pensava, seus olhos se agitaram com inquietação.

“Não entendo o que Deus está a fazer”, ele finalmente respondeu, referindo-se ao agravamento de sua doença. Então, com uma voz trémula, ele disse: “Estou com medo.”

Epicentro do Medo

A experiência do meu amigo não foi incomum. O medo se apodera da mente e do coração de todos os que entram pelas portas corrediças de um hospital. Alguns de nós entram em macas, temendo por nossas vidas enquanto os médicos se aglomeram ao nosso redor para conter um jorro de sangue ou um batimento cardíaco descontrolado. Outros lutam para acalmar seu coração acelerado enquanto se aguarda o resultado de uma cirurgia ou biopsia. Ainda mais torceremos as mãos nas salas de espera, onde tememos a perda de uma vida que se entrelaça com a nossa.

Quaisquer que sejam as circunstâncias, a doença pode despertar medos que nem sabíamos que tínhamos. Embora os medicamentos possam atenuar nossa dor e as terapias possam retardar o avanço do cancro, nenhuma resposta automática pode dissipar esses temores. As feridas são muito profundas e os pesadelos duram muito tempo depois que acordamos da anestesia.

Deus permanece soberano sobre todas as agulhas e os relatórios de patologia, os maus prognósticos e as estatísticas. Seu amor e fidelidade são eternos, imutáveis e totalmente independentes das condições listadas em nossos prontuários médicos. Cristo, “o fundador e consumador da nossa fé” (Hebreus 12: 2), deu sua vida para nos salvar do mais tenebroso dos medos. Como podemos nos agarrar a essa verdade quando a ansiedade se apodera de nós no hospital? Como alguém que caminhou ao lado dos enfermos como clínico e como amigo, aqui estão três verdades a serem consideradas.

Paz para cada momento

Primeiro, podemos entregar nossos medos a Deus. A agitação que bate na boca do estômago pode nos levar a voltar para Deus em oração. A Bíblia não nos promete liberdade da tribulação, mas promete que o Senhor ouvirá quando orarmos a Ele (Lucas 11: 11-13). David canta: “Busquei ao Senhor, e ele me respondeu e me livrou de todos os meus temores” (Salmo 34: 4). Paulo nos orienta a “orar sem cessar” (1 Tessalonicenses 5: 16–18), e Pedro nos incentiva a lançar nossas ansiedades sobre Deus, porque Ele se importa connosco (1 Pedro 5: 6–7).

Orar sem cessar não significa que Deus nos dará o que queremos. Seus caminhos são mais elevados do que os nossos (Isaías 55: 8–9), e Deus opera todas as coisas para o nosso bem, mesmo em face do sofrimento (Gênesis 50:20; Romanos 8:28; 2 Coríntios 12: 8–9). No entanto, quando em espírito de oração entregamos nossos temores ao Senhor, Ele nos mantém na paz de Cristo. Como Paulo nos lembra elegantemente em sua carta aos Filipenses,

Não andeis ansiosos por nada, mas em tudo, pela oração e súplica com ação de graças, fazei com que os vossos pedidos sejam conhecidos por Deus. E a paz de Deus, que ultrapassa todo o entendimento, guardará seus corações e suas mentes em Cristo Jesus. (Filipenses 4: 6-7)

Quando você estremecer ao som do monitor de um hospital e lutar com as preocupações na noite estéril, entregue seus medos a Deus. Em Cristo, Ele o cobrirá com paz para durar.

Connosco na sombra

Em segundo lugar, podemos nos lembrar que Deus está connosco. Os Salmos expressam lindamente como Deus, “abundante em amor constante e fidelidade” (Êxodo 34: 6), nos livra de nossos medos:

Embora eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, pois você está comigo; sua vara e seu cajado, eles me confortam. (Salmo 23: 4)

O Senhor é minha luz e minha salvação; quem devo temer? O Senhor é a fortaleza da minha vida; de quem terei medo? (Salmo 27: 1)

Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto, não temeremos se a terra ceder, se as montanhas se moverem para o coração do mar, se suas águas rugirem e espumarem, se as montanhas tremerem com sua expansão. (Salmo 46: 1-3)

Durante o êxodo, Deus conduziu seu povo pelo deserto dia e noite, nunca se afastando deles (Êxodo 13:22). Assim também Deus permanece connosco, por meio do Espírito Santo que nos santifica. Jesus – nossa luz, nossa salvação, nosso reduto – promete estar connosco, não apenas durante as biópsias, e não apenas em nossa dor, mas “sempre, até o fim dos tempos” (Mateus 28:20).

Sangue que elimina o medo

Finalmente, podemos meditar em tudo o que Deus nos prometeu. Jesus aconselhou seus discípulos contra a ansiedade, apontando que a vida consiste em mais do que detalhes terrestres, que o Pai proverá os seus e que aqueles que seguem a Cristo são herdeiros de riquezas incomparáveis no reino. “Se Deus veste assim a erva, que hoje vive no campo e amanhã é lançada no fogo, quanto mais vos vestirá, ó homens de pouca fé! ‘”, ensinou ele durante o Sermão da Montanha (Lucas 12:28). “Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino.” (Lucas 12:32).

O Pai nos dá o reino e, assim, elimina nossos medos, por meio do sangue redentor do Filho. Ele nos abraça como seus próprios filhos, aproximando-nos quando os pesadelos nos sacodem do repouso: “Vede que amor o Pai nos deu, para que sejamos chamados filhos de Deus;e assim somos” (1 João 3: 1). Nossa esperança está no Senhor (Salmo 121: 1–2) e, em Cristo, nada pode nos separar de seu amor (Romanos 8: 38–39).

Essa verdade – que nossa luz, nossa fortaleza, nosso refúgio e força habita connosco e já nos salvou – destrói os medos que nos perseguem nos corredores do hospital. Temos uma verdade que nenhum prognóstico pode manchar. Nenhuma dor pode diminuir sua luz. Nenhuma doença pode diminuir seu poder.

Artigo original por Kathryn Butler em : https://www.desiringgod.org/articles/fearless-even-in-illness

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: