Dinossauros no Éden

Imagine dinossauros a viver com pessoas. O pensamento soa ridículo para uma mente moderna mergulhada na evolução. Mas é a única conclusão razoável se a Bíblia é verdadeira.

Imagine um grupo de exploradores a caminhar numa floresta. Enquanto eles seguem um riacho, as árvores se abrem para um grande prado e o riacho vagueia em curvas pela grama ondulante. Um cervo levanta a cabeça para olhar para eles enquanto mastiga um pedaço de trevo. Além do cervo, eles notam o contorno de um Apatosaurus e seu bebé contra o pano de fundo de altos pinheiros.

Se você visse isso como a cena de abertura de um filme, que género você acha que está a assistit? Fantasia? Ficção científica? Documentário? Embora muitas pessoas considerem essa cena fantástica, ou no mínimo fictícia, se você estivesse vivo na época do Dilúvio de Noé, ela poderia ter descrito sua experiência real e pessoal.

Uma conclusão razoável

Todos nós temos uma espécie de filtro, ou lente, que usamos para olhar o mundo ao nosso redor. Para os cristãos, esse filtro deve ser enquadrado com as verdades da Bíblia, porque somos chamados a levar todo pensamento cativo à obediência de Jesus Cristo (2 Coríntios 10:1–6). Isso significa que os cristãos devem ver o mundo através das lentes da verdade das Escrituras – ter uma cosmovisão bíblica.

A Bíblia é o principal documento histórico para nos ajudar a responder a perguntas sobre quando os dinossauros viveram, o que eles comiam e por que não os vemos hoje. Muitas pessoas, incluindo cristãos professos, rejeitam a ideia de que os dinossauros e as pessoas andaram juntos. Eles acreditam na história evolutiva de que os dinossauros morreram cerca de 65 milhões de anos atrás e que os humanos modernos apareceram 100.000 anos atrás – então não há como eles se encontrarem.

Mas quando começamos nosso pensamento com a Bíblia, em vez de ideias do homem, chegamos a uma interpretação diferente dos mesmos fatos. Os cristãos que acreditam que a Terra é jovem (cerca de 6.000 anos) e as pessoas que acreditam que a Terra tem biliões de anos estão todos a olhar para a mesma evidência. Temos os mesmos fósseis, as mesmas pegadas, os mesmos petróglifos e outros artefatos. No entanto, os factos não falam por si mesmos – eles devem ser interpretados.

Se interpretarmos esses factos pelas lentes das Escrituras, a única conclusão lógica é que as pessoas e os dinossauros estavam vivos ao mesmo tempo. Deixe-me explicar. Em Gênesis 1, Deus nos conta como Ele criou o universo durante um período de seis dias de vinte e quatro horas. No sexto dia da Semana da Criação, Deus criou os animais terrestres e os descreveu em categorias amplas como “gado, répteis e animais da terra” (Gênesis 1:24-25). Os dinossauros eram animais semelhantes a répteis que viviam em terra e andavam com as pernas sob o corpo. Por esta descrição, eles estariam entre as “bestas da terra” criadas no sexto dia. À medida que lemos, Deus fez as pessoas (Adão e Eva) à Sua própria imagem no mesmo dia (Gênesis 1:26–28). Se os dinossauros foram criados no Dia Seis e os humanos foram criados no Dia Seis e os dias tinham duração normal, então devemos naturalmente concluir que os dinossauros e os humanos estavam vivos ao mesmo tempo.

Embora não fossem dinossauros, criaturas como pterodáctilos e plesiossauros teriam sido criados no quinto dia e estariam voando pelos céus e nadando pelos mares quando os humanos estavam na Terra. Sob essa luz, poderíamos adicionar um pterodátilo pairando acima do prado à cena que pintamos anteriormente. Mas apenas estar vivo ao mesmo tempo não significa necessariamente que eles interagiram. Muitas pessoas hoje vivas nunca irão interagir com um urso, mas isso não significa que elas não estejam vivas ao mesmo tempo.

Antes do dilúvio

Na época da Criação, Deus trouxe animais a Adão para lhes dar nomes. Embora os dinossauros não apareçam em nossas Bíblias em inglês (afinal, a palavra nem foi inventada até 1841), eles provavelmente estavam entre as “bestas do campo” que Deus trouxe a Adão. Não podemos ter certeza de que Adão interagia regularmente com dinossauros ou pterodáctilos no Éden, mas não é uma conclusão irracional em uma cosmovisão bíblica.

A partir do registo fóssil, sabemos que cerca de 50 a 90 tipos diferentes de dinossauros estavam vivos na Terra antes do Dilúvio descrito em Gênesis 6–9. Pouco mais de 1.650 anos se passaram entre a Criação e o Dilúvio, então parece provável que humanos e dinossauros tenham interagido durante esse período, mas eles podem ter vivido em áreas diferentes e não necessariamente lado a lado. No entanto, com o grande número de dinossauros fossilizados que encontramos em todo o mundo que foram enterrados como resultado do Dilúvio (mesmo na Antártida), seria difícil argumentar que nunca houve contato entre os dois. As crianças mantinham dromaeossauros de estimação e papá saía para selar o Triceratops da família para ir à cidade? Não podemos ser dogmáticos sobre essas coisas porque elas não estão claramente descritas na Bíblia, nem temos qualquer evidência física dessas interações.

Depois do dilúvio

Mas e depois do Dilúvio? Ainda havia dinossauros por aí? Ao olharmos para o relato bíblico, vemos que Deus trouxe pares representativos de todas as espécies de animais terrestres a Noé para levar a Arca para mantê-los vivos na terra (Gênesis 7:3). O resto dos animais terrestres e todas as pessoas que não estavam na Arca pereceram quando Deus julgou o mundo por sua pecaminosidade e rebelião.

Muitos vão objetar que os dinossauros eram grandes demais para caber na Arca. Mas esse é um equívoco comum – a maioria dos dinossauros cresceu para ser do tamanho de um búfalo ou menor, e mesmo os grandes começaram pequenos. Os maiores ovos de dinossauro são do tamanho de uma bola de futebol, e Deus poderia ter trazido animais juvenis para a Arca para manter os requisitos de espaço e comida no mínimo. Esse arranjo também permitiria a reprodução máxima para reabastecer a população após o Dilúvio.

Na Bíblia, temos um registo do que parece um dinossauro saurópode. Job viveu no Oriente Médio após o Dilúvio. Durante uma interação com Job, Deus descreveu muitas criaturas diferentes, como águias e cabritos monteses, para ajudar Job a entender a infinita sabedoria e poder de Deus.

Em Job 40, lemos uma descrição do Behemoth, que está entre as maiores criaturas e tem uma cauda como um cedro. Enquanto alguns comentaristas da Bíblia sugerem que este era um hipopótamo ou elefante, você pode ler por si mesmo e ver que a descrição não corresponde. Em Job 41, lemos sobre outra grande criatura, o Leviatã, que não parece corresponder a nenhuma criatura conhecida hoje, mas poderia facilmente ser um pliossauro. Outras passagens nas Escrituras que mencionam grandes animais da terra e do mar também podem se referir aos dinossauros e seus contemporâneos. Embora não vejamos essas criaturas incríveis vivas hoje, muitos artefatos e relatos retratam humanos interagindo com dinossauros no passado recente.

Quando construímos nosso pensamento na Bíblia, confiando nela como verdadeira revelação de Deus, podemos responder a perguntas como onde os dinossauros se encaixam na história e ter certeza de que o homem já andou na terra com esses animais magníficos.

Dinossauros vegetarianos?

Uma pergunta natural segue a afirmação bíblica de que os dinossauros viveram ao lado dos humanos na criação original: “Porque eles não comeram Adão e Eva?” Como a maioria das perguntas, esta é baseada em algumas suposições.

A primeira suposição é que os dentes temíveis de dinossauros como T. rex e Allosaurus devem ter sido originalmente feitos para comer carne. Se você olhasse para os dentes afiados no crânio de um morcego frugívoro, poderia ter a mesma impressão, mas estaria enganado. Os dentes do morcego frugívoro são usados ​​para rasgar e triturar a carne. . . de papaias! Os dentes dos tipos tiranossauro e alossauro teriam sido originalmente usados ​​para comer frutas com casca grossa ou triturar outra vegetação. Uma faca de bife também funciona na salada.

A segunda suposição é a uniformidade da natureza. Muitas pessoas assumem que as coisas sempre foram como são hoje. Mas a partir da Bíblia, vemos que Deus originalmente criou o homem para comer uma dieta vegetariana (Gênesis 1:29) e “para todo animal da terra, para toda ave do céu e para tudo o que rasteja sobre a terra, no qual há vida, dei todas as ervas verdes para alimento” (1:30). Deus então declarou a operação do mundo que Ele havia criado “muito boa”.

Depois que o pecado corrompeu o mundo, os animais começaram a comer-se uns aos outros e provavelmente os humanos (e aquelas adagas nas magníficas mandíbulas do T. rex se tornaram armas letais). Mas não era assim que Deus pretendia que Sua criação original perfeita funcionasse. A morte e o sofrimento que vemos no mundo hoje cessarão no futuro quando Deus restaurar a criação; o leão comerá erva como o boi, e o lobo e o cordeiro pastarão juntos (Isaías 65:25).

Artigo original por Roger Patterson em : https://answersingenesis.org/dinosaurs/when-did-dinosaurs-live/dinosaurs-eden/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: