O que é uma mulher? E se não sabemos, o que há para comemorar?

O presidente Joe Biden nomeou a juiz Ketanji Brown Jackson para substituir o juiz Stephen Breyer na Suprema Corte dos Estados Unidos. Se confirmada, ela será a primeira mulher “negra” a servir na Suprema Corte. É irónico que ela não consiga definir o que é uma mulher: durante sua audiência de confirmação, a senadora do Tennessee, Marsha Blackburn, perguntou-lhe: “Você pode fornecer uma definição para a palavra mulher?” Jackson respondeu: “Não posso”. Quando Blackburn ecoou incrédula: “Você não consegue?” Jackson disse: “Não neste contexto; Não sou bióloga.”1

O Merriam-Webster tem, até a data da redação deste artigo, a definição primária de mulher como “uma pessoa adulta do sexo feminino”. O Oxford English Dictionary tem a definição como “um ser humano feminino adulto”, assim como o Cambridge Dictionary. Todos os dicionários de inglês têm uma definição semelhante da palavra mulher e, até muito recentemente, todos em todos os lugares entendiam que homens e mulheres são os dois sexos biológicos que compõem a humanidade. Desde os tempos antigos, é simplesmente assumido que uma pessoa é um homem ou uma mulher. Há pessoas que podem ficar à margem dessas categorias, como aquelas nascidas com anormalidades de desenvolvimento ou cromossómicas, mas ainda se entende que as duas categorias padrão de humano são “masculino” e “feminino”, e essas categorias são determinadas biologicamente.

Na nossa sociedade, temos uma definição bastante clara do que significa “negro”, ou afro-americano. Alguns anos atrás, quando Rachel Dolezal foi exposta por se passar por uma mulher “negra” apesar de ter herança europeia, ela enfrentou indignação e até ridículo, apesar de afirmar que se identificava como uma mulher “negra”. Mas a “raça” é claramente menos delineada biologicamente do que o sexo biológico, e a delineação entre uma mulher “negra” e uma mulher “branca” é arbitrária.

Qual é a diferença?

As diferenças biológicas entre homens e mulheres vão muito além do sistema reprodutivo e das características sexuais secundárias. Os ossos das mulheres são, em média, menos densos do que os dos homens.2 As mulheres têm menos músculos e mais gordura em seus corpos.3 Pesquisas sugerem que as mulheres têm melhores habilidades de linguagem4 e os homens são melhores em alguns tipos de matemática,5 embora parte disso tenha sido atribuído a diferenças na função cerebral, estilos de aprendizagem e talvez expectativas culturais. (E embora isso possa ser verdade a nível populacional, não diz nada sobre as habilidades relativas de qualquer homem ou mulher em particular). A biologia das mulheres é tão diferente da dos homens que os médicos agora estão até a perceber que têm sintomas distintos de ataque cardíacos6 e às vezes têm reações diferentes à medicação.7A expectativa de vida das mulheres é, em média, alguns anos mais longa que a dos homens.8 Que os sexos sejam diferentes em relação a seus corpos, seus interesses, habilidades e até mesmo suas necessidades médicas não deveria ser surpresa, nem deveria ser motivo de orgulho para os de ambos os sexos.

Mas tudo isso não vem ao caso. A juiz Jackson sabe muito bem o que é uma mulher, tanto intelectualmente quanto experimentalmente. Ela é mulher, esposa e mãe de duas filhas. Ela é inteligente o suficiente para ser nomeada para a Suprema Corte, então porque ela não poderia dar a definição de mulher no dicionário? A resposta é simples: o lobby das chamadas “mulheres trans”, que são na verdade homens que às vezes tomam medidas extraordinárias para aparecer como mulheres ou para acessar seus papéis e lugares, atacam violentamente qualquer mulher que ouse insistir que as mulheres são exclusivamente mulheres biológicas e devem ser reconhecido como tal, pelo menos em determinados momentos. Jackson não pode arriscar perder um único voto com a recusa de dar ao lobby trans sua pitada de incenso.

O que está em jogo?

Mas quando nos recusamos a definir o que é uma mulher, são as mulheres que sofrem. Não apenas há problemas de segurança com homens que se declaram “trans” com intenção nefasta de obter acesso a lugares seguros para mulheres/meninas, mas desportos femininos e prémios por coisas como bolsas de estudo também estão em risco. Atualmente, a nadadora “Lia” Thomas, que nadou na equipe masculina em 2017 antes da “transição” em 2019, está no noticiário depois de roubar o campeonato nacional feminino da NCAA Division I da atual vencedora feminina, Emma Weyant. O USA Today declarou Rachel Levine, outra “mulher” trans, como “Mulher do Ano”. Recentemente em jeopardy! uma “mulher” trans foi reivindicada como a campeã feminina mais bem-sucedida (tirando Julia Collins, uma mulher biológica, dessa posição). Não só um homem pode ser uma mulher, mas as regras devem mudar para que sejam as melhores mulheres!

Deus criou a humanidade como macho e fêmea, ambos à sua imagem. Portanto, não é de surpreender que as pessoas que odeiam a Deus queiram atacar como Ele nos criou e tentar subverter e rebaixar as categorias mais fundamentais da humanidade. Provavelmente, Jackson será a primeira mulher “negra” confirmada na Suprema Corte. Mas se não podemos nem definir o que é uma mulher, há algo distinto para celebrar?

Artigo original por Liz Abrams em : https://answersingenesis.org/family/gender/what-is-woman/

Notas de rodapé:

  1. Kyle Smith, “The Takeaway from KJB: She Can’t Define a Woman,” March 23, 2022, https://www.nationalreview.com/corner/the-takeaway-from-kbj-she-cant-define-a-woman/.
  2. Khaled A. Alswat, “Gender Disparities in Osteoporosis,” Journal of Clinical Medicine Research 9 no. 5 (April 1, 2017):382–387, https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5380170/#:~:text=In%20summary%2C%20males%20tend%20to,because%20of%20the%20bone%20size.
  3. Lisa Maloney, “Amount of Muscle Mass in Men Versus Women,” October 18, 2019, https://www.livestrong.com/article/246036-how-much-more-muscle-mass-does-a-male-have-than-a-female/.
  4. Nikhil Swaminathan, “Girl Talk: Are Women Really Better at Language?” March 5, 2008, https://www.scientificamerican.com/article/are-women-really-better-with-language/.
  5. Colleen Ganley, “Are Boys Better Than Girls at Math?” August 14, 2018, https://www.scientificamerican.com/article/are-boys-better-than-girls-at-math/.
  6. Heather Grey, “The Symptoms of a Heart Attack Look Different for Men and Women,” January 31, 2022, https://www.healthline.com/health/heart-health/the-symtpoms-of-a-heart-attack-look-different-for-men-and-women.
  7. Heather P. Whitley and Wesley Lindsey, “Sex-Based Differences in Drug Activity,” American Family Physician 80 no. 11 (December 2009):1254–1258, https://www.aafp.org/afp/2009/1201/p1254.html#:~:text=Pharmacodynamic%20differences%20in%20women%20include,experience%20an%20adverse%20drug%20reaction.
  8. Robert H. Shmerling, “Why Men Often Die Earlier Than Women,” June 22, 2020 https://www.health.harvard.edu/blog/why-men-often-die-earlier-than-women-201602199137.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: