Quais são as leis da termodinâmica e como elas confirmam a criação bíblica?

Introdução

Enquanto a terra permanecer, a sementeira e a colheita, o frio e o calor, o verão e o inverno, o dia e a noite, não cessarão. (Génesis 8:22)

Hoje, muitas pessoas (até mesmo cristãos) acreditam que as leis científicas (ou seja, naturais) confirmam ideias como a evolução. Mas muitas vezes não paramos para fazer perguntas fundamentais, como porque essas leis existem, de onde vieram e como podemos entendê-las?

Muitas vezes tomamos essas questões como certas (como nossas pressuposições). Pense nisso: numa visão de mundo evolucionária/naturalista onde tudo no universo é puramente “matéria em movimento” e apenas um acidente do big bang, porque o universo físico deveria obedecer a princípios ordenados em vez de puro caos? E por que dependemos dessas leis, independentemente da hora ou do local? Em outras palavras, porque presumimos que as leis da natureza funcionarão no futuro como funcionaram no passado?

Em geral, as pessoas em nossa cultura hoje simplesmente tomam essa uniformidade como certa, o que é necessário para que a ciência funcione. No entanto, só é possível explicar a uniformidade em uma cosmovisão bíblica. Deus (o eterno legislador) promete sustentar/manter todas as coisas de uma maneira lógica (Génesis 8:22) e faz com que elas existam somente por sua vontade.

A lógica de Deus é construída no universo. E é por isso que o universo obedece consistentemente às leis naturais e não é simplesmente aleatório ou caótico. E Ele nos deu sentidos confiáveis (Génesis 1:26; Eclesiastes 7:7; Isaías 1:18; Hebreus 5:14) para descobrir e entender essas leis naturais. É isso que torna a ciência observável, testável e repetível. Sem Deus, a ciência seria impossível.

Agora, isso nos leva às leis da termodinâmica. Vamos ficar um pouco “científicos” aqui, mas não se preocupe! Isso é para ajudar a mostrar como nosso Deus é incrível quando se trata das leis da ciência.

Visão geral

Leis naturais, como as leis da termodinâmica, são os vários nomes que damos à maneira como Deus sustenta o universo:

Há muito tempo, muitas vezes e de muitas maneiras, Deus falou a nossos pais pelos profetas, mas nestes últimos dias ele nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, por quem também criou o mundo. Ele é o resplendor da glória de Deus e a impressão exata de sua natureza, e sustenta o universo pela palavra de seu poder. (Hebreus 1:1-3)

Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele.E ele é antes de todas as coisas, e nele todas as coisas subsistem. (Colossenses 1:16-17)

As leis da termodinâmica estão entre algumas das leis mais fundamentais do universo, criadas por Deus, às quais todas as coisas devem aderir. Em poucas palavras, essas leis descrevem as relações entre várias formas de energia e como elas afetam a matéria. No entanto, como qualquer outra lei natural, o fundamento dessas leis depende do princípio de uniformidade na natureza (o universo sendo sustentado de maneira consistente) e, finalmente, da perfeita vontade de Deus.

E, por favor, note que essa uniformidade não deve ser confundida com uniformitarismo (um conceito anti-bíblico de datação que deve ser rejeitado). Neste artigo, examinaremos cada uma das quatro leis da termodinâmica e mostraremos que essas leis existem e são confiáveis por causa da criação bíblica.

A Lei Zero e a Primeira Lei da Termodinâmica

A lei zero (às vezes chamada de “quarta lei”, uma vez que foi reconhecida depois que as outras três leis foram aceites) é a mais fundamental das quatro leis da termodinâmica. Essa lei é fundamental para a termodinâmica, pois estabelece os conceitos de temperatura e equilíbrio térmico. Em resumo, esta lei forma a base para a temperatura e define o equilíbrio termodinâmico como associativo, onde se dois sistemas estão em equilíbrio com um terceiro sistema, então eles estão em equilíbrio um com o outro. Parece quase básico demais, mas, no entanto, é vitalmente essencial.

Da mesma forma, a primeira lei afirma que quando a energia entra ou sai de um “sistema” (como trabalho, calor ou matéria), a energia interna do sistema muda de acordo com a lei da conservação da energia. Em outras palavras, matéria e energia não podem ser criadas nem destruídas, mas somente podem ser convertidas uma na outra num sistema isolado ou fechado. Isso significa que nunca pode haver um aumento ou diminuição na energia total que existe no universo – um sistema fechado.

A famosa equação de Albert Einstein mostra a relação entre matéria e energia: E = mc2 (onde c = velocidade da luz). Esta lei forma a base para a ciência observacional (por exemplo, enviar foguetes para o espaço ou homens para a lua).

Um exemplo simples e divertido desse princípio é o processo termodinâmico de comer marshmallows assados ​​numa fogueira:

  1. O sol produz energia na forma de calor e luz que viaja para a terra.
  2. As árvores recebem essa energia solar e usam a fotossíntese para convertê-la em madeira (matéria).
  3. Sua fogueira converte a madeira (matéria) de volta em energia (na forma de calor e luz).
  4. O calor (energia) do fogo é transferido para o marshmallow assado (matéria).
  5. Seu corpo converte o marshmallow (matéria) em energia metabólica (calorias) quando digerido.

Este exemplo (muito simplificado) demonstra que a energia total neste cenário permaneceu constante (ou seja, a energia só foi transformada de uma forma para outra).

Então, pode-se perguntar se a matéria/energia não é criada nem destruída, então de onde veio a matéria/energia total (ou qualquer) no universo e porque ela permaneceu constante conforme definido por essas leis? Se alguém eleva seus próprios pensamentos para substituir Deus e sua Palavra e assim se recusa a acreditar na verdade de que Deus criou tudo e continua a sustentar o universo por seu poder, então só restam duas opções:

1.Tudo sempre existiu (e, portanto, o universo é eterno) e continuará por toda a eternidade.

2. Tudo originalmente veio do nada, por nada (por exemplo, o big bang), e continua a existir por processos não guiados.

A opção 1 é obviamente auto-refutável e, em geral, muitos cientistas seculares também concordam,1 já que isso violaria as próprias leis da termodinâmica (entre uma série de outros problemas). A opção 2 também é claramente falsa, pois é inconsistente e cientificamente impossível que nada crie tudo. Além disso, essa opção tornaria a uniformidade na natureza não confiável, que é exatamente o que é necessário para que a ciência funcione. Mais uma vez, observe a inconsistência.

A cosmovisão bíblica é a opção coerente, pois as leis de conservação só fazem sentido com a Bíblia, que afirma que Deus é o Legislador absoluto, tanto moral quanto cientificamente, e é somente por sua vontade que todas as coisas se mantêm de acordo com sua vontade e poder (Jó 42:1–2; Hebreus 1:3; Colossenses 1:16–17; Judas 1:25). É por isso que a lei zero e a primeira lei são universais, invariantes (não mudam com o tempo) e funcionam em todos os lugares do universo físico.

Desde o início da Bíblia, podemos ver que Deus criou a matéria (céus/terra) e energia (luz) logo na criação:

No princípio, Deus criou os céus e a terra.A terra era sem forma e vazia, e as trevas cobriam a face do abismo.E o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.E Deus disse: “Haja luz”, e houve luz. (Gênesis 1:1-3)

E essa matéria/energia não está foi mais criada desde que Deus declarou que estava acabado e feito:2

Assim foram terminados os céus e a terra, e todo o exército deles.E no sétimo dia Deus terminou sua obra que havia feito, e no sétimo dia descansou de toda a sua obra que havia feito.Então Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, porque nele Deus descansou de toda a sua obra que havia feito na criação. (Gênesis 2:1–3)

Assim, com base apenas nas Escrituras, podemos ter plena certeza de que a matéria/energia não pode ser criada ou destruída. E Deus não pode mentir (Números 23:19) para que possamos confiar em Deus quando Ele promete sustentar tudo no universo pela palavra de seu poder (tornando assim a ciência observável e repetível).

Isso é claramente algo que o ateísmo naturalista/materialista não pode apoiar. Em última análise, o ateu dentro de sua visão de mundo nunca pode ter qualquer certeza de que as leis de conservação não mudarão (ou ainda existirão) no futuro. Na realidade, eles devem emprestar conceitos como a uniformidade na natureza da cosmovisão bíblica para até mesmo usar a ciência! Isso prova que o “ateu” é bastante auto-enganado e realmente conhece a Deus em seu “coração insensato”, mas se recusa a dar glória a Deus (Romanos 1:21).

A Segunda e a Terceira Lei da Termodinâmica

Em seguida, a segunda e a terceira leis da termodinâmica envolvem um conceito chamado entropia (basicamente uma medida de desordem). A segunda lei afirma que num sistema isolado a soma das entropias dos sistemas termodinâmicos em interação nunca diminui e, portanto, o calor não passa espontaneamente de um corpo mais frio para um corpo mais quente. É por isso que quando minha esposa fria se aconchega ao meu lado, ela não fica com mais frio, e eu fico mais quente, mas fico com mais frio e ela fica mais quente!

A terceira lei afirma que a entropia de um sistema se aproxima de um valor constante à medida que a temperatura se aproxima do zero absoluto (o limite mais baixo da temperatura).

Essas leis diferem das duas primeiras porque, embora a energia seja conservada, ela se torna menos útil ao longo do tempo, o que à primeira vista pode parecer uma contradição se extrapolarmos ambas para o passado. Mas porque vivemos num universo criado por Deus que é transcendente sobre a criação, não há contradição e, portanto, podemos ter ambos os conjuntos de leis operando simultaneamente hoje. Este não é um problema para um Deus todo-poderoso, mas apresenta ainda outro grande problema para a cosmovisão naturalista.

Consequentemente, uma vez que a entropia de um sistema isolado nunca diminui, isso significa que o universo (como um todo) está continuamente “decaindo” e movendo-se da ordem para a desordem. Então, como você deve ter adivinhado, o conceito de entropia tem sido usado em debates há algum tempo (e continua sendo debatido) na arena da evolução/criação. Isso porque leva à discussão de como os seres não vivos deram origem aos seres vivos, o que exige um aumento da ordem e, especificamente, da complexidade das informações.

Aberto para Resgate?

Isso também lança dúvidas sobre o desenvolvimento da vida ao longo do tempo, que envolve o aumento da ordem exigida pela evolução biológica. No entanto, como acontece com qualquer evidência científica que seja contrária à visão de mundo naturalista, o evolucionista/naturalista normalmente apresenta um “dispositivo de resgate” (uma “desculpa” não verificável para contrariar o argumento) para salvá-los.

Nesse caso, o evolucionista afirmará que a Terra é um sistema aberto, uma vez que os seres vivos estão continuamente trocando energia e matéria com seus arredores (por exemplo, recebendo energia do sol). Isso é tecnicamente verdade, mas apenas apelar para um sistema aberto não é suficiente para contradizer a segunda e a terceira lei. Essencialmente, é necessária uma grande quantidade de “acenar com as mãos” para harmonizar os supostos aumentos da complexidade biológica da evolução com a termodinâmica.

Mas o verdadeiro impulso para a visão de mundo naturalista, como afirmado anteriormente, é de onde veio a ordem e a energia do universo em primeiro lugar? Aqueles na comunidade evolucionária geralmente falharam em apresentar um argumento razoável que não desafia a termodinâmica. Um livro de termodinâmica secular disse uma vez nas observações finais sobre a entropia e a segunda lei que,

No entanto, vemos a segunda lei da termodinâmica como uma descrição do trabalho anterior e contínuo de um criador, que também detém a resposta para nosso destino futuro e o do universo.3

Esclarecendo um equívoco: a segunda lei da termodinâmica começou com a queda do homem?

No entanto, é importante notar que nem todos os aspectos da entropia são necessariamente “ruins”. Este é um equívoco comum que muitos cristãos desenvolveram, o que os leva a (incorretamente) assumir que a segunda e a terceira lei não começaram até depois da Queda (Génesis 3), quando toda a criação foi amaldiçoada como resultado do pecado entrar no mundo.

Existem muitos propósitos “bons” que Deus criou com entropia antes da queda, como a capacidade de digerir alimentos, que permite que os alimentos sejam decompostos em energia e forneçam crescimento ao nosso corpo. Isso era obviamente necessário para Adão e Eva antes da queda, quando eles foram ordenados a comer das plantas do jardim do Éden. Outros exemplos incluem o processo de respirar ar (passando de alta para baixa pressão) e o aquecimento da terra pelo sol, que é um processo que ocorreu no quarto dia da semana da criação (Gênesis 1:14-19), obviamente antes da queda.

Como resultado da queda, Deus nos deu um gostinho de como era a vida sem Ele. Embora Ele ainda sustente todas as coisas, Ele agora não o mantém em um estado perfeito porque estamos vivendo num mundo amaldiçoado cheio de pecado (Romanos 8:22).

Considere a experiência dos israelitas vagando no deserto por 40 anos: Deus os sustentou de forma confiável para que suas roupas e sapatos nunca se desgastassem e seus pés nunca inchassem (Deuteronómio 8:4). Isso não é um problema para um Deus todo-poderoso, que criou o universo simplesmente trazendo tudo à existência. No final, esperamos o dia em que os céus e a terra serão restaurados ao seu estado original perfeito (Génesis 1:31; 2 Pedro 3:13). Por outro lado, numa visão de mundo sem Deus, o universo se deteriorará continuamente e inevitavelmente se reduzirá à escuridão total sem energia utilizável no futuro.

Conclusão

A conclusão é que as leis da termodinâmica, como outras leis da natureza, são consistentes com a criação bíblica (pelo Deus Triúno da Bíblia) e realmente apresentam sérios problemas para uma visão de mundo evolucionária/naturalista (Salmo 14:1). Nessa visão de mundo, para onde as leis da termodinâmica levam no futuro? Nada além de uma morte fria e sem esperança.

Mas a boa notícia é que há esperança, e ela é encontrada no Senhor Jesus Cristo: o Criador (João 1:3), Sustentador (Hebreus 1:3) e Redentor (2 Coríntios 5:19) deste universo. Coloque sua esperança Naquele que viveu a vida perfeita do berço à cruz até o túmulo. No entanto, todos nós somos concebidos em pecado e pecaminosos pela natureza decaída contra nosso Santo Criador (Romanos 3:10-12).

Se você já mentiu, roubou, usou o nome de Deus em vão, guardou luxúria ou raiva em seu coração, então você é culpado de quebrar a lei moral de Deus (Êxodo 20:3-17). E porque Deus é o justo Juiz deste universo (Salmo 89:14), Ele deve punir os infratores da lei, e o salário do pecado é a morte (Romanos 6:23).

Mas Deus Pai, sendo rico em misericórdia (Efésios 2:4) enviou seu Filho unigênito para habitar entre nós (João 1:14), totalmente homem, totalmente Deus (Colossenses 1:19), e sem pecado. Ele viveu a vida perfeita em favor dos pecadores culpados (2 Coríntios 5:21). Ele voluntariamente sofreu e morreu em uma cruz romana, que foi um castigo que Ele não merecia. Foi a punição que todo ser humano merece pelos nossos pecados contra o nosso santo e justo Deus Criador (1 Pedro 2:24).

Jesus foi sepultado, mas ressuscitou três dias depois, vencendo a sepultura exatamente como disse que faria (João 2:19). Ele está vivo e reinando hoje à destra de Deus Pai. O chamado do evangelho é arrepender-se (afastar-se de seus pecados) e crer nestas boas novas de Cristo e ser salvo da ira de Deus vindoura (Romanos 5:9). Nenhum de nós sabe quando vamos morrer, então esta é uma mensagem sensível ao tempo. Volte-se para Cristo para a vida hoje e dê glória àquele que mantém todas as coisas juntas pelo Seu poder!

Artigo original por Rob Webb em : https://answersingenesis.org/physics/laws-thermodynamics-biblical-creation/

Notas de rodapé:

  1. While many scientists still hold to the big bang, we’ve lately been seeing an increasing rejection of it, and even a reversion to an eternal universe (usually by means of the multiverse or a cyclical bang/bounce/crunch).
  2. Of course, God can work miracles in accordance or beyond the means by which He normally upholds the universe in specific instances in accordance with His own will as He is above the laws of the universe.
  3. Gordon Van Wylen, Richard Sonntag, and Claus Borgnakke, Fundamentals of Classical Thermodynamics (New York: John Wiley and Sons, Inc., 1994), 272.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: