O nome que Deus deu a seu Filho. Três razões pelas quais o chamamos de ‘Jesus’

E se o peso de dar nome ao bebé Cristo fosse seu? Não apenas o nome do menino o precederia e ficaria com ele, onde quer que fosse na vida, e o seguiria todos os dias, e muito depois, mas essa criança, de todas as crianças, como o anjo disse a Maria, seria a O Ungido ”- o Messias em hebraico, Cristo em grego.

Durante séculos, a nação esperou seu advento e, por milhares de anos, milhões e milhões não apenas falariam, mas cantariam esse “nome acima de todos os nomes” e “o nome mais doce que conheço”. Este único nome viria a superar, em todo o mundo e ao longo da história, até mesmo o nome da aliança de Deus revelado a Moisés na sarça (Filipenses 2: 9-11; Hebreus 1: 4).

Nome acima de todos os nomes

Claro, Deus poupou José desse fardo. Tanto no anúncio a Maria quanto no sonho de José, as instruções angelicais eram claras: chame-o de Jesus.

Portanto, aqui durante a primeira semana do Advento, que começou no último fim de semana, no quarto domingo antes do dia de Natal, marcamos a entrega do nome que é agora o nome mais conhecido em todo o mundo e ao longo dos tempos. Mas enquanto caminhamos, em espera paciente, essas mais de três semanas do Advento, e falamos desse Jesus como o motivo da temporada e dizemos aos nossos filhos que celebramos o nascimento de Jesus, qual é o significado desse nome Jesus?

Deus não deixou isso para nossa especulação. Para começar, três verdades claras ressoam na superfície dos anúncios angélicos em Lucas e Mateus. E o Advento é talvez a época mais maravilhosa do ano para desacelerar e ouvir o que Deus está nos a dizer neste nome espetacular de Jesus que somos tão propensos a tratar como comum e dar como certo.

  1. Promessa de Grandeza Transcendente

O inglês Joshua/Josué e Jesus vêm de um nome hebraico: Yeshua. Então, Joshua é o nome que Maria teria ouvido quando o anjo o falou pela primeira vez. “Chamarás o seu nome de Yeshua” (Lucas 1:31) – um dos grandes nomes da história do povo de Deus.

O grande Moisés entregou as rédeas a Josué, de todos os homens, e ele liderou o povo enquanto eles marchavam pelo Jordão e ao redor de Jericó e por toda a terra de leite e mel, reivindicando o que Deus havia prometido. Josué era indiscutivelmente grande, uma das maiores figuras da nação ao lado de Abraão, Jacó, Moisés e Davi.

Que devemos ouvir a grandeza, de alguma forma, no nome de Jesus é confirmado imediatamente pelas próximas palavras do anjo: “Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo” (Lucas 1:32). Olhando para trás agora, vemos uma plenitude de significado em “Filho do Altíssimo” que Maria ainda não teria visto. Sim, esta criança viria a se mostrar não apenas totalmente humana, mas também totalmente Deus, não apenas um “filho” humano ou um filho humano real – como os grandes reis da nação que governaram o povo da aliança de Deus – mas o Filho divino. Mas esse significado mais completo se tornaria mais claro com o tempo.

Portanto, no nome de Yeshua ouvimos um significado majestoso – e não grandeza diária, mas grandeza transcendente. Esta criança não só ascenderá à categoria dos estimados em Israel, mas também se tornará “Filho do Altíssimo” de um modo que poucos na história da nação poderiam reivindicar. Ele realmente será grande, extraordinariamente grande.

  • Advento do Único Messias

Mas não apenas Ele será extraordinariamente grande, mas então virá o anúncio que pareceria ainda mais surreal para José e Maria: esta criança é o Messias, o há muito prometido e longamente esperado “Ungido”. Ele estava vindo para cumprir a promessa de Deus a David em 2 Samuel 7, a respeito de alguém que não apenas se sentaria no trono de Davi, mas o faria para sempre. Ele não será apenas um dos grandes, mas será singularmente grande – o tão esperado herdeiro do trono de Davi.

A segunda explicação do anjo sobre Jesus teria sido o suficiente para enviar Maria ao chão com admiração. “O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai David, e ele reinará sobre a casa de Jacó para sempre, e seu reino não terá fim” (Lucas 1: 32–33).

Ele não apenas será grande como David, mas este é o próprio descendente para o qual o próprio David olhou (Atos 2:31). Este é o Cristo – não apenas ungido para o serviço especial de Deus como sacerdotes e reis de seu povo, mas o Ungido – aquele antecipado por todas as unções e nomeações sacerdotais e coroações reais. A história do próprio povo do próprio Criador do universo estava chegando ao seu auge. Era quase bom demais para ser verdade: a era do Messias estava amanhecendo, e não apenas Maria viveria para vê-lo, mas ela – de todas as mulheres – seria sua mãe.

  • Prenúncio de sacrifício inesperado

No entanto, as palavras do anjo no sonho de José incluem esta surpresa: “ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Mateus 1:21). Yeshua significa que Yahweh salva. Que o nome desta criança única seria Yahweh salva era compreensível para José. Claro, o povo de Deus precisava ser salvo – dos gentios. Dos romanos que os governaram; de fantoches locais de César, como Herodes e Pilatos.

Séculos antes, os babilônios haviam violado as paredes de Jerusalém, destruído o templo e levado o povo ao exílio. Setenta anos depois, sob Ciro, ondas de judeus começaram a retornar à sua terra santa, mas a glória que experimentaram sob David e Salomão não havia retornado. Em certo sentido, o exílio acabou; em outro, ele durou. O povo de Deus ainda ansiava por resgate. Os medos e persas governaram sobre eles. Depois os gregos. Agora, os romanos. No entanto, com a promessa da chegada do Messias, certamente o resgate político estaria ao virar da esquina.

Em seguida, a bomba: “ele salvará seu povo dos pecados deles”. Não dos inimigos, mas de seus pecados. Ele os salvará de si mesmos. Aqui, no primeiro Natal, ainda não descobrimos uma teologia completa do autossacrifício de Cristo e se apresentando como a oferta climática pelo pecado, mas podemos, de fato, encontrar mais do que presumimos à primeira vista. De acordo com os termos da primeira aliança, o que é necessário para ser salvo do próprio pecado? Morte sacrificial. E assim, o sangue de cordeiros, touros e cabras fluiu no antigo Israel.

A salvação do pecado foi uma questão sangrenta – porque o pecado contra Deus não foi um erro menor. Foi alta traição, a mais alta, contra O mais alto. Por mais suaves que os humanos tendam a vender seus pecados, Deus não o faz. E assim, o Messias não veio simplesmente para fornecer um resgate diferente do que a nação esperava, mas para fornecer uma salvação muito mais importante. Uma vida sob a opressão romana empalidece em comparação com uma eternidade do lado errado da ira onipotente de Deus.

Dias escuros, grande luz

Das três revelações principais que temos no nome de Jesus, esta última é a que mais brilha para nós como seu povo. Jesus é de fato transcendentemente grande. Ele é a única figura singular há muito esperada pelo rei David e pelos profetas. E, no entanto, Ele é ainda mais – muito mais – do que eles previram, mais do que poderiam pedir ou pensar.

Aqui, veja-o deitado numa manjedoura, este é o próprio Yahweh conosco, para nos resgatar. É  Yahweh salvando-nos, não enviando um mero vaso humano, mas tornando-se Ele mesmo humano, na pessoa de seu eterno Filho divino, e indo até a morte, até a morte de cruz, para nos libertar de algo muito mais do que temporal, opressão terrena – do pecado e Satanás e da própria morte.

Portanto, este Advento, em uma pandemia global – talvez diferente de qualquer outro Advento que conhecemos, para aqueles de nós poupados à guerra e outras tragédias – vamos pedir a Deus para renovar nossa admiração e saber o que Ele estava a fazer naquele primeiro Natal. Seria como se Deus brilhasse com um Natal ainda mais claro precisamente no mais escuro dos dezembros.

E oh, o nome de Jesus. Há tanta glória para ver aqui, apenas em seu nome, para não mencionar os outros detalhes preciosos de seu nascimento. Talvez Deus se agrade em dias tão sombrios em fazer deste um Advento como nenhum outro. Deus sabe que precisamos disso.

Artigo original por David Mathis (@davidcmathis) em : https://www.desiringgod.org/articles/the-name-god-gave-his-son

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: