Feedback: A Arca da Aliança é uma Cópia Bíblica da Arca Egípcia do Contrato?

Alguns sugeriram que a “arca do contrato” egípcia antecede a “Arca da Aliança” hebraica em 1.000 anos, mas isso não se alinha com as cronologias mais aceites.

Qual é a posição da AIG sobre a Arca da Aliança e sua paralela egípcia Arca do Contrato (usada por 1.000 anos antes do povo hebreu estar no Egito). Algumas das arcas egípcias parecem quase exatamente como a Arca da Aliança hebraica. — J.H.

Olá, J. H., e obrigado por escrever para Answers in Genesis com sua pergunta.

Normalmente, as estruturas são representadas de maneiras bastante diferentes (como um barco para a arca do contrato versus um baú retangular para a Arca da Aliança), e estas serviam propósitos totalmente diferentes. Normalmente, a arca do contrato (muitas vezes referida como uma barca cerimonial) carregava a múmia do faraó, ou um nobre importante, uma relíquia simbolizando um deus egípcio e, raramente, o Livro dos Mortos egípcio. Em contraste, a Arca foi o lugar escolhido para a presença divina Shekinah (palavra hebraica que significa “morar”) do Deus Vivo e Verdadeiro. Deus também ordenou que certos objetos fossem colocados na Arca (o Decálogo [Dez Mandamentos], a vara de Arão e um pote de maná). Esses objetos não simbolizavam os mortos, mas sim que as promessas de Deus ainda estavam em vigor ou como lembranças de Deus sustentando a nação.

Com base em minha pesquisa, o registo mais antigo de uma “arca do contrato” data de um oficial da corte chamado Userhat durante o reinado de Amenhotep II (às vezes chamado Amenófis II), que foi o sétimo faraó da 18ª dinastia do Egito1, reinado que é geralmente datado de 1427 a 1401 aC na cronologia egípcia convencional. Usando as datas bíblicas padrão para o Êxodo (1491(2) ou 1446/1445 AC(3)), Amenhotep II realmente viveu após o Êxodo e o mandamento de Deus para construir a Arca da Aliança (também chamada de Arca do Testemunho) em Êxodo 25 :10–22. Lemos que a Arca da Aliança foi construída pouco depois (provavelmente enquanto os israelitas ainda estavam no Monte Sinai) em Êxodo 37:1-9 por Bezalel, por ordem de Moisés. Portanto, com uma cronologia egípcia convencional e a datação arqueológica bíblica conservadora do Êxodo, a Arca da Aliança é anterior à arca egípcia do contrato. A diferença é ainda mais gritante ao usar uma cronologia egípcia revisada (REC), que muitos cronologistas da criação da terra jovem (YEC) acreditam ser mais fiel às evidências históricas e arqueológicas. Alguns arqueólogos bíblicos colocam o reinado de Amenhotep II de forma variada na época do Êxodo,4 em 1200 aC, ou tão tarde quanto 940(5) ou 872 aC(6) usando a REC.

Assim, a única maneira pela qual a mais antiga atestação da arca do contrato é anterior à Arca da Aliança é usando uma cronologia egípcia convencional e a data mais recente para o Êxodo, que os estudiosos liberais colocam em 1250 aC. No entanto, os cronologistas do YEC e até mesmo alguns estudiosos/arqueólogos seculares rejeitam uma ou ambas as suposições. Em outras palavras, começando com uma cronologia egípcia revisada ou um Êxodo anterior, é mais provável que os egípcios tenham copiado a Arca da Aliança hebraica, se os dois estiverem relacionados. Esta é a postura que nós da Answers in Genesis mantemos em relação à arca egípcia.

No entanto, mesmo que a arca egípcia tenha sido comprovada de alguma forma anterior (por exemplo, descoberta numa tumba da Terceira à Décima Segunda Dinastia), isso ainda não provaria que a Arca da Aliança era uma cópia da egípcia. De acordo com Êxodo 25:9–22 e 25:40, Atos 7:44, Hebreus 8:1–5 e 9:23–25, a Arca da Aliança terrena foi baseada em um padrão dado pelo próprio Deus a Moisés. Portanto, à luz disso, não há base bíblica para concluir que Deus modelou a Arca da Aliança em imitação de uma arca egípcia dedicada a “deuses” politeístas, que eram realmente demônios – algo que Deus detestava (Levítico 17:7; Deuteronômio 32:17; Salmo 106:37; 1 Coríntios 10:20). Deus teria esse padrão celestial para a Arca da Aliança em seus planos originalmente desde a fundação do mundo.

A Função e Propósito das Duas Arcas

Muito provavelmente a arca egípcia do contrato, seja ela anterior ou não à Arca da Aliança terrena, era uma cópia da Arca de Noé (Gênesis 6) e significava “escapar da morte por ajuda divina”, que eles transformaram numa lenda politeísta . Como as outras lendas do dilúvio regional (Eridu Genesis, Atrahasis e Gilgamesh), que distorceram a narrativa do dilúvio de Gênesis em um conto de herói épico, onde o protagonista escapa da morte por meio de sua piedade e ingenuidade, o conceito egípcio de vida após a morte foi baseado em saber se a alma da pessoa morta era digna ou não do paraíso. Caso contrário, a alma era pesada contra a pena de Maat (para provar ou refutar sua pureza) e seria comida pela deusa demônio Ammut, encerrando assim qualquer esperança de vida após a morte. Basicamente, como todas as outras religiões, exceto o cristianismo, os egípcios pensavam que o paraíso poderia ser alcançado através da auto-virtude e mérito. A Arca do Contrato geralmente era carregada em postes por sacerdotes (como a Arca da Aliança) ou podia ser puxada por cordas. Abrigava a múmia de uma pessoa importante (faraó, sacerdote ou nobre) em seu túmulo e geralmente em uma procissão muito pública 7. O “contrato” em nome do objeto era um entre o recém-falecido e Osíris, deus dos mortos e do submundo. Era basicamente a crença de se a alma do morto era digna de ir para a vida após a morte e a demonstração de respeito a Osíris colocando um ídolo dele ao lado de sua múmia, ou em cima da própria arca8 que era um contrato que garantiria Favor.

A Arca da Aliança, em contraste, não tinha ídolo ou representação de Deus nela, o que era diferente de tudo que os egípcios (ou cananeus) poderiam conceber.9 Em vez disso, tinha como cobertura (tampa) o propiciatório com dois querubins de ouro voltados uns aos outros (Êxodo 25:17-20). E foi lá que a presença Shekinah de Deus pairou em forma de nuvem (Levítico 16:2). A Arca da Aliança não era um objeto que representava a morte, mas sim o lugar onde o Deus Vivo escolheu colocar sua presença na terra (antes da Encarnação de Cristo).

Era neste propiciatório onde uma vez por ano, no Dia da Expiação, o sumo sacerdote oferecia um touro e um bode, respetivamente, por seus próprios pecados e pelos pecados do povo de Israel. Ele aspergiu incenso e o sangue do touro e do bode no propiciatório e realizou a cerimónia do bode expiatório, e então Deus aceitou o sacrifício para cobrir os pecados do povo (Levítico 16:13-30). O escritor de Hebreus comparou essa cerimónia à perfeição do sacrifício de Cristo por seu povo (Hebreus 9:7-14). Então ele concluiu que como mediador da Nova Aliança (Hebreus 9:15) Cristo se ofereceu para tirar o nosso pecado (Hebreus 9:26). A Arca da Aliança, portanto, serviu como um lembrete contínuo de que sem derramamento de sangue não há remissão de pecados (Hebreus 9:22), e apontava para Jesus por quem “fomos santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo de uma vez por todas” (Hebreus 10:10).

A arca/barca egípcia representava a morte com a vã esperança de que os pecados de um homem seriam esquecidos se ele obtivesse o favor suficiente dos deuses. A Arca da Aliança enfatizava a santidade de Deus, os objetos dentro simbolizavam as promessas de Deus, e o propiciatório enfatizava a gravidade do pecado e o fato de que uma oferta para expiar o pecado do povo eram necessária todos os anos. Mas o Senhor disse ao profeta Jeremias que chegaria um tempo em que a Arca da Aliança não seria mais lembrada (Jeremias 3:15–16). O profeta Jeremias (Jeremias 31:31–34) e depois Ezequiel (Ezequiel 36:25–27) ansiavam pelo tempo em que as leis de Deus seriam escritas no coração dos homens, e eles teriam novos corações, dados junto com um novo Espírito. O escritor de Hebreus tomou essa passagem em Jeremias e mostrou que ela foi cumprida em Cristo por sua morte de uma vez por todas na cruz.

porque, por meio de um único sacrifício, ele aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados.
O Espírito Santo também nos testifica a este respeito. Primeiro ele diz:
“Esta é a aliança que farei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor. Porei as minhas leis em seus corações e as escreverei em suas mentes”;
e acrescenta: “Dos seus pecados e iniqüidades não me lembrarei mais”.
Onde essas coisas foram perdoadas, não há mais necessidade de sacrifício pelo pecado.


Hebreus 10:14-18

Artigo original por Troy Lacey em : https://answersingenesis.org/bible-questions/feedback-ark-covenant-egyptian/

Notas de rodapé:

  1. Scott B. Noegel, “The Egyptian Origin of the Ark of the Covenant,” Israel’s Exodus in Transdisciplinary Perspective, Quantitative Methods in the Humanities and Social Sciences, Springer International Publishing Switzerland (2015): 229. DOI 10.1007/978-3-319-04768-3_17. https://faculty.washington.edu/snoegel/PDFs/articles/noegel-ark-2015.pdf.
  2. James Ussher, Annals of the World, revised and updated by Larry and Marion Pierce (Green Forest, AR: Master Books, 2003): 46.
  3. John Ashton and David Down, Unwrapping the Pharaohs (Green Forest, AR: Master Books, 2006): 101.
  4. Simon Turpin, “Evidence of Mosaic Authorship of the Torah,” Answers in Genesis, September 10, 2021, https://answersingenesis.org/bible-characters/moses/evidence-mosaic-authorship-of-torah/.
  5. Elizabeth Mitchell, “Doesn’t Egyptian Chronology Prove That the Bible Is Unreliable?,” Answers in Genesis, April 28, 2015, https://answersingenesis.org/archaeology/ancient-egypt/doesnt-egyptian-chronology-prove-bible-unreliable/.
  6. Ashton and Down, 132.
  7. Scott B. Noegel, “The Egyptian Origin of the Ark of the Covenant,” Israel’s Exodus in Transdisciplinary Perspective, T. E. Levy et al. (eds.) Springer International Publishing Switzerland (2015): 228–229. https://faculty.washington.edu/snoegel/PDFs/articles/noegel-ark-2015.pdf.
  8. Ibid.
  9. David A. Falk, “The Ark of the Covenant in its Egyptian Context,” Biblical Archaeology Society (May 28, 2021). https://www.biblicalarchaeology.org/daily/biblical-artifacts/artifacts-and-the-bible/the-ark-of-the-covenant-in-its-egyptian-context/.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: