Quando meu coração está frio

Meditação Bíblica para Iniciantes

Em Cristo, Deus fez nossos corações arderem por Ele. Embora nossas afeições aumentem e diminuam, e nosso zelo ferva mais em alguns dias do que em outros, a frieza não é a herança do cristão. Somos aqueles que caminham na estrada de Emaús, nossas almas pegando fogo enquanto Cristo abre, vez após vez, as Escrituras que falam Dele (Lucas 24:32). Pertencemos à comunhão de corações ardentes.

No entanto, também sabemos o que é sentir o fogo queimar levemente, uma frieza se estabelecer sobre um coração uma vez em chamas. Alguns de nós se sentem assim quase todas as manhãs. Nossos corações, como fogueiras abandonadas, esfriam durante a noite. Acordamos cinzentos, necessitados de que o Espírito volte a soprar sobre nós.

O que fazemos quando nosso coração esfria? Muitos cristãos da antiguidade, eles próprios lâmpadas acesas e brilhantes, aconselhar-nos-iam não apenas a ler a palavra de Deus e não apenas a orar a palavra de Deus, mas também a abrandar, respirar fundo e meditar na palavra de Deus.

O que é meditação?

Nas formas comuns de meditação hoje, as pessoas se sentam ou se ajoelham por um período determinado, prestando atenção à inspiração e expiração. A mente está ocupada, mas não particularmente ativa. A meditação bíblica, entretanto, exige pensamento e sentimento mais do que postura e respiração. E o mais importante, a meditação bíblica se concentra não em nossa respiração, mas na de Deus: nós nos entregamos, com reflexão rigorosa, à sua palavra exalada, até que nossos corações comecem a se aquecer.

Tim Keller, resumindo John Owen, oferece uma descrição concisa e útil da meditação:

Meditação é pensar uma verdade e continuar pensando nessa verdade até que suas ideias se tornem “grandes” e “doces”, comoventes e importantes, até que a realidade de Deus seja sentida no coração. (Oração, 162)

A descrição de Keller encontra expressão clássica no Salmo 1, passagem preeminente das Escrituras sobre meditação. Aqui, o salmista pensa na verdade, enchendo sua mente com “a lei do Senhor” em vez de “o conselho dos ímpios” (Salmo 1: 1-2). Ele pensa e pensa, em momentos específicos e também “dia e noite” (Salmo 1: 2), direcionando suas energias para a compreensão da verdade revelada de Deus.

Ele também pensa na verdade, pressionando-a em sua alma até que as Escrituras se tornem a seiva que atravessa cada membro (Salmo 1: 3). Ele não apenas entende a palavra de Deus, mas a saboreia: “Seu prazer está na lei do Senhor” (Salmo 1: 2). A verdade se tornou grande e doce para ele, expulsando os prazeres alternativos que o rodeavam (Salmo 1: 1).

Finalmente, tendo elaborado a verdade em sua mente e em seu coração, a verdade se manifesta em sua vida, colocando-o num caminho de prosperidade espiritual que é o prelúdio para um dia feliz de julgamento (Salmo 1: 4-6). Não admira que ele seja “bem-aventurado” (Salmo 1: 1), extremamente feliz no Deus que fala palavras tão maravilhosas.

Porquê meditar?

O Salmo 1 já nos deu várias razões para meditar: A meditação aquece e deleita nossos corações (Salmo 1: 2). A meditação nos protege do destino dos ímpios (Salmo 1: 1, 5). A meditação nos torna fortes e frutíferos como árvores alimentadas por rios (Salmo 1: 3). O primeiro versículo do salmo seguinte, entretanto, oferece outra razão convincente.

O Salmo 2, que regista a fúria fútil dos incrédulos contra o rei ungido de Deus, começa: “Por que se enfurecem as nações e os povos tramam em vão?” (Salmo 2: 1). Surpreendentemente, como observa Derek Kidner, a palavra hebraica para tramam aqui é a mesma que a palavra para meditar no Salmo 1: 2. O homem abençoado medita; o mesmo acontece com as nações ímpias; o mesmo acontece com todos os outros. Vamos meditar de uma forma ou de outra, e se não nas palavras de Deus, então nas palavras fornecidas por nossa carne, o mundo ou o diabo.

Num mundo como o nosso, a meditação piedosa é uma forma de resistência, uma retomada e renovação de uma mente que uma vez se rebelou contra Deus. Kidner escreve sobre o Salmo 1: “A mente foi o primeiro bastião a defender, no versículo 1, e é tratada como a chave do homem todo. . . . Tudo o que realmente molda o pensamento de um homem, molda sua vida ”(Salmos 1–72, 64). Em outras palavras: capture a mente, capture o homem.

Como meditamos?

Praticamente, então, como podemos meditar? Que passos podemos dar, com a ajuda de Deus, para pensar sua verdade e pensar de tal forma que sejamos formados pelas palavras de Deus, e não pelas palavras do homem?

Considere uma abordagem modesta: prepare sua mente e coração, faça uma pausa e pondere, prossiga com isso. A isto podemos também adicionar a breve mas necessária prequela para escolher um lugar e hora, provavelmente como parte de sua leitura diária da Bíblia. Embora a meditação não seja apenas um ato discreto, mas um estilo de vida (“dia e noite”), o estilo de vida se desenvolve a partir de momentos regulares (mesmo diários) de meditação focada. Alguns podem achar que esses horários são escassos, mas aqueles que fazem os sacrifícios necessários, mesmo por breves períodos de meditação, encontrarão benefícios mais do que suficientes para compensar suas perdas.

Tendo escolhido nosso lugar e hora, então, estamos prontos para preparar nossas mentes e corações.

1. Prepare sua mente e coração.

John Owen descreve uma experiência familiar de meditação: “Comecei a pensar em Deus, em seu amor e graça em Cristo Jesus, em meu dever para com Ele; e onde agora, em alguns minutos, me encontro? Fui até os confins da terra” (Works of John Owen, 7: 382). Meditações sobre o amor de Deus podem rapidamente se tornar meditações sobre o almoço, tarefas domésticas ou e-mails. Parte de nossa preparação, então, é esperar dificuldades.

A meditação requer determinação espiritual, do tipo que diz: “Meditarei nos teus preceitos e fixarei os meus olhos nos teus caminhos” (Salmo 119: 15). O salmista fixou os olhos de sua mente na palavra de Deus, recusando-se a olhar para objetos brilhantes na periferia. Ele prendeu sua atenção, bloqueou as portas contra distrações e expulsou pensamentos intrusos. E quando ele encontrou sua mente vagando, seus olhos fixos, ele não desistiu ou rolou, mas laçou o andarilho e restaurou seu olhar.

Mais do que isso, ele orou. As experiências passadas e presentes revelaram sua insuficiência para a meditação. Então, ele implorou: “Abra meus olhos“, “Dê-me vida“, “Faça-me entender“, “Ensine-me“, “Amplie meu coração“, “Conduza-me“, “Incline meu coração“, “Desvie meus olhos” e assim por diante (Salmos 119: 18, 25, 27, 29, 32, 35–37). Aqueles que tentam a meditação sem oração recusam não apenas a armadura de Saulo, mas também a funda de David: desarmados, eles lutam contra o Golias da distração sozinhos.

Os meditadores maduros aprendem a não desmaiar na primeira tentação de distração (ou na décima), e também aprendem a não confiar apenas em determinação.

2. Faça uma pausa e pondere.

Meditação e leitura da Bíblia não são a mesma atividade. Se a leitura da Bíblia nos coloca sob as estrelas, a meditação coloca nossos olhos no telescópio e nos convida a estudar Orion ou Sirius. A meditação começa quando paramos sobre uma glória particular e começamos a ponderar. Talvez a glória nos tenha prendido bem no meio de nossa leitura da Bíblia, ou talvez voltemos a ela assim que terminarmos uma passagem; de qualquer forma, começamos a pensar na glória específica – pesquisar, examinar, observar, compreender.

Pensar a verdade pode assumir inúmeras formas. Se acabamos de terminar o Salmo 1 e queremos meditar na primeira parte do versículo 2 (“Seu prazer está na lei do Senhor”), podemos, por exemplo, escrever o versículo lentamente. Ou podemos ler o versículo repetidamente, cada vez enfatizando uma palavra diferente: “Seu prazer está na lei do Senhor”, “Seu prazer está na lei do Senhor. . . ” Ou podemos nos forçar a fazer perguntas: Como “a lei do Senhor” se relaciona com “o conselho dos iníquos” no versículo 1? Por que o salmista diz que seu prazer está na lei do Senhor e não no próprio Senhor?

Não tenha medo de falar em voz alta. A palavra para meditar carrega a ideia de fala; daí por que os tradutores às vezes o traduzem como dizer, pronunciar ou murmurar (Salmo 35:28; 37:30; Isaías 8:19). Daí também por que Deus disse a Josué: “Este livro da lei não se aparte da tua boca, mas medita nele dia e noite” (Josué 1: 8). Portanto, tente falar a palavra de Deus também, o que, se nada mais, pode pelo menos ajudar a concentrar sua atenção.

3. Insista no assunto

Alguns podem ficar tentados a parar por aqui. Mas pensar a verdade é apenas parte da meditação, porque um coração que entende a palavra de Deus ainda pode sentir frio com a palavra de Deus; pode sentir luz, mas sem calor. Então, depois de pensar uma verdade, nós pensamos nela, pressionando-a em nossos corações.

“Pregar a si mesmo” pode soar agora como uma aplicação bem usada. Mas, apesar de toda a nossa familiaridade com a ideia, me pergunto se a prática real ainda não foi experimentada ou se foi tentada brevemente e depois posta de lado. De qualquer forma, um dos métodos mais poderosos de enfatizar a verdade de Deus é anunciá-la. Como escreve Richard Baxter: “Imite o pregador mais poderoso que você já ouviu” (A Quest for Godliness, 13).

Com que regularidade você fica no púlpito de sua alma durante suas devoções? Quantas vezes você toma uma verdade nas mãos e desempenha o papel de profeta ou salmista, não para outra pessoa, mas para você mesmo? Com que frequência você repreende sua descrença, declara a verdade fixa de Deus em seus sentimentos flutuantes e se esforça para pregar fogo em seu coração frio?

“Meditarei”

A meditação não é apenas para cristãos ardentes e zelosos, mas para aqueles que sabem que não o são. A meditação é para aqueles que, como o autor do Salmo 119, podem dizer: “Desviei-me como uma ovelha perdida” (Salmo 119: 176) – seja por um dia, uma semana ou um mês.

O mesmo salmista que costuma errar diz quatro vezes a Deus e a si mesmo: “Meditarei” (Salmo 119: 15, 27, 48, 78). Vou meditar, porque sei que meu coração precisa de calor. Vou meditar, porque sei como me desgarro facilmente. Vou meditar, porque preciso ver sua glória. Vou meditar, porque só Ele pode reacender meu deleite.

Abençoado – feliz! – são aqueles que dizem o mesmo (Salmo 1: 1-2).

Artigo original por Scott Hubbard em : https://www.desiringgod.org/articles/when-my-heart-is-cold

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: