“Seis dias depois …”

No dia 6 de agosto a Igreja Ortodoxa celebra a grande festa da Transfiguração, aquele evento incrível na vida de nosso Senhor que está representado em nosso lindo ícone de parede.

Vamos refletir um pouco sobre a forma como esse evento é descrito nos Evangelhos. Mateus, Marcos e Lucas, todos descrevem a transfiguração em linguagem quase idêntica. Mas existem algumas diferenças. Observe como o evento é configurado.

Marcos: E ele lhes disse: “Em verdade, eu vos digo, alguns que aqui estão que não provarão a morte antes de ver que o reino de Deus chegou com poder”. A formulação de Lucas é semelhante, mas Lucas não incluiu “com poder”.

Mateus: “Em verdade, eu vos digo, alguns aqui estão que não provarão a morte antes de verem o Filho do homem vindo em seu reino.”

Existem razões para preferir a versão de Marcos. Mas claramente todos os três entenderam que Jesus estava a dizer que algo poderoso, algo extraordinário estava para acontecer: algo sobre o reino de Deus chegando em breve – não mil anos depois, ou um milhão de anos depois, mas logo, em suas vidas. Talvez até seis dias depois!!

Tanto Marcos como Mateus continuam a dizer: “E seis dias depois Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, e os conduziu a um alto monte …”. E lá Ele foi transfigurado.

O maior teólogo e intérprete da Bíblia da igreja primitiva foi Orígenes (184-253 DC). Ele escreveu cerca de 2.000 livros por uma estimativa (6.000 por outra estimativa), mas a maioria de seus livros desapareceu há muito tempo. No entanto, o que temos de Orígenes ainda é muito mais do que o que temos de outros pais da igreja. Ele escreveu seu comentário sobre o Evangelho de Mateus 1.800 anos atrás! Orígenes escreveu numa época em que a igreja ainda não havia sido contaminada por se alinhar com governos, imperadores, presidentes e milionários. O próprio Orígenes foi um pensador muito original e criativo, que cometeu alguns erros – e foi um imperador, Justiniano, trezentos anos após a morte de Orígenes, que decidiu que Orígenes era muito original, um pensador independente, não suficiente homem de companhia, e ordenou que seus livros fossem queimados.

Orígenes gostava de examinar profundamente os textos bíblicos para encontrar indicadores místicos para conexões e significados que a maioria dos outros leitores não via. Portanto, ele encontrou significado na declaração “seis dias depois” que Marcos e Mateus escreveram para apresentar suas narrativas da transfiguração. Ele traçou uma conexão entre os “seis dias” na narrativa da transfiguração e os seis dias que Deus levou para criar o universo e tudo nele (em Gênesis capítulo 1). E Orígenes então entrou num estado quase meditativo sobre como podemos ascender com a Palavra de Deus além do mundo visível que foi criado em seis dias para desfrutar de um novo sábado na montanha, quando vemos Cristo transfigurado “diante dos olhos de nosso coração.” Então ele diz o seguinte: “Mas a Palavra de Deus tem diferentes aparências, aparecendo a cada um na proporção do que sabe ser vantajoso para quem o vê; ela não se mostra a ninguém além do que a pessoa compreende.”

Vamos parar por aí com Orígenes e ver o que podemos reunir sobre a transfiguração de Jesus Cristo com a ajuda das perceções de Orígenes.

Deus criou tudo em seis dias, e Ele criou com sua Palavra – aquela mesma Palavra (Logos) que se encarnou como um ser humano. E com sua vinda como ser humano, a Palavra cria novamente, uma nova criação nos corações dos homens e mulheres. E não vamos ignorar o fato de que o verbo “transfigurar” vem do verbo μεταμορφόω, que denota mudança de um morphē para outro, uma transição para algo novo, algo diferente.

Pedro se ofereceu para fazer três tendas lá em cima nas montanhas, uma para Jesus, uma para Moisés e uma para Elias – τρεῖς σκηνάς. Mas, o Evangelho de João nos disse, Καὶ ὁ λόγος σὰρξ ἐγένετο καὶ ἐσκήνωσεν ἐν ἡμῖν (João 1:14). Quando Ele se encarnou, a Palavra (Logos) armou sua tenda, ἐσκήνωσεν, “entre nós” ou “em nós” – a preposição ἐν pode significar ambos. Jesus não precisava da construção de uma tenda de Pedro. Sua tenda é cada um de nós. Ele vive entre nós, Ele vive em nós. Somos a nova criação, quando vivemos Nele e Ele vive em nós. Como Paulo escreveu sobre si mesmo em Gálatas 2:20: “Não sou mais eu que vivo, mas Cristo vive em mim”.

Pouco antes de conduzi-los montanha acima, Jesus disse aos seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. A versão de Lucas insere a palavra ‘diariamente’ – “tome sua cruz diariamente”. Afinal, é uma luta diária seguir a Cristo. O falso e fácil evangelho da conversão instantânea ensinado por milhares de pregadores americanos não tem nada a ver com Jesus. É uma luta diária, um levantamento diário da nossa cruz, porque cada um de nós é diferente, e Cristo se revela de maneira diferente a cada um de nós – como Orígenes escreveu com grande perspicácia e compreensão da natureza humana: “ela não se mostra a ninguém além do que a pessoa compreende.”

Não estamos a competir pelo favor de Deus. Nenhum de nós é mais importante no reino de Deus que já está presente, que já foi desvendado. Ainda não é a plenitude do reino. Talvez isso aconteça quando o último buraco negro tiver evaporado com as últimas partículas de matéria do universo, triliões de anos no futuro. Quem sabe? Tudo o que sei é o que Orígenes sabia e o que Jesus nos diz nos Evangelhos. Alegrem-se, há uma nova criação e nós fazemos parte dela. Cristo habita entre nós, em nós, transfigurando a nossa existência e todo o mundo que nos rodeia, para que possamos viver Nele, em unidade uns com os outros e em unidade com o mundo natural que se santifica e se transfigura juntamente connosco. Nossa tradição ortodoxa por meio de nossos vários serviços e rituais de santificação regularmente nos lembra de nossa unidade com o mundo natural, assim como São Paulo escreveu em sua carta aos Romanos, capítulo 8. O que Paulo descreve nesta passagem é nada menos que transfiguração cósmica:

Pois toda a criação aguarda com grande expectativa o dia em que os filhos de Deus serão revelados.
Toda a criação, não por vontade própria, foi submetida por Deus a uma existência fútil,
na esperança de que, com os filhos de Deus, a criação seja gloriosamente liberta da decadência que a escraviza.
Pois sabemos que, até agora, toda a criação geme, como em dores de parto.
E nós, os que cremos, também gememos, embora tenhamos o Espírito em nós como antecipação da glória futura, pois aguardamos ansiosos pelo dia em que desfrutaremos nossos direitos de adoção, incluindo a redenção de nosso corpo.

Romanos 8:19-23

Artigo original em : https://htrinityportland.org/2019/08/04/after-six-days/

Observação: Não pertencendo à igreja ortodoxa fizemos tradução do artigo por ser um bom estudo bíblico.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: