Encontradas Evidências da Fome de Sete Anos do Tempo de José?

Uma “mega-seca” há 4.200 anos atrás foi realmente a causa da fome nos dias de José?

Um artigo recente da Nature colocou a questão: “Uma mega seca derrubou impérios há 4.200 anos?”1 Embora a data não esteja alinhada com as linhas do tempo bíblicas, pois há problemas com métodos de datação radiométrica que foram amplamente discutidos neste site, nós podemos encontrar um acordo próximo com a fome mencionada em Génesis 41 durante o tempo da libertação de José da prisão e subsequente elevação a “segundo Faraó” no Egito.

Este evento de supostamente 4.200 anos atrás é baseado na datação U-Th numa estalagmite na caverna Mawmluh na região de Meghalaya da Índia e também está listado na mais recente atualização da Comissão Internacional de Estratigrafia para a escala de tempo geológica como o início da era atual , o Meghalayan.2 Mas o método de datação U-Th é construído sobre camadas de suposições uniformitárias e tem se mostrado impreciso.

Até mesmo o artigo da Nature admite alguns problemas em datar com precisão o momento deste evento.

Há uma série de dificuldades, incluindo como interpretar os dados inerentemente indiretos dos proxies climáticos. E nem sempre é possível datar com precisão uma mudança ou evento climático. Um dos melhores métodos é a datação urânio-tório, que se baseia no decaimento radioativo do urânio em tório e pode fornecer datas com uma incerteza tão pequena quanto 1%. Mas se uma estalagmite nunca teve muito urânio em primeiro lugar, ou foi fortemente contaminada com outras substâncias, as datas se tornam imprecisas. “O que aconteceu é que muitos dos registos usados para descrever um evento global 4.2 não foram originalmente destinados a esse tipo de análise”, diz Stacy Carolin, paleoclimatologista da Universidade de Cambridge, Reino Unido. Muitos dos registros, diz ela, têm uma resolução baixa e não há marcadores que possam ser datados no – ou próximo – do momento do evento de 4,2 ka bp.3

Este evento está registado nas Escrituras?

Discordamos fortemente da faixa de incerteza e da idade determinada de 4.200 anos da datação U-Th, conforme mencionado na citação acima. Muito provavelmente esta seca (que teria causado uma fome regional, multi-regional ou possivelmente mundial) é a mencionada a partir de Génesis 41:26, onde José (30 anos na época) relata o significado do sonho de Faraó para ele. . De nota é a passagem estendida em Génesis 41: 56-57, que afirma: “Então, quando a fome se espalhou por toda a terra, José abriu todos os depósitos e vendeu aos egípcios, porque a fome era severa na terra do Egito. . Além disso, toda a terra foi ao Egito a José para comprar cereais, porque a fome era severa em toda a terra”.

Algumas versões traduzem a palavra hebraica erets como “países” e “terras” em vez de “terra”, que também são traduções legítimas do hebraico, e a maioria das versões varia a tradução entre os versículos 56 e 57. Por exemplo, observe a diferença na NKJV onde “terra” é usado no versículo 56 e “países” e “terras”, respetivamente no versículo 57: “A fome havia sobre toda a face da terra, e José abriu todos os depósitos vendidos aos egípcios.E a fome se agravou na terra do Egito.Assim, todos os países foram a José no Egito para comprar grãos, porque a fome era severa em todas as terras” (Gênesis 41:56–57 NKJV). Na verdade, você pode conferir as muitas variações das traduções em inglês dos versículos 56 e 57 no Bible Gateway.

Fome regional, multi-regional ou mundial?

Tradutores bíblicos e estudiosos estão divididos sobre como traduzir o hebraico erets em certas passagens, que podem significar terra, terras, país, solo, território, os habitantes da terra, bem como muitas outras variações. A passagem de Génesis 41, que leva a debates sobre se essa fome foi local ou regional, afetou todos os países conhecidos (o mundo conhecido), está usando hipérbole para representar um evento multirregional ou foi realmente mundial em seu escopo.

Lembrando que erets também pode significar os habitantes da terra, outra interpretação viável que o geneticista da AiG, Dr Nathaniel Jeanson explicou a este autor – é sua alegação de que é possível que as pessoas não tenham se espalhado muito longe de Babel e da área do Oriente Médio/Mediterrâneo/Norte da África nessa época (c. 1700 aC). Ele também observou que outra opção é que aqueles que inicialmente se espalharam morreram, e esses locais não foram reabitados no momento da seca/fome. Portanto, “toda a terra (habitada)” torna-se o significado implícito de erets no relato das pessoas que vieram a José para comprar grãos em Génesis 41:56–57. Aqueles que rejeitam a autoridade bíblica e uma terra jovem, é claro, zombarão da ideia de que as pessoas não se espalharam para lugares distantes (de uma perspetiva do Oriente Médio), como Austrália, América do Sul, África Equatorial, etc., principalmente porque eles aderem à linha do tempo evolutiva, onde o homem existiu por 100.000-200.000 anos e migrou ao redor do mundo, espalhando-se da África.

Curiosamente, os autores e especialistas citados no artigo da Nature também estão igualmente divididos sobre essa seca (que teria causado fome e o colapso de algumas sociedades). De acordo com o artigo, o arqueólogo Harvey Weiss é citado como tendo dito: “Temos a Mesopotâmia, o Nilo, o Egeu e o Mediterrâneo até a Espanha”. Em todos esses lugares, diz Weiss, há evidências de há cerca de 4.200 anos (kyr) atrás para um clima seco e do colapso das autoridades centrais e de pessoas que se deslocaram para escapar das novas zonas áridas. Weiss argumenta que registos compilados de todo o mundo mostram a seca por volta de 4.200 anos atrás. Na sua opinião, o evento não se limitou ao oeste da Ásia, mas foi verdadeiramente global, atingindo até as Américas. A evidência se estende “do Colorado a Massachusetts e pela espinha ocidental da América do Sul e até mesmo ao Brasil”.

No entanto, Nick Scroxton, paleoclimatologista da Maynooth University, na Irlanda, vê isso como uma seca regional: “É bastante conclusivo que o evento de 4,2 ky existe no Mediterrâneo”. A seca afetou partes do Oriente Médio, mas Scroxton afirma que as evidências em outros lugares são “inconclusivas”. E Kathleen Johnson, paleoclimatologista da Universidade da Califórnia-Irvine declarou: “Não há realmente grandes evidências de que tenha tido grandes impactos na América do Norte.”6

Answers in Genesis não assumem uma posição particular sobre a extensão geográfica da fome, mas este autor acredita que a fome provavelmente não foi mundial, já que a palavra hebraica erets pode ter vários significados diferentes, e grande parte do foco nos capítulos 41-47 é ou a terra (erets) do Egito, a terra (erets) de Canaã e/ou a família de José. Muito provavelmente a fome foi multirregional, espalhando-se do Egito e para fora da bacia do Mediterrâneo. De particular interesse é o fato de que a seca é mencionada como a principal causa da fome e do colapso da civilização no artigo da Nature. Pistas bíblicas e arqueológicas nos dizem que lugares outrora bem irrigados e exuberantes, como as planícies da Jordânia (Génesis 13:10), a Arábia Saudita e o Saara, no norte da África, agora são desertos.7

Outras razões para não aceitar isso como uma fome mundial incluem não saber até que ponto a humanidade pós-Babel se espalhou até este ponto. Além disso, teria sido difícil para um país fornecer comida para o mundo inteiro (se esse é o significado pretendido de erets) por vários anos, reservando apenas um quinto de sua produção de grãos (Génesis 41:34) do sete anos de fartura.

Seca e fome em 2200 aC, 1850 aC ou 1700 aC?

De acordo com a datação egípcia convencional e usando uma longa permanência, José ocupa um alto cargo sob o reinado de Sesóstris III (c. 1878–1843 aC). De acordo com as datas de Ussher (com base em uma curta estada), isso teria sido em 1715 aC, com a fome começando em 1708 aC. Muitas cidades-estados provavelmente entraram em colapso ou se mudaram para o Egito para comprar grãos e vender gado. Perto do fim desse período de sete anos de fome, lemos mais sobre o Egito e a terra de Canaã. Com o passar do tempo, as pessoas ficaram sem dinheiro e trocaram seu gado, terras e, finalmente, sua liberdade de comprar comida, como mencionado em Génesis 47:13–21. É evidente que essa seca foi muito dura no Egito e Canaã em Génesis 47:13-15.

E não havia pão em toda a terra, porque a fome era muito grave; de modo que a terra do Egito e a terra de Canaã desfaleciam por causa da fome.
Então José recolheu todo o dinheiro que se achou na terra do Egito, e na terra de Canaã, pelo trigo que compravam; e José trouxe o dinheiro à casa de Faraó.
Acabando-se, pois, o dinheiro da terra do Egito, e da terra de Canaã, vieram todos os egípcios a José, dizendo: Dá-nos pão; por que morreremos em tua presença? porquanto o dinheiro nos falta.

Gênesis 47:13-15

Como mencionado acima, as datas da conclusão do estudo estão um pouco erradas, com uma fome de aproximadamente 2200 aC por datação convencional. No cenário de “longa estada”, isso seria 1869 aC (o primeiro ano de fome sob José) e 1708 aC pelo tempo de “curta estada”. Precisamos ter em mente que as datas arqueológicas seculares são baseadas inteiramente em datas de carbono-14, estilos de cerâmica (que eles assumem levar períodos muito longos ou uma grande mudança cultural para mudar de estilo), tipos de ferramentas encontradas nas escavações arqueológicas e suposições evolucionárias mais antigas (do caçador-coletor ao pastor, do agricultor ao morador urbano). Todas estes são improváveis e contrariadas pelas Escrituras.

A Bíblia diz-nos que Adão era agricultor, assim como Caim, e que Abel era pastor. Caim construiu uma cidade, e seus filhos construíram instrumentos musicais e forjaram ferro e bronze. Ao contrário do dogma da antropologia evolucionária, não havia um intervalo de mil ou dez mil anos entre ferramentas de pedra, bronze e ferro. No entanto, diferentes grupos de pessoas que se dispersaram de Babel teriam níveis variados de conhecimento tecnológico entre eles. Alguns teriam conhecimento de mineração de minério e fundição/forjamento; outros não. Além disso, as condições ambientais podem ter ditado se um grupo de pessoas era composto por agricultores, caçadores (por exemplo, pessoas no norte da Europa durante a Idade do Gelo) ou pastores/pastores. O local também teria afetado o estilo de vida e influenciado a tecnologia, pois aqueles que ficavam perto de oceanos e lagos provavelmente seriam pescadores e desenvolveriam equipamentos de pesca, e aqueles do interior teriam desenvolvido lanças e arcos e flechas para caça de longa distância ou arados para agricultura.

Conclusão

Embora não tenha a intenção deliberada, este estudo encaixa-se muito bem com o relato bíblico da fome no tempo de José e está intimamente ligado aos dados paleoclimáticos (quando as datas de radiocarbono e radiométricas são ajustadas às escalas de tempo bíblicas), que mostra uma desertificação indo da Índia, Arábia Saudita , e norte da África. Todos esses países (e o resto da região do Mediterrâneo e do Oriente Médio) quase certamente vieram ao Egito em busca de grãos. A fome de José também faz mais sentido nos eventos geopolíticos que teriam acontecido antes, pois a seca causou desertificação e quebra de safra; também teria afetado as pastagens, levando as pessoas a ganhar a vida – mas como as condições pioraram por um período prolongado, as pessoas acabariam por tomar a decisão de migrar para o Egito ou, se local (sul de Canaã), seguir para o sul e comprar grão.

Embora devamos ser cautelosos ao vincular eventos climáticos históricos a passagens bíblicas específicas, o momento e a gravidade dessa megaseca parecem se alinhar muito de perto com a fome do tempo de José. E se esse é o caso (provável) aqui, mais uma vez vemos que a história mundial corrobora os verdadeiros relatos históricos nas Escrituras.

Artigo original por Troy Lacey em : https://answersingenesis.org/archaeology/evidence-seven-year-famine-joseph/

Notas de rodapé:

  1. Michael Marshall, “Did a Mega Drought Topple Empires 4,200 Years Ago?,” Nature 601 (January 26, 2022): 498–501, https://doi.org/10.1038/d41586-022-00157-9.
  2. “International Chronostratigraphic Chart,” International Commission on Stratigraphy, last modified February 2022, https://stratigraphy.org/ICSchart/ChronostratChart2022-02.pdf.
  3. Michael Marshall, “Did a Mega Drought Topple Empires 4,200 Years Ago?”
  4. Brown, Driver, Briggs and Gesenius. “Hebrew Lexicon entry for ‘erets’”, The KJV Old Testament Hebrew Lexicon, Bible Study Tools, accessed May 6, 2022, https://www.biblestudytools.com/lexicons/hebrew/kjv/erets.html.
  5. Michael Marshall, “Did a Mega Drought Topple Empires 4,200 Years Ago?”
  6. Ibid.
  7. “Were Ancient Arabs of Saudi Arabia Victims of Climate Change?,” India Narrative, Daily Hunt, accessed May 6, 2022, https://m.dailyhunt.in/news/india/english/indianarrative-epaper-dh0b3393acc3324eb4949737319aeb20e3/were+ancient+arabs+of+saudi+arabia+victims+of+climate+change-newsid-n276694034.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: