Onde traçamos a linha

Como viver (e morrer) na Babilônia

Como é viver como cristão numa sociedade que cada vez mais não gosta do que os cristãos acreditam, do que dizem e de como vivem? Ou, em outras palavras: o que fazemos quando percebemos que o lugar em que vivemos é cada vez menos parecido com Jerusalém e cada vez mais com a Babilónia?

Durante séculos no Ocidente, e talvez particularmente nos Estados Unidos, os cristãos gostaram de estar nas salas onde as coisas acontecem. Mas agora o vento da sociedade está menos em nossas costas e mais em nossos rostos.

Pela primeira vez, talvez, precisamos aprender a viver bem na Babilónia. E encontramos os recursos para fazê-lo na palavra de Deus. A experiência da maioria do povo de Deus para a maior parte das Escrituras foi a de viver como minoria numa sociedade que, na melhor das hipóteses, não os entendia e, na pior, se opunha ativamente a eles.

Temos muito a aprender, por exemplo, com os primeiros exilados de Israel – Daniel e sua geração. E uma lição de Daniel para nossos dias cada vez mais pós-cristãos é esta: conheça a Deus e sua palavra, saiba onde traçar seus limites e não os ultrapasse.

Resolva desenhar a linha

Não podemos exagerar a pressão que Daniel e seus amigos Hananias, Misael e Azarias sofreram quando chegaram à Babilónia: sua nação derrotada, seu templo destruído e agora vivendo na cidade mais brilhante e poderosa do mundo conhecido. Eles foram alistados a serviço do rei da Babilónia – e eles aceitaram. A educação deles foi a da Babilónia – e eles a aceitaram. Seus nomes foram alterados para serem os de Babilónia – e eles o aceitaram. A comida deles deveria ser a da Babilónia – e Daniel e seus amigos traçaram a linha aí.

Daniel resolveu não se contaminar com a comida do rei, nem com o vinho que ele bebia” (Daniel 1:8). Daniel disse, eu posso fazer isso, posso absorver aquilo, mas não posso ir mais longe. Eu desenhei uma linha; Eu não vou atravessá-la, e estou tomando minha posição aqui. Um peixe morto flui com a corrente; é preciso um peixe vivo para nadar contra a corrente. Daniel e seus amigos traçaram sua linha e não a ultrapassariam, fossem quais fossem as consequências.

Isso é viver fielmente num ambiente ímpio – também conhecido como vida cristã. É o que Pedro chamou seus primeiros leitores a fazerem: “Viva o resto do tempo na carne não mais pelas paixões humanas, mas pela vontade de Deus”, escreveu ele – embora, ele alertou, aqueles ao seu redor “se surpreendam. quando você não se juntar a eles. . . e eles vos caluniam” (1 Pedro 4:2, 4).

Dada a força do do secularismo do século XXI, você e eu vamos enfrentar desafios. As crises virão; chegarão os momentos em que somos chamados a seguir o fluxo de nossa cultura em vez de obedecer ao nosso Deus no local de trabalho, ou na equipa desportiva, ou na forma como criamos nossos filhos, ou no que dizemos de nossos púlpitos, e por aí a diante.

Essas crises revelarão o que está dentro de nós. Não assuma que você permanecerá firme nesses momentos. Da mesma forma, não assuma que você terá que ceder. Resolva agora. Pense onde desenhar as linhas que você não cruzará.

Aprenda onde desenhar a linha

Como sabemos onde desenhar essas linhas? Às vezes, é direto. Quando a palavra de Deus nos diz para fazer algo, obedecemos ao nosso Rei. Mas, às vezes, não é tão simples. Afinal, o compromisso nem sempre é errado. Há uma colina para morrer, mas nem toda colina é essa colina.

Daniel permitiu ser levado ao serviço do estado babilónico, ser educado como babilónio e ser renomeado com um nome babilónio. Presumivelmente, cada uma destas não teria sido sua preferência – mas ele não recusou. Porquê, então, traçar a linha de comer comida babilónica? E porquê, como um velho, décadas depois, se recusa a parar de orar à vista de todos (Daniel 6:10)?

No Antigo Testamento, uma das características distintivas do povo de Deus eram as regras que eles seguiam sobre o que eles deveriam ou não comer e beber. A escolha dietética para o povo de Deus não era apenas uma manifestação externa de nada; em vez disso, era um resultado externo de suas convicções profundamente arraigadas sobre o que significava pertencer a Deus. Aparentemente, para Daniel, desistir do controle de sua dieta era ir contra sua consciência e comprometer sua identidade como seguidor do único Deus verdadeiro, de uma forma que a mudança de nome não fazia.

Quando se tratava de sua oração, Daniel estava enfrentando intimidação direta – e ele se recusou a se curvar diante dela. O edito que o rei fez não visava o bem público, mas a exaltação de seu nome acima do de Deus (Daniel 6:6-9). E Daniel traçou o limite ao dar a impressão de que estava de acordo com o edito e que sua fidelidade a Deus vinha depois de sua obediência ao rei. E assim ele continuou a orar, como antes.

O que vemos? A linha deve ser traçada onde somos instruídos a desobedecer a Deus; também deve ser desenhada onde somos solicitados a fazer concessões num assunto que nossa consciência nos diz que minará nossa identidade como cristãos. Não podemos ser intimidados a ceder silenciosamente a algo que elevará o homem acima de Deus. É assim que evitamos a pressão de privatizar completamente nossa fé, ao mesmo tempo que resistimos à tentação de politizar excessivamente nossa fé.

Tempo para ambos

O Novo Testamento também reconhece a necessidade de pensar com sabedoria sobre como traçar nossas linhas. Romanos 13 nos ordena a nos submetermos às autoridades governamentais, mas Atos 4–5 mostra o povo de Deus o recusando também. Há um tempo para ambos. Isso significa que não vamos necessariamente desenhar todas as nossas linhas nos mesmos lugares.

Para dar um exemplo: recentemente, as igrejas na minha nação natal, a Escócia, desafiaram o governo escocês porque lhes foi dito que não poderiam reunir-se para adoração. Acho que naquele momento havíamos nos mudado para o reino de Atos 4–5, e a linha precisava ser traçada.

Ao mesmo tempo, o mandato em meu estado natal, Ohio, era que, se nos reuníssemos em espaços públicos como um prédio de igreja, deveríamos usar máscaras e manter distância física. Nós nos submetemos a isso, pois parecia um momento de Romanos 13, e não parecia, para a época, um lugar onde traçar uma linha. (Nem todo mundo concordaria, é claro!)

Vale a pena perguntar a nós mesmos: para o que estou naturalmente inclinado? Alguns de nós serão mais tentados a traçar limites e enfrentar brigas quando a fidelidade não exige isso. Lembre-se do pedido do apóstolo Paulo: “No que depender de vocês, vivam em paz com todos” (Romanos 12:18).

Outros, talvez especialmente aqueles acostumados a viver numa nação cujos códigos morais têm sido amplamente cristãos, serão tentados a manter a cabeça baixa e fazer concessões quando a fidelidade parece traçar uma linha e se recusa a cruzá-la, gentilmente, mas com firmeza. Aqueles de nós inclinados dessa maneira podem precisar aprender a dizer “não” independentemente do custo para a reputação, conta bancária ou mesmo liberdade, pois “devemos obedecer a Deus antes que aos homens” (Atos 5:29).

Qualquer que seja nossa disposição, precisamos lembrar que irmãos e irmãs traçarão as linhas em lugares diferentes do que nós, e que isso não os torna necessariamente errados. Às vezes é fácil ver onde deve estar a linha, mas nem sempre, e nossa unidade depende de reconhecer humildemente a diferença.

Livrados através do fogo

Como é viver como cristão em uma sociedade que não gosta do que os cristãos acreditam, do que dizemos e de como vivemos? Significa conhecer a Deus como Daniel conheceu – que Deus está no controle, que Ele cumprirá suas promessas. Ele pode às vezes livrar seu povo do fogo, mas se não, Ele sempre nos livrará pelo fogo.

Se conhecermos a Deus dessa maneira, estaremos dispostos a traçar uma linha. Estaremos prontos para lutar com exatamente onde traçar essa linha, pedindo-Lhe sabedoria. Às vezes as linhas podem ser traçadas em lugares diferentes, mas devem ser traçadas, e não devem ser cruzadas. É assim que vivemos fielmente na Babilónia enquanto caminhamos em direção ao nosso lar na Nova Jerusalém.

Artigo original por Alistair Begg em : https://www.desiringgod.org/articles/where-we-draw-the-line

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: