Fraqueza pode ser sua maior força

Está a investir bem nos pontos fracos que recebeu?

Talvez ninguém nunca tenha feito essa pergunta antes. Talvez pareça absurdo. Afinal, as pessoas investem em ativos para aumentar seu valor. Eles não investem em passivos. Eles tentam eliminar ou minimizar ou até mesmo encobrir fraquezas. É fácil para nós ver nossos pontos fortes como ativos. Mas a maioria de nós naturalmente considera nossas fraquezas como passivos – deficiências para minimizar ou encobrir.

Mas Deus, em sua providência, nos dá nossas fraquezas assim como nos dá nossas forças. Na economia de Deus, onde o retorno sobre o investimento que Ele mais valoriza é “a fé operando por meio do amor” (Gálatas 5: 6), as fraquezas se tornam ativos – podemos até chamá-los de talentos – para serem administrados, para serem investidos. Pode até ser que o bem mais valioso que Deus lhe deu para administrar não seja uma força, mas uma fraqueza.

Mas se quisermos valorizar as fraquezas como ativos, precisamos ver claramente onde a Escritura ensina isso. O apóstolo Paulo nos fornece a teologia mais clara do valor inestimável da fraqueza. Descobri que 1 Coríntios 1: 18–2: 16 e, francamente, todo o livro de 2 Coríntios, são imensamente úteis na compreensão do papel indispensável que a fraqueza desempenha no fortalecimento da fé e do testemunho de cada cristão e da igreja como um todo.

Poder paradoxal da fraqueza

A declaração mais famosa de Paulo sobre o paradoxal poder espiritual da fraqueza aparece em 2 Coríntios 12. Ele nos fala de sua experiência extática de ser “arrebatado ao paraíso”, onde recebeu revelações avassaladoras e inefáveis ​​(2 Coríntios 12: 1-4). Mas como resultado,

E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.
Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim.
E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.


(2 Coríntios 12:7-10)

Nessas poucas frases, Paulo reformula completamente a maneira como os cristãos devem ver as fraquezas, mesmo as profundamente dolorosas que podem parecer atrapalhar nosso chamado e que os poderes das trevas procuram explorar. O que a princípio nos parece um passivo caro acaba se revelando um bem valioso dado por Deus.

Fraqueza e Pecado

Antes de prosseguirmos, precisamos deixar claro que Paulo não inclui o pecado em sua descrição de fraqueza aqui. A palavra grega que Paulo usa é astenia, a palavra mais comum para “fraqueza” no Novo Testamento. J.I. Packer, em seu útil estudo sobre 2 Coríntios, Fraqueza é o caminho, explica a astenia assim:

A ideia do primeiro ao último é de inadequação. Falamos sobre fraqueza física [incluindo doença e deficiência] . . . fraqueza intelectual. . . fraqueza pessoal. . . uma posição fraca quando uma pessoa carece de recursos necessários e não pode mover as situações para a frente ou influenciar os eventos como desejado. . . fraqueza relacional quando as pessoas que deveriam estar liderando e orientando deixam de fazê-lo – pais fracos, pastores fracos e assim por diante. (13-14)

Mas quando Paulo fala de pecado, ele tem mais do que inadequação em mente. A palavra grega para “pecado” que ele normalmente usa é hamartia, que se refere a algo que incorre em culpa diante de Deus. Hamartia acontece quando pensamos, agimos ou sentimos de maneiras que transgridem o que Deus proíbe.

Embora Paulo soubesse que a hamartia poderia levar à astenia (1 Coríntios 11: 27-30) e a astenia poderia levar à hamartia (Mateus 26:41), ele claramente não acreditava que “fraqueza” fosse sinonimo de “pecado”. Pois ele repreendeu aqueles que se gabavam de que seu pecado exibia o poder e a imensidão da graça de Deus (Romanos 6: 1-2). Mas ele “alegremente” se gabou de suas fraquezas porque elas demonstraram o poder e a imensidão da graça de Deus (2 Coríntios 12: 9).

No pecado, nos voltamos de Deus para os ídolos, o que profana a Deus, destrói a fé e obscurece Deus aos olhos dos outros. Mas a fraqueza tem a tendência de aumentar nossa dependência consciente de Deus, o que o glorifica, fortalece nossa fé e manifesta seu poder de uma maneira que nossas forças nunca o fazem.

E esse é o valor surpreendente de nossas fraquezas: elas manifestam o poder de Deus em nós de maneiras que nossas forças não fazem. Isso é o que Jesus quis dizer quando disse a Paulo: “Meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Coríntios 12: 9) – “perfeito” significa completo ou totalmente realizado. Nossas fraquezas são indispensáveis ​​porque Deus manifesta a plenitude de seu poder por meio delas.

Ativo disfarçado de passivo

Neste ponto, você pode estar a pensar: “Qualquer que seja o ‘espinho’ de Paulo, minha fraqueza não é assim.” Certo. Isso é o que todos nós pensamos.

Tenho uma fraqueza semelhante a um espinho, conhecida apenas por aqueles que estão mais próximos de mim. Se eu compartilhar consigo, você ficará surpreso. Isso me persegue diariamente enquanto procuro cumprir minhas responsabilidades familiares, vocacionais e ministeriais. Isso torna quase tudo mais difícil e regularmente me leva à exasperação. Não é romântico, certamente não é heróico. Isso me humilha de maneiras embaraçosas, não nobres. E o que é mais doloroso para mim, posso ver como, de certa forma, torna a vida mais difícil para as pessoas com quem vivo e trabalho. Frequentemente, isso me pareceu uma desvantagem. Eu implorei ao Senhor, mesmo em lágrimas, para removê-lo ou me conceder mais poder para superá-lo. Mas ainda está aqui.

Paulo também inicialmente viu sua fraqueza como uma responsabilidade grave e implorou repetidamente para ser livrado dela. Mas assim que ele entendeu os propósitos de Cristo nele, ele a viu sob uma luz totalmente nova: um ativo inestimável disfarçado de passivo. E ele se gloriava nas profundezas do conhecimento, sabedoria e graça onipotente de Deus.

Tenho sido mais lento do que Paulo em aprender a ver meu espinho como um ativo (e honestamente, ainda estou a aprender). Mas vejo pelo menos algumas das maneiras pelas quais essa fraqueza me fortaleceu. Isso me forçou a viver diariamente na fé dependente da graça de Deus. Isso aumentou minha gratidão por aqueles que Deus colocou ao meu redor que têm pontos fortes onde eu sou fraco. Assolado por minha própria fraqueza, estou mais inclinado a lidar com gentileza e paciência com outras pessoas que lutam com fraquezas diferentes da minha (Hebreus 5: 2). E posso ver agora como temperou muito do que escrevi ao longo dos anos com certos insights que duvido que viessem de outra forma. Em outras palavras, vejo maneiras pelas quais Deus tem manifestado seu poder mais completamente por meio de minha fraqueza desconcertante.

O fato de não sabermos o que era o espinho de Paulo é uma evidência da sabedoria de Deus. Se o fizéssemos, provavelmente compararíamos nossas fraquezas com as dele e concluiríamos que as nossas não têm esse valor espiritual. E estaríamos errados.

Administradores de talentos surpreendentes

Paulo disse que sua fraqueza, seu “espinho. . . na carne ”, foi“ dado ”a ele (2 Coríntios 12: 7). Dado por quem? Qualquer que fosse o papel que Satanás desempenhou, na mente de Paulo isso era secundário. Paulo recebeu essa fraqueza, bem como “insultos, adversidades, perseguições e calamidades” (2 Coríntios 12:10), como bens dados a ele por seu Senhor. E como “[despenseiro] dos mistérios de Deus” (1 Coríntios 4: 1), ele considerava suas fraquezas uma parte crucial da pasta que seu Mestre lhe confiara. Então, ele decidiu investi-los bem para que seu Mestre tivesse o maior retorno possível.

Se você está familiarizado com a parábola de Jesus sobre os talentos (Mateus 25: 14-30), você deve reconhecer que estou desenhando com base em suas imagens. Jesus deu a cada um de nós diferentes “talentos” para administrar, bens de imenso valor para o reino, “cada um segundo a sua capacidade” (Mateus 25:15). E sua expectativa é que vamos investi-los bem enquanto esperamos seu retorno.

Alguns desses talentos são forças e habilidades que nosso Senhor nos deu. Mas alguns deles são nossas fraquezas, nossas inadequações e limitações, que Ele também nos deu. E Ele nos deu essas fraquezas não apenas para aumentar em nós o tesouro inestimável e partilhável da humildade (2 Coríntios 12: 7), mas também para aumentar nossa força nos aspetos mais importantes do nosso ser: fé e amor (2 Coríntios 12: 10).

Mas nossas fraquezas não nos são dadas apenas como indivíduos; eles também são dados à igreja. Nossas limitações, tanto quanto nossas habilidades, são cruciais para o desígnio de Cristo equipar seu corpo para que funcione adequadamente e “se edifique em amor” (Efésios 4:16). Nossas fraquezas nos fazem depender uns dos outros de maneiras que nossos pontos fortes não o fazem (1 Coríntios 12: 21-26). O que significa que elas são dados à igreja pela mesma razão que nos são dados individualmente: para que a igreja possa crescer forte na fé (1 Coríntios 2: 3-5) e no amor (1 Coríntios 13) – duas qualidades que se manifestam de forma única a realidade e o poder de Jesus para o mundo (João 13:35).

Não enterre suas fraquezas

Um dia, quando nosso Mestre retornar, Ele nos pedirá para prestar contas dos talentos que Ele nos confiou. Alguns desses talentos serão nossas fraquezas. Não queremos Lhe dizer que enterramos nenhum deles. Pode até ser que o talento mais valioso em nossa carteira de investimentos seja um ponto fraco.

Visto que “é requerido dos mordomos que sejam achados fiéis” (1 Coríntios 4: 2), seria sábio examinar quão fielmente estamos utilizando os talentos de nossas fraquezas. Então, quão bem você está investindo nas fraquezas que recebeu?

Artigo original por Jon Bloom (@Bloom_Jon) em :  https://www.desiringgod.org/articles/weakness-may-be-your-greatest-strength

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: