Foi o Génesis copiado dos mitos do dilúvio da Mesopotâmia?

Os céticos sugerem que o dilúvio bíblico foi obtido da Epopeia de Gilgamesh etc., mas existem diferenças críticas entre Génesis e a literatura pagã antiga.

Os céticos da história da Bíblia muitas vezes apontam para os mitos do dilúvio da Mesopotâmia como evidência de que os autores da Bíblia simplesmente se apropriaram de histórias da cultura mais ampla para sua própria comunidade. Os três principais textos discutidos neste contexto são o poema de Atrahasis, o Eridu Génesis e o épico de Gilgamesh. Os dois primeiros foram escritos por volta da mesma época (c. 1600 aC), e Gilgamesh foi escrito mais tarde (c. 1200–1100 aC). Para comparação, Génesis foi escrito por volta de 1400 aC.

Esses poemas são discutidos ao lado da narrativa do dilúvio de Génesis porque existem algumas semelhanças superficiais. Todos apresentam um homem que é salvo de um dilúvio ao construir um navio semelhante a uma arca. Os animais também são levados a bordo e os pássaros são soltos. Depois de algum tempo, a embarcação se acomoda e o herói desembarca.

Génesis: um relato divinamente inspirado e bem preservado

Mas uma análise mais completa mostra que existem diferenças críticas entre esses textos e a narrativa do dilúvio de Génesis e como eles eram percebidos por sua cultura em contraste com o modo como Génesis funcionava na antiga comunidade hebraica.

Génesis era visto como história, mas também como um relato de eventos divinamente inspirado. Isso significava que os escribas estavam principalmente preocupados em transmitir o texto fielmente com pouco ou nenhum embelezamento. De fato, a melhor evidência textual indica um texto muito estável que não mudou de forma significativa.

O relato histórico também tem uma dimensão moral que está totalmente ausente dos mitos mesopotámicos. Enquanto a narrativa de Génesis enfatiza a crescente maldade da humanidade que poluiu o mundo inteiro, os dilúvios míticos foram instigados por razões triviais, como os humanos serem muito barulhentos ou sem motivo algum. Enquanto em Génesis Deus “lamenta” ter criado a humanidade por causa de sua crescente maldade, os deuses dos mitos se arrependem de enviar o dilúvio – não por causa da destruição sem sentido que causaram, mas porque dependiam da humanidade para suas ofertas de alimentos! Isto está obviamente em contraste com a narrativa de Génesis.

Génesis também se distingue por ter um estilo sóbrio e meticuloso que se concentra em nomes, datas e locais, que o marcam como história. Os mitos enfatizam os aspetos mais coloridos do dilúvio: o barulho, o terror e a excitação. O objetivo dos mitos é entreter os ouvintes dos poemas, ao contrário do Génesis, que preserva um registo histórico fiel com a relevante dimensão moral do juízo.

Os poemas diferem não apenas do Génesis, mas também entre si. Isso nos diz que na Mesopotâmia não havia uma versão “canónica” do mito do dilúvio; em vez disso, era uma tradição oral que poderia ser embelezada ou editada para os propósitos do autor em particular.

Foi o Génesis influenciado pelos mitos do dilúvio?

Alguns estudiosos argumentam, no entanto, que Génesis foi composto durante um longo período de tempo por diferentes grupos de editores dos séculos IX a V aC. Isso é chamado de “hipótese documental”. Isso atrasaria a composição do Génesis o suficiente para ser influenciada por esses mitos do dilúvio, que ainda não existiam na época de Moisés. No entanto, a hipótese documental não leva em conta as muitas linhas de evidência de que o Génesis tem uma composição anterior. Deuteronómio 31:24 afirma que Moisés escreveu as palavras da lei “do princípio ao fim”.

Além disso, evidências arqueológicas demonstraram que quem escreveu Génesis estava muito familiarizado com a cultura da época e os lugares que ela retrata, ou seja, que

os nomes dos patriarcas eram nomes típicos do início do segundo milénio, que as migrações e o estilo de vida seminómade dos patriarcas também se encaixavam nesse período e que muitos dos ritos legais e costumes familiares mencionados no Génesis (por exemplo, dar dotes) também foram atestados em antigos textos não bíblicos.1

Todos esses elementos mudaram entre a época dos patriarcas e a época do exílio na Babilónia. Um grupo posterior de editores não poderia ter retratado com precisão uma cultura tão distante deles. Em vez disso, Génesis foi escrito cedo e o texto foi preservado por copistas cuidadosos que transmitiram o texto de forma confiável.

O cuidado com que o texto do Génesis foi preservado também contrasta com o modo como os autores mesopotámicos livremente acrescentaram ou alteraram os poemas do dilúvio. Por exemplo, a versão final do Épico Babilónico Padrão de Gilgamesh foi fixada por um escriba por volta de 1200 aC. Ele usou material de fontes existentes, mas também acrescentou seus próprios floreios distintos, e acrescentou uma versão da história do Dilúvio copiada em alguns lugares quase palavra por palavra de Atrahasis. Este escriba mudou tanto Gilgamesh das versões anteriores que os babilónios posteriores o nomearam como o autor!2

As outras versões dos mitos do dilúvio na Mesopotámia foram editadas com a mesma falta de preocupação em preservar uma forma original. Em vez disso, os objetivos políticos, sociais ou de entretenimento do momento controlavam a forma que o poema assumia. Não é assim que os escritores se comportam com o material que acreditam ser divinamente inspirado.

No entanto, a popularidade das histórias do dilúvio tanto nesta área quanto além aponta para uma memória cultural do dilúvio histórico, embora detalhes importantes da história tenham sido perdidos ou alterados à medida que a cultura se tornou politeísta e se esqueceu do verdadeiro Deus. Enquanto na época dos babilónios e assírios, a maneira como eles tratavam o poema indicava que o consideravam menos do que história. As origens desses poemas foram provavelmente uma recontagem dramática do que a população sabia na época ser um evento histórico. Encontramos um paralelo bíblico em Êxodo 15, que é uma releitura da divisão do Mar Vermelho registada em Êxodo 14. Como o poema foi composto por pessoas que vivenciaram o evento logo após o ocorrido, é claramente histórico, embora contenha linguagem poética elevada.

Génesis é exclusivamente histórico

Na maioria das culturas, a poesia preservada precede a história preservada. Mas é o oposto com os escritos hebraicos – os escritos históricos são anteriores aos livros poéticos. Deus inspirou Moisés a registar a história primitiva do mundo em Génesis de maneira a preservar nomes, datas e locais com tanta precisão que são úteis até mesmo para investigações arqueológicas hoje.

Portanto, não devemos nos surpreender que o relato do dilúvio que Deus inspirou em Génesis tenha sido preservado pelos escribas hebreus com uma preocupação com a precisão que não é compartilhada pelos escribas babilónicos que adaptaram livremente seus poemas do mito do dilúvio para atender a qualquer propósito que tivessem em um determinado momento. Em vez disso, quando examinamos cuidadosamente as evidências, podemos ter ainda mais certeza de que Deus nos deu um registo histórico verdadeiro do início da história do mundo!

Notas de rodapé

  1. Gordon J. Wenham, “The Pentateuch” in New Bible Commentary, ed. D. A. Carson, R. T. France, J. A. Motyer, and G. J. Wenham (Leicester, UK: Inter-Varsity Press, 2004), 49.
  2. Andrew George, “Shattered Tablets and Tangled Threads: Editing Gilgamesh, Then and Now,” Armenian Journal of Near Eastern Studies 3, no. 1 (2008): 11.

Artigo original por Liz Abrams em: https://answersingenesis.org/the-flood/genesis-mesopotamian-flood-myths/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: